Arquitectura, Design, Arte e Estilo de Vida
Este é o seu magazine especializado em Arquitectura, Design, Arte e Estilo de Vida como complementos da Decoração de Espaços. Aqui revelaremos as tendências nacionais e internacionais que vão marcando o segmento e que concerteza lhe servirão de inspiração. Com os nossos conteúdos compartilhamos histórias fascinantes e reveladoras, a fim de envolver verdadeiramente os nossos leitores com os projetos, os lugares e as pessoas que publicamos, de forma intima e familiar.
Que tipos de aquecimento existem e quais as características de cada um?
sexta, 08 de outubro de 2021

Sabia que o aquecimento da casa é considerado pela União Europeia um indicador básico para caracterizar o bem-estar das famílias? Infelizmente, Portugal tem muitos problemas (do foro económico, cultural e no que respeita à própria estrutura dos edifícios, nomeadamente dos antigos) no que toca ao adequado aquecimento das casas.

Porém, conhecermos os sistemas de aquecimento disponíveis e sabermos que vantagens e desvantagens estão associadas a cada um deles é fundamental para fazermos a escolha apropriada para as nossas casas, necessidades e, claro está, orçamento.

Por outro lado, é crucial perceber que o desempenho do sistema de aquecimento não está dissociado da existência de um bom isolamento térmico e de componentes adequados como, por exemplo, caixilharias/janelas, portas, telhados, entre outros. De nada lhe serve ter um sistema de aquecimento de ponta, se o calor gerado se evade do interior da casa. Este é um problema comum e o motivo pelo qual se gasta tanto dinheiro em aquecimento.

Hoje, escrevemos-lhe sobre oito formas de aquecimento, dando-lhe a conhecer os prós e os contras de cada uma delas.

Leia com atenção, tome nota e não hesite em contactar vários fornecedores para receber aconselhamento profissional.

1. Quais os tipos de aquecimento disponíveis?

O artigo de hoje abrange os tipos de aquecimento mais populares:

  • O ar-condicionado;
  • O piso radiante;
  • A salamandra;
  • O recuperador de calor;
  • Os radiadores;
  • Os aquecedores eléctricos;
  • As estufas a gás;
  • Aquecedores a óleo;

2. Ar-condicionado

O funcionamento do ar-condicionado sustenta-se num sistema de troca, isto é, absorve a energia de um local e liberta-a noutro.

Prós:

  • Há modelos de AC que arrefecem e aquecem, o que significa que os pode usar ao longo de todo o ano;
  • Desumidificam e purificam o ar;
  • Alguns modelos possuem função antialérgica;
  • Não são dispendiosos. O termostato no interior, ao detectar a temperatura seleccionada, reduz em até 25% o consumo de energia, ou seja, faz uma auto-regulação automática;
  • São mais seguros do que os aparelhos que envolvem combustão.

Contras:

  • Se não forem correctamente mantidos, contaminam o ambiente. Os filtros de ar sujo contêm fungos e bactérias, o que significa que o ar, ao passar por eles, introduz milhões de microrganismos em casa, podendo originar problemas respiratórios e irritação dos olhos.

3. Piso radiante

Trata-se de um tipo de piso climatizado que utiliza sistemas modernos de aquecimento por resistência eléctrica ou fluidos em tubulações (sistemas hidráulicos para aquecer o piso).

Prós:

  • É seguro;
  • Tem uma garantia vitalícia;
  • Termostato manual, via wi-fi (pode-se ligar ou desligar remotamente) e temporizador;
  • Proporcionam economia média de 15% nas facturas de aquecimento, graças à eficiência da performance.

Contras:

  • Custo de instalação avultado e gastos adicionais. Se for instalado sobre um piso pré-existente, as portas têm que ser ajustadas. Em caso de instalação à altura da laje, são atribuídos custos da remoção do piso antigo;
  • Requer uma altura mínima de profundidade do chão para que a instalação seja possível;
  • Tempo de instalação mais extenso por oposição a outros sistemas.

4. Salamandra

A salamandra tem o poder de tornar os ambientes extremamente aconchegantes, para além de serem muito interessantes do ponto de vista decorativo. Trata-se de uma excepcional opção de aquecimento, com alto grau de eficiência e poder calorífico que produz uma chama estável e duradoura.

Prós:

  • Instalação rápida, fácil e segura;
  • Enaltecem a decoração;
  • São duráveis: as mais económicas podem atingir 5 anos de uso e as mais elaboradas podem chegar aos 50 anos;
  • Possuem uma utilização económica, uma vez que os custos de pellets e lenha são cerca de duas vezes inferiores aos da electricidade e gás, para além de terem um rendimento de 60% a 80% de recuperação de calor.

Contras:

  • Carece da instalação de uma chaminé e é importante que haja todos os cuidados para que a abertura da mesma não cause infiltrações;
  • O cheiro característico pode impregnar-se na casa e nas roupas, embora seja muito menos intenso do que nas lareiras abertas;
  • Deve ser higienizada com frequência;
  • Requer muito cuidado de manuseio.

5. Recuperador de calor

O recuperador é o concorrente directo da salamandra. Considerado como uma evolução das lareiras tradicionais, trata-se de uma caixa fechada composta por aço/ferro fundido e vidro térmico. Pode ser instalado em gesso cartonado ou numa estrutura pré-existente de lareira.

Prós:

  • Versátil (compatível com gás natural, propano, lenha, pellets, carvão e electricidade);
  • Controlo de oxigénio, o que garante calor utilizando menos recursos (80% de rendimento);
  • Não requer chaminé;
  • É decorativo;
  • Pode ter duas frentes (via dupla), ou seja, estar virado para dois ambientes ao mesmo tempo;
  • Manutenção anual.

Contra:

  • Preço do equipamento e respectiva instalação;
  • Não precisa de chaminé, mas precisa de uma entrada de ar frio vinda do exterior;
  • Exige cuidado de manuseio.

6. Radiadores

O radiador é um dispositivo usado para a troca de calor entre o ar atmosférico e outra substância (normalmente, um líquido de arrefecimento) contida num sistema fechado. Foi um sistema muito utilizado em edifícios dos anos '70 e '80, existindo, hoje em dia, modelos muito interessantes que satisfazem todos os gostos e necessidades.

Prós:

  • A grande inércia térmica permite que se conserve o calor durante muito tempo;
  • São altamente duráveis e resistentes;
  • São comercializados com opção de alimentação à electricidade, gás ou hidráulica;
  • São relativamente económicos.

Contras:

  • Preço de aquisição elevado;
  • Carecem de um sistema de aquecimento central, ou seja, não são autónomos;
  • Necessitam de ser instalados;
  • Não disseminam calor por uma grande área;
  • Demoram a atingir a temperatura desejada.

7. Aquecedores eléctricos

São úteis para pequenas áreas e um bom complemento a outras fontes de calor e não como fonte principal.

Prós:

  • Disponíveis a preços muito acessíveis;
  • Mobilidade;
  • Dispensam instalação;
  • Aquecem rapidamente;

Contras:

  • Alto gasto de electricidade;
  • Consomem oxigénio, o que pode gerar uma sensação de mal-estar após uso prolongado;

8. Estufas a gás

As estufas a gás devem ser utilizadas em espaços amplos e bastante abertos como casas com boa ventilação e subsequente circulação de ar.

Prós:

  • Bom valor de compra (batidos apenas pelos aquecedores eléctricos);
  • Não precisam de ser instalados;
  • Aquecem rapidamente o ambiente;
  • A fonte de calor (gás butano) possui baixo custo, o que é uma vantagem em relação aos aquecedores eléctricos;
  • Possuem um sistema inteligente de termostato.

Contras:

  • São pesados;
  • Devem ser vigiados para que não haja fugas de gás;
  • Consomem oxigénio e libertam CO2;
  • Requerem uma entrada de ar frio vinda do exterior.

9. Aquecedores a óleo

O óleo interior deste equipamento (que vem de origem e não precisa de ser reposto) é aquecido por uma resistência eléctrica, gerando o calor que é libertado pelo aparelho.

Prós:

  • Ruído praticamente inexistente;
  • Dispensam instalação;
  • São móveis;
  • Como são a óleo, permitem que o ar fique aquecido por mais tempo.

Contras:

  • Demoram mais a aquecer e gastam mais energia;
  • Há usuários que reportam um cheiro característico;
  • São próprios apenas para pequenas áreas (um equipamento para uma divisão).
Marsala: Tudo Sobre a Cor e Ideias para Decorar
sexta, 01 de outubro de 2021

A cor Marsala foi selecionada como a cor do ano de 2015, pelos especialistas do Panton Color Institute – Marsala Pantone.

Todos os anos, desde 2000, o Pantone Institute (empresa americana responsável pelo sistema de cores utilizado pela indústria do mundo todo) elege a cor da tendência do ano. Em 2013, por exemplo, foi Emerald Green, em 2014 – Radiant Orchid (um tom claro de lilás). Para 2021 temos o Ultimate gray e Illuminating.

Desde então, a cor marsala tem dado cartas nos mundos da moda e da decoração.

Sabia que o nome marsala vem de uma cidade italiana, que se encontra na região da Sicília e que é muito famosa pelos seus vinhos, que também tem o nome de vinho marsala. Mas curiosamente, o marsala não é uma tonalidade de cor de vinho. A cor marsala encontra-se entre as cores: rosa velho e terracota. É uma cor muito versátil, já que é possível combiná-la como imensas cores, desde o azul turquesa ao bege ou ao verde.

Hoje, queremos apresentar-lhe várias ideias de design de interiores em Marsala (vermelho marsala) e todos os seus tons semelhantes, de modo a inspirá-lo na sua decoração. Este pode ser aquele incentivo para mudar as cores da sua casa, para lhe dar um novo ar!

Vamos a isso? Então, siga-nos e confira a marsala paleta!

1. Por que gostamos da cor Marsala?

O marsala é uma cor forte, com carácter e impacto, atrai facilmente toda a atenção, sem muitos esforços, ou seja, só precisa de alguns apontamentos na sua decoração, para ser imediatamente o centro das atenções.

Dizem que as cores influenciam o nosso bem-estar e a nossa forma de ser no dia-a-dia. Por isso e se gostar desta cor, saiba que o marsala será uma cor que transmite estabilidade, confiança e auto-estima. Enquanto que noutros casos, esta cor poderá provocar sedução, calor e mistério. Estes sentimentos advém do facto do marsala ser uma mistura de castanho e vermelho.

Por outro lado, o marsala é uma cor de requinte, sofisticação e bom gosto. Proporciona glamour e luxuosidade ao ambiente, mas sem sobrecarregar, sem ser banal. Pelo contrário, é uma cor original, com muito estilo e cheia de personalidade.

Em termos religiosos, a mistura de tons do marsala cria um grau de conexão. Não é por nada que o traje dos monges budistas é muito próximo do marsala.

2. Marsala na casa de banho, por que não?

Gostamos de vos mostrar que é possível ser original com pequenos detalhes e dar outra dinâmica a um espaço, que nem sempre nos lembramos de decorar: a casa de banho!

Aposte em itens decorativos fáceis de trocar, quando se cansar. Por exemplo, toalhas, tapetes, vasos e flores. Quando quiser ter outra cor tendência, é só trocar estes acessórios. Fácil, não é?

3. Pequenos apontamos com cor marsala

E por continuarmos na onda de pequenos detalhes, temos um exemplo de sala de estar, em que usaram uma vela de cor marsala. Toda a decoração do espaço é de cor diferente, mas é incrível, como uma simples vela marsala parece interligar todas as cores, aquecendo o ambiente de todas as maneiras! Por isso, não há razão para não apostar num ou outro detalhe decorativo, se gostar de marsala, mas quiser manter alguma sobriedade e neutralidade.

4. Móvel de madeira e cor marsala

É uma forma diferente de introduzir cor na decoração. A partir daí é combinar a sua decoração tendo em conta essa peça-chave e de grande destaque. É, sem dúvida, uma peça para toda a vida.

5. Decorar marsala nas paredes

Nas paredes, a cor marsala aquece suavemente o interior. Prefira uma tinta fosca e aplique-a apenas numa parte da parede e não em todas as paredes da sala, por exemplo. Ao pintar apenas uma parede já estará a criar um toque original e aconchegante ao ambiente sem, por isso, escurecê-lo.

E se pintarmos uma parede do quarto numa tonalidade clara de marsala?

É uma forma original de decorar um quarto e torná-lo bem aconchegante.

6. Pintar um móvel

Em vez da parede pode pintar um móvel embutido, como uma estante ou mesmo uma peça de mobiliário na cor marsala. É uma forma diferente de trazer uma cor para dentro de um espaço e o custo é muito baixo. Além disso, é uma excelente solução para reaproveitar o que temos, dando vida a coisas mais velhas com um pouco de tinta marsala.

E pintar uma porta? Também é uma ideia original. Além disso, as camadas de pintura podem ser uma alternativa para reutilizar uma porta antiga.

7. Decorar o quarto infantil com marsala

Como já referimos as cores influenciam, por isso, é importante termos muito cuidado com as cores que escolhermos para decorar o quarto dos nossos filhos. É sempre preferível optar por um pano de fundo claro e/ou neutro. Contudo, para dar alguma dinâmica e vida ao quarto da criança podemos trazer algumas cores diferentes, como num tapete, por exemplo. Escolher um tapete mais escuro no quarto dos miúdos é mesmo uma boa opção, porque as crianças sujam tudo e assim, não irá ser tão visível.

8. Cores que combinam com marsala

Surpreendente mas não incompatível, o azul combinado ao marsala consegue criar uma decoração arrojada, elegante e ao mesmo tempo moderna.

Como vê, o marsala não combina só com cores neutras, pelo contrário, uma decoração moderna procura ser mais ousada e combinar cores mais fortes entre elas.

De facto, o marsala é super democrático e pode ser usado de uma forma muito ampla e criativa com diferentes opções de cores.

Uma combinação de branco e marsala cria ambientes elegantes e levemente ousados, em contrapartida, a composição entre o preto e o marsala transforma ambientes com imensa personalidade, mistério e glamour.

Se quiser combinar o marsala com o cinzento ou o bege também é seguro, nomeadamente se pretende uma decoração clássica e moderna.

O marsala enquadra-se na paleta cromática castanha, por isso, é muito fácil combiná-la com móveis e elementos em madeira, que irá proporcionar uma decoração muito aconchegante e acolhedora. Esta combinação pode perfeitamente criar espaços contemporâneos, sofisticados e mesmo rústicos.

Aconselhamos que avalie o efeito que pretende, até pode criar um moodboard, para ter uma ideia mais clara do resultado final.

Por fim, tenha em conta os materiais do seu espaço, fica bem com madeira, mas também o metal ou o vidro são excelentes opções.

Os materiais usados juntamente com o marsala também contam pontos na decoração, como é o caso da madeira. No entanto, o marsala não se limita a esse material, o tom pode ser mesclado com sucesso em peças de vidro e metal, por exemplo.

Não hesite em decorar a sua casa com a cor marsala, porque ela combina mesmo com todos os estilos, desde decorações clássicas, românticas, modernas, boho, rústicas e contemporâneas

9. Decorar o jardim com marsala

Depois de decorar o interior de casa com a cor marsala, pode arriscar e comprar alguns acessórios decorativos na cor marsala, para decorar o seu jardim. Fica bem acolhedor e visualmente bonito.

Esperamos que tenha gostado de voltar atrás no tempo e redescobrir este pantone 2015 – marsala.

Isolamento WallMate: Vantagens e Desvantagens do Poliestireno Extrudido
sexta, 24 de setembro de 2021

O isolamento térmico de paredes é fundamental para uma casa eficiente do ponto de vista energético e para não se incorrer em custos adicionais para controlar a temperatura no interior. Para além do isolamento das paredes, deve-se proceder ao isolamento dos tectos e dos pavimentos.

Um bom isolamento garante que os espaços se mantenham quentes no Inverno e frescos no Verão, providenciando conforto ao longo de todo o ano. O isolamento funciona como barreira entre o interior e o exterior, impedindo trocas de ar entre ambos. Os painéis de isolamento são, também, recomendados para assegurar a solidez e a força estrutural de um edifício. Além disso, têm propriedades de resistência ao fogo que atrasam a ignição e a propagação do mesmo, uma vantagem extremamente importante.

Hoje, dedicamos o nosso artigo ao poliestireno extrudido (WallMate), o material de isolamento mais popular de sempre, tanto para paredes como para os tectos e pisos. Venha saber tudo sobre ele.

Wallmate – o que é?

Comecemos por clarificar que WallMate e poliestireno extrudido são a mesma coisa. WallMate é o nome da marca e poliestireno extrudido é o nome do material. Não é incomum os materiais ficarem conhecidos pelos nomes das marcas que os fabricam e comercializam (acontece o mesmo com o gesso cartonado a que comummente nos referimos como Pladur).

WallMate pertence à gama de produtos Styrofoam e é uma placa de isolamento térmico para paredes com caixa de ar. Esta placa rígida de espuma de poliestireno extrudido possui uma estrutura de célula fechada e é comercializada em placas rígidas azuis e de forma rectangular com corte perimetral macho fêmea. A estrutura celular fechada proporciona-lhe um excelente desempenho face à absorção de água e como isolante térmico. Além disso, a rigidez da estrutura celular gerada pela homogeneidade das células é responsável por uma alta capacidade de resistência mecânica.

A espessura mais normal do WallMate é de 3cm ou 4cm.

Qual é a diferença entre WallMate, RoofMate e FloorMate?

A diferença está no nome: RoofMate (telhados); WallMate (paredes) e FloorMate (pavimentos). Ora vejamos:

WallMate: como referido, é uma placa de isolamento térmico para paredes com caixa-de-ar e pertence à gama Styrofoam.

RoofMate: pertence à mesma gama, mas é uma placa de isolamento térmico para coberturas inclinadas (para colocar debaixo da telha). Há placas RoofMate às quais se acrescentou, numa das faces, uma camada de argamassa modificada que apresenta 10mm de espessura.

FloorMate: são placas de isolamento térmico concebidas especificamente para o isolamento térmico de pavimentos. Cada produto FloorMate destina-se ao isolamento de pavimentos com diferentes condições de carga.

Quais são as principais vantagens do isolamento WallMate?

As principais vantagens do WallMate são as seguintes:

Resistência à compressão: a resistência à compressão diz respeito à capacidade de um produto para suportar cargas. As placas rígidas de espuma de poliestireno extrudido têm uma impressionante resistência à compressão, fruto da estrutura de célula fechada que caracteriza o material. Note-se que o produto está disponível com diferentes resistências à compressão de forma a dar resposta a aplicações distintas. A resistência à compressão média do XPS é de 300kPa, mas podem-se conseguir produtos com resistências de 500 e 700kPa.

Boa performance face à absorção de água: a estrutura celular fechada permite que a absorção de água por imersão total de longa duração seja abaixo dos 0.7%. A resistência à absorção de água é importante porque a água é um excelente condutor de calor. Neste caso, pouca água pode perpassar a estrutura das placas, o que permite ao WallMate providenciar uma resistência térmica constante. Mas o verdadeiro teste de um material de isolamento não é apenas a forma como resiste à humidade, mas sim a capacidade de libertar rapidamente a humidade que absorve. Chama-se a isto o “potencial de secagem” e é crítico para manter a resistência térmica de uma estrutura. 

Resistência ao gelo: a ausência de humidade garante que o material não congela, estando, por isso, apto a condições extremas.

Resistência a infecções fúngicas: é um material sintético que, por essa razão, não oferece as condições necessárias para que os fungos se alimentem e sobrevivam. Além disso, a resistência à água evita o surgimento de mofo e de outras bactérias.

Durabilidade: tratando-se de um material termoplástico, não apodrece nem se decompõe com a passagem do tempo, sendo também resistente aos microrganismos que existem no solo. A durabilidade do poliestireno extrudido é superior a 50 anos. ­

Inércia química: as placas de poliestireno extrudido resistem à maior parte dos ácidos, bases e soluções aquosas de sais e álcalis. Porém, solventes orgânicos como a acetona, os solventes clorados e os hidrocarbonetos aromáticos podem fazer com que a espuma se dissolva.

Sustentabilidade: a alta eficiência do WallMate faz dele uma escolha sustentável. Ao usar estas placas para isolar termicamente a sua casa, conseguirá reduzir a quantidade de energia necessária para manter a temperatura estável no interior e, subsequentemente, a necessidade de usar recursos naturais já esgotados. No mais, como a resina de poliestireno, um material termoplástico, é usada na manufactura destas placas, as placas podem ser derretidas e reutilizadas para produzir novo isolamento XPS. Esta é, actualmente, uma prática comum.

Forte, mas leve: apesar de forte, é um material extremamente leve. Se for usado na parte superior da estrutura, não pesa sobre a fundação.

Resistência ao fogo: o material incorpora ignífugos que fazem dele mais resistente ao fogo e o transformam num produto de Euroclasse E.

Quais são as principais desvantagens do isolamento WallMate?

Se as vantagens não superassem largamente as desvantagens, o poliestireno extrudido não seria tão popular. Porém, é oportuno saber os prós e contras deste material:

Material pouco amigo do ambiente: apesar do que acima referimos, plástico é sempre plástico, um material pouco amigo do ambiente. Mesmo que poroso, demorará muito mais a decompor-se do que outros materiais não-sintéticos.

Fraco do ponto de vista acústico: não tem uma óptima performance do ponto de vista acústico. Abafa apenas um pouco as ondas sonoras.

Sensível aos raios UV: danifica-se quando exposto directamente aos raios UV.

Baixa permeabilidade ao vapor: as casas isoladas com poliestireno extrudido devem ser muito ventiladas para que a condensação não se acumule nas paredes.

Estas desvantagens são facilmente contornáveis. O material continua a ser apelativo, apesar delas. O isolamento acústico não é um aspecto ao qual se preste muita atenção, a exposição aos raios UV só traz danos se for directa e a questão do vapor resolve-se com uma boa ventilação. O aspecto ambiental tenderá a ser o que levanta mais resistência, mas, por outro lado, o material é extremamente durável e cumpre, efectivamente, aquilo a que se propõe, evitando gastos energéticos adicionais para se manter a temperatura ambiente.

Aplicação de WallMate / Aplicação de poliestireno extrudido

O poliestireno extrudido tem utilizações variadas:

  • Cobertura inclinada, cobertura invertida e cobertura ajardinada;
  • Caixa de ar;
  • ETICS;
  • Fachada ventilada;
  • Pisos;
  • Em contexto industrial;

Poliestireno extrudido/Wallmate: espessuras e preço

Os preços das placas de poliestireno extrudido variam em função da espessura e, claro, da loja em que as comprar. Os valores que aqui lhe deixamos são, por isso, meramente orientativos. Os valores das placas de 20mm, 30mm e 40mm andarão entre os 3.20€ – 4.99€ por metro quadrado. No entanto, deve ver os preços em várias lojas para poder comparar e optar pela melhor oferta. É muito provável que encontre a preços mais baixos e, noutras lojas, a preços mais avultados.

Como instalar poliestireno extrudido?

A construção de uma casa e as intervenções estruturais que lhe digam respeito devem ser levadas a cabo por profissionais. Pode encontrar os melhores profissionais portugueses nas áreas da arquitectura, do design de interiores e da construção aqui mesmo na homify. Neste caso, aconselhamo-lo a consultar as secções: arquitectosconstrutoresmateriais de construção e escritórios de engenharia.

Entre em contacto com estes profissionais, aconselhe-se junto deles e analise, calmamente, os orçamentos que lhe forem apresentados para, deste modo, poder tomar uma decisão informada.

Roxo na Decoração: Formas Surpreendentes de Usar Tons de Roxo
domingo, 12 de setembro de 2021

Se há cor que não é consensual em decoração é o roxo… Se para muitos é sinónimo de espiritualidade e nobreza, para outros significa dor, tristeza e até luto.

Mas se há coisa que aprendemos com os nossos profissionais é que todos temos gostos diferentes e todas as cores têm lugar numa decoração, desde que seja do agrado dos cientes utilizadores do espaço.

O roxo é uma cor arrojada que se for bem utilizada, pode criar ambientes elegantes e muito interessantes.

E não precisa de se limitar ao roxo no seu tom mais comum! Há tantos tons de roxo que pode usar para criar graduações e esfumados cheios de mistério e sedução… Lilás, violeta, beringela. Não falamos de vegetais e plantas, mas sim de alguns dos muitos tons desta cor com que pode jogar para tornar os espaços visualmente mais impactantes!

Se o roxo é a sua cor de eleição e nunca vê nada de interessante nesse tom este é o seu dia. Venha connosco aprender um pouco mais sobre esta cor para que saiba utilizá-la com sucesso. Vai ver que com estas ideias vai deixar as suas visitas roxas de inveja!

1 – Uauu! Roxo na cozinha!

É verdade! Para os amantes do roxo começamos com um ambiente improvável para aplicar esta cor – a cozinha. Não é algo que se veja com frequência mas os nossos especialistas conseguem fazê-lo funcionar e claramente resulta.

Neste espaço usou-se o tom de roxo claro, mais delicado e suave e a sua cor foi ainda mais esbatida pela profusão de branco. As superfícies lisas e modernas contrastam com esta cor, normalmente associada a ambientes luxuosos, a veludos e a cetins, para criar uma atmosfera relaxante e aprazível.

2 – Lavanda para um quarto de inspiração campestre

Já lhe falámos das muitas tonalidades da cor roxo e aqui temos mais uma. A lavanda é uma planta com uma cor roxa vibrante e um aroma inconfundível, preferido desde sempre em perfumes e essências terapêuticas pelas suas propriedades relaxantes e calmantes.

3 – A força da cor violeta

O roxo resulta da mistura entre as cores vermelha e azul, e as suas variantes tonais pendem mais para uma ou para outra consoante a quantidade de cada uma dessas cores na mistura. O violeta é uma cor forte, cuja mistura tende mais para o vermelho.

Por vezes torna-se difícil encontrar cores que combinam com roxo, mas já vimos que o azul funciona.

4 – Um pouco mais de campestre

O púrpura é outro tom de grande força na graduação das tonalidades de roxo, pelo que deve ser usado com algum cuidado para não sobrecarregar visualmente o espaço. É uma cor associada à igreja e a cerimónias reais, mas também à lealdade.

5 – Roxo significado de sereno

Neste tom, um lilás mais delicado, tende assim a ser mais relaxante e a promover a paz e o equilíbrio necessários para um sono descansado. Simples, moderna e fácil de conseguir. Adicione neste ambiente um aroma de lavanda e tem a receita para um repouso muito merecido!

6 – Um quarto impressionante

Já referimos que a combinação entre roxo e azul funciona, mas, introduzindo-lhe ainda outra cor inesperada, que também resulta – o amarelo.

No seu todo esta não é uma combinação para indecisos! É irreverente e diferente, apenas para o palato dos amantes do roxo em toda a sua glória.

7 – Um único elemento absorvente

Uma dimensão totalmente diferente graças a um tapete em múltiplos tons de roxo, a fazer lembrar um mosaico.

8 – Roxo na fachada?

Não é uma escolha comum, mas o tom de beringela é uma alternativa muito interessante às tradicionais faixas azul-cobalto, amarelas ou cor de vinho da arquitectura alentejana.

9 – Trazendo o exterior para o interior

Um open space onde o roxo volta a ganhar protagonismo, numa mescla ecléctica de antigo e moderno com uma vitalidade única que os campos alentejanos e as férias inspiram.

10 – Cores que combinam com roxo

Que mistério é este que faz com que a combinação entre roxo e amarelo funcione tão incrivelmente bem? A resposta está no círculo cromático que mostra claramente como estas cores são perfeitamente complementares, ou seja opostas no espectro cromático e por isso mais contrastantes. Super interessante como funciona!

11 – Abraçando todo o ambiente

O roxo é significado de respeito, dignidade, purificação, transformação e por isso é uma cor algo séria, principalmente nos tons onde o vermelho vence um pouco ao azul, para originar um tom violeta intenso.

Casa contentor: alternativa de baixo custo
sexta, 27 de agosto de 2021

A maioria dos portugueses sonha em ter a sua própria casa. No entanto, este sonho é diariamente deixado para trás por causa da crise e do nível de desemprego que o país atravessa. A solução chama-se contentor. Há já muitos fãs deste modo de vida, especialmente na Alemanha, lá esta tendência já foi aderida. Poderá estar neste momento a balançar a cabeça e a duvidar desta nossa boa ideia, mas iremos mostrar-lhe com bases em exemplos como confortável podem ser estas casas contentores. 

Quanto custa um contentor?

O custo de um contentor, seja ele novo ou usado, poderá variar imensamente de valor. Para um com cerca de 12 metros de comprimento poderá pagar entre 1.000 e 3.000 euros. Se quiser juntar vários e aumentar assim o tamanho da sua nova casa poderá gastar entre 7.500 a 10.000 euros. Na Alemanha existem contentores novos mas dificilmente se conseguem adquirir.

O contentor deve ser isolado?

Por norma os contentores usados nos navios, os marítimos, são de construção leve mas resistente. São essencialmente de aço inox e posteriormente levam revestimentos de cor e de protecção anti- corrosiva. Por isso os contentores para efeito de habitação devem ser tratados e revestidos com camadas de isolamento, garantindo uma temperatura confortável no interior e ainda garantindo um bom isolamento acústico.

É preciso permissão para colocar um num terreno e usar como casa?

Convém primeiramente informar-se no seu país e cidade se habitações com esta configuração são aceites. Terá de frisar se o contentor será para uso constante ou por tempo curto. Poderá ser apenas para determinada acção ou festa. O tamanho será um dos motivos porque poderá levar um não. Depois de ter um sim como resposta passe para o passo seguinte.

Poderá tentar sempre dar a volta e mostrar exemplos de outros países onde este facto já é costume.

O contentor

Uma empresa com sede em Hamburgo, na Alemanha, vende contentores que foram usados basicamente para o transporte de mercadorias em navios e ainda novos contentores construídos de raiz com o acompanhamento de arquitectos e designers com o intuito de criar unidades habitacionais.

As casas contentor na Alemanha usam uma percentagem pequena de contentores em segunda mão, mas os exemplos que iremos mostrar hoje são apenas o aproveitamento desses mesmos contentores.

 
 

A mutabilidade de um contentor

Quando se pensa em contentores residenciais, pensa-se automaticamente numa forma geométrica clássica. Mas aqui está um bom exemplo de que os contentores se podem dissociar bem desse formato estereotipado, tendo colaborarias, paredes em vidro, escadas .. oferecendo um sentido totalmente diferente do espaço. O contentor original é sempre usado como modelo inicial e posteriormente pode ser ligeiramente alterado.

 

Contentores habitacionais

É certo e sabido que comprar contentores para habitar é cada vez mais habitual pelas várias vantagens que lhes estão inerentes, desde o preço à facilidade de mobilidade.

Existem contentores casas usados e nomeadamente contentores marítimos usados, que ganham assim uma nova vida e propósito.

Consulte o seu arquiteto sobre a hipótese de construir a sua casa a partir de contentores usados.

 

Contentor como casa de hóspedes

Uma solução eficiente e suficiente para as suas visitas com uma área espaçosa com mais 30m². A casa contentor pode ser pousada simplesmente sobre o solo ou ser colocada sobre uma plataforma mais elevada. Assim beneficiará ainda de uma varanda adicional, ideal para oferecer às suas visitas um momento caloroso antes de entrar no espaço interior.

Para Interior e Exterior: 1001 Formas de Usar Ripas de Madeira
segunda, 23 de agosto de 2021

Os ripados de madeira são tendência, tanto para interior como para exterior. Como o próprio nome sugere, são painéis formados por ripas de madeira estreitas e longas que surgem dispostas na vertical, embora também possam aparecer na horizontal (menos comum). Para além da madeira, também se podem fazer estes ripados com MDF, um derivado da madeira que é mais económico, mas bastante resistente. Porém, a madeira, pelas características que apresenta, será sempre a melhor opção. Pode, por exemplo, usar madeira de carvalho, de nogueira, de abeto, de pinho, entre outras.

As ripas de madeira são altamente decorativas e podem ser usadas para servir diferentes propósitos em ambientes decorados com estilos distintos. É uma solução versátil, de fácil aplicação e que proporciona imenso aconchego aos espaços. Os arquitectos e designers de interiores usam-na amiúde e são criativos na forma como incorporam este elemento nos espaços. Ora venha ver se não temos razão!

 

1. Ripas de madeira a demarcar a entrada

Começamos por uma das aplicações mais comuns: as ripas de madeira a separar a entrada do resto da casa. Há muitas casas cuja entrada dá directamente para a sala ou para outro ambiente mais privado, o que não é especialmente agradável. Mesmo quando se trata de um open space, é importante que haja elementos a sectorizar o ambiente para garantir que este não perde o intimismo e o conforto. A entrada é uma zona de passagem e um espaço que acaba por estar mais exposto a olhares externos (dos carteiros, dos entregadores de comida, dos vizinhos, e assim por diante), pelo que deve estar, de alguma forma, apartado das zonas mais privadas da casa. O ripado é uma boa opção para separar estes espaços de forma leve e sofisticada. Deste modo, o interior fica mais bem organizado e a vida em família mais protegida.
 

2. Ripas de madeira para parede

Paredes com ripas de madeira? Porque não? Andamos sempre à caça de ideias para embelezar as paredes da nossa casa. Podemo-lo fazer com quadros, com espelhos, com papéis de parede, com apliques de iluminação, mas, se quisermos ir mais além, podemos considerar revestir uma ou mais paredes com ripas de madeira. Numa sala de estar, por exemplo, pode-se personalizar a parede que está por detrás da televisão com um ripado. É uma excelente forma de trazer tridimensionalidade a um espaço e, acima de tudo, de o tornar mais acolhedor, original e elegante. O ripado pode, claro está, ser posteriormente decorado com quadros e servir como estrutura para se suspender a televisão com segurança. Para um ambiente mais claro, opte por ripas de madeira de pinho ou de carvalho.

 

3. Portas ripadas

Na primeira imagem, a porta ripada foi a solução encontrada para esconder a cozinha quando esta não estiver a ser utilizada. Uma ideia muito engenhosa para quem tem a cozinha e a sala ligadas, mas quer ter a opção de as separar por completo sempre que necessário. Deste modo, pode-se receber alguém na sala sem que haja a preocupação de a cozinha estar desarrumada. Fecha-se a porta e pronto.

Os perfis ripados são uma boa escolha para filtrar a exposição sem abrir mão das vistas. É a perfeita união entre função e estética. Esta espécie de biombo de ripas de madeira lembra-nos, aliás, as típicas portas japonesas que sobressaem pela sua elegância e minimalismo.

 

4. Ripas de madeira para escadas e corredores

As ripas de madeira, no interior, podem, ainda, ser utilizadas para definir e proteger as escadas. São uma boa alternativa ao tradicional corrimão e uma opção mais segura. Além disso, as linhas verticais das ripas comunicam uma ideia de continuidade, encorajando a mobilidade ascendente. Do ponto de vista arquitectónico, há uma certa poesia inerente a esta solução.

E por falar em espaços de passagem, a ideia das ripas de madeira para parede é igualmente aplicável a um corredor.

 

5. Ripas de madeira para estúdios

Um estúdio é um pequeno apartamento com apenas uma divisão, o que significa que se vive, come e dorme num único espaço. O grande desafio é, por isso, separar estes ambientes sem que eles estejam, efectivamente, separados (já que não há paredes e portas entre eles). Saber onde cada área começa e acaba torna a vivência dentro do mesmo mais confortável e funcional.

 

6. Ripas de madeira como cabeceira de cama

A cabeceira da cama é o ponto focal do quarto, por isso, fuja do tradicional e certifique-se de que a sua chama a atenção pelas melhores razões! As ripas de madeira como cabeceira são uma super tendência que, ainda por cima, é muito fácil de executar. Pode aplicar as ripas directamente na parede, em altura ou em largura, e pintá-las da cor que quiser. Além disso, e se as ripas estiverem na horizontal, pode usá-las para prender as mesas de cabeceira que ficarão como que a flutuar, o que é ideal para um quarto que se queira leve e minimalista.

 

7. Ripas de madeira com prateleiras suspensas

As ripas de madeira são muito decorativas, mas não lhes falta praticidade. Assim, mesmo que use ripas de madeira para decoração, pode sempre dar-lhes mais um propósito, optimizando o espaço da sua casa.

 

8. Ripas de madeira para decoração

As ripas, são mais um apontamento do que, propriamente, uma necessidade. A grande vantagem das ripas é que não criam um obstáculo à passagem de luz e de ar e não comprometem o contacto visual entre ambientes.

 

9. Ripas de madeira para exterior

No exterior, as ripas de madeira podem servir como vedação, como estrutura para se suspenderem vasos, como divisória. A imaginação é o limite. Para um ambiente mais orgânico, sugerimos que deixe a madeira com a sua cor natural, mas, se preferir, também pode pintar as ripas com o tom que melhor se adequar à decoração do seu jardim, terraço, pátio ou varanda. Fica a seu critério. Lembramos, no entanto, que as ripas estão mais expostas nestes espaços e, por isso, a madeira deve levar uma camada de protecção adicional. O acabamento mais comum para a madeira ripada é feito com selador fosco ou acetinado (tem pouco brilho), mas, para o exterior, é preferível usar verniz fosco ou acetinado.

 

10. Onde comprar ripas de madeira?

Qualquer loja de construção e de bricolage vende ripas de madeira. Normalmente, não são caras, mas tudo depende do tamanho e do tipo de madeira. É preferível escolher uma madeira resistente para que as ripas não comecem, mais tarde, a entortar.

No entanto, recomendamos vivamente que se aconselhe junto de profissionais que garantam a qualidade da instalação, sobretudo se as ripas forem usadas em escadas. Um carpinteiro ou marceneiro pode ajudá-lo a escolher a melhor madeira e, claro está, a instalar o seu ripado de forma correcta e segura.

Área Bruta Dependente: O que é e Tudo Mais o que Tem que Saber
sexta, 13 de agosto de 2021

definição das áreas de um imóvel é, sem sombra de dúvidas, uma das tarefas mais frequentes com que se deparam técnicos e avaliadores e que tem impacto fundamental na valorização, financiamento e imposto relativo ao imóvel em causa. Este é um dos elementos mais importantes na descrição de uma casa, ajudando-nos a perceber as condições de habitabilidade do edifício.

Trata-se de um processo complexo que implica, muitas vezes, legislação individual de diferentes entidades responsáveis e que deve levar em conta inúmeras normas urbanísticas.

Por entre as várias áreas que contribuem para a definição de um imóvel – área de construção, área de impermeabilização, área útil, área bruta privativa, etc. – e que se encontram definidas na lei, nas plantas urbanísticas e nos documentos oficiais, encontramos aquela sobre a qual vamos falar: a área bruta dependente.

1. O que é a área bruta dependente?

área bruta dependente é, como definido pelo Decreto-Lei n.º 287/2003, artigo 40, publicado no Diário da República n.º 263/2003, Série I-A de 2003-11-12, parte integrante da área bruta de construção do edifício juntamente com a área bruta privativa.

Esta área, de acordo com o Código do Imposto Municipal sobre Imóveis (CIMI), corresponde a todas as áreas, mesmo que situadas no exterior do edifício, que são de uso exclusivo da casa. São os chamados locais acessórios cuja utilização não está directamente ligada ao objectivo primordial do edifício. Compreendem, por isso, espaços como garagens, lugares de parqueamento, arrecadação, sótãos, instalações para animais e caves de acesso directo, desde que não estejam abrangidos pela área bruta privativa. A sua definição já foi alterada desde 2003 como forma de clarificar as confusões feitas por muitos avaliadores, passando, por isso mesmo, a incluir áreas cobertas e fechadas e deixando de fora as áreas que, sendo cobertas, são também abertas. 

De acordo com o Código do IMI 2019 – Anotado & Comentado (da Lexit), “nos prédios que contenham piscinas cobertas, ginásios, saunas e afins, tais espaços devem ser tidos em conta para efeitos do mesmo cálculo”. No caso dos prédios cuja cozinha e/ou instalações sanitárias se situam no exterior do edifício principal, “a sua área deve integrar a área bruta privativa a não ser que sejam as únicas existentes no prédio. Isto porque, caso exista coexistência entre elas e outras existentes no prédio principal, elas devem integrar a área bruta dependente.

 

2. Qual o regulador que classifica a área bruta dependente?

A área bruta dependente é classificada pelo CIMI (Código do Imposto Municipal sobre Imóveis) que define todas as áreas do imóvel necessárias para a definição do seu valor patrimonial, servindo como um dos elementos para calcular o IMT (Imposto sobre Transmissões Onerosas) e o Imposto de Selo. É, também, fundamental para calcular o IMI (Imposto Municipal sobre Imóveis) e o AIMI (Adicional do Imposto Municipal sobre Imóveis) que devem ser pagos anualmente às finanças. 

informação dos valores relativos à área bruta dependente pode ser encontrada, à semelhança do que acontece com os valores das outras áreas, na caderneta predial. Esta caderneta funciona como uma espécie de bilhete de identidade da sua casa e pode ser obtida em qualquer repartição de finanças (de forma presencial), tendo um custo inferior a 10 euros. Como alternativa, poderá fazer a obtenção da caderneta on-line, no Portal das Finanças, de forma totalmente gratuita.

 

3. Diferença entre área bruta dependente e área bruta privativa

Por norma, existe alguma confusão no que diz respeito à classificação das áreas de construção que podem, muitas vezes, levar a que o mesmo imóvel possa ser anunciado com áreas diferentes.  

A distinção entre a área bruta dependente e a área bruta privativa não é igual para todos os imóveis. Por exemplo, uma varanda ou um sótão podem, dependendo da sua configuração, ser parte integrante de qualquer uma destas áreas. O factor mais importante para que se possa classificar correctamente as áreas e avaliar o imóvel da forma mais honesta possível é perceber o significado concreto de cada uma das áreas habitacionais fundamentais. Só assim seremos capazes de perceber o que corresponde a quê. 

  • Área bruta dependente:
  • tal como dissemos anteriormente, a área bruta dependente inclui todas as áreas, ainda que comuns, situadas no exterior do edifício que são de uso exclusivo de uma determinada fracção.
  • Área bruta privativa: é a área correspondente à superfície total, medida pelo perímetro exterior, de um edifício ou fracção, ou seja, é a área total de utilização da casa que inclui todos os espaços que sejam utilizados como parte da habitação.
 

Assim sendo, pegando no exemplo de uma despensa, podemos dizer que ela faz parte da área bruta privativa caso esteja instalada ou tenha acesso directo pelo interior da casa. Por outro lado, se estiver instalada numa arrecadação, numa cave ou no exterior da casa passa a ser considerada uma parte acessória e, por isso mesmo, pertencente à área bruta dependente.

 

4. Outras tipologias de área importantes

É importante que conheça as mais variadas áreas que compõem a área total do seu imóvel, pois são elas que contribuem para a sua avaliação e valorização final.

  • Área total de terreno: tal como o nome indica, é a área total de terreno relativa a um determinado edifício. Inclui, por isso, toda a área de implantação e terreno livre.
  • Área de implantação do edifício: é a área total de construção do edifício, ou seja, a área que o edifício construído ocupa no terreno. 
  • Área do terreno livre: é toda a área do terreno onde não existe construção. Pode incluir, por isso, jardins, parques, campos de jogos, quintais e piscinas.
  • Área bruta de construção: é o conjunto resultante da área bruta privativa e da área bruta dependente (acima referidas).
  • Área útil: é o resultado da soma de todos os compartimentos do imóvel, medidos pelo perímetro interior das paredes. Neste cálculo, não entram espaços como as varandas ou outras áreas exteriores.

 

5. A área bruta dependente tem impacto no valor do IMI?

A resposta simples e rápida é: sim. 

A área bruta dependente e a forma como esta é rigorosamente medida e definida tem impacto claro no valor final do IMI, uma vez que é parte integrante da equação da qual resulta a área bruta de construção. É a partir desta área bruta de construção que se obtém um valor comparável e possível de taxar, sendo a partir dele que se calcula o Valor Patrimonial do Imóvel (VPI), fundamental para o montante anual de IMI a ser pago às finanças.

No caso de ter interesse em comprar, consulte e questione sempre os responsáveis de qualquer imóvel acerca dos valores de área publicados. Há, muitas vezes, confusões, incorrecções e informações pouco claras que podem ter impacto na valorização, na avaliação, no preço a pagar e, mais tarde, dar origem a algumas surpresas no que a impostos diz respeito.

 

6. Um problema comum: esteja atento!

Se as áreas não coincidirem entre a caderneta e a ficha técnica de habitação, o banco não faz o empréstimo, o que leva a que seja necessário enfrentar um longo processo burocrático nas finanças para fazer a alteração das áreas inscritas, podendo-se ter que efectuar medições para que, nas Finanças, aceitem a alteração. A burocracia é um entrave e a resolução de um erro, nestes casos, pode significar um atraso significativo na venda da casa. Seja rigoroso para evitar este tipo de problema que, apesar de parecer bizarro, é bastante comum.
 

7. Informação adicional

Lembramos que, no caso de estar a construir, a remodelar ou a intervencionar, de qualquer outra forma, uma casa, os gabinetes de arquitectura e de design de interiores e as empresas de construção podem ser muito úteis para o ajudarem com a burocracia. Dê preferência a profissionais que prestam um serviço chave-na-mão.

As 7 regras divinas para a escolha dos seus candeeiros de sala
terça, 10 de agosto de 2021

Os candeeiros são daqueles elementos que raramente estão ausentes numa decoração bem conseguida. De pé, de teto ou de mesa, os candeeiros são os grandes responsáveis por dar mais luz à sua sala, mas também por dar mais (ou menos!) estilo ao ambiente.

Um candeeiro, mesmo fraquinho, é um farol na escuridão. É uma centelha de luz que guia os nossos passos quando escurece e as restantes luzes se apagam. É a nossa companhia naqueles momentos de leitura tardia, quando os miúdos já estão na cama e somos só nós e um livro em serão tardio. Mas é também um elemento que ficará em permanente exposição, à vista de todos!

 

E por isso mesmo a sua escolha nunca deve ser deixada para segundo plano. A sua aquisição é um passo que deve ser ponderado tendo em conta diversos fatores, entre eles a sua funcionalidade, a estética e o preço. Quer saber como escolher sem medo de errar? Descubra tudo neste artigo!

 

1 – Pensarás antes de comprar

Viu aquele candeeiro fabuloso numa loja de decoração e agora não pensa noutra coisa? Até sente comichão na carteira e tremores nas mãos enquanto não o compra? Calma, muita calma nesta hora! 

Sabia que os candeeiros, sobretudo os candeeiros de chão e de mesa, são dos elementos decorativos mais comprados por impulso? Sim, provavelmente as almofadas e os acessórios vêm em primeiro, mas estamos a falar de preços muito diferentes.

No entanto depois de passada a paixão inicial vem o arrependimento. O dinheiro foi-se, mas o candeeiro simplesmente não funciona na nossa sala! O destino? Com sorte o quarto das visitas, ou em último caso a arrecadação até à próxima quermesse.

Não passe por isto! Antes de comprar estude a decoração e planeie a inserção do novo elemento.

Algumas dicas para a compra:

- Procure um candeeiro que se associe ao seu estilo de decoração. Se tem um ambiente inteiramente rústico não fará sentido uma peça moderna com design de vanguarda pois irá parecer totalmente deslocado. Se tem uma sala clássica procure peças sofisticadas, com detalhes em dourado e cristais (um lustre ou um candeeiro de mesa clássico, por exemplo). Num espaço moderno ficam melhor os candeeiros de design mais futurista, ou com linhas direitas.Os candeeiros de tecto suspensos modernos são outra opção.As misturas de estilos e géneros podem funcionar muito bem, ou podem ficar absolutamente desastrosas! Se não tem muito jeito para equilibrar cenários e composições aconselhamos vivamente que consulte um decorador!

- A harmonia é fundamental, por isso tenha também em conta a escolha da cor. Se tem uma sala com base cromática em azul, mesmo que adore de paixão aquele candeeiro vermelho esqueça-o! Apenas vai conseguir uma sala ao estilo USA. O candeeiro vai fazer parte da sua decoração e como já referimos, vai ficar em permanente exposição numa área muito social da casa, tente fazer escolhas que se incluam bem no conjunto preexistente.- Tenha cuidado com o tamanho! Adora candeeiros de chão oversize? São lindos e são tendência, mas se tem um espaço pequeno vão parecer elefantes no meio da sala! Do lado oposto, um candeeiro minúsculo num espaço muito amplo vai simplesmente desaparecer.

 
 

2 – Respeitarás a luz natural

Qualquer ambiente deve dar a total primazia à luz natural! Assim a disposição dos seus móveis deve ser pensada com o objetivo de tirar o melhor partido dela. 

Se quer ter um cantinho de leitura, ou uma zona da sala onde costuma trabalhar coloque-o junto à janela de forma a beneficiar da luz natural durante o máximo de horas por dia. Os candeeiros deverão ser utilizados para complementar em zonas específicas onde o fluxo luminoso não é suficiente durante o dia, e só deverão ser acesos quando esse fluxo já não é suficiente, ao cair da noite.

 

3 – Aprenderás a importância de um candeeiro de tecto

Um candeeiro de tecto, quando está presente, é um elemento fulcral numa decoração! Ele tem um destaque visual imediato e é o responsável pela distribuição da luz pelo espaço.

Sendo um elemento de tanto destaque é importante que seja bonito e bem enquadrado, mas a sua escolha vai muito para além da estética. 

Se o candeeiro de teto é o principal responsável pelo fluxo de luz artificial a sua escolha deve ser ainda mais cuidada. O abajur não deve cortar a luz emitida pela lâmpada, pelo que deve ser o mais claro e transparente possível. Desta forma vai permitir uma boa distribuição por todo o espaço da sala de estar ou da sala de jantar. As necessidades extra de luz devem ser supridas por candeeiros de pé ou candeeiros de mesa, como veremos adiante.

Numa sala de dimensões generosas fica muito bem um candeeiro suspenso, imponente e majestoso. Dá mais iluminação e preenche aquele espaço vazio. Mas quanto mais pequena é a sala mais pequeno deve ser o candeeiro de tecto! Numa sala de dimensões reduzidas a escolha pode recair sobre um candeeiro com focos para menor impacto dimensional no espaço.

4 – Reconhecerás o estilo de um candeeiro de chão

Um candeeiro de pé, ou candeeiro de chão, é um elemento que proporciona iluminação auxiliar a determinada área da sala, e tem um impacto visual muito evidente, a não ser que o esconda por detrás de um sofá.

O candeeiro de pé vai iluminar aquele canto de leitura especial, ou o lado do sofá onde costuma estar ao computador, por exemplo, ocupando o seu espaço de forma absoluta. Ele não precisa do apoio de uma mesa, mas em compensação, normalmente, também não proporciona uma base de apoio estável para o que for preciso.

Ao mesmo tempo um candeeiro de pé funciona como uma peça decorativa da maior relevância, pois ao iluminar-se vai ficar em destaque total. 

Na sua escolha guie-se pelos nossos conselhos do primeiro tópico, mas dê uma atenção especial ao tamanho.

Pode encontrar espetaculares candeeiros, de qualquer tipo, em lojas de decoração, físicas ou virtuais. Os preços variam muito, conforme a marca e a exclusividade do design. 

 

5 – Não esquecerás a utilidade de um candeeiro de mesa

Outra forma de conseguir iluminação auxiliar é colocar candeeiros de mesa. Apesar de este elemento ser mais considerado como candeeiro de quarto, colocá-lo numa sala terá um efeito muito decorativo e até alguma vantagem em relação ao candeeiro de pé. 

Os candeeiros de mesa precisam de uma base de apoio, ou seja da mesa, para os sustentar, mas em contrapartida essa mesa também vai servir para pousar o livro e os óculos, por exemplo. Normalmente são mais pequenos e servem para emitir menos luz do que os candeeiros de chão, mas proporcionam uma iluminação mais intimista e pessoal.

Estes candeeiros são os mais baratos e fáceis de encontrar em qualquer loja de decoração com preços a partir de 10 Euros.

 

6 – Saberás da importância da cor da luz

A tonalidade da luz emitida tem muita influência no ambiente da sua sala. Luzes amareladas dão um tom mais relaxante, quente e acolhedor, perfeito para a hora de ir dormir, e luzes mais brancas e brilhantes serão mais vivificantes e intensas, boas para tarefas como ler ou tricotar.

Mas se pensa que isto só tem a ver com as lâmpadas, desengane-se! Não se esqueça de que a luz é filtrada pelo abajur do candeeiro, o que significa que se colocar uma lâmpada que emite luz branca e fria num candeeiro vermelho provavelmente terá uma luz alaranjada, perdendo o efeito pretendido. Escolha luminárias claras se o objetivo do candeeiro for proporcionar luz forte e branca a uma qualquer tarefa. São truques como este que fazem toda a diferença na qualidade da sua iluminação e decoração!

 

7 – Incluirás iluminação indireta

Por vezes os candeeiros, pelo facto de não permitirem uma total dispersão da luz pelo espaço, não são suficientes para proporcionar uma iluminação correta em todos os ângulos.

A solução é incluir iluminação indireta. Atualmente há inúmeras soluções profissionais para conseguir este tipo de iluminação que lhe poderá ser de muita utilidade, embora seja mais simples incluí-la na fase de projeto e construção.

A luz indireta é aquela que incide numa superfície e depois é refletida de forma a iluminar todos os recantos do espaço, de maneira uniforme. Esta forma de iluminação é muito uniforme e proporciona maior conforto visual, por ser suave e difusa, embora não prescinda nunca da utilização de candeeiros, sobretudo os candeeiros de chão e de mesa.

 

8 – Não terás medo de ousar, ser diferente

Por último deixamos um conselho radical: – ouse ser diferente! Depois de conhecer estas regras, escolha modelos de candeeiros originais e ousados.
 

Mais inspiração: Por que não candeeiros de tecto suspensos no quarto?

Em relação aos quartos, normalmente vemos candeeiros de tecto e possivelmente candeeiros de mesa nas mesinhas de cabeceira e/ou secretária de trabalho (mais comum em quartos de crianças e jovens). Esta imagem vem provar-nos que podemos arriscar e ter candeeiros de tecto suspensos com apoio à iluminação de cabeceira.

Seja sobre candeeiros de sala ou de quarto, peça ajuda a um arquiteto de interiores e modernize a sua casa!

Apostar em divisórias decorativas para separar o espaço com estilo
domingo, 01 de agosto de 2021

Ideais para criar espaços separados, nomeadamente em pequenas áreas, as divisórias decorativas podem ser removíveis, de correr ou fixas, há opções para todos os desejos decorativos, como para os espaços mais complexos. 

É importante escolher um modelo que se enquadra à nossa decoração. Podemos encontrar divisórias de madeira, para pintar ou deixar em bruto, também podemos jogar na transparência com detalhes abertos ou peças de vidro, que permitirão deixar a luz penetrar. Esta última divisória é ideal para isolar a cozinha enquanto se mantém o espírito de cozinhar aberto. Existem modelos de divisórias simples, que podem ser personalizados com um bom papel de parede, modelos totalmente envidraçados, divisórias iluminadas por LEDs e até a possibilidade de divisórias decorativas onde pode colocar plantas para uma separação que se inclina na natureza! Perfeito para mudar o layout do seu interior de forma barata e sem trabalho, a divisória removível é a solução mais procurada, pois tem muito mais design do que uma simples cortina. 

 

Enfim, divisória em vidro, divisórias de madeira, divisória de PVC ou em forro de gesso… Temos um mundo de opções para deixar cada interior cheio de charme!

 

1. Por que deve apostar numa divisória decorativa?

 
Uma divisória fixa permitirá distribuir o espaço real em diferentes áreas ou corredores. Neste sentido, é uma maneira de organizar o espaço como deseja, dando a funcionalidade que quiser a cada ambiente. Pode, se quiser, instalar uma proteção acústica ou isolar termicamente duas divisões, como um quarto e uma casa de banho, por exemplo.

Saiba que, para melhorar o seu conforto, pode inserir tubos de água ou um circuito elétrico numa divisória.

Graças a uma divisória decorativa pode criar uma zona escritório ou uma pequena sala de estar dentro do quarto. Como também esconder um closet que não é assim tão bonito. Outra alternativa, é dissimular uma janela com painéis japoneses para proporcionar serenidade e minimalismo, sem por isso ocultar a iluminação natural.

 
 

2. Divisória em vidro para espaços luminosos

Muito estética, a divisória de vidro permite compartilhar o espaço sem criar uma verdadeira separação. É, portanto, aplicada para manter a luz de uma sala e criar espaços separados, mas complementares. Geralmente, opta-se por um vidro de segurança que combina com aço ou madeira, dependendo do tipo de decoração desejada. A parede de vidro ou feita de vários fragmentos de vidros são excelentes alternativas. 

Combinado com aço preto traz um toque industrial ao ambiente. Pense nisso se este for o seu estilo. 

3. Divisória – uma solução prática, mas especialmente decorativa

Se pensar em dividir um espaço não pense numa parede que torna o ambiente escuro e pesado. A originalidade é mais do que bem-vinda e a sua divisória também pode assumir a forma de uma parede de vidro, uma estante, um móvel ou um jardim vertical. De facto, uma divisória permite que se divirta e contorne as restrições impostas na sua casa. Torna-se um grande trunfo para a decoração da sua casa, proporcionando estilo e personalidade ao seu doce lar.

4. Que estilo de divisória decorativa escolher?

 

O estilo da divisória dependerá do estilo da sua casa, há que manter coerência e bom senso neste jogo decorativo. Mantenha uma ligação entre as cores e materiais usados, para que exista um estilo bem definido na sua casa. 

Existem estilos de divisórias bastante versáteis, que se adaptam facilmente a qualquer tipo de casa. 

As divisórias mais comuns são: 

Industrial: uma divisória com acabamento metálico na parte inferior e janelas na parte superior dá um estilo bem loft moderno e elegante. Perfeito para cozinhas.

Madeira: ideal para salas de estar ou de jantar ou zonas de escritório. As divisórias de madeira oferecem uma sensação de calor e tranquilidade em todo o ambiente.

Tipo japonês: com vidros translúcidos mais ou menos opacos que lembram o shōji, estas tradicionais casas asiáticas com portas de correr de bambu e papel de arroz, é a calma e a serenidade que o convidam para a sua casa.

Prático: guirlandas, livros, pequenos vasos de flores… As lâminas horizontais da sua divisória decorativa podem arrumar tudo o que gostar!

 

5. ​Brincar com a luz, por que não?!

As divisórias convidam a brincar com a luz em casa. Uma luz cheia para ver perfeitamente no novo escritório ou uma luz fraca para os convidados da noite? Cabe a si escolher o que combina com seu projeto entre todos os estilos de divisórias disponíveis.

Muita Luz: com as janelas na parte superior da divisória, pode deixar entrar toda a luz no espaço.

Luz… ou não!: algumas divisórias são equipadas com lâminas ajustáveis para lhe oferecer a filtragem da luz como desejar durante todo o dia. Aberta para deixar entrar toda a luz, entreaberta para ajustar a quantidade de luz escolhida ou completamente fechada para ficar escuro.

Iluminado em parte: com barras fixas, verticais ou horizontais, essas divisórias permitem que a luz passe apenas por parte do espaço.

Translúcidos: nem completamente opacos, nem completamente transparentes, essas divisórias deixam passar a luz enquanto protegem a intimidade da sala: é impossível ver o que está a acontecer do outro lado. Ideal para manter privacidade, por exemplo entre uma sala de estar e hall de entrada. 

Opaco: a luz não passa mais! Aqui, a divisória desempenha apenas o seu papel de delimitação, separando o espaço distintamente.

 

6. Como colocar a sua divisória?

 

Se optar por uma divisória removível saiba que pode encontrar propostas em kit. Podem ser instaladas em chãos e tetos sólidos e rígidos. Devem ser fixadas com segurança e não podem ser colocadas contra estruturas finas ou frágeis.

O seu sistema de instalação é muito simplificado, o que facilita a montagem aos auto-didatas. Muito fácil de instalar, as divisórias em kit são geralmente equipadas com vários conectores ajustáveis para combinar perfeitamente com as dimensões do seu espaço, bloquear e fixar corretamente. Com este tipo de instalação não precisa de furar ou de aparafusar as paredes, embora seja possível perfurar para uma instalação mais duradoura, se assim o desejar.

Em madeira, em forro de gesso, em PVC, com vidro transparente, translúcido ou opaco, as divisórias removíveis estão disponíveis nos mais variados estilos e materiais.

 

7. Onde comprar uma divisória decorativa?

 

Se não quiser uma divisória feita à medida e optar por uma opção mais low-cost, saiba que o mercado está repleto de opções. No entanto, o efeito não será o mesmo que um trabalho minucioso e à medida, como é claro. Mas pode remediar um problema rapidamente. 

Várias lojas de bricolage têm à venda divisórias decorativas, que pode montar sozinho, como já referimos no ponto anterior. Leroy Merlin, AKI, MAXMAT são, por exemplo, lojas onde pode encontrar este tipo de material.

Quanto ao preço, às medidas e ao melhor modelo para a sua casa, deve pedir informação junto de um colaborador de loja. 

 

8. Separar sem colocar uma divisória, é possível?

 

Sim, é possível separar uma divisão, criando várias áreas distintas. 

Se pretender um resultado imediato e sobretudo barato, pode separar um espaço das seguintes maneiras diferentes: 

  1. separar com móveis;
  2. separar com portas de correr;
  3. separar com cortinas e/ou candeeiros suspensos;
  4. separar com cores diferentes na parede e no piso;
  5. separar com materiais diferentes;
  6. separar com biombos.

 

9. Divisórias decorativas de ambientes

 

Neste artigo não faltam ideias de divisórias de ambientes internos.

Já se tinha perguntado como dividir ambientes de forma barata? Pois bem, com um biombo poderá resolver esse problema e dar um toque de elegância e glamour ao ambiente.

 

10. Que profissionais deve contactar?

 

Se procura uma divisória decorativa, pode recorrer ao serviço personalizado de um designer de interiores ou um decorador ou ainda de um arquiteto de interiores.

9 ideias para estofar o sofá da sala
sexta, 16 de julho de 2021

Se o seu sofá, em termos de estrutura, ainda está em perfeito estado, para quê deitá-lo fora como se já não valesse nada? Aproveite a estrutura e a armação e escolha um novo tecido para o revestir. Desta forma, conseguirá poupar o seu orçamento e conseguir a tão desejada transformação. Basta ser criativo. Damos-lhe algumas ideias nesse sentido. Encontrará, sofás mais lisos e discretos, outros com padrões mais sedutores. Tudo dependerá do seu estilo e do estilo da sua casa. 

Curioso? Vamos a isso. 

 

1. Escolha o sofá antigo que pretende renovar

Em quase todas as casas, há um móvel que já não tem utilidade e que, mais cedo ou mais tarde, acabamos por deitar fora ou oferecer. Raramente pensamos no plano B: a reciclagem. Uma mesa antiga pode ser lixada, pintada e polida, por exemplo. E um sofá? Pode-se aproveitar o esqueleto, tirar as medidas de todas as partes e estofar. Se tiver jeito para tal, até pode levar a cabo esta tarefa com as suas próprias mãos. Por outro lado, se não se acha talhado para tal labuta, contrate uma empresa que faça isso por si. 

 

2. Estofar não é difícil

Alterar o aspecto do seu sofá não é difícil. Muito pelo contrário. Primeiro, deve tirar as medidas correctas para fazer o molde de cada peça que o conforma. Lembre-se que cada parte deve ser medida para que o novo tecido envolva toda a tela ou espuma das almofadas. 

 

3. Não tenha medo de combinar padrões

A mistura de padrões põe em destaque a área em causa, impondo um estilo mais boémio e menos tradicional. O sofá, em particular, tem um lado com flores e outro mais geométrico e minimalista. 

 

4. As cadeiras dobráveis também podem ser aproveitadas

As cadeiras dobráveis tendem a perder a sua forma original em poucos anos se usadas com regularidade. A estrutura é frágil e o tecido começa a ceder com o peso dos corpos. Mas, se vir que isto acontece, não pense logo em livrar-se da cadeira. Escolha uma tela nova ou outro tecido resistente e remodele a peça. Pode torná-la mais original usando aplicações em macramé.

 

5. Um sofá confortável e forrado

Uma das melhores vantagens de estofar um sofá é poder combinar o tecido com um modelo que realmente o cative. Quantas vezes nos apaixonamos por um modelo, mas não gostamos da cor ou vice-versa? Se decidir forrar o sofá, pode escolher qualquer tecido, entre milhares – liso, às riscas, com padrão floral, entre outros. Há opções para todos os gostos e para todos os bolsos. Deve visitar várias lojas e analisar os preços antes de pôr mãos à obra.

 

6. Sim ao branco!

O branco estará sempre entre os nossos favoritos por ter o poder de emprestar luz e beleza aos espaços. Contudo, também exige manutenção. Escolha um tecido impermeável e de fácil limpeza ou então opte pelo couro, muito fácil de manter. Se a sua casa tem uma área reduzida, esta é uma boa opção para a ampliar visualmente.

 

7. Cores diferentes

Longe vão os tempos em que numa casa todas as peças tinham que estar numa harmonia cromática irrepreensível, ou seja, com todas as peças a condizer. Claro que sim, deve haver harmonia. Mas, ela não se obtém apenas através do uso das mesmas cores ao longo de todo o espaço. Não tenha medo de escolher tons diferentes, mas que liguem entre eles e de usar tecidos que criem contrastes.

 

8. O novo móvel deve seguir o estilo dos já existentes no espaço

Ponha as suas habilidades de decorador à prova. Ao escolher o novo tecido, não se deixe levar pelo entusiasmo e lembre-se que já existem móveis no espaço com os quais ele deve dialogar. Escolha um tom ou um padrão que encaixe no conjunto. Com isto não queremos dizer que tem que ser exactamente da mesma cor. Mas, se enveredar por uma cor mais vibrante ou por um padrão mais ousado, não se esqueça que ele tem que fluir na decoração e não parecer desfasado em relação à mesma. 

 

9. Opções sumptuosas

Mesclar texturas não é uma tarefa fácil quando se trata de tapeçaria. Antes de comprar o tecido, considere como é que ele vai ficar na casa. Peça na loja uma amostra e experimente-a ao lado do mobiliário.

 

Extra: Como forrar um sofá

Em jeito de conclusão, não deve mesmo desperdiçar sofás antigos que tenha em sua casa porque com a oferta que existe de tecidos para forrar sofás, irá sair-lhe mais económico. Contrate um estofador de sofás e juntamente com um arquiteto de interiores, estofar sofás nunca fez tanto sentido para dar um novo look à sua sala!

Licença de habitabilidade: tudo o que tem que saber sobre este documento
segunda, 12 de julho de 2021

Licença de habitabilidade é, com certeza, um tema que não lhe é estranho se já tiver comprado ou mandado construir uma casa. Este é um documento de extrema importância, fundamental para que possa comprar casa e sem o qual lhe será impossível garantir um crédito de habitação ou uma escritura para venda ou compra de um imóvel. No fundo, este documento funciona como uma espécie de garantia de que o imóvel possui todas as qualidades e requisitos exigidos para ser considerado habitável. 

Hoje, explicamos-lhe tudo sobre este documento. Esta é a parte mais aborrecida quando o assunto é construir casa, mas a burocracia faz parte do processo e é importante estarmos informados. Um erro básico pode significar um atraso indesejável nos seus planos. Por isso, tome nota.

1. O que é uma licença de habitabilidade?

A licença de habitabilidade, também conhecida como licença de habitação, é um documento legal emitido pela câmara municipal da sua zona de residência (ou de construção da casa), após vistoria levada a cabo pela equipa responsável e especializada. O objectivo é comprovar que o imóvel cumpre todos os requisitos e condições para ser habitado e que, por isso, a sua utilização não coloca em causa quem nele habita, assim como terceiros.

Trata-se de uma forma legal de determinar a capacidade de utilização de edifícios – sejam eles habitacionais ou destinados a comércio, indústria ou serviços – de acordo com as condições necessárias para a habitabilidade que se encontram definidas na Lei e que incidem, sobretudo, nas áreas como a da água, electricidade, gás e saneamento. É igualmente importante que o imóvel se encontre de acordo com o seu projecto original de forma a que não sejam necessárias alterações que atrasem o processo de licenciamento.

2. Como pedir uma licença de habitabilidade?

O pedido de uma licença de habitabilidade é, por norma, o último passo da construção de um imóvel. Para que possa pedir uma destas licenças, precisa de ser o proprietário de uma casa que adquiriu ou estar a construir uma de raiz. Se assim for, é obrigado a requisitar um destes documentos nos serviços de urbanismo da câmara municipal da zona onde comprou ou onde está a construir o edifício. Para fazer com que o processo avance e siga os trâmites legais terá que preencher um requerimento nesse sentido e depois seguir os procedimentos que serão definidos por cada município.

  • Licença de habitabilidade: preço O preço de uma licença de habitabilidade estará, tal como os procedimentos do processo, dependente dos parâmetros definidos por cada autarquia. Assim sendo, o que deve fazer é informar-se junto da câmara municipal da sua zona em relação aos preços praticados.
  • Quanto tempo demora uma licença de habitabilidade? O tempo de demora de uma licença de habitabilidade está também dependente de cada câmara municipal. O processo vai depender sempre da eficácia de funcionamento dos serviços, das condições materiais e humanas e dos atrasos da autarquia em questão. O que aconselhamos é que tente averiguar junto dos responsáveis municipais e que vá tentando acompanhar o processo de perto.

3. Em que situações é necessária a licença de habitabilidade?

Como já referimos acima, este é um documento fundamental e obrigatório sempre que comprar uma casa ou construir uma de raizSem este documento essencial não será possível fazer um pedido de empréstimo à habitação nem sequer uma escritura de compra e venda. Na verdade, a requisição deste documento é fundamental em diversas fases dos processos relacionados com a habitação (compra, venda, aluguer, construção, herança). Deve, por essa razão, esperar que lhe seja pedida a licença sempre que constitui a propriedade horizontal de um edifício (divisão em fracções) e sempre que pretende celebrar um contrato de arrendamento. Note-se, ainda, que se herdar um imóvel, deve ter o cuidado de se deslocar aos serviços municipais e informar-se sobre a necessidade de avaliação e emissão da licença de habitabilidade correspondente.

Se estiver envolvido em algum destes processos apresse-se a requerer a licença exigida pois a falta da mesma será punida por lei.

Licença de habitabilidade: validade

Umas das questões que as pessoas mais fazem quando se procuram informar sobre as licenças de habitabilidade é sobre a sua validade e a necessidade de renovação. Na verdade, estas licenças são obrigatórias, mas não possuem qualquer tipo de validade, pelo que, depois de serem emitidas, não terá necessidade de a renovar. A excepção está no caso de fazer alterações ao projecto de construção, sejam elas na estrutura do edifício ou, por exemplo, no caso de acrescentar uma piscina, uma casa de apoio ou um anexo. Se for esta a situação, precisa de uma nova autorização para construir e, depois de terminada a obra, terá que entregar os novos projectos (com as modificações do edifício) e de pedir uma nova licença de habitabilidade actualizada. Só assim terá o seu imóvel legalizado.

4. Licença de habitabilidade: isenção

Quais são as casas que não precisam de licença? A obrigatoriedade da licença de habitabilidade e de todo o processo de avaliação que a mesma implica só existe desde 1951. Assim sendo, todos os edifícios que sejam anteriores a esta data estão isentos da licença, a menos que tenham, entretanto, sido levadas a cabo alterações, ampliações e reconstruções (parciais ou completas) do imóvel original. Nesse caso, a licença de habitabilidade passa a ter, tal como nos outros edifícios, um carácter obrigatório.

Seja como for, de forma a manter a segurança dos habitantes e de terceiros, os responsáveis da câmara municipal local efectuarão sempre uma inspecção com vista à avaliação das condições de habitabilidade e de segurança do edifício em questão.

Apesar de tudo, tenha em atenção que se se tratar de um arrendamento as coisas são diferentes. As regras do Novo Regime do Arrendamento Urbano (NRAU) abrangem não só os edifícios mais recentes como também os anteriores a 1951. Assim sendo, no caso de arrendamento, a licença de habitabilidade será obrigatória na hora de celebrar o contrato.

5. Licença de utilização

Embora se confundam amiúde os dois conceitos, a licença de utilização, também emitida pela câmara municipal, serve propósitos diferentes da licença de habitabilidade e destina-se a definir o tipo de utilização que é permitida num determinado imóvel, seja ele habitacional ou não habitacional. Esta licença tem como objectivo comprovar que os edifícios cumprem todos os requisitos e normas legais necessárias que existem em conformidade com o projecto arquitectónico que lhes deu origem e que estão adequados à utilização prevista.

Este é um documento de extrema importância para a instalação de actividades comerciais, industriais ou de serviços. Pode, em muitos casos ser um documento genérico de licença habitacional ou comercial, mas também específico em casos como, por exemplo, as farmácias, os hospitais, os serviços de restauração e serviços de estética entre outros.

A existência desta licença está entre os requisitos fundamentais para a constituição de uma propriedade horizontal, a realização de escrituras de compra e venda, a isenção fiscal de IMI (Imposto Municipal sobre Imóveis) e IMT (Imposto Municipal sobre a Transmissão Onerosa de Imóveis) e o licenciamento de actividades económicas. 

Uma vez que diferentes actividades requerem diferentes normas, esta licença é fundamental para confirmar que o imóvel cumpre a legislação específica aplicada a cada uma. O seu processo é bastante meticuloso e pressupõe um acompanhamento técnico necessário para a confirmação das condições necessárias e para alterações ou autorizações das licenças. Dependendo do fim pretendido para o imóvel, pode, em muitos casos, ser necessária a avaliação e intervenção em áreas especiais como isolamentos acústicos, segurança contra incêndios, refrigeração, extracção de fumos, entre outros.

10 coisas para ter em casa que atraem sorte e boas energias
segunda, 12 de julho de 2021

Sabemos que nem sempre a nossa vida corre como gostaríamos e há sempre fases piores do que outras. Até há momentos em que tudo parece ir contra nós, o que nos leva a ficar muito desanimados e com poucas energias positivas. Pode parecer cliché, mas a verdade é mesmo essa: o positivo atrai o positivo. É, por isso, importantíssimo mudarmos, antes de mais nada, a nossa forma de pensar e tentar ter uma atitude mais positiva para a vida: sorrir, procurar sair, falar com pessoas, ouvir músicas mais alegres, deixando de ver o mal em tudo. Depois, tenha na sua vida elementos que possam ajudar a atrair coisas boas. À nossa volta existem elementos que nos deixam mais seguros, mais felizes e sobretudo mais positivos. 

Para o ajudar a mudar a sua vida, reunimos neste livro de ideias 10 elementos, que permitirão atrair energias positivas ou ajudar a neutralizar o negativo.

 

Estamos sempre a tempo de mudar e não perdemos nada em tentar. Vamos a isso!

 

1. Os gatos transformam a energia negativa em positiva

Os animais são sempre uma excelente companhia, fazem-nos bem e sobretudo dão-nos muito amor e carinho. Por exemplo, os gatos além de serem muito meigos, têm o poder de absorver más energias, para transformá-las em energia positiva. Por outro lado, acariciar um gato permite reduzir os níveis de stress. 

Toca a dar muitos mimos ao seu gato!

 

2. Aloe Vera não serve só para curar!

A Aloe vera é conhecida pelas suas propriedades curativas, é uma planta usada para diversos fins medicinais há muitos anos. Além disso, é ideal para ter em casa não só porque é decorativa, mas também porque absorve todas as energias negativas e permite purificar o ar. 
 

3. Bambu para a prosperidade

E se falamos em plantas, temos que falar no bambu! Este é fantástico para atrair sucesso e prosperidade, até porque é muito usado na filosofia do Feng Shui. Acredita-se que ela possui uma energia muito favorável, uma vez que simboliza a próspera união entre dois elementos: a água e a madeira.

 

4. Velas brancas para boas vibrações

Se tiver que escolher uma cor de vela para ter em casa, opte pelas velas brancas, pois estas atraem boas energias. Além disso, acender velas em casa cria uma atmosfera muito agradável e relaxante. 

 

5. Sal para a proteção

O sal que usamos habitualmente na cozinha, é um elemento muito importante para o proteger de más energias. Coloque um fio de sal, à volta de casa, para deixar de fora a inveja, o mau-olhado e qualquer outro tipo de mau sentimento.

Além disso, se estiver a mudar de casa, para ir viver num novo espaço (que já foi habitado), passe em todos os cantos das divisões umas pitadas de sal. Este irá absorver as más energias dos antigos moradores. 48 horas depois só terá de aspirar e deitar fora esse saco.

 

6. Limpar para criar bem-estar

Uma casa limpa é uma casa com boas energias. Não tenha nem móveis partidos, nem peças estragadas. Mantenha o seu espaço o mais arrumado e limpo possível, para  restabelecer o equilíbrio e as boas energias. 

 

7. Cristais para boas vibrações

Tenha em casa alguns cristais, tal como Selenite, o quartzo transparente, a turmalina negra ou o ónix, porque estes ajudarão a afastar o azar, atraindo assim a sorte. 

Não custa tentar!

 

8. Abrir as janelas e deixar a luz natural entrar

Todos os dias deve abrir as janelas de sua casa, nem que sejam cinco minutos e deixe a luz solar entrar, por ser uma fonte principal da vida. 

Espaços com zonas escuras, a energia torna-se densa e pesada. Certamente que já sentiu isso nalgum lugar…

 

9. Uma fonte para as emoções

Em várias religiões e filosofias a água está associada às emoções. Neste sentido, uma fonte num jardim ou mesmo numa varanda permitirá controlar as emoções.

 

10. Flores para animar o seu espírito

Tenha flores ou plantas naturais pela casa adentro, são fantásticas para purificar o ambiente e levantar os ânimos!

Este livro de ideias também será do seu interesse: 10 dicas de Feng Shui para afastar más energias de casa.

 

Mais ideias: Como atrair boas energias

Quem não gosta de boas energias?

Este artigo foi dedicado a elas e a atrair sorte através de coisas que pode ter em sua casa.

Dos mais aos menos céticos, todos desejaríamos ter sorte em tudo e para ajudar podemos fazer certas coisas como por exemplo pôr música para afastar energias negativas, ou ter plantas num jardim de inverno.

Ideias de cores para portas de interiores
segunda, 12 de julho de 2021

A cor é um detalhe importante na nossa vida, evoca expressão, estilo e identidade. No entanto, quando falamos em portas de interiores coloridas, há inúmeras possibilidades que se abrem e isso pode causar alguma confusão. Existem centenas de cores para portas de interiores e nem todas são fortes e vibrantes.

Não nos esqueçamos que a porta é a primeira peça de mobiliário da nossa casa e, por isso, deve ser escolhida com rigor, tendo em consideração a cor, o estilo que pretende seguir, o número de portas da divisão e/ou da casa, a iluminação das divisões, as pessoas que vivem em casa (por exemplo, no quarto das crianças, a cor é uma necessidade real), etc.

homify selecionou, hoje, algumas inspirações de portas de interiores coloridas. Não só para dar cor ao seu dia, mas também para ajudá-lo a escolher a sua. Vamos a isso?

 

1. Cinzento 

 

Não pense que o cinzento é uma cor monótona na decoração. Pelo contrário, traz um contraste muito interessante aos espaços.

No design de interiores, a cor cinza, tal como o branco e o bege, é uma cor básica e neutra. Além disso, é uma cor camaleónica, porque muda de caráter de acordo com as cores associadas. Por isso, pintar uma porta em cinza é sempre uma opção segura

 
 

2. Madeira natural

A opção de madeira natural é um clássico nas portas de interiores. Fica sempre bem, independentemente do design de interiores da sua casa. A madeira traz sofisticação aos ambientes e também aconchego.

Pode optar por deixar as portas num acabamento mais tosco ou mais brilhante (verniz).

3. Madeira escura

Para os amantes do estilo mais clássico ou rústico, uma porta de madeira escura é, sem dúvida, uma excelente alternativa.

As portas de madeira são versáteis e intemporais.

 

4. Branco

As portas brancas de interiores são um básico e criam uma tela muito bonita no seio de uma casa. A cor branca tem a capacidade de ampliar e iluminar os ambientes. Além disso, é a cor ideal para quem tem medo de errar ou ousar na decoração, uma vez que a neutralidade característica do branco favorece combinações certeiras.

O branco tem a capacidade de combinar com todas as cores da paleta cromática.

 

5. Azul

Uma decoração azul transmite familiaridade e confiança, na qual as pessoas se sentem seguras. Fica bem nos mais diversos ambientes de uma casa, desde do hall de entrada à casa de banho, da cozinha à sala, ou ao quarto.

Existem vários tons de azul, por isso, um azul claro ou petróleo são sempre boas escolhas. Tudo dependerá do seu gosto pessoal, mas também da decoração que pretende para a sua casa.

 

6. Bege

O bege pertence às cores que combinam com tudo e não é apenas exclusivo para interiores clássicos, também é adequado para interiores mais contemporâneos, desde que sejam combinados corretamente os materiais.

É a cor ideal para criar uma atmosfera tão elegante como relaxante. Por isso, não hesite em pintar as portas nesta bonita tonalidade.

 

7. Verde

O verde claro é uma cor muito suave, que pode ser usada em todas as divisões da casa. Combina lindamente com interiores monocromáticos, de estilo escandinavo, interiores vintage ou numa decoração industrial. Por isso, uma porta de interior verde ficará lindíssima em sua casa.
 

8. Bicolor

Se estiver farto da sua antiga porta e quiser dar-lhe uma dinâmica diferente, pode optar por esta sugestão bicolor, em que pintaram a porta em preto e branco. Duas cores neutras e elegantes, criam ambientes sofisticados e modernos.

 

9. Vermelho

Sabemos que o vermelho é uma cor poderosa e cheia de personalidade. É forte, marcante e expressiva, sem dúvida que o vermelho trará personalidade aos ambientes da sua casa. A questão é usá-lo com cautela, para não criar um espaço sobrecarregado. Por exemplo, uma porta vermelha pode dar aquele up a um ambiente, nomeadamente se este for neutro. Imaginamos portas desta cor em casas campestres, por exemplo.

 

10. Amarelo

O amarelo é uma cor muito em voga e, por isso, usar esta cor para pintar portas de interiores é uma alternativa interessante. Gostamos desta ideia da C2HA Arquitetos em que pintaram apenas o contorno da porta. Ficou leve, mas diferente ao mesmo tempo. Este apontamento de cor trouxe outra vida à sala.

 

Mais dicas: pintar portas interiores

Certamente já se questionou como pintar portas de madeira em sua casa para não ser sempre a cor da madeira a protagonista.

Hoje em dia as portas lacadas a branco são tendência mas as portas pintadas de cinzento, como vemos na imagem acima, ganham cada vez mais adeptos. É uma cor elegante e que combina com quase todas as outras.

Portanto, se quiser dar um novo visual aos interiores da sua casa, contrate um arquiteto de interiores e toca a pintar portas de madeira!

 

Qual é a cor que prefere? 
5 ideias a reter para ter um hall de entrada de acordo com o Feng Shui
segunda, 14 de junho de 2021

Ora bem, vamos lá afastar todas as coisas más das nossas vidas e procurar tudo o que há de bom, mesmo que isso implica aplicar algumas regras de Feng Shui em sua casa!! 

Como sabe o Feng Shiu é uma filosofia ancestral chinesa, que representa a influência do espaço relativamente ao nosso bem-estar, quer nos locais onde vivemos, como onde trabalhamos. A partir deste conhecimento é, possível, perceber as influências positivas que estão presentes num espaço e redirecionar as negativas. Neste sentido, podemos melhorar e solucionar problemas profissionais, emocionais, financeiros e de saúde, com alterações certas.

Começamos por alterar o hall de entrada, o primeiro ponto de passagem dentro de uma casa. Não precisa de grandes mudanças, 5 pequenas coisas e já consegue ter um ambiente mais positivo. 

Vamos a isso? Então siga-nos!

1. Espelho

Um espelho no hall de entrada de casa, pode fazer toda a diferença, sabia? Este pequeno acessório expulsa, ou melhor dizendo, reflete para fora as energias indesejadas. Além de ter o poder de ampliar visualmente o espaço. 

Coloque um por cima do aparador do hall de entrada ou na parede inteira. É uma questão pessoal e de gosto.

2. Lírio da Paz ou outras plantas da sorte

As plantas e flores são seres vivos, o que só por si já um ponto (muito) positivo. Por outro lado, são decorativas, enriquecem e personalizam os ambientes. Mas há plantas com maior poder do que outras, como é o caso do Lírio da Paz, espada-de-são-jorge ou bambu. 

O lírio da paz pode ser utilizado como um purificador biológico, melhorando a qualidade do ar. Além disso, é perfeita para afastar e limpar energias negativas ou ainda, ondas eletromagnéticas, que chegam dos mais vários aparelhos electrónicos.

3. Aparador

Frente à porta do seu hall de entrada coloque um aparador, mediante o tamanho do espaço. Seja coerente. Pode optar por um aparador de vidro, que cria mais leveza ao ambiente, como fizeram neste exemplo.

Adorne o aparador com alguns elementos decorativos, como um espelho, uma fonte, uma planta ou outro acessório. Mas atenção, não deve sobrecarregar o móvel. Evite móveis e objetos muito antigos, pesados e escuros.

4. Essências

Um difusor, velas aromáticas, essências… Enfim, o que tiver um cheirinho bom e agradável poderá fazer parte do seu hall de entrada. Assim, o ambiente ficar exalando aquela fragrância agradável, mal entrará pela casa adentro!

5. Iluminação

Iluminar é a palavra de ordem, no Feng Shui e no design de interiores, em geral. Os espaços ficam muito mais acolhedores, ricos e aconchegantes. Independentemente do seu hall de entrada ter luz natural, deve pensar na iluminação na luz artificial. De acordo com Feng shui, a iluminação representa o yin yang, sendo que as luzes mais escuras representam o yang e as mais claras representam o yin.

Pode optar por colocar um candeeiro de teto, mas também um candeeiro de mesa ou de chão. Além disso, pode enriquecer o ambiente com umas velas. 

Quanto às cores devem prevalecer as cores claras, nomeadamente em espaços pequenos. Se tiver um hall de entrada maior, pode arriscar em cores mais fortes. 

Como Escolher Poltronas – 10 Critérios a Ter em Conta!
sexta, 21 de maio de 2021

Tem um pequeno espaço que sobre na sua sala de estar e sonha em ter uma linda poltrona para preenchê-lo? Ou será que precisa de um cadeirão no seu quarto?

Pele, tecido, microfibra, veludo… Enfim, existem tantos revestimentos para satisfazer os seus desejos. Forma, encosto, opção conversível, assento estofado ou o tipo de espuma… Existem muitos modelos com características estéticas e técnicas muito diferentes.

Os cadeirões ou poltronas são, sem dúvida, uma peça de conforto, mas também decorativa, porque valoriza mais o espaço.

Se não sabe que tipo de poltrona escolher, saiba que este artigo vai ajudá-lo a descobrir tudo o que precisa para escolher as suas novas poltronas relax!

Além disso, tem também a oportunidade de descobrir exemplos lindíssimos de poltronas, para se inspirar e ver como as pode introduzir na sala, no quarto ou noutra divisão!

Ora, acompanhe-nos!

 

1. Que critérios ter em conta para escolher um cadeirão?

Para escolher bem o seu cadeirão ou poltrona há vários critérios que entram em jogo. Destacamos os seguintes:

Utilidade: vai usar o cadeirão para relaxar na sala? Trabalhar ? As crianças vão se sentar lá?

Conforto: é essencial, uma poltrona deve ser confortável, caso contrário vale mais apostar numa cadeira ou num banco.

Manutenção: a sujidade e o desgaste são proporcionais ao uso, a facilidade de manutenção é um critério de escolha.

Dimensões: calcule o espaço que tem para encontrar uma poltrona adequada, nem muito pequena, nem muito grande.

Estilo: não vai colocar uma poltrona retro num interior muito moderno, a poltrona deve estar de acordo com a sua decoração.

 

2. Escolha a poltrona de acordo com o seu uso

Ao escolher a sua poltrona ou cadeirão, não deve subestimar a sua utilidade a longo prazo, que acabam por afetar diretamente os outros critérios.

  • Se for usado diariamente por toda a família e tiver animais de estimação, considere materiais resistentes e fáceis de cuidar, como algodão ou microfibra.
  • Aposte numa peça com mais requintada, se quiser criar um cantinho seu com uma poltrona. Use cores claras e materiais nobres: linho, veludo, couro…
  • Se for um cadeirão extra numa sala pequena, escolha modelos dobráveis ​​que sejam facilmente guardados.
  • Se precisa de uma cama extra, pense em poltronas conversíveis, práticas para reparos de última hora!
  • Para uso externo / interno, certos materiais como rattan, vime ou madeira são ideais para resistir às diferentes condições climáticas!
  • O tamanho da cadeira e o seu peso não devem ser esquecidos se tiver que ser movida com frequência, encostada contra a parede ou puxada para mais perto da mesa de centro!

 

3. Determine o conforto que pretende para a sua poltrona

Não temos todos os mesmos critérios relativamente ao conforto, porque o que é confortável para um, não o é para outro.

Alguns vão adorar ter sofás relax e muito macios, onde se podem afundar nas almofadas. Outros querem mais apoio, na região lombar e, por isso, irão querer um encosto mais firme. Se não pode testar fisicamente os cadeirões de que gosta, descubra a densidade do assento da cadeira que deseja.

Ainda é possível, adquirir poltronas de massagens, que são ideais para relaxar ao final do dia com uma boa massagem. É uma opção mais cara, sendo que pode ir desde os 250€ até 2000€ ou mais. Se sofre de dores lombares, costas e afins, pode ser uma alternativa interessante.

Tenha, ainda, em conta aa densidade do cadeirão, que é expressa em Kg / m3. Quanto mais fraco for, mais macio será o assento, o inverso irá, portanto, induzir mais firmeza.

 

4. Que tipo de espuma escolher para a sua poltrona?

A espuma High Resilience (HR ), que se traduzir por “alta resiliência” é a mais adequada para uma poltrona. A densidade é alta e oferece uma excelente resistência ao longo dos anos.

Esta espuma tem a capacidade de se deformar e depois voltar ao seu formato original: ao se sentar, ela adapta-se ao formato, garantindo um suporte flexível.

Uma vez livre do peso, a poltrona recupera sua estrutura e o seu aspeto visual.

Verifique a densidade do assento, mas tenha cuidado porque a densidade do encosto pode ser diferente.

Para um assento confortável, uma densidade entre 30 e 35kg / m3 será perfeita. Para o encosto, 20 a 25 Kg / m3 serão suficientes.

 

5. Ter em conta a manutenção e limpeza da poltrona

A sua posição na sua sala (ou noutra divisão) não deve ser aleatória!

Mantenha-a afastada de todas as fontes de calor! Aquecedores, lareiras ou janelas salientes voltadas para o sul. Por exemplo, se a sua poltrona for em pede pode ficar danificada por causa do calor.

Não hesite em proteger a sua poltrona com um cobertor protetor se sentir achar que está a apanhar muito calor.

As manchas e o desgaste são inevitáveis, mas podemos tentar evitá-los. Pode contratar uma empresa para impermeabilizar a poltrona de tecido a sua poltrona, colocar uma manta e limpá-la regularmente com o máximo cuidado.

 

6. Ter em conta as dimensões da poltrona

Antes de mais, deve observar a divisão e pensar no uso da sua poltrona.

Vai passar tempo a trabalhar no cadeirão? É para estar sentado para ver as suas séries preferidas? Ou será usado para passar tempo com os seus filhos para ler a história da noite?

Enfim, dependendo da sua utilidade, irá optar pelas dimensões adequadas:

  • um encosto reto e firme para trabalhar;
  • um encosto muito alto para um canto de leitura;
  • um encosto inclinado e macio para uma área de relaxamento
  • apoios de braço para uso à volta da mesa de jantar
  • entre outros

O tamanho da sua poltrona deve estar em harmonia com a morfologia e o volume da divisão, onde será incluída.

A poltrona, por exemplo, com o encosto alto é agradável para apoiar a cabeça. Uma opção perfeita para horas de leitura, para ficar sem dores no pescoço.

No entanto, se optar por uma poltrona com apoios laterais (os tais braços) podem ser desconfortáveis se pensa trabalhar lá com o seu portátil nos joelhos.

 

7. Que estilo e cor para a poltrona?

Existem muitos estilos de poltrona, estas são algumas das possibilidades que pode encontrar:

Direita: simples e eficaz, aqui encontrará a escolha mais ampla;

Balanço: ideal para relaxar, a cadeira de balanço também é divertida;

Suspensa: combina as vantagens da cadeira de balanço enquanto liberta espaço;

Reclinada: mude de sentado para deitado em menos de nada;

Conversível: uma cama extra compacta escondida disfarçada numa poltrona bonita.

Encosto de cabeça: para um suporte cervical perfeito;

Apoio de braços: prático para apoiar os braços;

Apoio para os pés: aumenta consideravelmente o conforto.

 

8. Que cor de poltrona escolher?

A cor pode ser o detalhe mais fácil de escolher. No entanto, ainda existem algumas possibilidades:

Harmonize a cor da poltrona com a do sofá e misture-a com a atmosfera geral do espaço. Pode também optar por escolher uma poltrona colorida, para destacar outros móveis. Se quiser arrisca, aposte numa poltrona original, como se fosse uma obra de arte, no meio de um espaço neutro!

 

9. Quanto custa uma poltrona?

Hoje em dia, encontra preços muito diversos e alguns muito acessíveis. Mas como sabe, o preço também faz a qualidade. Se quiser um preço acessível e a uma qualidade boa, pode sempre optar por uma poltrona usada, tal como compra sofás usados.

 

10. Decorar a poltrona

Por fim, não se esqueça de decorar e tornar a sua poltrona mais confortável, com uma almofada. É uma forma de lhe dar uma cor e preencher mais o espaço.

Quem quiser comprar uma poltrona mais neutra, pode arrisca numa almofada mais colorida e com um padrão divertido!

Edredom: 8 Dicas Úteis Para Escolher o Seu
sexta, 14 de maio de 2021

Há poucas coisas mais satisfatórias do que nos deitarmos, ao fim do dia, numa cama feita com um edredom fofo que nos mantenha aconchegados durante o sono. Hoje em dia, a oferta é bastante vasta em termos de têxteis e acessórios para a cama. No que toca aos edredons, há-os com todos os pesos, de qualidades distintas, de tamanhos variados e há, ainda, as capas de edredom que nos permitem personalizar o edredom propriamente dito de acordo com o nosso estilo e elevando a decoração do quarto.

 

A compra de um edredom não é, nem tem que ser, um processo complicado, mas é oportuno ter conhecimento do que existe no mercado para fazer a escolha que melhor vá ao encontro das nossas cidades. Hoje, é aos edredons que dedicamos o nosso artigo. Que preenchimentos existem? Qual o melhor tamanho? Qual o nível de calor de que precisamos? Como manter ou lavar o edredom? Há edredons para berços?

 

Por ora, fique por aqui e tome nota das dicas que se seguem. Afinal de contas, a qualidade do nosso sono é importante para a nossa saúde e bem-estar geral.

 

1. Edredom – que preenchimento escolher?

Em primeiro lugar, deve decidir se quer um edredão com um preenchimento natural ou sintético.

 

Preenchimento natural: o preenchimento natural é leve e, ao mesmo tempo, quente, para além de mais respirável. Se os patos e gansos se mantêm quentes durante o mais rigoroso dos Invernos, imagine o efeito que essa penugem e penas têm quando usadas num edredão. Se optar por um edredão de penugem ou penas, deve certificar-se de que o enchimento é, efectivamente, feito totalmente com estes materiais. Se na etiqueta se ler apenas que o edredom é de penugem ou penas (uma informação vaga), é provável que o seu enchimento tenha 30% de penugem ou penas e 70% de um material sintético. Por isso, procure um edredão cuja descrição mostre que o enchimento é 100% natural. Note-se, ainda, que as penas não são tão quentes e leves como a penugem, por isso, são mais baratas que estas últimas. Pessoas alérgicas devem comprar edredons cujas penas tenham sido limpas e esterilizadas. Para modelos em penas, é recomendável uma gramagem de 180 g/m2, para o Verão, e 270 g/m2, para o Inverno. Não compre modelos com uma costura compartimentada – com faixas verticais, por exemplo – visto que a pouca compartimentação pode levar a que o enchimento fique distribuído de forma heterogénea, com algumas zonas apenas com o tecido exterior. Cabe mencionar que estes edredons têm uma vida longa (duram cerca de 10/15 anos). Levam, todavia, mais tempo a secar.

 

Atenção: há, no entanto, questões problemáticas concernentes ao tratamento dos animais. É importante informar-se sobre a origem do produto e, claro, considerar alternativas sintéticas.

 

Preenchimento sintético: se tem alergia a penas, se estes edredons são demasiado caros para si ou se, por questões éticas, prefere um edredom com preenchimento sintético, considere alternativas como o poliéster – que tem um toque parecido com o da penugem -, o algodão ou a lã. Para além de mais baratos, são hipoalergénicos. Por outro lado, são menos respiráveis e mais pesados, sendo que esse peso não é proporcional ao calor gerado. No que respeita às fibras de poliéster, existem muitas variedades (Quallofil Air, Hollofil, Cyclafill, entre outras). Quanto mais ar lhes for injectado, mais quente será o edredom. Em termos de peso, é recomendável uma gramagem de 180 e 250 g/m2, para o Verão, e entre 300 a 500 g/m2, para o Inverno. Quanto mais denso for o enchimento, mais caro será o edredom, mas o material da cobertura externa também influenciará o preço.

 

2. Qual o melhor edredom para cada estação?

Edredom quente, médio ou fino? Um edredom demasiado fino e frio em pleno Inverno será, por certo, um problema, especialmente num quarto pouco aquecido. Por outro lado, no Verão, um edredom demasiado quente será um impedimento para uma boa noite de sono. Ainda assim, no Verão podemos apenas puxar para trás e ficar com o lençol. No Inverno, acaba por ser pior porque temos que acrescentar mais camadas e a cama acaba por ficar pouco confortável (já para não falar que não é prático). Reconhecemos, contudo, que esta questão acaba por ser um pouco pessoal e subjectiva porque há pessoas mais friorentas do que outras. Hoje em dia, muitas pessoas compram edredons que são compostos por duas camadas, uma com um nível térmico baixo e a outra com um nível térmico médio. São conhecidos como edredons quatro estações. No Verão, pode-se usar apenas a camada com nível térmico baixo. Na meia estação, pode-se usar a camada com nível térmico médio. No Inverno, juntam-se as duas. É uma solução muito versátil e prática.

 

3. Grau de calor e a medida TOG

Como referimos, o grau de calor depende de vários factores, como o clima da região onde vive e a temperatura da casa, e varia de pessoa para pessoa. Para camas de casal, em que um é mais friorento do que o outro, é preferível cada um ter o seu próprio edredom ou, então, colocar uma manta ou cobertor de um dos lados.

 

Na indústria têxtil, o calor relativo mede-se através de uma medida de resistência térmica chamada TOG. A medida vai do 1 ao 15 e quanto mais alta for, mais quente é o edredão. Esta medida ainda não é usada em Portugal, mas é muito mais fidedigna do que o peso por m2. Segundo a medida TOG, um edredão de Verão não deve exceder o 4.5 TOG e um modelo de meia estação não deve ultrapassar os 10 TOG. Entre o 10 e o 15, o edredão já é considerado um edredão de Inverno.

 

Nota: em relação ao calor, convém ainda ter em consideração as outras camadas de tecido que vai incluir na sua cama: lençol, capa de edredão e manta. Todas as camadas geram calor, por isso, não descure este ponto. Se usar um edredom nórdico (são bem quentes e fofos), use lençóis mais leves.

 

Nota 2: para regiões muito frias, pode-se, também, optar por um edredom polar. Os edredons polares, embora menos comuns, são extremamente macios e aconchegantes, ideais para climas rigorosos. É como dormir abraçado por um urso!

 

4. Tecido exterior e costura

Os edredons são acolchoados para que o enchimento se mantenha no lugar, daí os edredons cosidos em faixas verticais não serem a melhor escolha. Os quadrados formados pelo acolchoado criam compartimentos mais pequenos que garantem que o enchimento não se espalhe. Quando pega no edredom e sente que há partes muito finas em relação às outras, é porque o enchimento se espalhou e se concentrou num único ponto, o que não é nada confortável nem apelativo do ponto de vista estético. É, por isso, essencial haver uma boa costura para limitar a perda de calor e uma distribuição homogénea do calor. O tecido do edredão deve, também, assegurar de que não há libertação de fibras para o exterior. Para um edredom de penas, o tecido deve ter entre 120 a 150 fios/cm2; para um edredom sintético, não são necessários fios tão densos, pelo que 90 fios/cm2 chegarão.

 

5. Edredom – escolher o tamanho

Antes de comprar o seu edredom, não se esqueça de medir a sua cama. O edredom deve cobri-lo bem e ficar bem preso nas laterais e ao fundo para que durma com todo o conforto. Não há nada pior do que puxar de um lado e ficar destapado do outro. A cama acaba por se desfazer, o que afecta a qualidade do sono. Também importante é comprar uma capa de edredom proporcional ao mesmo para que este não ande a “dançar” dentro da cama, o que também prejudicará o seu sono.

 

6. Edredom – preços

Os edredons mais caros são os edredões de penugem de ganso, brancos e hipoalergénicos. Se o seu orçamento for limitado, opte por um que mistura materiais naturais e sintéticos ou por um edredão com um enchimento sintético. Porém, lembre-se que a qualidade do nosso sono é importante para a saúde, por isso, comprar um bom edredão é um bom investimento.

 

7. Edredom bebé: edredom e protetor de berço

Os bebés com menos de um ano não devem ter edredom e/ou cobertor no berço, pois podem asfixiar. A partir dessa idade, pode-se introduzir um edredom. O mesmo se aplica às almofadas. Até lá, aconchegue o bebé com roupa de cama que fique ao nível do tronco e que esteja presa debaixo do colchão. Quanto ao protetor de berço, se o colocar, assegure-se de que este fica bem preso à grade para não cair sobre o bebé.

Ainda assim, aconselhe-se sempre junto do pediatra do seu filho.

 

8. Edredom: como manter?

Arejamento: o edredom deve ser arejado uma vez por semana. Faça-o logo pela manhã quando o ar está mais limpo e fresco e o sol menos agressivo. Deste modo, a humidade da noite evaporar-se-á, o que reduzirá a prevalência dos ácaros que singram em ambientes húmidos. Aproveite também para sacudi-lo.

Lavagem: primeiro, convém usar capa. A capa protege o edredom e evita que se tenha que estar sempre a lavar. Lave o seu edredom de acordo com as instruções da etiqueta. Caso tenha dúvidas, leve-o a uma lavandaria.

Secagem: seque na máquina apenas se a etiqueta tiver essa indicação. Caso contrário, seque ao ar livre. Note que o edredom só pode voltar à cama quando estiver muito bem seco!

Armazenamento: guarde num saco a vácuo ou na embalagem original.

E assim terminamos o nosso artigo. Agora, já pode escolher um edredom à medida das suas necessidades.

As principais tendências de decoração de cozinhas em 2021
sexta, 30 de abril de 2021

As cozinhas são, cada vez mais, um espaço de convívio e criatividade. Saiba as tendências que vão dominar em 2021.

Mais tempo em casa durante a pandemia foi sinónimo de mais tempo passado na cozinha a explorar receitas. Certamente por isso, têm surgido tendências que fazem da cozinha não só um espaço de refeições, mas também de criatividade.

Delphine Pfeiffer, diretora de marketing da empresa Schmidt, partilhou algumas dicas:

 

Cozinha Integrada

Se no passado a cozinha era um espaço fechado, as tendências apontam para que, cada vez mais, seja integrada com a sala de estar. A inspiração no modelo “open space”, permite que quem estiver a cozinhar socialize com os restantes membros da casa.

Também por isso, surge a necessidade de utilizar eletrodomésticos embutidos e disfarçados por armários. Por outro lado, também as cores da cozinha devem condizer com a sala e, por isso, tendem a desaparecer os móveis em carvalho maciço. O ideal é fazer com que, os espaços que anteriormente eram dois, pareçam um.

 

Azul pan, bege rosa, terracota

Paul Picano, especialista em decoração, disse ter vindo a observar uma preferência por tons como o azul pan ou studio green. “Estas são cores atemporais das quais não nos vamos cansar”, explicou.

Uma outra cor que tem ganho terreno na decoração de cozinhas é o rosa pulverulento. Pfeiffer, disse: “Estamos a usar cada vez mais cores naturais como tons de bege, rosa ou até terracota”. A ideia é largar de vez o branco, para serem implementados tons suaves e quentes. A empresa francesa de decoração de cozinhas, Paul & Benjamin, foi mais longe e afirmou que o ideal é usar duas a três cores ao mesmo tempo na cozinha.

“Quando decides colocar uma cor pronunciada nos móveis baixos, opta por móveis leves em cima, para alongar. Porém, não recomendo um verniz mate para cores escuras, propício a impressões digitais”, concluíram.

 

Móveis lacados mate

Móveis lacados mate estão a fazer sucesso. Contudo, “lacas mate podem tornar-se num inferno ao primeiro raio de sol”, lamentou Paul Picano. Amandine Merle reiterou: “As superfícies são tão lisas e uniformes que todos os vestígios são visíveis, especialmente se a cozinha estiver bem exposta à luz”.

O ideal é optar por materiais tratados para serem anti-impressões digitais.

O brilho, assim como a madeira, estão, cada vez mais, a perder espaço para dar lugar aos laminados.

As cozinhas familiares inglesas, inspiradas nas VOL Kitchens – a referência para cozinhas britânicas clássicas – estão a inundar a rede social Pinterest. Paul Picano, acredita que as ditas “cozinhas de moldura” não vão tardar a ser um padrão.

Inovações na bancada

São inúmeras as inovações que podem ser impressas nas bancadas de cozinha. Paul Picano reconheceu a falta de renovação das bancadas de pedra, mas encontrou resposta no quartzito.

“São peças únicas, o cliente escolhe a sua fatia e os veios que mais lhe agradam. A pedra torna-se uma pintura por si só”, disse.

Uma outra tendência são os splashbacks – proteções em pedra para as paredes -, curtos (dez a 15 centímetros), ou muito altos, até ao armário superior.

Numa cozinha simples e branca, os splashbacks, com mosaicos divertidos, podem fazer a diferença.

 

Layouts cada vez mais simétricos

Se os materiais das cozinhas evoluíram muito, o seu design não ficou para trás. “Não estamos mais em designs clássicos de alinhamento de móveis na parte superior e na parte inferior”, explicou Delphine Pfeiffer. Isto ocorreu porque as cozinhas de hoje estão abertas e integradas a outras divisões da casa.

No entanto, é preciso ter em mente que layouts simétricos, além de aumentarem a funcionalidade da cozinha, também aumentam o valor a ser pago. Isto acontece porque existe mais mobiliário e elementos técnicos, o que exige não só um designer de cozinhas, mas um carpinteiro especializado.

“A questão do armazenamento continua a ser a mais importante para o cliente. Móveis muito profundos e altos, feitos sob medida, permitem aproveitar ao máximo o espaço e otimizar o armazenamento. Existe a noção de cozinha de convívio, mas o armazenamento continua a ser o primordial”, rematou a Pfeiffer.

 

Atenção aos detalhes

Os puxadores – invisíveis ou não – e a iluminação podem parecer pormenores, mas fazem toda a diferença. O toque industrial através dos candeeiros em metal tem convertido, cada vez mais, utilizadores.

Lajetas: um revestimento popular disponível em diferentes materiais
domingo, 18 de abril de 2021

As lajetas utilizadas para pavimentar ou para revestir paredes são utilizadas em todo o mundo e em todos os tipos de construção, desde jardins a edifícios residenciais e comerciais. Trata-se de um revestimento flexível e fácil de instalar, o que facilita a sua utilização em espaços de naturezas distintas, independentemente da dimensão. Estando disponíveis numa vasta gama de materiais, tamanhos e formas, as lajetas são, por certo, uma boa solução para valorizar, do ponto de vista funcional e estético, uma construção.

Apesar de simples, existem vários tipos de considerações e decisões fundamentais para escolher as lajetas ideais, por isso, a melhor opção passará sempre por contratar um arquitecto que, entre outras coisas, o oriente na escolha dos materiais para a construção ou remodelação da sua casa ou de qualquer outro ainda. Ainda assim, é oportuno saber que opções existem e a que preços. Hoje, é sobre isso que lhe escrevemos. Ora tome nota.

1. Benefícios da utilização de lajeta

Existem várias razões pelas quais as lajetas são tão populares enquanto material para o revestimento de pisos e de paredes.

Para começar, existem lajetas de vários materiais, formatos e tamanhos, o que permite um maior grau de personalização e de criatividade. Com as lajetas, podem-se até construir padrões. A paleta de cores também é bastante alargada, o que torna fácil a escolha do material e da tonalidade que melhor se adapta ao meio envolvente e ao ambiente que quer criar no espaço, seja ele interior ou exterior. As lajetas são, também, um revestimento que oferece resistência e durabilidade e que, por isso, se adaptam a qualquer tipo de construção, clima e solo, garantindo que não terá preocupações durante muitos anos. Por fim, mas não menos importante, há a questão do tempo e, ainda, a do preço. A instalação de lajetas é, por norma, rápida e económica. O preço da lajeta, propriamente dito, variará conforme o material de que esta for feita, pelo que deve considerar todas as opções e pedir orçamentos em várias lojas para que possa fazer a escolha que melhor for ao encontro do seu orçamento.

2. Lajetas de pedra natural

As lajetas de pedra natural estão entre as mais requisitadas do mercado pois apresentam características impossíveis de reproduzir. Trata-se de um produto de qualidade superior, de alta resistência e de generosa durabilidade. Esta gama de materiais mantém-se elegante com o passar do tempo, resiste bem às adversidades do clima, é fácil de limpar e está disponível em cores e padrões subtis e únicos. Além de tudo, a forma como a pedra é extraída para depois ser utilizada requer um processo mais ecológico do que o do fabrico de betão. 

Dentro das lajetas de pedra natural, há quatro que se destacam: granito, grés, calcário e ardósia. Mas, vamos por partes.

2.1. Lajetas de granito

O granito, fruto da sua composição que resulta da mistura de quartzo e de feldspato, é a pedra mais durável de todo o leque e possui uma porosidade mais baixa do que as demais, o que significa que tem maior impermeabilidade. A superfície não porosa do granito torna as lajetas deste material fáceis de limpar. Além disso, são dificilmente danificadas por líquidos e arranhões. No mais, o granito adapta-se bem às diferentes temperaturas e é resistente à erosão química.

Por outro lado, tendo em conta a sua dureza, é uma pedra muito pesada e difícil de cortar e trabalhar. É, ainda, uma pedra com um preço bastante elevado, embora, pela sua resistência e durabilidade, o custo do material possa ser compensado na pouca manutenção necessária. Ainda assim, se pretende um pavimento de exterior ou interior barato esta pode não ser a solução que procura.

2.2. Lajetas de grés

Outro material bastante popular, em virtude da vasta gama de cor e de acabamentos disponíveis, é o grés. Esta pedra é composta por pequenos grãos que se mantêm juntos através de silício e, por isso, apresenta um elevado nível de dureza que varia conforme o acondicionamento dos grãos: quanto mais apertados, mais duro é o grés. É uma pedra fácil de encontrar no mercado, muito fácil de trabalhar e que resistirá, sem problema, a condições climáticas adversas. A durabilidade deste material é longa e a manutenção e limpeza são fáceis de levar a cabo. 

Porém, com o tempo, a sua cor e os seus padrões podem perder alguma definição e a pedra começar a apresentar um aspecto gasto. A composição 100% natural e sem tratamentos faz com que o grés seja áspero e apresente, por vezes, imperfeições pouco desejadas.

2.3. Lajetas de calcário

O calcário tem algumas semelhanças com o grés como, por exemplo, o facto de também ser uma pedra formada por pequenos grãos. A diferença está no material que os une (mistura de cal e silício) e que a torna diferente em termos de tons e texturas. Além disso, os grãos que compõem o calcário são mais consistentes e, por isso, esta pedra é menos porosa do que a anterior. É uma pedra fácil de cortar e de trabalhar e, pela sua composição, surge numa paleta de cores profundas e impossíveis de igualar.

Contudo, implica vários cuidados de manutenção pois está mais suscetível ao desgaste. Tem uma paleta de cor mais limitada (mas bonita) e, no caso de não ter tratamento, pode sofrer danos provocados por produtos mais ácidos.

2.4. Lajetas de ardósia

Ao contrário das duas anteriores, a pedra de ardósia é formada por camadas. Essa composição tem impacto nas propriedades da pedra, assim como na sua utilização. As texturas e cores da pedra são um grande destaque e a sua resistência permite que esta se mantenha intacta por muito tempo. Além disso, estas lajetas são extremamente impermeáveis e muito duráveis, mesmo quando utilizadas em espaços exteriores. 

Todavia, podem não ser muito fáceis de instalar e, se não forem devidamente tratadas, as camadas podem começar a descascar o que cria desníveis tornando a pedra mais feia e mais susceptível a danos provocados pela água e humidade.

2.5. Lajetas de betão

As lajetas de betão apresentam algumas vantagens e desvantagens em relação às de pedra natural. À partida, até podem parecer muito idênticas em termos de aspecto e eficiência, mas há sempre coisas que as distinguem. 

Para começar, o assentamento de lajetas de betão é simples e rápido, e estas são muito mais baratas de comprar, mais fáceis de encontrar e existem, fruto da forma como são feitas, numa paleta de cores e texturas mais ampla. A sua textura pode ser manipulada de forma a apresentar diversas soluções, da mais porosa à mais lisa. Na hora de comprar, tem, ainda, uma variedade de escolha muito maior, uma vez que elas são vendidas nos mais diversos tamanhos e formas. Pelas suas características e vantagens, as lajetas de betão para pavimento exterior ou interior e para fachadas serão sempre uma solução à medida de muitos dos proprietários. 

No entanto, por muito que as lajetas de betão se possam aproximar visualmente das de pedra natural, a verdade é que nunca serão exactamente a mesma coisa. São menos originais em tonalidades e texturas e a sua qualidade é claramente inferior. Estão, por isso, mais expostas ao desgaste e aos danos provocados pelo passar do tempo e pelo uso. Para além de ser um pavimento de exterior barato e uma boa alternativa ao pavimento exterior em pedra, as lajetas de betão também podem ser aplicadas na fachada.

Lajetas de betão aplicadas à fachada

Para além de ser uma boa alternativa ao pavimento exterior em pedra e uma solução apelativa para quem quer um pavimento exterior barato, o betão também pode ser aplicado em fachadas.

As lajetas térmicas são uma boa solução de isolamento térmico e impermeabilização dos edifícios, criadas por uma camada de isolamento térmico de poliestireno extrudido e uma camada de betão impermeabilizado. Estas lajetas são bastante resistentes às alterações climáticas e possuem uma durabilidade alargada. São fáceis de instalar e tornam o edifício mais confortável e adaptado às necessidades do proprietário.

Telheiros em madeira para a churrasqueira – como fazer e quanto custam
segunda, 12 de abril de 2021

O verão já se vislumbra por entre as nuvens da chuva que tanta falta fazia. Entre dias de vendaval e chuva forte quase conseguimos sentir um pouco do calor desse verão que não tarda. Da praia e dos sunsets, das caminhadas na montanha e, claro, das churrascadas entre família e amigos! Haverá maior prazer do que ouvir as brasas a crepitar sob uma salsicha, seja de carne ou vegetariana? Esperar o grelhado chegar, sentado à sombra com todo o conforto, com uma cerveja ou um sumo gelado na mão? Nós achamos que não, e por isso hoje falamos-lhe de churrasqueiras!

Ter um espaço para churrascos é um privilégio por si mesmo, mas ter uma estrutura, pensada e planeada apenas para que possa desfrutar desse prazer em pleno, é simplesmente divinal. 

Embora atualmente a vontade de churrascar vá para além do estilo, e já existam muitos espaços de estilo moderno dedicados a esta atividade maravilhosa, a verdade é que a maior parte ainda tem um apelo rústico. Afinal, um churrasco aproxima-nos da forma mais primitiva de cozinhar os alimentos, daquele momento em que a tribo se reunia à volta da fogueira para saborear os frutos da caçada!

A madeira, mesmo sendo um material ancestral, é ainda hoje o material de eleição para os telheiros de jardim, em especial para as churrasqueiras. Então venha connosco e saiba tudo sobre ter um telheiro em madeira para a churrasqueira, desde a construção até ao preço aproximado!

Planeie

O telheiro, ou pérgula, para a churrasqueira tanto pode ser a estrela do seu jardim, como um verdadeiro desastre arquitetónico, e a linha que separa estas situações começa normalmente no planeamento. 

Fazer as coisas ao sabor do momento, sem medir, estruturar, escolher, combinar ou equilibrar os vários elementos é a receita para o desastre, culminando normalmente em espaços desordenados, que parecem uma manta de retalhos de itens desconexos. É por isso que o primeiro passo para ter uma churrasqueira de sonho é mesmo planear bem a construção do seu telheiro em madeira.

Comece por delinear o que pretende respondendo a algumas questões. A resposta a elas vai de certeza condicionar as suas escolhas. 

A estrutura vai estar ligada à casa ou vai ser completamente independente? 

A resposta a esta pergunta é fundamental para definir qual será o estilo da estrutura, pois se a anexar à casa é imperativo que a complemente na perfeição e não estrague a estética da fachada. Dito isto o mais vulgar é tentar coordenar o estilo moderno com um anexo moderno, e o rústico com um anexo rústico, e embora as estruturas contrastantes possam dar resultados espantosos é uma escolha bem mais arriscada. Se pretende enveredar pelo contraste o nosso melhor conselho é que procure um arquiteto paisagista para o auxiliar.

Toda a estrutura vai ser em madeira ou pretendo combinar materiais?

Hoje falamos de telheiros de madeira, mas há outras alternativas, como o plástico reciclado que imita a madeira, que são igualmente fantásticas, e pode combinar a madeira com o metal ou com a construção em alvenaria.

Vou construir o telheiro e a área da grelha ou pretendo instalar estruturas pré-fabricadas, ou ambas?

Pode construir de raiz, à medida do seu espaço, do seu estilo ou do seu orçamento, mas também pode preferir uma solução mais rápida optando por uma estrutura pré-fabricada. E ambas as escolhas podem ficar espetaculares, pois no mercado atual há opções de pérgulas pré-fabricadas a baixo preço, e muito bonitas!

Que área posso dedicar à estrutura churrasqueira?

As medições, sempre as medições. Nunca avance sem saber com exatidão as áreas que compõem o seu espaço exterior e que medidas quer dedicar a cada uma. Saber as medidas é também fundamental para o licenciamento como veremos mais à frente. Faça um esboço completo do seu jardim e uma boa estruturação paisagística para que tudo fique ordenado, mesmo que de forma aparentemente displicente.

Conheça os materiais, formas e estilos

O material de eleição neste artigo é a madeira. Mas que madeira? A madeira de pinho tratada e a madeira de eucalipto são as madeiras portuguesas mais usadas na construção de estruturas exteriores, e por isso são ótimas para telheiros, embora precise de ter a certeza da qualidade do tratamento por causa do risco de incêndios. Se optar pela madeira total não se esqueça de fazer uma área de pavimento resistente à volta da zona da grelha e de colocar um extintor por perto (este conselho é válido seja qual for o material da estrutura). 

Pode também preferir fazer uma pérgula de madeira mas usando uma parede da casa como apoio, e colocar ali o grelhador aproveitando a parede de pedra ou alvenaria mais resistente ao calor. Ou então construir uma estrutura em cimento e tijolo especificamente para a churrasqueira, deixando a madeira apenas para a cobertura.

Alternativas e acessórios

Não precisa de fazer tudo em madeira vulgar. Pode escolher construir uma estrutura rústica e depois adicionar-lhe um telhado em telha portuguesa para um tom mais tradicional, ou fazer um telhado de bambu.

A ideia do telhado é garantir sombra para usufruto nos meses de verão, mas se pretende uma utilização mais extensa, que se prolongue mesmo em dias de chuva, o melhor é construir uma estrutura sólida, com telhado impermeável e escoamento de águas.

Montar telheiros em madeira para churrasqueira não é uma tarefa complicada de fazer sozinho se escolher algo bem simples e tiver algum jeito para a bricolagem. Nas lojas da especialidade encontra madeira pré-cortada para fazer estruturas deste tipo e todos os elementos de fixação. Só vai precisar de alguma ajuda na parte de levantar e fixar os postes (depois de marcar e escavar os orifícios para eles). Depois pode instalar ali uma churrasqueira móvel e já está! Provavelmente não ficará uma construção tão perfeita ou tão glamorosa como uma solução profissional, mas terá a satisfação de saber que conseguiu.

No entanto, seja qual for o estilo escolhido não pode esquecer-se de alguns elementos essenciais a uma churrasqueira exterior: – assentos confortáveis e uma mesa para as refeições, que ninguém gosta de comer em pé!

Churrasqueiras com telheiro

Quem não sonha em ter uma moradia com terraço com telheiros para churrasqueira?

Os telheiros em madeira tratada ficam lindamente com qualquer tipo de decoração.

Se a sua casa tiver um estilo rústico, peça ao seu arquiteto uns telheiros rústicos para que tudo fique em harmonia.

Preciso de licenciamento camarário?

Depende! Em princípio estas estruturas são consideradas intervenções com um baixo impacto urbanístico, e por isso normalmente não necessitam de licença, mas isso depende essencialmente das dimensões da construção. 

Pode construir uma estrutura com o máximo de 10 metros quadrados de área e 2,20 metros de altura sem qualquer tipo de licença, mas se ultrapassar estas medidas já vai precisar de licença ou no mínimo de uma comunicação prévia dos trabalhos à câmara. Neste caso o melhor é contactar a sua câmara municipal para saber exatamente ao que está obrigado. Lembre-se de que se construir sem licença pode ser multado e/ou obrigado a remover a construção!

Prefabricados

As estruturas pré-fabricadas são a melhor alternativa para quem não tem tempo a perder e quer o seu espaço para churrascos já! 

Pequenos abrigos de jardim e pérgulas são bonitas, encontram-se em vários estilos, e podem ser utilizadas tanto como área de descanso como para fazer churrascos numa churrasqueira portátil. 

Muito mais fácil do que ter uma casa de madeira pré-fabricada e ter um telheiro de madeira pré-fabricado. Encontra conjuntos já pré-cortados ou mesmo semi montado, com vários formatos, em lojas da especialidade ou nos mesmos fornecedores das casas pré-fabricadas. Normalmente os fornecedores disponibilizam um serviço de montagem, em especial para estruturas um pouco mais complexas.

Preços

O preço depende quase exclusivamente da sua ambição e do seu orçamento. 

Encontra estruturas pré-fabricadas muito simples, sem telhado impermeável e só com sombreamento, dentro das medidas legais para não ter de solicitar licenciamento, por valores que começam em cerca de 300 Euros. E terá de montá-lo você mesmo.

Um telheiro de madeira lamelada de abeto tratada em autoclave, de 3550x2950x2100 mm e 10,5 m² de superfície, inclusive acessórios, peças especiais, elementos de ancoragem e verniz para tratamento de protecção contra golpes, chuvas, geadas e temperaturas elevadas, construído por profissionais vai custar-lhe bem mais, aproximando-se de 2000 Euros, mas terá muito mais garantias de durabilidade e melhores acabamentos.

Uma churrasqueira móvel com suporte em tripé básica custa-lhe cerca de 40 euros, sendo que a qualidade e o design fazem subir os preços. E uma pré-fabricada, em cimento e tijolo, tem valores que começam em 140 Euros. (fonte http://www.geradordeprecos.info).

E não se esqueça da mesa e das cadeiras! Consegue encontrar um conjunto básico, com um design minimamente atraente por cerca de 200 Euros.

Ou seja, pelo seu telheiro em madeira com churrasqueira e respetivos complementos pode gastar cerca de de 600 Euros, ou muito mais, se quiser!

6 dicas para decorar a sua mesa de Páscoa
sexta, 02 de abril de 2021

Com a chegada da Páscoa, é tempo de voltar a reunir a família à mesa. Este ano, apenas com a família de casa, sem os grandes ajuntamentos de outros anos. E, se as iguarias desta época, por si só, já são irresistíveis, uma mesa bonita e bem posta pode ajudar, ainda mais, a abrir o apetite.

Ficam aqui algumas sugestões do que deve ter na sua mesa nesta ocasião.

1 – Os tons da época são indispensáveis na decoração de uma mesa de Páscoa. Verde- menta, rosa-bebé (mas também velho ou pastel), turquesas, azuis suaves e brancos são os tons associados à quadra e, por isso, devem estar presentes nas mais variadas formas. Da toalha de mesa aos apontamentos decorativos, passando pelo serviço, estes tons criam o ambiente alegre e primaveril próprio da época.

– Ovos, pássaros e coelhos são os elementos alusivos ao tema que devemos encontrar na decoração da mesa. Para a tornar ainda mais bonita, coloque um centro de mesa com flores.

3 – Para ganhar espaço, coloque o guardanapo (na mesa portuguesa é colocado à esquerda) entre o prato de sopa e o prato raso ou, se tiver uma argola de guardanapo que se enquadre no tema, no centro, em cima do prato.

4 – Esta é mais uma oportunidade para os seus serviços e faqueiros brilharem. O ideal é usar um serviço nos tons ou com motivos alusivos à época. Se usar um serviço simples, aposte em bases de pratos nos tons referidos e num faqueiro marcante, ordenado de forma a ser usado de fora para dentro, à medida que vão sendo servidos os pratos. Talheres de entrada ou colher de sopa ficam mais afastados do prato. Os talheres de carne ficam junto ao prato.

5 – O facto da celebração da Páscoa ser feita ao almoço impede que existam velas à mesa. Aproveite os t-lights para colocar as amêndoas de chocolate e ir quebrando a dieta e o protocolo ao longo da refeição. Se os convidados ficarem para jantar, espalhe as amêndoas pela mesa (se tiver sobrado alguma!) e, aí sim, coloque velas nos t-lights.

6 – Coloque ambientadores ao longo da mesa, de forma a cortar o cheiro intenso a comida. Também podem ser ótimos elementos para adicionar à decoração. Opte por um aroma neutro ou cítrico, para não tornar o ambiente demasiado doce.

 

Boa Páscoa!

Condensação de paredes interiores: formação, identificação, resolução
segunda, 29 de março de 2021

A humidade é um problema com o qual muitas pessoas se deparam. Quando começam a surgir manchas nas paredes, quando os ambientes se tornam bafientos, as janelas estão constantemente embaciadas e o ambiente, no interior da casa, é pesado e abafado, percebe-se, de imediato, o que está a acontecer. A humidade pode ter diferentes causas que devem ser identificadas à partida para que se consiga resolver o problema devidamente.

Quem está a construir ou a remodelar casa, deve ter particular atenção à qualidade da construção. Deficiências estruturais, um mau isolamento, a ausência de impermeabilização ou uma casa mal ventilada. Estes factores só poderão vir a trazer problemas no futuro, pelo que vale a pena investir na qualidade e atentar aos pormenores para, mais tarde, poder ter conforto.

Note-se que o excesso de humidade aumenta a probabilidade do aparecimento de doenças respiratórias como a asma, a bronquite, a sinusite e pode até mesmo provocar infecções pulmonares. Além do mais, pode causar cansaço, dificuldade em respirar, dor de cabeça, sensação de mal-estar e problemas nos ossos e músculos. A humidade produz, também, efeitos nefastos no mobiliário, nos alimentos, em elementos expostos que podem oxidar e nas roupas que ficam impregnadas com o cheiro a mofo. Estes parecem-nos motivos mais do que suficientes para a humidade ser levada a sério.

Hoje, falamos-lhe sobre a humidade provocada por condensação. Será que é este o tipo de humidade que tem nas suas paredes? 

Saiba mais sobre o assunto.

1. Humidade por condensação: como acontece?

Como se forma a humidade por condensação? Ora, o ar tem vapor de água que é tanto maior quanto mais alta for a temperatura num determinado local ou quanto maiores forem as diferenças de temperatura. Se estiver, por exemplo, a cozinhar com as janelas fechadas, elas depressa se enchem de gotículas, certo? Isto acontece porque o calor que está na cozinha entra em contacto com a superfície fria da janela, criando um fenómeno de condensação. Quando o ar alcança um nível de saturação de vapor de água, este converte-se em água, designadamente sobre as superfícies frias como os vidros, os metais e as paredes, sendo que numa superfície porosa a água penetra.

​2. Qual é o aspecto da humidade por condensação e que áreas são afectadas?

A humidade pode surgir numa casa por diversos motivos: há a humidade provocada pela chuva, a humidade resultante de fugas na canalização, a humidade por capilaridade, e assim por diante. A origem importa porque cada tipo de humidade se apresenta de forma diferente e se se souber identificar o que a está a provocar, conseguir-se-á resolver o problema em conformidade.

A humidade por condensação identifica-se pelo surgimento de manchas com aspecto irregular que podem ser acompanhadas por bolor e pelo cheiro bafiento no ar. As manchas aparecerão nas paredes e nos tectos, principalmente nos cantos e com maior incidência no Inverno quando o tempo arrefece e chove. As paredes mais afectadas são as que estão orientadas para Norte e Nordeste. Além do mais, os vidros apresentar-se-ão muitas vezes embaciados e durante longos períodos de tempo.

Um dos métodos para saber se um determinado local está a criar condensação assenta no uso de papel de alumínio: pegue numa pequena porção de papel de alumínio e cole-o à parede. Se, uns dias depois, o papel ficar húmido, então está perante um problema de humidade por condensação.

3. Humidade por condensação: como resolver o problema?

A melhor solução para resolver o problema da humidade criada por condensação passa, necessariamente, por melhorar a renovação do ar no interior da casa.

Com vista a promover essa renovação do ar, deve abrir frequentemente as janelas e proceder à instalação de sistemas de ventilação e de extracção nas condutas de ar da casa de banho e em janelas que estejam, preferencialmente, em fachadas opostas. Pondere, também, trocar a caixilharia tradicional por caixilharia com ventilação integrada e instalar grelhas nas portas interiores. Em zonas muito húmidas, vale a aposta em unidades de tratamento de ar ou em aparelhos de ar condicionado. Para além de controlarem a temperatura do espaço, são equipamentos que minoram a quantidade de valor de água no ar. Lembramos, ainda, a importância de verificar se há janelas e portas instaladas deficientemente. 

Dentro da casa, revestimentos pouco respiráveis como a membrana plástica levam ao cúmulo de humidade no interior. Retirar a membrana plástica e privilegiar a utilização de tintas aquosas antifúngicas pode ajudá-lo a mitigar o problema. Recordamos-lhe que há equipamentos que geram humidade como os secadores de roupa ou o aquecimento central.

As janelas, como mencionámos, são as superfícies onde a condensação se gera amiúde. Para controlar esse problema nas janelas, instale revestimentos nos vidros ou janelas duplas de maneira a reduzir o choque térmico. A calafetagem de ranhuras e superfícies é igualmente eficaz.

Há ainda pequenas rotinas que pode incorporar no seu dia-a-dia: enquanto cozinha, tape os tachos e as panelas para minorar a fuga de vapor de água e mantenha o exaustor ligado. Vale acrescentar que os aparelhos eléctricos geram menos humidade do que os aparelhos a gás. No mais, quando tomar banho, evite fechar a porta e instale, sempre que conseguir, uma forma de ventilar o espaço.

Estas soluções não anulam por completo a humidade, mas diminuem a condensação e permitem-lhe saber se terá que partir para uma mudança estrutural mais custosa.

*Fonte: Deco Proteste

​4. A minha casa é nova e já tem humidade. Porquê?

Ao contrário do que se possa pensar, não é raro as casas novas terem paredes húmidas. Uma casa recém-construída poderá ter este problema devido à evaporação da água existente nos materiais de construção enquanto eles secam, o que pode demorar mais de um ano. Se isto está a acontecer na sua casa, então use um desumidificador.

​5. Isolar paredes interiores

isolamento é importante para proporcionar às casas conforto térmico e acústico. No que diz respeito à resolução do problema da humidade causada por condensação, deve também ser tido em conta. O isolamento permite que a temperatura das paredes interiores seja mantida acima do ponto de orvalho. O isolamento de paredes interiores é o melhor quando não se tem a opção de adicionar isolamento ao exterior da propriedade.

Registe-se, porém, que, por muito importante que seja isolar adequadamente uma casa para optimizar o conforto e reduzir os níveis de consumo da mesma, é fulcral que o ar seja capaz de circular no interior de modo a que a humidade seja evacuada.

As soluções de isolamento e os trabalhos de impermeabilização devem, nesse sentido, andar de mãos dadas com a ventilação. Só assim se conseguirá o conforto, a higiene e a segurança desejadas. Entre outros problemas, uma fraca circulação de ar acentua o risco de formação de monóxido de carbono.

​6. Isolamento com cortiça projectada

A cortiça projectada é um bom material para usar como isolamento. Garante flexibilidade e resistência mecânica, um bom isolamento térmico e acústico, excelente aderência, é impermeável, antifúngica e anti-salitre, é atóxica, tem excelente respirabilidade e traz maior elasticidade. As características da cortiça projectada consentem a sua aplicação no interior e no exterior em qualquer superfície – parede, tecto ou pavimento. Para quem procura um material ecológico e biodegradável que seja seguro em espaços com crianças – como quartos, creches, entre outros -, a cortiça projectada é uma boa opção.

7. Isolar paredes interiores contra a humidade

À partida com este artigo já saberá identificar a humidade por condensação a fim de poder resolver este pesadelo.

Se for amigo do ambiente não se esqueça que a melhor opção é a cortiça projectada para isolar a sua casa e diga adeus à condensação.

​8. Que profissionais lhe podem ser úteis?

Valha-se do aconselhamento de quem sabe para transformar a sua casa num lugar mais confortável. Um arquitecto podê-lo-á, também, ajudar neste sentido e recomendar, por exemplo, o melhor tipo de isolamento para a casa. O profissional de que precisa poderá depender daquilo que está a causar a humidade.

Peça orçamentos antes de tomar uma decisão.

Guia para escolher o Colchão de Casal
domingo, 21 de março de 2021

Está à procura de um colchão novo?

Mas qual é que deve escolher?

De facto, a escolha do seu colchão é muito importante para a sua saúde. Para ter a certeza de fazer a escolha certa, descubra alguns critérios que deve ter em consideração quando for comprar o seu novo colchão, entre os colchões ortopédicos, os colchões Molaflex, colchão viscoelástico, entre outras opções, pode ficar realmente confuso.

Mas o que não pode é adiar esta compra, porque um colchão novo é sinónimo de saúde e bem-estar. Quando sentimos dores nas costas, o nosso psicológico é influenciado. Além disso, hoje em dia é possível pagar em várias parcelas.

Siga os conselhos que reunimos para si, para ter longas noites de sono reparador.

Como escolher o colchão?

A chave para escolher o seu colchão é experimentá-lo! Não existe um colchão ideal. A escolha de um colchão é muito pessoal e depende de muitos critérios, incluindo morfologia, hábitos, mas também como se sente, um critério muito subjetivo.

Um bom colchão deve ser confortável e, acima de tudo, fornecer um bom suporte para a coluna para evitar dores nas costas. Um colchão adequado para uma pessoa pode ser considerado desconfortável para outra, ou seja, quando dormimos a dois, experimentamos os colchões juntos antes de comprar e com calma:

  • Deita-se no colchão, tenta passar a mão entre os seus rins e o colchão. Se conseguir, é um mau sinal: é muito firme.
  • Depois mudamos de posição, mas se for muito difícil, é porque é muito flexível ou a sua camada de memória de forma é muito intensa.
  • Empurramos o cotovelo contra o colchão. Se a cavidade ficar marcada, eliminamos o modelo, é muito mole.

A escolha é então uma questão de sentimento, de sensação de bem-estar e… até de preço!

Mas afinal qual é o melhor colchão de casal? Precisa de escolher o colchão que vai garantir o seu conforto por muitos anos? Existem vários modelos com mola, espuma, látex, a escolha é excelente.

Falamos de seguida de cada um deles…

Colchão de molas

Diga adeus ao desconfortável colchão dos nossos avós, porque a pesquisa e o desenvolvimento também passa pelos colchões, sendo que os colchões de molas estão entre as mais agradáveis ​​do mercado. Também oferecem uma melhor ventilação, o que agradará, certamente, as pessoas que têm muito calor à noite e que transpiram muito. São, geralmente, colchões de alta qualidade.

Colchão de espuma

Esta tecnologia vem direta do espaço para nós! Na verdade, a espuma viscoelástica foi originalmente desenvolvida para os astronautas da NASA. É sensível ao calor, o que significa que reage à temperatura do seu corpo e do quarto. Adapta-se perfeitamente ao seu corpo, envolvendo-o ao mesmo tempo que alivia os pontos de pressão.

Alguns dos benefícios do colchão de espuma de memória incluem a sua alta resiliência, independência para dormir e muito mais. Por outro lado, reagem ao calor do seu corpo.

Colchão de látex

Seja natural ou sintético, o látex é feito de um derivado da borracha. A escolha do seu colchão de látex tem muitas vantagens. Com efeito, oferece 3 a 7 zonas de conforto, para tornar as suas noites ainda mais agradáveis. É naturalmente hipoalergénico, tornando-se um colchão perfeito para pessoas alérgicas aos ácaros. A sua composição celular torna-o muito arejado.

São, geralmente, mais flexíveis e deformam-se menos rapidamente do que outros modelos. No entanto, é preciso abrir os cordões da bolsa para obter o colchão látex.

O que é a firmeza de um colchão?

A firmeza de um colchão é a sensação que se tem quando nos deitamos nele. Está diretamente relacionado com os materiais das camadas superiores de conforto. São, frequentemente, compostos de espuma ou látex, e são fabricados para proporcionar suavidade e conforto, mas também para equilibrar a densidade mais alta das camadas inferiores.

Não deve confundir a firmeza e o suporte de um colchão.

Outros colchões serão mais envolventes, dando a impressão de seguir as curvas do corpo. Esses colchões costumam ser descritos como macios. Finalmente, alguns colchões serão flexíveis e fofos. Os níveis de firmeza permanecem subjetivos e variam de acordo com as suas necessidades e particulares: idade, tipo de corpo, peso, preferências de sono, etc. Tudo isso fará com que a firmeza de um colchão seja diferente de pessoa para pessoa.

Um colchão mais espesso é mais confortável?

A espessura e a densidade do colchão dependem sobretudo do tipo de colchão: molas, espuma ou látex, o seu enchimento, mas também se se trata de uma cama de dia ou extra. Geralmente, os colchões de espuma e látex são mais finos do que os colchões de molas. Assim, os colchões de espuma têm uma espessura média entre 18 e 25 cm. Isso pode variar dependendo das camadas (memória de forma, por exemplo). Entre 14 e 18 cm, são mais adequados para uma cama extra ou berço. Os colchões de molas têm 25 cm ou mais de espessura.

Quais são as medidas ideais de um colchão?

A altura

Depois de determinar a firmeza do colchão, precisa de escolher o tamanho da cama, neste caso saber as medidas do colchão de casal. Idealmente, deve acrescentar 15-20 cm ao seu tamanho. É uma simples questão de conforto. Os colchões têm normalmente 190 cm (72 polegadas) de comprimento, mas encontrará 203 cm ou mais. Se investir mais dinheiro, pode investir num colchão sob medida.

A largura

Em termos de largura, são bem conhecidas:

  • a cama individual (90 cm/ 39 pol.);
  • cama de casal (120 cm/ 54 pol.);
  • cama de casal ou queen size (152 cm/60 pol.)
  • cama queen size ou king size (198 cm/78 pol.).

Se dorme na mesma cama que o seu parceiro de vida, mas tiver alturas e pesos diferentes e não se conseguir decidir, pode sempre optar por dois colchões colocados na mesma base e unidos por um zíper ou velcro.

Não se esqueça que cada colchão, adaptado à cama, garantirá noites confortáveis. Quando o tamanho do quarto permite, muitos preferem fazer um estrado personalizado e instalar dois colchões de 90 cm (cama de solteiro).

Independência do colchão

Podemos ter um colchão de casal, mas dormir sozinho… Mas se dormir a dois, o colchão deve oferecer uma boa independência para dormir. Os movimentos de um, não devem perturbar o outro. Este critério permitirá que não seja acordado pelo seu parceiro e melhore a sua qualidade de sono e o seu bem-estar.

Esta será, sem dúvida, uma vantagem decisiva se o seu parceiro tende a mover-se com frequência. Um colchão de molas ensacadas é uma boa escolha porque oferece uma excelente independência para dormir. As molas são ensacadas individualmente, de forma que são independentes umas das outras.

Há colchões Ikea de molas ensacadas a partir de 99€. Os colchões Molaflex são também muito conhecidos no mercado e os preços variam muito, mediante o modelo, o tamanho, etc.

Manutenção do colchão

Para manter a qualidade do seu colchão, vire o colchão duas ou três vezes por ano. No entanto, alguns fabricantes oferecem colchões que não requerem um grande cuidado. Lembre-se que um bom colchão tem vida útil de 10 anos, em média.

Para proteger o seu colchão, coloque uma capa que lava regularmente. Lembre-se de que este elemento retém a humidade. Portanto, precisa de arejar a sua cama regularmente, deixando-a aberta tanto no verão, como no inverno. Portanto, deixar a cama por fazer algumas manhãs aumenta a vida útil do colchão. Interessante, não é verdade?!

Onde comprar um bom colchão?

Há muitas lojas especializada em colchões, mas também os pode comprar em lojas bem conhecidas por todos nós, como Continente, Ikea colchões, Conforama, entre outras.

Se quiser comprar colchões insufláveis, pode encontrá-los nos supermercados, por 30/40€. Podem ser uma solução para receber uns amigos uma noite.

Agora, resta-lhe ter noites descansadas!

Forno Pirolítico vs Hidrolítico – Tudo o que deve saber!
sexta, 12 de março de 2021

Na hora de escolher placas e fornos, existem muitas opções à nossa disposição. Há para todos os gostos, existem vários modelos, desde um forno simples e tradicional para quem não cozinha muito, até um forno topo de gama com acessórios profissionais. Todos se distinguem pela manutenção e método de cozimento, bem como pelo design e cor.

Para ajudá-lo a escolher o seu forno, escolhemos três modelos mais conhecidos: forno catalítico, forno hidrolítico ou pirolítico. Podem parecer palavras complexas, mas vai ver que graças às informações que iremos partilhar neste artigo, ficará esclarecido e já conseguirá ter uma ideia mais clara, para quando for comprar o seu novo forno elétrico, tendo em conta as suas necessidades.

Sem mais demoras, vamos lá ver qual é o melhor forno elétrico para comprar!

Critérios a ter em conta na escolha de um forno elétrico:

1) fonte de energia;

2) tipo de forno;

3) capacidade;

4) modo de instalação;

5) forno simples ou duplo e funções;

6) facilidade de limpeza / manutenção.

Que tipo de forno escolher?

Antes de pensar na manutenção do forno, é importante ter um particular cuidado nos tipos de fornos elétricos que existem, nomeadamente nas funções de aquecimento do forno.

Como sabe existem fornos a gás ou elétricos. Estes são os mais comercializados, existe uma maior variedade de modelos e funções disponíveis a preços competitivos. Por outro lado, são mais fáceis de instalar. Geram um calor mais seco, o que é ideal para deixar os alimentos com a superfície estaladiça.

O modo de aquecimento mais adequado para todos é o forno elétrico ventilado ou de convecção forçada. São os mais presentes nas cozinhas dos portugueses.

Estes fornos têm uma ventoinha que faz circular o ar quente no interior do forno, o que torna a cozedura mais rápida e uniforme.

De referir que, muitos fornos ventilados têm um modo de cozedura sem ventilação, desta forma podem funcionar como fornos estáticos.

Alguns fornos são totalmente autónomos: equipados com funções automáticas, gerem eles mesmo o aquecimento, só precisa de selecionar o tipo de alimentos que instalou na placa.

Pirólise, Catalítico ou hidrólise – o que significa?

É capaz de distinguir as diferenças entre forno de pirólise, catálise ou hidrólise? Não? Esteja tranquilo, não está sozinho!

Contudo, é uma questão importante, embora a sua resposta por si só não determine a sua escolha.

Pirólise, catálise e hidrólise são os 3 principais métodos de limpeza existentes para fornos. Cada um tem suas vantagens e desvantagens. Seguem algumas explicações e conselhos para ajudá-lo a escolher o forno que melhor se adapta às suas necessidades.

Forno Pirólise

1 – Princípio: toda a sujidade é removida, mesmo a mais difícil de aceder. É queimada pela temperatura elevada do forno a 500 ° C. A duração de uma limpeza de pirólise depende da escolha do ciclo programado.

2 – Vantagens: limpeza perfeita. Este método de limpeza é o mais completo porque elimina gorduras e açúcares.

3 – Fácil: depois da pirólise, basta retirar com um pano húmido a fina camada de cinza que ficou de toda a sujidade. O forno está impecável!

4 – Protegido: a temperatura das chamadas portas “frias” é mantida abaixo dos 60°C durante a pirólise e 30°C durante o cozimento a 200°C. A porta do forno permanecerá fechada até o forno arrefecer. O risco de queimaduras é, portanto, muito limitado. Um ventilador de refrigeração e isolamento reforçado protegem os móveis de cozinha.

5 – Económico: pode iniciar o ciclo de pirólise depois do cozimento aproveitando o calor do forno, ou adaptar o programa de acordo com o grau de sujidade do forno, portanto, poupar energia.

6 – Desvantagens: esse tipo de forno é mais caro do que um modelo de catálise. O método de aquecimento requer mais isolamento e resistência do que outros fornos, daí o seu preço elevado.

Forno Hidrólise

A limpeza a vapor ou por hidrólise é uma solução de limpeza simples, rápida e ecológica. Falamos, de seguida, das suas características:

1 – Princípio: a hidrólise é um processo simples baseado no efeito vapor, que combina evaporação e condensação: a sujidade fica mole e depois descola, o que facilita a limpeza do forno. Basta deitar 40 cl de água e algumas gotas de detergente para a loiça no fundo do forno e programar a hidrólise.

2 – Vantagens: É simples. Deixe agir por 30 min. A sujidade é removida quando passa uma esponja ou pano.

3 – Económico e ecológico: a hidrólise consome muito pouca energia.

4 – Desvantagens: é aconselhável limpar o forno após cada utilização.

Forno Catalítico

O forno catalítico faz uma limpeza auto-desengordurante.

1 – Princípio: reconhecemos um forno de catálise pelas suas paredes internas porosas que são ásperas ao toque. Este tipo de parede absorve a gordura do cozimento. A catálise destrói respingos de gordura por oxidação durante o cozimento de pratos acima de 200 ° C.

2 - Vantagens: inteligente e rápido. A catálise também pode ser realizada ligando o forno na temperatura máxima por 10 a 15 minutos após cada utilização.

3 – Económico: o forno de catálise custa menos, comparativamente ao forno de pirólise.

4 – Desvantagens: requer uma limpeza manual adicional. Deve terminar de limpar o forno de catálise com uma esponja e um detergente para tirar gordura. O resultado da limpeza é significativamente menor. As paredes catalíticas têm uma vida útil limitada: cerca de 5 anos, conforme o uso, depois devem ser substituídas. O uso de folha de alumínio e os produtos abrasivos acabam por danificar o forno catalítico.

Limpeza da porta do forno

Depois de limpar o forno, deve limpar a porta de vidro manualmente, com produtos que não sejam abrasivos.

É importante limpar a porta de vidro porque ajuda a melhorar eficiência da confecção dos alimentos e por motivos de higiene.

O design do forno

Depois de escolher todas as funções básicas do seu forno, é hora de escolher o design e a cor! Os fornos estão agora equipados com uma série de truques para facilitar a sua vida, como as calhas telescópicas para evitar que a grelha caia, o fechar suave assistido ou retrátil, onde a porta desaparece por completo por baixo do forno, quando o abre.

Quanto à cor, não existe apenas aço inoxidável, branco ou preto. Existem outras cores como cinza, antracite e cores mais vivas!

Os fornos de encastrar são também uma solução atual, discreta e que fica muito bem na cozinha.

Quais são as últimas tendências de fornos elétricos?

A inovação, a tecnologia e o design estão constantemente à procura de fazer mais e melhor. Por isso, é natural que haja novidades constantes no mercado, porque vão sempre ao encontro daquilo que o consumidor procura.

Atualmente, dentro das novidades para fornos elétricos destacamos:

  • Fornos com ecrã, para ver vídeos de receitas enquanto está a cozinhar.
  • Fornos inteligentes com WiFi, que permitem ver a cozedura e controlar o forno à distância através de uma aplicação instalada no seu telemóvel.
  • Fornos com guias telescópicas, que permitem a colocação e remoção do tabuleiro do forno.

O que reter:

  • O forno de pirólise é mais simples e eficiente do que o forno de catálise, mas requer um investimento inicial maior.
  • O forno de catálise é indicado para quem não cozinha muito doces, uma vez que não absorve açúcares. Não espere um resultado de limpeza perfeito.
  • O forno de hidrólise consome pouca energia e é amigo do ambiente. O método de limpeza não é necessariamente o ponto de compra decisivo na escolha de um forno, é preciso priorizar o tipo de calor que permite homogeneidade e controle do cozimento.
Cozinhas por medida: as medidas standard para uma cozinha confortável e ergonómica
sexta, 05 de março de 2021

Uma cozinha deve, acima de tudo, ser funcional, o que não significa que o lado estético deva ser imolado. Afinal de contas, todos gostamos de uma cozinha bonita onde nos sintamos bem a cozinhar e a partilhar as refeições com a nossa família. Porém, um espaço mal planeado e pouco prático é meio caminho andado para nos demover de passar tempo nesta divisão que tem um papel tão importante dentro de uma casa.

As cozinhas por medida são, por isso, uma boa aposta. Uma cozinha por medida é uma cozinha não só à medida da área que a recebe – com todas as particularidades que lhe estão inerentes – como também à medida de quem a vai utilizar. Não basta escolher uns electrodomésticos quaisquer e encomendar armários que se adaptem ao espaço. É preciso que eles sejam confortáveis para o uso diário, o que implica ter as medidas certas. Parece um detalhe, mas não é. Uma pessoa alta que cozinhe diariamente numa cozinha com uma bancada baixa pode vir a desenvolver problemas de postura e de coluna, o que não é coisa pouca.

Hoje, partilhamos consigo algumas dicas para projectar uma cozinha por medida e damos-lhe conta das medidas aproximadas para uma cozinha ergonómica.

1. A importância de planear correctamente uma cozinha

Antes de começar o processo de design da cozinha propriamente dito, é importante determinar que uso vai dar ao espaço. Esta é uma abordagem básica. Uma cozinha é difícil de planear na medida em que tem áreas de trabalho diferentes que devem surgir integradas. Assim, antes sequer de pensar no estilo e no design, pense em optimizar a cozinha, até porque isso vai minimizar os custos na manufactura de cada elemento já que cada “peça do puzzle” terá uma razão de ser e terá, igualmente, sido pensada antes de ser encomendada.

 As cozinhas têm cinco áreas essenciais. A área de despensa (espaço de armazenamento dos alimentos, produtos enlatados e frigorífico); a área de armazenamento (tachos, utensílios, aparelhos); a área do lava-louça (limpeza); a área de preparação dos alimentos (bancada de trabalho) e a área para cozinhar (fogão e forno).

Respeitar a regra do triângulo é uma boa forma de garantir um uso fluido e confortável do espaço. Segundo esta regra, o frigorífico, a banca de lavar louça e o fogão devem formar um triângulo. Sendo elementos indispensáveis, é vantajoso que estejam perto uns dos outros. Esta não é, claro está, uma regra rígida. Tudo depende das cozinhas e, para alguns proprietários, pode ser mais natural organizar o espaço de outra forma. Porém, é uma orientação possível e que vale a pena ser avaliada.

​2. Tipos de cozinha

Entre os tipos de cozinha existentes, destacaríamos os seguintes: cozinha linear (com duas linhas paralelas), cozinha em “L” e cozinha em “U”. O tipo de cozinha deverá ser escolhido em função do espaço, sendo importante que o triângulo de trabalho seja suave, ou seja, deve-se evitar que se cruzem os movimentos quando mais do que uma pessoa estiverem a trabalhar na cozinha. Neste ponto, vale sempre a pena questionar-se sobre a forma como gostaria de usar a cozinha e avaliar aquilo de que mais gosta e desgosta na sua cozinha actual ou noutras cozinhas que já usou. Assim, conseguirá projectar o espaço de forma personalizada e que lhe faça sentido.

3. As medidas padrão de uma cozinha: armários, bancada e rodapé

A profundidade padrão para os armários de cozinha é de 60cm. A profundidade deve ser medida de modo a incluir a espessura da porta e da frente de gaveta, mas não os puxadores. Já a largura dos armários de cozinha é normalmente um múltiplo de 10cm ou 15cm.

As unidades base têm, em média, 91cm, uma altura confortável para uma boa parte das pessoas. Porém, e se quisermos ser minuciosos, a altura varia consoante a altura de cada um. As pessoas que têm entre 1.50m e 1.60m devem utilizar bancadas com uma altura de 70cm – 85cm; as que têm entre 1.60m e 1.70m devem usar bancadas que tenham entre 85cm – 95cm; quem tem 1.70m – 1.80m beneficiará de uma plataforma de trabalho com uma altura de 90cm – 105cm; por fim, as pessoas com 1.80m – 1.90m devem usar bancadas com uma altura de 95cm – 110cm.

Não nos esqueçamos, ainda, do tampo da bancada que costuma ter entre 2cm a 4cm de espessura. A espessura dos armários de cozinha de qualidade é de cerca de 18mm aos quais podem acrescer 8mm. O rodapé, por sua vez, varia entre os 10 e os 22cm de altura.

​4. As medidas padrão de uma cozinha: armários de parede

As medidas dos armários de parede variam consideravelmente. Costumam ter 30cm de profundidade e uma altura inconstante. A maioria deverá ter entre 76cm - 90cm, sendo que alguns fabricantes fazem unidades com 35cm de profundidade. Numa cozinha exígua, por exemplo, estes armários podem ser consideravelmente mais pequenos para não se sobrecarregar o espaço. Há até quem dispense de todos os armários superiores e os substitua por prateleiras que oferecem maior leveza à divisão.

E a que altura devem os armários superiores ser colocados? Uma boa forma de determinar a altura é orientar-se pela linha do olhar da pessoa. Para pessoas com alturas entre 1.60m – 1.80m, os armários devem distar cerca de 66cm em relação à bancada.

​5. As medidas padrão de uma cozinha: armários despensa

Sabe aqueles armários numa só coluna que são usados para despensa? São muito úteis para arrumação e podem ser estreitos ou largos com medidas entre os 30cm - 100cm de largura. As alturas variam entre 1.50m, 1.90m, 2.17m e 2.29m.

​6. As medidas padrão de uma cozinha: coluna do forno

Nas cozinhas modernas, os fornos já não costumam aparecer em baixo. Isto faz todo o sentido porque, se o forno for colocado mais acima, as pessoas não têm que se baixar sempre que o precisam de utilizar. Aliás, pessoas com problemas de costas que cozinham com frequência fazem quase sempre esta adaptação. O nosso conselho é que crie uma coluna onde seja possível incorporar o forno e o microondas ao nível dos olhos. Assim, pode espreitar para os alimentos que estão no forno para averiguar se estão prontos sem ter de que baixar e pode colocar e retirar tudo com facilidade. Em frente ao forno, deve ter um espaço de 90cm para abrir a porta sem obstáculos.

7. As medidas padrão de uma cozinha: exaustor

Entre a bancada e o exaustor, nunca deixe menos do que 50cm em relação à bancada do fogão. A altura pode ir aos 70cm, não devendo excedê-los.

​8. As medidas padrão de uma cozinha: espaço entre os móveis e ilhas de cozinha

A medida padrão entre os móveis é de 60cm, podendo ser alargada para 80cm. Como já mencionámos, em frente ao forno deve-se reservar um espaço de 90cm e entre os dois balcões a distância deve ser de cerca de 120cm – 150cm.

Se tem uma ilha – e as ilhas estão tão na moda! – reserve 60cm ao redor da mesma para que se circule confortavelmente em torno dela. A ilha não deve vir atrapalhar o bom funcionamento da cozinha. A ilha deve distar cerca de 120cm em relação aos balcões e armários paralelos.

9. As medidas padrão de uma cozinha: espaço para refeições

Está na moda usar a bancada como mesa de cozinha para refeições rápidas e informais do dia-a-dia. Esta opção é particularmente popular em cozinhas pequenas. Estas bancadas a servir de mesa devem ser acompanhadas por banquetas de 70cm – 80cm de altura e ter, elas próprias, uma altura de 100cm -110 cm com uma profundidade de 45cm (mínimo). Reserve um espaço de 30cm para as pernas.

​10. Vantagens das cozinhas por medida

As cozinhas por medida ou planeadas são uma mais-valia. É possível que saiam mais caras, mas é um espaço com muito uso e que deve durar anos, pelo que nos parece que é um investimento que vale a pena. Tirar as medidas e mandar fazer armários que assentem que nem uma luva no espaço e que se adequem a quem o usa é escolher um dia-a-dia mais cómodo e funcional e uma cozinha visualmente mais interessante. Precisa de gavetas altas porque tem muitos utensílios volumosos? Pode incluí-las no projecto. Tem um serviço que gostava de ver exposto? Defina armários com portas envidraçadas para o mesmo. Está farto de se “afundar” nos armários para procurar isto e aquilo? Peça para lhe instalarem prateleiras extraíveis. Estas são apenas algumas das coisas que pode fazer com uma cozinha por medida.

Cabe ainda mencionar a existência de cozinhas modulares, ou seja, de cozinhas compostas por módulos individuais. Escolha peça por peça consoante as suas necessidades e vá montando a cozinha como se de um “Lego” se tratasse. Os módulos são pré-definidos, mas pode arranjá-los à sua maneira.

​11. Que profissionais lhe podem ser úteis?

Para levar a cabo o seu projecto e fazer uma cozinha por medida, entre em contacto com um designer de cozinhas. O know-how e experiência destes profissionais ser-lhe-ão uma mais-valia para planear uma cozinha que lhe assente como uma luva.

Vale, ainda, a pena fazer uma pesquisa de fabricantes em regiões do país como Paços de Ferreira. A qualidade do que se faz na capital do móvel é garantida. 

Mais ideias: medidas cozinha

Este artigo serve como uma receita para ter a cozinha ideal ao dar-lhe todas as medidas standard, desde a altura da bancada de cozinha às medidas dos móveis de cozinha. Em qualquer divisão da casa deve existir equilíbrio e proporcionalidade e na cozinha ainda mais por ser dos espaços mais utilizados numa casa.

As medidas standard de móveis de cozinha variam consoante o formato da divisão e se a cozinha tem ilha ou não, pois a ilha acomoda normalmente arrumação extra, o que diminui a necessidade de tanta mobília. Mas ninguém melhor que um arquiteto de interiores para pensar a sua cozinha.

Decoração de hall de entrada: as 6 regras de ouro!
domingo, 28 de fevereiro de 2021

Ela dá o mote a toda a decoração da casa, embora seja muitas vezes pouco valorizada, sendo vista apenas como um ponto de passagem. O hall de entrada é a primeira divisão que os nossos convidados descobrem e é também aquela que o acolhe quando chega à sua casa. É por esta razão que a decoração e a organização do hall de entrada não pode ser negligenciada.

No que toca à decoração, também a primeira impressão é a que fica. É ainda a mais marcante. A entrada de uma casa, é também o reflexo daquilo que pode oferecer, proporcionando o sentimento de lar doce lar. Assim, por estas e por todas outras razões, é fundamental cuidar a decoração do hall de entrada, como também do corredor. Independentemente das dimensões ou configurações, é possível proporcionar um bonito cenário, para uma entrada agradável e funcional. 

Descubra as nossas ideias e sugestões para uma entrada bela e marcante!

1. Três dicas essenciais para decorar um hall de entrada

Lugar de passagem, o hall de entrada é também o ponto central da nossa casa. É por lá que entramos e saímos. É lá que nos despimos, calçamos e descalçamos. É também aqui que deixamos as nossas chaves, o nosso correio, que recebemos os nossos convidados ou pessoas de passagem. É, por isso, fundamental que a entrada seja funcional e que seja dotada de móveis práticos e adequados ao espaço. Não somos obrigados a limitar-nos a uma consola e a um espelho (para os retoques de beleza de último minuto). Pode-se perfeitamente organizar uma entrada com um guarda-roupa, um armário com cabides, enfim tudo dependerá do espaço que dispõe. Para não deixar de parte o conforto, pode colocar um banco de entrada ou um pequeno sofá, para calçar tranquilamente. Uma sapateira para arrumar sapatos, que seja discreta e estética é também um ponto positivo para um hall de entrada funcional. 

Enfim, para facilitar-vos a tarefa subdividimos a organização do hall de entrada em três regras principais:

1. Várias arrumações para uma entrada prática:

A primeira coisa que nos vem a cabeça é que a entrada deve ser prática para arrumar. E sabe que mais? Nunca é demais! Escolha diferentes módulos de arrumação para uma entrada bem organizada. Tem escolha entre prateleiras, armários, consola com gavetas ou apenas um único móvel grande, de modo a não sobrecarregar a primeira divisão de casa. Ao escolhê-lo tenha dois critérios em mente: a sua estética e a sua capacidade de arrumação. Acrescenta pequenos módulos fáceis de mover, adaptáveis e dobráveis e claro que, não sejam muito volumosos, tal como cestos, caixas, entre outros. 

2. Uma decoração audaciosa para o hall de entrada:

Mediante os seus gostos e possibilidades, pode optar por decorar o seu hall de entrada dando continuidade ao seu interior, criando uma ligação única, mas também pode optar por quebrar completamente e criar um espaço completamente à parte. Neste espaço de casa podemos ser um pouco mais irreverentes, uma decisão que ficará ao seu critério. Nas paredes pode ousar quadros, ganchos ou espelho, mas para algo mais original coloque um papel de parede com padrões originais. No hall de entrada pode apostar na cor ou escolher aquela cor mais escura que receia aplicar, na sala de estar. Podemo-nos mostrar – um pouco – excessivos, basta gostarmos.

3. Dois em um – hall de entrada mais um espaço:

Uma hall de entrada espaçoso tanto pode ser positivo, como uma desvantagem. Se deixarmos a este grande espaço a sua única função de entrada, temos rapidamente a sensação de perder espaço. No entanto, se otimizarmos esse espaço criando várias zonas na entrada, como algumas ideias e arrumações bem pensadas, podemos obter um agradável escritório, um pequena biblioteca ou espaço de leitura, sem por isso reduzir o espaço. Fica apenas ainda mais funcional.

2. Hall de entrada com escadas, como tirar partido do espaço?

Quem tiver uma casa de um piso ou mais, poderá ter escadas no hall de entrada. Estas não devem ser vistas como um bloco inestético e inútil, há várias maneiras de tirar partido delas, assim, quisemos partilhar algumas ideias.

1. no vão das suas escadas pode criar arrumação. Várias gavetas, cabides ou prateleiras, fica ao seu critério. Assim, terá espaço para arrumar os sapatos, os casacos, os chapéus, entre outras coisas.

2. Pode projetar um pequeno escritório, que será bem prático para trabalhar e organizar as papeladas domésticas. 

3. Um pequeno jardim criará logo um bom ambiente ao seu hall de entrada. Pode colocar pequenas pedras brancas e vasos com plantas verdes, para um espírito zen

4. Uma estante com livros, para criar uma bonita biblioteca. Logo pela entrada mostrará que é uma pessoa culta e inteligente. 

5. Um cantinho de leitura é sempre uma boa opção. 

3. Como planear um hall de entrada estreito?

Organizar e decorar um hall de entrada estreito é impossível? Nada disso. Até é mais fácil do que possa parecer. Por isso, queremos partilhar soluções para que a sua entrada seja um espaço completo, de forma a torná-lo eficiente e otimizar o espaço de armazenamento.

Há que definir, logo à partida, as finalidades do hall de entrada. Para arrumação? Aproveitar a verticalidade para suspender? Ou será apenas um espaço decorativo? Depois de ter decidido, faça uma pequena investigação do mercado, as várias soluções que existem, como prateleiras (as bem finas), os ganchos de parede, nichos, espelho, móveis bem estreitos com arrumação, entre outros. Mas se não encontrar nada que lhe encha as medidas, não hesite em contactar um carpinteiro para um móvel à medida. Este poderá ser um móvel multifuncional, com gavetas, banco e cabide, de modo a ser prático para o seu hall de entrada. 

Quanto à decoração pode apostar em alguns detalhes simples, tais como um tapete, uma pintura diferente, uns quadros, uma tela de arte, umas flores, umas plantas, umas velas, uns cestos, um porta-revistas, espelhos, vasos, entre tantas outras ideias. 

4. Como decorar um corredor, seja ele estreito ou não?

O corredor é o seguimento de uma entrada de casa e não só, pois este pode existir noutras partes de casa, mediante a arquitetura da habitação e se tem mais de um andar. Assim, é o ponto de passagem que nos encaminha para as várias divisões de casa, é de onde parte a teia, para abrir as várias portas, dos diferentes espaços. 

E por ser um ponto de passagem e de curta estadia acabamos, muitas vezes, por perder pouco tempo na decoração do mesmo, seja nas cores ou na organização. No entanto, se pensarmos bem, o corredor precisa de nos encaminhar por aqui ou por ali, neste sentido, é o espaço que nos deve encaminhar na direção certa, seja através das cores ou do estilo da casa. Nalgumas situações, o corredor dispõe de uma grande área, mas não pense que são metros quadrados desperdiçados, pelo contrário, se o aproveitar bem pode criar verdadeiros cantos e recantos mágicos, como cantos de leitura, biblioteca, espaço de lazer, uma galeria, entre outros

Como? Com prateleiras, nichos ou armários embutidos, que servirão para decorar, mas também para armazenar.

Se o seu corredor for estreito pode optar apenas por detalhes decorativos ou apostar em móveis multifuncionais, assim não tem dois ou três móveis a ocupar espaço. Também, pode aproveitar as paredes para colocar umas prateleiras, um chaveiro ou pequenos suportes de cabides, com diversas formas e tamanhos. Tire ainda, partido de alguns cantos ou esquinas do seu corredor, com pequenos móveis ou suportes.

5. Iluminar um hall entrada

Independentemente da divisão, do lugar, do ambiente ou qual seja o espaço, a luminotécnica não pode ser esquecida, bem pelo contrário deve ser valorizada ao máximo, de forma a enriquecer o espaço e a criar uma atmosfera inigualável. Claro que, cada divisão tem um tipo de iluminação, por exemplo, na cozinha requer-se uma luz mais branca e forte, em relação ao corredor ou ao hall de entrada. 

Mas que tipo de iluminação deve apostar no hall de entrada e corredor?

Pode optar por luzes suspensas, candelabros e luzes de teto para iluminar o seu hall de entrada, especialmente nos espaços estreitos. Pois estas luzes são diretamente penduradas no teto e não ocupam espaço no chão, ao contrário dos candeeiros de chão. Porém, quem tiver uma entrada larga e espaçosa pode optar por candeeiros de chão e até colocar candeeiros de mesa, no móvel. 

Que outras soluções?

Para trazer luz e um efeito decorativo para as paredes da sua entrada, pode recorrer às guirlandas e aos candeeiros de parede. Fornecendo uma iluminação indireta, essas soluções exigem a presença de outra iluminação. No entanto, são atraentes para criar uma atmosfera ligeiramente original. Finalmente, há luzes ou acessórios de parede, de teto e até mesmo de chão. Ao organizá-los astutamente, pode difundir uma luz geral ou, inversamente, centrada num objeto ou numa parte de parede.

Para uma atmosfera romântica e tranquila nada como colocar e aceder umas velas.

6. A quem pode pedir ajuda? E quanto custa?

Se precisar de ajuda para decorar ou remodelar o seu hall de entrada, seja ele grande ou pequeno, não hesite em contactar um profissional especializado na área. Assim, entregue o seu hall de entrada e quem recebe as boas-vindas é você, na sua própria casa, sem ter tido trabalho, stress e outras chatices. Não sabemos dizer-lhe um valor certo, porque cada espaço é diferente. Fale com um profissional e diga-lhe quanto pode gastar e quais são os seus desejos, mas atenção, há que haver coerência entre os dois.

Mais inspiração: decoração hall de entrada com espelho

Depois destas regras essenciais para decorar o hall de entrada, não perca mais tempo e tenha um hall de entrada de fazer inveja às visitas!

São muitas as ideias para hall de entrada neste artigo, só tem de tirar o melhor partido da sua entrada. Apostar em tapetes de entrada originais é outra ideia brilhante.

Para que Servem os Emissores Térmicos
segunda, 22 de fevereiro de 2021

No pódio dos sistemas de aquecimento, o emissor térmico (radiadores com inércia) vai conquistando, gradualmente, o melhor lugar. Porquê? Pois bem, porque o emissor térmico permite que desfrute de um ambiente confortável em casa, enquanto poupa no consumo de eletricidade.

Este tipo de aquecimento é fixo e funciona graças ao contacto com rede elétrica da sua casa. Os emissores térmicos são equipamentos programáveis e distribuem calor de forma gradual, graças ao emissor que aquece de forma progressiva até alcançar a temperatura programada e, depois de desligado, leva muito tempo a arrefecer.

No mercado, já encontra uma grande panóplia deste produto, o que lhe pode criar um conflito de ideias entre a oferta que está disponível e a procura. Para evitar erros, é necessário consultar o nosso guia, que lhe explica tudo ao detalhe, para entender as diferentes características.

Como funcionam os emissores termoelétricos?

Pode encontrar vários tipos de emissores termoelétricos:

Emissor seco – proporciona calor num instante graças à sua pouca inércia térmica. É adequado para lugares com pouco espaço graças ao seu desenho ultrafino. Recomendado para um uso de poucas horas por dia. Incluem também uma estrutura de alumínio e chapas de elevada capacidade calorífica que integram núcleos de resistência que aumentam o desempenho do aparelho. Aquecem muito rapidamente porque quando estão ligados a resistência que incorporam aquece o metal do emissor.

Emissores fluído: Realiza uma distribuição uniforme da temperatura em toda a sua superfície e o rendimento energético é ótimo. É um sistema de aquecimento muito seguro, nomeadamente para os bebés e crianças. A sua grande inércia térmica permite que continue a emitir calor mesmo depois de desligado. É uma excelente opção para um uso continuado de várias horas por dia, porque mantém o calor por mais tempo. É um dos modelos mais comuns no mercado.

Incluem um fluido e têm uma estrutura de alumínio e uma resistência que aquece este fluido. São 100% à prova de água e não necessitam de qualquer vigilância. São adequados para instalações completas, onde usa o equipamento para um sistema de aquecimento integral da sua habitação.

Emissor de acumulação: um novo conceito misto de aquecimento elétrico que combina as vantagens de acumulação e o desempenho dos emissores num único produto. Através da sua função inteligente, é possível estimar a carga com base nas necessidades. A resistência de suporte será ativada se for necessário, de forma a manter o conforto desejado.

Emissor cerâmica: emissor de tecnologia seca, não tem nenhum fluido no seu interior. A inércia térmica é proporcionada por blocos de material refratário de alto rendimento. Incorporam no seu interior uma pedra (cerâmica) de alta inércia térmica proporcionada pelo bloco de pedra (como o emissor de fluido). Corpo fabricado em alumínio. Criam um calor suave e envolvente como o emissor com tecnologia seca), com uma temperatura de fachada homogénea, garantindo um conforto ótimo e total segurança. Tem saída de ar frontal para uma melhor distribuição de convecção. Adequados para qualquer tipo de instalação.

Os emissores térmicos são muito mais fáceis e rápidos de instalar, comparativamente a radiadores de aquecimento.

Estes aparelhos devem ser fixados à parede, através de dois pequenos suportes a aparafusar e ligados à rede elétrica.

O material, normalmente utilizado, é o alumínio, uma vez que que o aquecedor deve ser um bom condutor térmico e este material possui um fator de transmissão de calor muito elevado.

Como escolher um bom emissor térmico?

O emissor térmico é eficiente, económico e permite que viva em casa, com o máximo de conforto. No entanto, a escolha não é fácil, visto que a oferta é tão vasta no mercado. Para ajudá-lo a selecionar o produto certo, reunimos os principais critérios de seleção: potência, tipo e praticidade.

Potência:

Potência:

Embora o emissor térmico seja na sua grande maioria eficientemente energético, comparativamente a alguns sistemas de aquecimento, a potência deve ser adaptada às suas necessidades. Esta característica determina a capacidade do emissor térmico para lhe fornecer um calor suave e uniforme.

Este parâmetro deve estar relacionado à área do espaço, onde deseja utilizar o aquecimento. A temperatura esperada também deve ser tida em consideração, sempre que liga o aparelho. Quanto maior for a divisão a ser aquecida, maior deve ser a potência do dispositivo usado (ou então ter dois aparelhos). Além disso, não se esqueça do isolamento da sua casa e do ambiente externo ou do clima atual. Um bom isolamento e um clima ameno requerem menos energia do que uma casa localizada numa região de clima rigoroso e não for bem isolada.

Em termos prático, deve ter cerca de 1000 watts para uma divisão de 15 metros quadrados bem isolada. Neste caso, podemos ter o aquecimento ligado a 20°C para estar realmente em boas condições.

Modelo:

O modelo:

Como comprar um emissor térmico com o melhor custo-benefício? O modelo de um emissor térmico é um critério de seleção importante porque dá uma ideia do uso que pode ser feito.

Com esse dispositivo, o vetor de transmissão de calor nem sempre é o mesmo. Pode estar seco ou fluído.

O emissor térmico seco usa um corpo de aquecimento sólido, como ferro fundido. O calor é transmitido por radiação dentro da câmara, o que resulta num aquecimento suave. Em contrapartida, o emissor térmico fluído usa um corpo fluído chamado refrigerante, como água ou óleo para a transmissão. Este funciona como aquecimento central.

Praticidade:

A praticidade:

O lado prático de um emissor térmico continua a ser um ponto importante na escolha dessa categoria de produto no mercado. Esse recurso é essencial para aproveitar o uso confortável deste dispositivo. Só depois de se aprofundar nessa questão é que se pode perguntar onde comprar um emissor térmico ou consultar uma comparação de preços.

A praticidade do emissor térmico é determinada pela presença de determinados componentes a serem verificados no modelo que pretende adquirir. Um controle remoto auxilia no controle remoto deste equipamento. Permite manuseá-lo no conforto do seu sofá. Além disso, um temporizador é usado para definir o tempo de operação do sistema. Embora uma luz indicadora possa impedir que se atrapalhe com ela.

Por que deve escolher um emissor térmico?

Os emissores térmicos são dispositivos que proporcionam uma máxima poupança de energia elétrica criando calor (aquecedores económicos), porque não realizam nenhum processo de combustão. Ao usar a energia elétrica, funcionam de forma limpa e renovável.

Por outro lado, têm uma inércia térmica muito elevada, oferecendo uma redução do consumo em comparação com os radiadores tradicionais. Por isso, quando se pergunta quais são os aquecedores que consomem menos energia, os emissores térmicos acabam por ser um dos favoritos. Além disso, é um sistema de aquecimento que não seca o ambiente, não suja as paredes e não gera odores. 

Como já partilhamos anteriormente, existe uma grande variedade de emissores térmicos com diferentes potências, de modo a responder às várias necessidades e tipos de divisões, conforme as dimensões da mesma. Cada emissor pode ser configurado de forma independente, uma vez que são programáveis, sendo possível ajustar a temperatura e programar o horário em cada divisão da sua casa separadamente.

Os emissores térmicos são ideais para casas com necessidades de aquecimento moderadas e que tenham um excelente isolamento térmico. Deve ter uma boa localização geográfica (com frio moderado), ou para casas que não sejam muito grandes.

Os emissores térmicos incluem, geralmente, cronotermostatos que permitem selecionar a temperatura e o tempo de funcionamento em relação ao ritmo que o utilizador pretende.

Este sistema permite programar quando quer aquecer a divisão, em cada dia da semana e a que horas. Esta função resulta numa poupança em termos de consumo e conforto do lar.

Alguns emissores têm um sistema de regulação proporcional para que saiba a qualquer momento qual é a temperatura adequada que deve programar.

Em suma, consome apenas o necessário, sem desperdício e alcança a temperatura ideal programada, o que resulta numa grande poupança na fatura de eletricidade. A otimização da energia deve-se à estrutura de alumínio de injeção/extrusão que transmite em 100% a energia gerada. Consegue transmitir calor de modo muito elevado que se une ao alto poder de radiação emitido em 75% em todas as direções.

Onde colocar o emissor térmico?

É preciso ter em conta a orientação da divisão, pois dependendo da sua orientação (norte, sul, este ou oeste), a divisão será mais ou menos fria.

Pode instalar o emissor térmico em qualquer divisão. Na verdade, os espaços que são, geralmente, mais úteis são aqueles que não têm aquecedores, como as casas de banho e as cozinhas. Mas claro que também pode instalá-lo num quarto, quarto das crianças, escritório ou sala.

Emissores térmicos preços

Os preços dos emissores térmicos variam mediante o tamanho, a marca, o design, o modelo, etc. A partir de 80€ já encontra alguns modelos, podendo oscilar até aos 300€ ou mais. Mas não se esqueça que este preço não inclui a mão de obra e instalação. Por isso, deve solicitar 2 ou 3 orçamentos a profissionais especializados.

Backsplash de cozinha – o que é e para que serve?
domingo, 14 de fevereiro de 2021

backsplash de cozinha é indispensável, além da sua importância visual na cozinha, deve ser funcional, porque garante, antes de mais, uma cozinha limpa e prática.

Proteger a parede de salpicos relacionados com a cozinha ou louça, o backsplash de cozinha deve, antes de mais nada, ser resistente e de fácil manutenção. É importante que essa parede seja de um material robusto, impermeável e resistente ao calor e ao tempo.

No artigo de hoje, queremos explicar-vos para que serve o backsplash, mas também partilhar convosco várias inspirações de cozinhas, com paredes backsplash muito bonitas e inspiradoras. Há inúmeras possibilidades que variam das cores, materiais e da respetiva aplicação.

Sem mais delongas, acompanhe-nos!

Backsplash de cozinha para que serve?

A função do backsplash de cozinha é de proteger a parede que está perto da bancada durante a preparação das refeições ou quando se lava a louça. Portanto, é projetado em materiais resistentes, sólidos, de fácil manutenção e lavagem.

Os materiais do backsplash distinguem-se uns dos outros pelo preço, facilidade de instalação e durabilidade.

backsplash de cozinha cozinha está disponível em laminado (painéis que são colados na parede e existem numa ampla gama de cores e vários padrões); em azulejos ou aço inoxidável para um ambiente tradicional; em madeira que é ideal para uma cozinha de estilo escandinavo; em silestone para uma decoração de cozinha requintada e minimalista, ou então, em vidro para uma cozinha com design.

De facto, o backsplash de cozinha está cheio de possibilidades que procura responder aos mais diversos estilos de cozinha, orçamentos e gostos.

Como escolher a altura do backsplash de cozinha ?

É assim, não existe uma única resposta para determinar a altura do backsplash de cozinha, existem várias possibilidades disponíveis.

Pode optar por um backsplash de 20 a 25 cm de altura, ou mesmo, 10 a 20 cm de altura para as paredes que precisam de menor proteção.

backsplash de cozinha mais clássicos têm entre 70 e 80 cm de altura.

Será difícil aplicar o revestimento do backsplash de cozinha?

Tudo depende do tipo de material que escolher, pois alguns revestimentos, nomeadamente os laminados, podem ser auto-adesivos, tornando a tarefa mais fácil.

Se não souber aplicar cerâmica, madeira ou outro tipo de revestimento, deve contactar um profissional especializado. É importante o trabalho ficar bem feito, para um resultado harmonioso, bonito e duradouro.

Onde encontrar material para revestir o backsplash de cozinha?

Hoje em dia, é muito fácil encontrar material para aplicar no backsplash de cozinha, tanto o pode encontrar online, como em lojas físicas, como no Leroy Merlin, Brico Dépôt, Maxmat, Bricomarché ou mesmo em lojas locais. Não hesite em solicitar ajuda de um colaborador para tirar todas as suas dúvidas em relação ao preço claro, mas também à resistência, aplicação, manutenção, garantia, etc.

Como iluminar o backsplash de cozinha?

Uma forma de valorizar o backsplash de cozinha é apostar numa iluminação direta. Não só valoriza esse espaço, dando um destaque especial ao revestimento, como também confere um apoio visual quando se está a cozinhar.

A importância da manutenção do backsplash de cozinha

Além da sua aparência estética, a função principal do backsplash de cozinha é proteger a sua parede de manchas e respingos. Uma vez que é uma zona usada todos os dias, é importante ter cuidados de limpeza. Todo o cuidado com o backsplash de cozinha irá garantir uma maior durabilidade, evitar o desgaste prematuro e evitar que as manchas se incrustem muito, nomeadamente nas juntas dos azulejos.

Existem vários produtos e truques de limpeza para cada material, por isso, deve informar-se antes de usar qualquer um no revestimento do backsplash de cozinha. Pode usar produtos caseiros também.

Ideias para a sua casa de banho parecer maior
sexta, 05 de fevereiro de 2021

Fazer com que a nossa pequena casa de banho pareça maior requer uma boa logística. Apesar dos metros quadrados estarem limitados, o espaço deve permanecer funcional e aconchegante. E sim, mesmo numa casa de banho procuramos relaxar.

Organizar uma pequena casa de banho que denota conforto e bem-estar exige algum trabalho e como tal deve refletir sobre algumas questões, como por exemplo:

  • Que tipo de móveis e materiais é mais adequado à minha casa de banho?
  • Como posso criar uma sensação de espaço na minha casa de banho?
  • O que posso privilegiar na minha casa de banho?
  • O que devo mudar para torná-la mais luminosa e atrativa?

Aqui estão alguns pontos para refletir e para projetar melhor a sua casa de banho. A escolha do revestimento, da iluminação, das cores tem um impacto direto na sensação de grandeza mas também de serenidade que emana neste ambiente local.

Siga os nossos conselhos, inspire-se nas nossas ideias e nos projetos de casa de banho para tirar um melhor partido deste pequeno espaço.

Vai ver que graças a um layout bem organizado e pensado, a sua (pequena) casa de banho denotará imenso conforto.

1. Escolha um chuveiro em vez de uma banheira

Apesar de existirem banheiras pequenas, não há dúvidas que o duche é a melhor solução para poupar espaço numa pequena casa de banho.

É melhor evitar cabines de duche com portas dobradiças e prefere-se uma porta de correr, um vidro simples ou até mesmo uma cortina simples.

Um duche ao nível do chão, também conhecido por duche italiano, ajuda a ampliar visualmente o espaço e a aproveitar melhor cada metro quadrado, graças à falta de demarcação.

2. Ter um duche retangular confortável

Numa casa de banho mais estreita, não hesite em projetar um duche que ocupe toda a largura. Além de ter um espaço mais confortável, fica visualmente mais atrativo. Uma meia porta em vidro também favorece o ambiente, deixando-o mais leve e simples.

3. Escolher corretamente o revestimento do piso

A escolha do piso também é fundamental! Escolha um revestimento mais escuro que a parede, para criar um contraste, importante para aumentar visualmente o ambiente.

Prefira um material brilhante. Pense sempre na luz, que é crucial num pequeno espaço, nomeadamente numa pequena casa de banho, nomeadamente se não tiver janela.

Pode arriscar e apostar em azulejos maiores e de cores diferentes que ampliam o ambiente e criam uma dinâmica incrível.

4. Escolher as cores certas para aumentar visualmente o tamanho da sua pequena casa de banho

Numa pequena casa de banho devemos criar ilusão de ótica, de modo a dar a impressão de que o espaço é maior. Para isso, é preciso escolher as cores certas. Neste sentido, devemos procurar cores refletoras de luz, sendo que as cores claras são ideais em espaços pequenos. O branco, por exemplo, é uma excelente aposta, além de combinar com tudo, é refletora de luz.

5. Criar destaque

Pode perfeitamente criar uma parede com maior destaque, com um azulejo geométrico, que criará uma excelente ilusão de ótica.

Um jogo de cores e de formas fica muito interessante.

6. Iluminação

Não devemos descurar o projeto luminotécnico numa pequena casa de banho, pelo contrário, é crucial! Devemos criar vários pontos de luz e se tiver o privilégio de ter uma janela, então deve deixar entrar a luz.

Além disso, a janela permite também ventilar este espaço tão húmido.

7. Móveis suspensos

Móveis suspensos à parede, como prateleiras, permitem um maior aproveitamento do espaço, porque o espaço fica mais liberto e isso amplia visualmente o ambiente. Por outro lado, este tipo de instalação também facilita a manutenção do piso.

8. Espelhos para ampliar o espaço

Em pequenas divisões, os espelhos são uma grande vantagem! Refletem a luz e duplica o espaço, desta forma a sua casa de banho irá parecer maior visualmente.

Arrisque em espelhos grandes na sua pequena casa de banho, porque irão dar personalidade e estilo ao ambiente.

9. Brincar com diferentes materiais

Não é porque a sua casa de banho é pequena, que esta deve ser monótona. Pode perfeitamente brincar com diferentes materiais e revestimentos.

Quais são as cores que combinam melhor com o azul na decoração?
sexta, 29 de janeiro de 2021

Se há uma cor que é super usada por todos nós é bem o azul. É fácil de usar no design de interiores, mas merece ser realçada por outras cores, a fim de tirar todo o seu valor.

A cor azul fica bem na sala de estar, no quarto ou até na casa de banho. Pode ser usada para apontamentos decorativos, acessórios ou para o mobiliário.

Mas afinal, que cores combinam com o azul escuro, com o azul claro, entre outros? Venha descobrir quais as combinações ideais para realçar esta cor fresca e alegre, de modo a tornar o seu interior num ambiente agradável.

1. Como usar o azul na decoração?

O azul é, muitas vezes, usado no design de interiores, mas será que andamos a combiná-lo corretamente?!

É uma das cores primárias e que está muito presente na natureza. O azul é chamado de cor fria, mas pode aquecer qualquer ambiente, quando é bem aplicado e combinado, adaptando-se facilmente a todos os gostos e estilos de interiores. Por exemplo, os tons mais claros de azul irão iluminar as divisões mais escuras, pois têm a vantagem de ampliar espaços pequenos. Além de aquecer ambientes mais claros.

Usar a cor azul na decoração é criar espaços tranquilos e agradáveis, já que o azul é símbolo de viagem, descoberta, compreensão, profundidade de coisas, mas também de frescura, pureza, sabedoria, verdade, calma interior, imaginação, paz e sonhos.

2. Quais são as melhores cores para combinar o azul? E em que divisões?

O azul combina facilmente com muitas outras cores, como iremos ver de seguida.

Para quem gostar de seguir a Filosofia do Feng Shui, saiba que não é recomendado o azul na cozinha ou na sala de jantar, pois é a cor menos alimentar. Para o Feng Shui, o azul tira a beleza da comida e traz uma sensação etérea e acalma instantaneamente a compulsão.

3. As melhores combinações de cores com o azul

Tome nota dos nossos seguintes conselhos sobre cores que combinam!

Azul turquesa + cor de laranja

➡ Azul + cor de laranja

O cor de laranja é a cor complementar do azul. Juntos formam um dueto estimulante com fortes contrastes. Um resultado repleto de vitalidade, tal como o amarelo brilhante ou o vermelho. Além disso, o azul turquesa combina muito bem com cores neutras como branco, cinza e preto, assim como com variadas tonalidades de azul, verde, lilás e rosa. Mas também pode, em pequenas doses, fazer uma boa parceria com cores vibrantes como vermelho, o já referido laranja e amarelo.

✔ Onde usar esta combinação? Na sala de estar ou quarto para criar um ambiente cheio de energia, como vemos neste fantástico exemplo, onde mostram perfeitamente as cores que combinam com azul turquesa.

Azul nas mais diversas tonalidades + branco

➡ Azul (variado) + branco

O duo azul e branco é um clássico. É difícil de errar!

É a mistura de eleição dos temas marítimos/praia, por exemplo. Para um resultado muito natural use também o bege ou creme. Resultado imbatível!

✔ Onde? Na sala de estar, quarto ou na casa de banho, o WC.

Azul claro + cinza

➡ Azul claro+ cinza

As cores que combinam com o azul claro ou o azul cinza associam-se lindamente ao cinzento ou a um branco acinzentado, nomeadamente para quem procura criar um estilo mais escandinavo. O cinzento e o azul celeste também casarão perfeitamente, nomeadamente para obter uma atmosfera mais masculina.

✔ Onde usar? Na sala de estar, no escritório ou no quarto.

Azul petróleo + amarelo ou verde lima

➡ Azul petróleo ou azul escuro + amarelo ou verde lima

Com amarelo ou verde lima, irá ter uma combinação fresca e repleta de vida. Por exemplo, um azul muito claro ou azul petróleo irá combinar perfeitamente com um amarelo mostarda ou mais vibrante.

✔ Onde usar? No escritório ou na sala de estar.

Azul + roxo

➡ Azul + roxo

Apostar nalguns apontamentos roxos numa decoração azul dará uma atmosfera chique e elegante. Os azuis que se aproximam do roxo ou da lavanda irão criar um estilo chique ou mediterrâneo.

✔ Onde ? Na sala de estar ou quarto.

Azul + castanho

➡ Azul + castanho

Toques de azul turquesa combinam lindamente com o castanho chocolate, proporcionando um interior moderno e confortável. Sem dúvida que é um clássico, mas que não falha! Além disso, associar azul claro a um castanho terra também será uma boa alternativa. Não hesite!

✔ Onde aplicar? No quarto.

Azul escuro + azul claro

➡ Azul + azul

Uma associação que funciona sempre é o azul combinado com azul. O truque é brincar com as várias tonalidades de azul e as próprias sombras nas paredes. Utilize alguma decoração, como almofadas, mantas, tapete ou cortinas, para criar os vários contrastes. Vai ver que irá obter uma atmosfera verdadeiramente calmante e relaxante.

✔ Onde? Na casa de banho, no quarto de bebés e crianças, no quarto de casa, na sala de estar… Enfim, onde gostar mais!

4. Que cor associar a um sofá azul?

Escolher um sofá azul é muito moderno e a oferta disponível no mercado é imensa. Neste sentido, para personalizá-lo, deve adicionar alguns toques de cores. Por exemplo, o azul claro pode combinar com as seguintes combinações:

  • amarelo
  • castanho
  • cor de laranja
  • turquesa

Se quiser algo de mais doce e sóbrio, as seguintes cores funcionam perfeitamente:

  • branco
  • cinza
  • preto

De modo geral, evita-se o vermelho ou o verde, pois não são as melhores combinações de cores com o azul. Além disso, tenha cuidado para associar também claro e escuro, e não ficar apenas em cores muito escuras para não tornar a sala de estar muito triste.

6. Cor azul turquesa na sala de jantar

Relativamente à combinação de cores, já vimos que azul e amarelo é uma boa aposta mas o azul não faz parte das cores que combinam com verde, por exemplo.

5. Como decorar um quarto com azul?

Escolher roupa de cama azul permite dar um toque de cor ao quarto. Se as paredes forem brancas ou cinzentas, é ainda melhor! Não será difícil de introduzir azul, nas suas variadas tonalidades, numa capa de edredão ou numa colcha. Se optar pelo azul petróleo, crie um contraste com estas cores:

  • amarelo
  • turquesa
  • branco

Deixar o quarto monocromático tornará o ambiente mais austero, portanto, não hesite em adicionar acessórios em tons contrastantes.

7. Onde encontrar ajuda profissional?

Precisa da ajuda de um bom profissional? Não sabe que cores combinam com o azul para pintar paredes? Então procure alguém do ramo da decoração ou design de interiores. Um arquiteto de interiores é outra ótima solução.

Desta forma, poderá usar a cor azul em sua casa sem errar! Vamos a isso?

Gosta de azul na decoração? Deixe-nos a sua opinião.
O que são Plantas Autóctones e como usá-las no seu Jardim
sexta, 29 de janeiro de 2021

Quando toca a jardins há dois tipos de pessoas: – aquelas autodidactas apaixonadas pela jardinagem, que se perdem por uma planta bonita e não descansam até a ter no seu jardim, e aquelas que planeiam ao detalhe o paisagismo dos seus espaços exteriores, sob premissas de paisagismo, beleza e sustentabilidade. Os primeiros têm o amor pela jardinagem, mas muitas vezes perdem-se na confusão que essa paixão acaba por criar, com plantas de todos os tipos, muitas vezes plantas invasoras, sem critério ou método de plantio. Os segundos normalmente recorrem a arquitectos paisagistas ou a jardineiros profissionais para planearem e estruturar o seu jardim, acabando com espaços mais coerentes, que respeitam os critérios ambientais de respeito pela natureza e poupança de água. Quais dessas pessoas procedem melhor?

Nós temos a certeza de que são aqueles que projectam o seu jardim ao detalhe e temos a certeza de que qualquer ambientalista concorda connosco.

Por vezes é preciso refrear o entusiasmo e pensar que um grande relvado verdejante consome litros e litros de água, e que aquela planta tão gira que vimos na nossa viagem exótica pode causar sérios problemas ao ecossistema local!

As plantas autóctones são uma solução muito mais eficiente e seguras, por isso hoje falamos-lhe delas. Se gosta de jardinagem, mas não quer que o seu jardim se torne num sumidouro de água ou num perigo para a fauna e para a flora local tem mesmo de ler este artigo.

O que são plantas autóctones

Chamam-se plantas autóctones às plantas que fazem parte da flora nativa de determinada região. E chamam-se de plantas alóctones as plantas que são ou foram introduzidas artificialmente numa dada região graças à acção do Homem. Em termos gerais dá-se às plantas autóctones significado de plantas originárias do próprio território onde se encontram.

Obviamente a própria natureza não é estática, e as plantas desenvolvem-se e espalham-se através dos seus próprios meios, seja pelo vento, transportadas por aves e outros animais ou por qualquer fenómeno climatérico, mas o ser humano teve um papel preponderante nessa variabilidade a nível local ao fazer ocorrer a dispersão das espécies muito mais depressa por meios artificiais, aquilo que apenas aconteceria aleatoriamente e lentamente na natureza.

Os portugueses e os vizinhos espanhóis foram os primeiros grandes contribuintes para esta globalização das plantas, na altura dos descobrimentos e da expansão marítima. Os exploradores iam pelo mundo, viam espécies exóticas de rara beleza e traziam-nas para a Península Ibérica. Ao longo do tempo também o lado económico prevaleceu e muitas espécies vieram pelo seu crescimento rápido, como o eucalipto por exemplo.

Esta introdução de espécies exóticas teve muitas consequências e algumas bem negativas, como a depleção de espécies locais e a proliferação de espécies invasoras com natural prejuízo da biodiversidade.

Plantas invasoras

Chamam-se plantas invasoras às plantas alóctones (trazidas de outros países ou de outras localizações geográficas) que se deram tão bem no novo território que ameaçam pôr em causa o desenvolvimento das espécies autóctones e se tornaram uma verdadeira praga difícil de controlar, por vezes com impacto no meio ambiente.

Por vezes o comportamento de uma espécie inserida artificialmente num determinado ambiente pode tornar-se imprevisível, mesmo quando há estudos especializados em botânica e paisagismo, e por vezes uma planta aparentemente inofensiva pode ter impactos problemáticos no ecossistema e na biodiversidade.

Pode parecer algo distante, mas algumas destas plantas estão tão presentes nas nossas paisagens que já as tomamos como nossas, embora sejam bastante prejudiciais.

Estamos a falar, por exemplo, das acácias tão presentes já nas nossas matas (as famosas mimosas com as suas flores amarelas em pompons flagrantes), a estrangular plantas autóctones portuguesas como os sobros, os carvalhos ou os pinheiros. Estas plantas foram trazidas da Austrália, onde cresciam em matas cerradas que lhes limitavam a expansão e foram trazidas para Portugal pela sua beleza e pelo carvão que produziam em quantidade, devido ao seu crescimento rápido. Deram-se tão bem por cá, em matas esparsas e frequentemente flageladas pelo fogo, que agora ameaçam tomar todos os espaços livres e prejudicar inclusivamente a produção florestal de espécies com valor económico.

Também o bambu pode ser uma espécie invasora, pela sua velocidade de expansão.

Outro exemplo de planta invasora é o tão conhecido chorão-das-praias, cujas atraentes flores coloridas e a resistência à seca levaram muita gente a plantá-lo nos seus jardins. Esta planta é tão comum que muita gente pensa ser natural do nosso país, mas na realidade é originária da África do Sul. Reproduz-se com grande facilidade, tanto por via vegetativa como por sementes, por isso invadiu incontáveis ecossistemas costeiros tanto em Portugal Continental como nas ilhas, e ameaça arruinar as nossas preciosas plantas dunares.

Porque é importante falarmos destas plantas invasoras? Porque queremos que pense muito bem no impacto que plantar uma espécie exótica pode ter na paisagem e na ecologia do nosso país e até do mundo!

Plantas autóctones portuguesas

Já deixámos bem claro o perigo que são as espécies exóticas por se poderem tornar invasoras, mas ainda não lhe demos bons exemplos de plantas autóctones portuguesas, no entanto o mais normal é que já conheça muitas sem ser preciso apontá-las.

Sobreiros, azinheiras, carvalhos, oliveiras, urze, estiveira, cardo, borragem, giesta, hipericão, rosmaninho, alecrim, tomilho… Há tanta e tão rica flora no nosso país, para explorar como plantas ornamentais! E muitas delas, como o limoeiro, a cidreira, o alecrim, o tomilho ou a melissa podem também ser usadas como plantas comestíveis.

Ao nível da jardinagem as plantas autóctones têm vindo a ganhar protagonismo, oferecendo o seu cunho bucólico a jardins um pouco por todo o país.

Vantagens das plantas autóctones na jardinagem

Durante muito tempo as plantas autóctones foram um pouco ofuscadas pela imponência e gosto exótico das recém-chegadas, mas essa é uma tendência do passado. Com o ambiente cada vez mais na ordem do dia, as nossas velhas conhecidas voltaram às luzes da ribalta! Estas plantas são uma alternativa cada vez mais procurada aos relvados, que tanta água e adubação exigem, prejudicando o meio ambiente e que eram quase omnipresentes nos jardins até agora.

As plantas autóctones tiveram milhares de anos de evolução no nosso território e por isso estão muito bem adaptadas à região onde crescem normalmente. Por este motivo exigem muito menos água do que as plantas exóticas, estão adaptadas às características do solo, sobrevivem às agruras do clima e exigem menos adubação. E além disso são familiares e têm uma beleza única, produzindo jardins com um toque saudosista e natural, mesmo com um cunho moderno.

Quando combinadas com os materiais naturais certos, cuidadas e podadas como plantas de jardim, as plantas autóctones ficam maravilhosas, não é verdade?

Plantas autóctones e exóticas

Mas será que todas as plantas exóticas são más e prejudiciais?

Nem sempre! Quando devidamente seleccionadas, as plantas exóticas podem dar ao seu jardim um toque surpreendente e muito interessante.

A escolha das plantas exóticas a incluir no seu jardim deverá ficar a cargo de profissionais especializados, com os conhecimentos certos para criar as combinações certas, facilitando o crescimento de espécies adjacentes, mesmo que vindas de países distantes. Um profissional ligado à jardinagem e ao paisagismo saberá dizer se determinadas espécies podem crescer juntas, adaptar o solo para que todas as plantas se desenvolvam e garantir que não vai plantar nenhuma espécie potencialmente invasora ou demasiado exigente.

O que TODOS precisamos de saber sobre piso radiante!!
domingo, 24 de janeiro de 2021

Pés frios neste inverno? É natural que os tenha, e se calhar por agora o máximo que pode fazer é pôr-se em frente ao aquecedor e calçar um par de meias extra. Mas enquanto resiste às temperaturas baixas, que finalmente invadiram o nosso país, pode ir navegando no nosso site e planeando um próximo inverno menos penoso. Como? Lendo este artigo e ficando a saber tudo o que é necessário sobre piso radiante!

Não conhece? Ainda não é um equipamento muito vulgar em Portugal, mas está a ganhar cada vez mais adeptos entre aqueles que procuram sistemas de aquecimento económicos e muito eficientes. E pode parecer um sistema de aquecimento muito moderno, mas a ideia remonta à época romana, altura em que se utilizavam águas e vapores quentes dos fornos da casa a circular por baixo do chão e no interior das paredes. Eram no entanto sistemas frágeis, complexos e perigosos por causa dos incêndios e das intoxicações com monóxido de carbono proveniente dos processos de combustão.

Na década de 70 do século passado a ideia ressurgiu e de lá para cá tem evoluído significativamente ao ponto de se tornar um dos meios de aquecimento mais eficientes da atualidade.

Se já conhecia, saiba mais sobre o assunto. Se não conhecia, venha connosco e descubra este mundo de incrível conforto térmico, e acabe de vez com a sensação de frio quando acorda e põe os pés nus no chão gelado!

Vantagens e desvantagens

Este sistema de aquecimento não é mais do que conseguir a temperatura maia adequada em sua casa no inverno a partir do pavimento, com maior eficiência, maior conforto e melhor estética.

A eficiência deste tipo de piso é maior porque a percentagem de perdas de calor pelas paredes e pelo teto é menor, e porque, como o ar quente sobe, a perceção de calor é mais rápida para os utilizadores. Para além disso os gastos energéticos são substancialmente menores em comparação com os outros sistemas de aquecimento devido a essas perdas energéticas inferiores e ao facto de trabalhar a temperaturas bastante mais baixas.

Por outro lado, proporciona maior conforto porque proporciona um aquecimento uniforme em todo o compartimento, e não localizado num ponto como noutros tipos de aquecimento.

Proporciona maior liberdade estética e espacial pois o sistema de aquecimento está dentro do pavimento e portanto não se vê nem ocupa espaço!

Por último temos um benefício menos óbvio, mas importante para quem sofre de alergias, porque pela distribuição uniforme do calor há menos levantamento das poeiras ambientais.

No campo das desvantagens temos sobretudo o preço e o facto deste tipo de sistemas requerer tempos de aquecimento significativos, sendo um pouco mais lentos a reagir e a ajustar as temperaturas do que outros tipos de aquecimento, o que não é totalmente vantajoso em edifícios com necessidades de aquecimento reduzidas ou muito moderadas, como as casas energeticamente eficientes. Mas alertamos também que a este tipo de chão não se adequam a maior parte dos tapetes disponíveis para venda, e se é adepto de tapetes em casa estes serão bem mais caros, para além de dificultar qualquer tipo de reparação ou substituição que venha a ser necessária.

O que é o aquecimento por piso radiante?

O aquecimento por piso radiante consiste na instalação de um sistema de aquecimento sob o soalho.

Isto pode ser feito na fase de construção ou posteriormente, embora seja mais fácil de instalar quando as obras ainda estão a decorrer.

Normalmente implica a instalação de dispositivos de condução do calor sob o chão, que variam conforme o tipo de aquecimento escolhido, sendo que podem ser hidráulicos ou elétricos, e conforme a fase de construção do espaço, pois se for instalado após a fase de construção as hipóteses podem ser mais limitadas.

Para além dos cabos ou tubagens debaixo do chão, este sistema implica ainda um dispositivo de alimentação de eletricidade, ou de água quente, conforme o tipo escolhido.

Também o tipo de pavimento escolhido deverá poder suportar este tipo de aquecimento e portanto ser escolhido segundo esse critério. Hoje em dia a variedade de pisos capazes de ser usados com este sistema é enorme e não coloca muitos entraves estéticos, embora possam colocar alguns obstáculos a nível orçamental.

Chão radiante

O pavimento radiante é certamente uma escolha inteligente para aquecer a sua casa. Além do chão, fique a par dos tipos de aquecimento que existem, como funcionam e quanto custam

para tornar os seus invernos mais simpáticos. Para nomear alguns, existem as salamandras; lareiras; ar-condicionado; toalheiros para a casa de banho ou ainda os recuperadores de aquecimento central a água.

Que pavimento se adequa?

Hoje em dia existe uma panóplia muito variada de pavimentos que se podem utilizar com este sistema.

Pode usar-se madeira maciça de carvalho ou de faia, madeira flutuante, mosaico de cerâmica, pedra (granito ou mármore), laminado flutuante adaptado a este sistema, porcelana, entre outros. Cada tipo de pavimento tem um comportamento térmico específico e a sua eficiência varia, pelo que o mais indicado é escolher de acordo com as suas necessidades, em conjunto com os especialistas.

Os materiais com baixa condutividade térmica, como a alcatifa, a cortiça, e a maior parte das madeiras maciças, não devem ser utilizados com o sistema de piso radiante elétrico e também não são muito adequados para o hidráulico.

Os materiais que apresentam maior eficiência por permitirem o rápido aquecimento são os que têm maior condutividade térmica, como a pedra, os mosaicos de cerâmica ou a porcelana. Mas também se obtêm resultados excelentes com laminados adaptados!

Piso radiante elétrico

Atualmente existem no mercado duas opções para o piso radiante: – a água ou a energia elétrica.

O sistema de aquecimento por piso radiante elétrico consiste em instalar sob o pavimento, ou no próprio pavimento, um conjunto de resistências elétricas.

O tipo de sistema a instalar depende diretamente da área a aquecer e do tipo de pavimento a ser colocado, existindo em três opções: – cabo radiante, tela radiante e filme radiante. O cabo radiante é adequado para a fase de construção e é o sistema mais barato de instalar. A tela radiante é muito útil para instalar aquando de renovações em que não se pode elevar o chão. E o filme radiante é especialmente útil quando não é possível fazer obras extensas, nem arrancar o pavimento preexistente, pois pode ser aplicado por cima do piso que já existe e depois colocar novo pavimento.

Este sistema é usualmente mais barato do que o hidráulico e não necessita de qualquer infraestrutura específica, como as chaminés ou caldeiras para alimentar o aquecimento, que é garantido pelo fornecimento de energia da rede elétrica. Este facto torna-o no entanto mais caro ao logo do período de utilização. Por isso, tome atenção, no piso radiante elétrico o preço por m2 pode engordar bastante a sua fatura ao fim do mês.

Por outro lado, tem uma manutenção mais simples, as avarias não implicam vazamentos de água, e torna a regulação da temperatura mais rápida.

Piso radiante hidráulico

A escolha do piso radiante hidráulico é a escolha mais comum, e possivelmente mais acertada, para instalar na fase de construção de um edifício, embora também seja possível fazê-lo após a construção, embora com mais constrangimentos.

O sistema consiste na instalação de uma rede de tubos sob o pavimento onde circula um líquido termodinâmico, muitas vezes água quente. Tem como maior vantagem a possibilidade de ser utilizado em conjunto com fontes de energia renovável, tais como bombas de calor e solar térmico. Mas também pode ser alimentado através de uma caldeira, a gás, gasóleo ou biomassa.

A longo prazo pode permitir uma poupança significativa, sobretudo se o líquido for aquecido com o recurso a energias renováveis.

Custos associados

O piso radiante elétrico é substancialmente mais barato do que o hidráulico e consegue instalá-lo por cerca de 16 euros por metro quadrado, embora o preço dependa diretamente do tipo de piso radiante elétrico escolhido. Portanto, caso opte pelo piso radiante elétrico o consumo mensal poderá ser vantajoso.

O piso radiante hidráulico pode implicar custos cinco a sete vezes superiores.

O investimento pode elevar-se com os custos de preparação do pavimento, tais como a remoção do antigo piso, a selagem do chão ou a instalação de isolamento térmico.

Peça sempre orçamentos detalhados à empresa que lhe vai fornecer o material e os serviços. Essas empresas são especialistas e podem acompanhar todos os passos necessários, desde a escolha do sistema, até à escolha do pavimento mais adequado!

Cuidados de manutenção

O chão em si não precisa de quaisquer cuidados especiais e deve ser tratado como qualquer outro pavimento não radiante.

O sistema de aquecimento, sim, pode avariar. E nesse caso as avarias podem ser mais complicadas do que noutros sistemas de aquecimento, como ar condicionado ou radiadores. Mas hoje em dia esse tipo de avarias é muito raro, se a instalação for feita corretamente.

No caso dos sistemas elétricos a manutenção é muito simples e resume-se a um teste funcional ao fim de um período de utilização estabelecido pelo fabricante, que muitas vezes faz parte da garantia do equipamento. Neste caso a avaria mais comum é nós termóstatos que podem ser facilmente substituídos, e forem tomados os devidos cuidados em futuras obras e não fizer furos no chão poderá ter um sistema de aquecimento para a vida.

O piso radiante hidráulico precisa de manutenção periódica que normalmente é feita simultaneamente com todo o sistema. É aconselhável ter um plano de manutenções periódicas por profissionais ao longo do tempo, e isso pode ser negociado com a empresa fornecedora logo antes da instalação.

Sofás chaise longue para qualquer decoração!
sexta, 15 de janeiro de 2021

O sofá é aquele móvel que nunca (mesmo nunca) pode faltar numa sala de estar! Podemos ter um sofá no quarto, no hall de entrada e até na cozinha, mas, se não tivermos, isso não é um constrangimento de maior porque nestes espaços podemos prescindir do conforto e do aconchego desta peça. Mas na sala de estar isso é impossível. Como relaxar, ver televisão, ler um livro ou simplesmente conversar sem o aconchego de um sofá? Quem é que quer chegar a casa cansado, vestir o pijama e relaxar numa cadeira dura e desconfortável? Nós atrevemo-nos mesmo a dizer que a sala de estar é o sofá e o resto são complementos à sua função!

Por isso mesmo, a escolha do sofá é um assunto delicado, que deve ser pensado e ponderado para que o resultado seja o melhor, em termos de conforto e de estética.

Neste contexto, os sofás chaise longue têm ganho muito protagonismo, representando essa noção de conforto indulgente que queremos ter na sala de estar. Eles permitem sentar, reclinar e até deitar com espaço, mesmo nos modelos mais pequenos e isso tem sido um factor crucial para o seu sucesso, no entanto, o seu volume imponente pode colocar alguns entraves em espaços mais pequenos.

Hoje falamos de sofás chaise longue, e vamos apontar vantagens e desvantagens dos muitos modelos em vários contextos. Se está a planear a compra do seu próximo sofá e está inclinado para este modelo não pode perder!

1 – Foco no preço

Há uma ideia quase generalizada de que este tipo de sofás é caro, mas a realidade é que há muitos modelos de sofás chaise longue baratos. Consegue encontrar modelos nas grandes superfícies de comércio de mobiliário a preços bastante atraentes. Sem apostar em alturas de saldos, consegue comprar sofás chaise longue de 3 lugares por valores à volta de 500 euros!

Não vamos aqui discutir materiais ou construção, pois obviamente a qualidade a baixo preço pode não ser a melhor, mas a verdade é que em termos de estética há peças baratas com imagens simples e muito interessantes. Depois cabe-lhe a si construir um cenário que valorize os pontos fracos do seu sofá barato e disfarce as imperfeições que um eventual fraco acabamento ponha em evidência.

Se o seu orçamento o compeliu a comprar um sofá com chaise longue barato complemente-o com peças mais chamativas ou mais ricas, se for possível. Uma mesa de centro e um tapete chamativos vão concentrar as atenções, desviando-as dos detalhes do sofá.

Se pretender escolher um sofá chaise longue económico saiba que deve investir ainda mais tempo e concentração na busca pelo móvel perfeito porque o risco de comprar um sofá pouco confortável para si aumenta neste caso. Com algum tempo e paciência vai encontrar aquilo que procura num sofá com chaise longue em termos de conforto, sem comprometer a sua carteira.

2 – Os vários modelos

Há tantos modelos de sofás chaise longue como de mentes criativas para idealizar o seu design. Mas para efeitos generalistas podemos apontar o sofá chaise longue na lateral, descendente directo das chaise longues originais, e o sofá de canto, com a estética mais conhecida actualmente. A escolha do modelo vai depender do seu gosto e do seu espaço, uma vez que a área ocupada por cada modelo é diferente, mas é comum acreditar que o sofá de canto permite uma ocupação mais fácil e completa da área disponível na sua sala de estar. Este modelo proporciona normalmente o melhor rácio de espaço de assento em função da área ocupada, no entanto, também pode tornar-se demasiado volumoso em espaços acanhados. Seja qual for a sua opção, tenha atenção ao equilíbrio entre a área ocupada e a área livre para obter um ambiente elegante e equilibrado.

3 – Conjugando estilos

Os sofás chaise longue costumam ser conotados com o estilo moderno contemporâneo, embora isso não reflicta a realidade, como veremos mais à frente. Mas os sofás chaise longue modernos, sobretudo em cores neutras, podem ser facilmente conjugados com peças de várias origens para formar conjuntos coesos dos mais variados estilos.

4 – Elegância total numa peça de destaque

O sofá chaise longue pode facilmente ser uma peça de destaque que estabelece todo o estilo de uma sala, se essa for a sua vontade. Se investir num móvel de design arrojado e presença marcante ele vai assumir o protagonismo e será sempre factor de criação desse ar acolhedor que se pretende numa sala, além de testemunhar o bom gosto do seu proprietário. Obviamente este caminho traz custos mas será sempre um investimento de futuro, porque com um bom design normalmente vem uma boa construção e uma boa qualidade dos materiais.

5 – Facetas funcionais

A estrutura dos sofás chaise longue, pelas suas dimensões e pela força que muitas vezes têm de suportar, permite a inclusão de facetas funcionais que os sofás mais simples não permitem tão facilmente. É assim que nascem os sofás chaise longue com cama ou com área de arrumação sob os assentos.

Os sofás chaise longue com cama são uma opção extremamente atraente para quem gosta de receber hóspedes em casa temporariamente, mas não tem um quarto dedicado exclusivamente para eles.

6 – Os materiais

Os materiais não serão um problema para encontrar sofás com espreguiçadeira. Consegue encontrá-los nas mais variadas composições, desde o veludo até à pele, passando pela pele artificial ou verdadeira, no entanto os sofás chaise longue de tecido são os mais comuns. Esta predominância pelos tecidos resistentes naturais ou artificiais deve-se ao carácter comunitário destes sofás: – são móveis pensados para acomodar várias pessoas, normalmente a família, inclusivamente as crianças, e isso enfatiza a necessidade de funcionalidade e resistência para potenciar a durabilidade.

7 – Liberdade total – os modulares

Os sofás modulares vieram dar a possibilidade de adaptação total do seu sofá com chaise longue a qualquer espaço. Se costuma mudar de casa com frequência ou apenas gosta de mudar a imagem da sua sala de tempos a tempos, este tipo de sofás compostos por módulos unitários que em conjunto formam um sofá chaise longue é a solução ideal.

8 – A importância da cor

A escolha da cor para um móvel tão imponente e volumoso acarreta algum risco, uma vez que a mudança de opinião sobre a escolha da cor original pode acarretar a compra de um sofá novo. Por isso, se não tem a certeza de que vai manter-se fiel ao estilo criado, opte por um sofá de cor neutra ou mesmo branco. Pode sempre vir a personalizá-lo com almofadas ou com capas para sofás chaise longue em outras cores e padrões sempre que lhe apetecer sem ter que comprar um novo. E actualmente já há capas super giras a preços razoáveis, com um grau de elasticidade que permite uma adaptação total.

9 – Apostando na exclusividade

O cenário criado por dois sofás chaise longue mostra todo o potencial do conceito. O privilégio de nos reclinarmos em sofás de veludo a olhar o mar não tem preço!

10 – Versatilidade

Se não tem a certeza sobre o impacto que o sofá terá no espaço, opte por cores claras. Esta via é bastante segura e permite-lhe mais liberdade de adaptação a qualquer estilo. Tanto num ambiente de inspiração retro e escandinava como numa sala minimalista, onde não pode faltar o conforto.

11 – Chaise longue para todos – alternativas

Se pretende um sofá totalmente adaptado a si e ao espaço que tem disponível, com todas as condições de conforto que os seus momentos de ócio pedem, esta é a melhor ideia. Poderá ser um pouco mais caro (o que é bom paga-se bem), mas será exclusivamente seu. Inspire-se!

12 – O efeito de um design que faz a diferença

Este é realmente um sofá com chaise longue diferente, mas não deixa de entrar nas características daquilo que define este tipo de sofás. Adoramos que tenha lugar para três pessoas sentadas e uma em posição reclinada, para uma família irreverente e diferente.

13 – Os estilos

Já lhe falámos dos sofás chaise longue modernos, de linhas modernas no sofá foram acrescentadas em estilo pela adição de botões capitoné, que lhe conferem um tom muito mais retro e clássico.

14 – Uma composição simples mas muito eficaz

Três lugares de assento, mas o estilo ganha asas, não só devido ao design, mas também ao material de textura vincada do seu estofado.

15 – Mesmo quando o espaço é pouco

Um sofá chaise longue pode ser, literalmente, encaixado num espaço estreito sem que isso implique perder a sensação espacial, desde que seja bem complementado.

Cores arrojadas no estilo minimalista: é possível!
quinta, 14 de janeiro de 2021

Ainda há muito a concepção de que o estilo minimalista é frio, impessoal, desinteressante e pouco acolhedor. O consumidor actual está muito ligado a bens e a uma ideia de que são estes que definem o seu sucesso, valor e estilo. O minimalismo vem libertar-nos desse excesso, mas não significa que o conforto e, se quisermos, o luxo sejam comprometidos. Pelo contrário. Decorar de forma minimalista é decorar de forma cuidada. Comprar menos, mas melhor. Criar espaços em jeito de obra de arte com uma nuance quase escultórica.

Outro ponto a reter é que o minimalismo não tem que se limitar a uma paleta cromática neutra (só com branco, preto ou cinza). No estilo minimalista, a cor é usada de forma estratégica, em apontamentos que criam um statement, que geram um contraste e que atam o conjunto, elevando-o e atribuindo-lhe ainda mais significado.

Hoje, mostramos-lhe como pode incorporar cores em ambientes minimalistas.

1. Cor e peças antigas combinadas com modernas

Entre os equívocos existentes em torno do estilo minimalista, há a ideia de que só se podem usar peças modernas. Porém, as peças antigas também têm lugar em espaços minimalistas. É tudo uma questão de equilíbrio. Exemplo disso, é a bela sala de estar que acima vemos cujo ambiente foi desenhado pela AJIMOS. Ainda que minimalista, o espaço tem um toque de galeria de arte que resulta da harmoniosa combinação de peças modernas com outras de linhas mais clássicas. Aqui, a cor está presente na poltrona e nas almofadas do sofá que se destacam com a base neutra como pano de fundo.

2. O verde em apontamentos

O verde é uma cor catalisadora. É fresca, é alegre e transmite paz. Neste espaço minimalista, projectado pela Macris Interiores, o verde surge em apontamentos: nas almofadas que decoram o sofá e nas plantas que ladeiam o aparador. É curioso perceber como apontamentos tão simples e pequenos têm uma presença tão impactante e importante nesta sala.

3. Um sofá de uma cor arrojada

Uma das coisas que pode fazer se quiser decorar um espaço minimalista, mas com cor, é escolher uma peça central com uma cor arrojada. Em muitos projectos, essa peça é o sofá. Neste open space, o sofá azul petróleo é o protagonista, interrompendo corajosamente a base em branco total do ambiente. Depois de escolher essa peça, só tem que trabalhar a decoração em torno dela, isto é, ela pode servir como ponto de partida ou elemento orientativo.

4. Amarelo no quarto

Repare: não faz sentido pensar que os espaços minimalistas não podem ter cor. O minimalismo tem mais a ver com livrarmo-nos do excesso, por isso, sobram-nos a cor, as texturas e os materiais para dar vida e interesse à decoração. E a cor não tem sequer que surgir apenas em apontamentos. Um espaço pode ser todo colorido e, ainda assim, minimalista. Prova disso é este quarto de casal que, não obstante o minimalismo, incorpora cores expressivas e aconchegantes como o amarelo e o taupe, elegantemente pontuados pelo preto que aparece na consola, nos candeeiros e na mesa de cabeceira.

5. Cores escuras num espaço minimalista e acolhedor

Ainda dentro da ideia do ponto anterior, não podíamos deixar de incluir, na nossa selecção, este espectacular estúdio lisboeta que ilustra bem como o minimalismo e a cor podem andar de mãos dadas e como este estilo não é sinónimo de desconforto e monotonia. O gabinete responsável pelo projecto, a Traço Magenta, apostou num esquema cromático que tem o cinza escuro como cor principal e o rosa claro a intervalá-lo e a deixar o conjunto respirar.

6. Verde água

Nesta cozinha, os arquitectos de interiores seguiram a mesma lógica de alguns projectos que lhe mostrámos anteriormente: uma base branca com apontamentos de cor. No caso, a cor é o verde água e aparece nos bancos que acompanham a península e no frigorífico Smeg que, apesar do seu ar retro, dialoga na perfeição com a estética depurada dos armários de cozinha.

7. Rosa aos pés da cama

Terminamos com um quarto de simplicidade quase espartana. A manta rosa aos pés da cama dá o toque de cor a este ambiente minimalista que transmite infinita calma.

10 formas que irão melhorar a insonorização da sua casa
segunda, 23 de novembro de 2020

Hoje, pode parecer impossível ter um momento de silêncio, especialmente quando se vive com pessoas ou num condomínio. Mas a verdade é que gostaríamos todos ter um ambiente silencioso e consequentemente relaxante, mesmo que tal possa parecer impossível. Sabemos que não conseguimos controlar o ruído emitido pelas pessoas ao nosso redor, mas podemos controlar o modo como o som é disperso nos espaços e, portanto, o impacto disso no nosso dia a dia. 

Neste sentido, pode procurar formas para a insonorização acústica de casas, de modo a atenuar os barulhos vindo dos vizinhos ou da rua. Precisa então de determinar a fonte do ruído e concentrar-se na correção do problema implementando algumas soluções que vos apresentamos neste artigo. Descubra dentro destas 10 opções, aquela ou aquelas que irão salvar o seu bem-estar e tranquilidade, pois bem sabemos o quão perturbador é o barulho à nossa volta. 

1. Instalar estantes nas paredes

Sempre sonhou instalar uma biblioteca em sua casa, mas não tinha uma verdadeira razão para o fazer? Então se tiver muito barulho em sua casa e quiser camuflar ruídos, instale estantes ou várias prateleiras, porque os livros ajudam a criar uma barreira contra os sons indesejados, o que é ideal para a insonorização de quartos ou da sala de estar. Certifique-se apenas de encher as prateleiras, pois os espaços vazios deixarão o ruído passar.

2. Aplique uma tinta que absorva o som

Não é um mito! Existe, de facto, uma tinta que absorve o som e está disponível no mercado, sendo que este produto foi concebido para formar uma camada que absorve o ruído, ajudando imenso na acústica de casa. 

Os fabricantes afirmam que a tinta pode reduzir o ruído até 30% e existem várias marcas disponíveis para refletir e absorver o excesso de ondas sonoras.

3. Coloque um tapete ou revestimento por baixo do pavimento absorvente

Embora não tenham sido criados para absorver o ruído, o uso de tapetes, carpetes e até de cortinas pode ajudar a reduzir o ruído da sua casa.

Se tiver uma divisão onde o barulho é intenso e desagradável, considere então instalar um tapete pesado para reduzir o eco. Opte por carpetes acolchoadas em vez de instalar madeira, azulejos ou pisos laminados. Tecidos macios podem ajudar a reduzir o ruído, além de dar um estilo próprio à divisão. 

Caso prefira manter o seu revestimento tradicional, pode colocar uma camada isoladora. Porém, para com esta solução terá de remover todo o revestimento da superfície e reinstalá-lo posteriormente.

4. Bloqueie a fonte do ruído

O som pode atravessar até uma pequena fenda na parede ou no teto. Para evitar que ele ande pela casa, tem que bloquear os espaços onde ele pode viajar.

Para fazer isso, adquira um selante acústico e aplique este produto em todas as falhas que encontrar perto de candeeiros suspensos, paredes, acabamentos, tetos, estruturas, interruptores ou grandes eletrodomésticos, onde grande parte são localizados do lado de fora. Ao preencher as lacunas, impedirá que o som circule livremente.

5. Limite o ruído de eletrodomésticos

Os sistemas de aquecimento e de refrigeração, bem como as máquinas de lavar roupa, de secar e as máquinas de lavar a louça são todos os elementos práticos para se ter em uma casa. Por outro lado, esses objetos produzem muito ruído, sem que demos por eles. Os sistemas de aquecimento produzem e transmitem ruído, mas os materiais que absorvem podem ser comprados em lojas de ferragens para ajudar a reduzir o barulho do forno, por exemplo.

Tente também dar mais espaço ao frigorífico, máquina de secar e de lavar roupa das paredes, de modo a não amplificarem o som. Isole os aparelhos de chão colocando materiais resistentes, como borracha ou cortiça por baixo. Essas pequenas soluções podem ajudar a reduzir a quantidade de ruído no seu ambiente.

6. Instalar painéis acústicos

Os painéis acústicos são especialmente projetados para absorver o som. Como resultado, eles servem como um material intermediário para isolar ambientes particularmente barulhentos. Por exemplo, a sala com televisão, uma divisão com vertente musical ou talvez o quarto das crianças!! 

Esses painéis ajudam a reduzir a transmissão de ruído através de portas e paredes externas. Poderá também ser útil um selante acústico para maximizar o impacto.

7. Mude as suas janelas

O ruído passa facilmente entre as fendas das janelas, de fora para dentro e vice-versa. Para garantir que o ruído não passa, melhore a vedação das suas janelas preenchendo todas as fendas com um selante acústico ou revestindo novamente as fendas com silicone. Assim obterá um melhor isolamento acústico em sua casa.

Se achar que o preenchimento das fendas não é suficiente, pode substituir as janelas com modelos de vidros duplos ou triplos ou ir um passo além, bloqueando o ruído com janelas especialmente projetadas para a insonorização. Essas janelas são muito caras, mas se o fizerem dormir à noite, valerão a pena, não é verdade?

Dica: Se não puder trocar as suas janelas por uns novos modelos, pode optar por colocar cortinados mais pesados e blackout

8. Troque as suas portas

Se as portas da sua casa forem ocas e feitas de materiais leves e/ou baratos, deve considerar substituí-las por portas feitas de materiais que irão absorver o som, logo melhorar a insonorização de casas. 

Quando se trata de ruído, as pessoas nem sempre percebem o quanto ele pode passar pelas portas, mesmo quando elas estão fechadas, por isso é importante considerar a compra de portas que não deixam o som passar, mesmo que possam ser mais caras. O valor a mais irá dar-lhe um maior conforto e valorizará o seu património, por isso, não veja isso como um extra fútil.

A madeira pesada e o aço estão entre as opções mais caras, enquanto o papelão, o aglomerado e o compósito são mais acessíveis.

9. Arranjar o que está danificado

O piso do seu corredor está rachado ou os canos fazem barulho quando abre a torneira? Até pode estar habituado a esses ruídos no ambiente, no entanto, quando a casa está sossegada estes sons podem ser bastante perturbadores. Se isso for o caso, siga as etapas certas para resolver esses problemas.

Considere comprar materiais que isolam tubos ou suportes para reduzir a vibração causada pelo fluxo de água. É bastante fácil encontrar uma solução para esses problemas, mas se não tiver a certeza de poder fazer esse trabalho sozinho, não hesite em contratar um profissional. 

Na nossa página encontrará o profissional aos seus problemas, desde canalizadores, eletricistas, ladrilhadores, entre tantos outros. Aceda ao separador profissional e filtre a área pretendida. Afunile a sua pesquisa pela sua área servida ou código postal. Não hesite em pedir um orçamento gratuito. 

10. Criar paredes com pladur

Seja em termos térmicos ou da acústica da casa, o pladur é dos melhores e mais eficientes materiais para isolar uma casa, nomeadamente para insonorização de paredes. Este material é composto maioritariamente de gesso com uma película de celulose de papel na superfície, mas apresenta algumas vantagens em relação à utilização dos tradicionais tijolo e cimento. 

Pode apostar em painéis padrão que também dão um bom trabalho, por ser um material denso. Não é necessário instalar uma dupla camada de painéis em toda a casa; concentre-se mais nas partes específicas onde o ruído é mais perturbador.

Se o barulho vier do andar de cima, pode considerar instalar um teto falso, pois irá melhorar muito o problema, desde que possa suportar mais ou menos uma perda de altura de cerca de 13 cm !

Não hesite em pedir ajuda a um profissional para a instalação de pladur ou gesso cartonado em sua casa. Para mais informações clique no retângulo solicitar cotação.

E agora diga Adeus ao barulho!!

Isolamento acústico paredes interiores

Todos sabemos a importância de vivermos tranquilamente e sem ruidos perturbadores ao nosso redor e a pensar nisso, trouxémos-lhe este artigo com dicas para conseguir um melhor isolamento acustico.

No caso de isolamento acustico de apartamento é mais complicado contornar mas há a opção do pladur acústico para resolver o problema.

 

8 dicas para criar o quarto relaxante perfeito
sexta, 30 de outubro de 2020

Sabia que, em média, passamos 1/3 da nossa vida na cama? O quarto é a divisão onde descansamos e repomos energias e onde, tantas vezes, nos refugiamos e procuramos a nossa privacidade. O conforto, num quarto, não é uma qualidade acessória ou um luxo. Se o quarto não nos proporcionar paz e comodidade, não conseguimos descansar devidamente, o que tem um impacto nefasto na nossa saúde física e mental. Não é, também, verdade que um quarto apelativo está só ao alcance de quem tem orçamento para apostar numa decoração convidativa. Menos é mais e basta ter em conta alguns aspectos para criar um quarto muito simpático.

Agora que chegou o Outono e os dias estão cada vez mais curtos e frios, sentimos ainda mais a necessidade de ter um quarto aconchegante. Além disso, a pandemia leva-nos a passar mais tempo em casa, resguardados, por isso, o conforto do nosso lar nunca foi tão importante. A pensar nisso, hoje, trazemos-lhe 8 dicas para tornar o seu quarto mais acolhedor e bonito. 

1. Comece por arrumar

Um dos erros mais comuns é começarmos a pensar na decoração sem que, primeiro, olhemos para o que temos e nos organizemos. Mas, uma coisa é certa: não se consegue descansar adequadamente num espaço desarrumado e sobrecarregado. Por isso, comece por aí. Faça aquela arrumação de fundo ao seu quarto. Precisa mesmo de tudo o que tem ou há coisas que pode doar, vender ou, até mesmo, deitar fora? Acha que tem objectos que pode mudar para outras divisões? Está a optimizar ao máximo o espaço de arrumação de que dispõe (roupeiros, cómodas, mesas de cabeceira, etc.)? Pratique o desapego porque nós não precisamos assim de tanta coisa para viver e, na realidade, quando nos desfazemos do que temos a mais, torna-se mais fácil, no dia-a-dia, manter a casa arrumada. Além disso, passamos a encontrar melhor as coisas e a dar muito mais valor ao que temos. Fique com o essencial e crie um quarto como o da imagem: clean e minimalista. Esta dica não custa dinheiro!

2. Uma luz quente e confortável

Quando pensamos na decoração do quarto, começamos logo a pensar na capa do edredão, nas almofadas, na cor das paredes, e assim por diante. Todos estes aspectos importam, mas há um fundamental que é, muitas vezes, descurado: a iluminação. Escolha lâmpadas com uma temperatura de cor quente (esqueça lâmpadas brancas e frias) e considere instalar interruptores para regular a intensidade do fluxo luminoso (dimmer) e, deste modo, ajustar a intensidade da luz a cada momento.

3. Cores e materiais que transmitem serenidade

As cores importam e os esquemas cromáticos claros estão, por norma, mais associados a uma sensação de quietude e equilíbrio. No entanto, esta não é uma regra de ouro. Há quartos com cores escuras ou saturadas que são extremamente confortáveis. Porém, se quiser jogar pelo seguro e criar uma atmosfera menos ruidosa, pode apostar numa paleta minimalista que inclua o branco e/ou os tons pastel e pode, ainda, personalizar uma parede revestindo-a com um material distinto como é o caso da madeira de carvalho.

4. Uma manta aos pés da cama

As mantas funcionam sempre muito bem nos quartos. São decorativas e são úteis nas noites mais frias. Uma cama com uma manta aos pés ganha logo outro aconchego. Há, até, quem sobreponha duas mantas (uma mais grossa e outra mais fina, por exemplo). Se a sua roupa de cama é simples e lisa, pode apostar numa manta com uma textura ou cor que se destaque e, assim, dar vida ao seu quarto e elevar a decoração do mesmo.

5. Têxteis de qualidade e adequados à estação do ano

Não podíamos falar em mantas sem referir os outros têxteis. Lençóis ásperos, roupa de cama demasiado fina ou demasiado quente para a estação do ano, uma capa de edredão maior do que o próprio edredão, roupa de cama gasta, roupa de cama suja, lençóis pequenos que não ficam presos, e assim por diante, são algumas das coisas que deve evitar a todo o custo, pois perturbarão o seu sono.

Aproveite as promoções para comprar boa roupa de cama. Se não quiser estar sempre a mudar a capa do edredão, escolha uma branca, que diz bem com tudo, e vá trocando apenas as almofadas decorativas.

No que toca aos lençóis, tenha em atenção a contagem de fios. Os melhores terão uma contagem de 180, 200 ou 300 fios (podem chegar aos 1400 fios!) e são, realmente, muito macios ao toque. É um investimento que vale a pena porque melhora, efectivamente, a qualidade do sono. No que às mantas diz respeito, pode, de momento, adquirir uma para o Inverno (mais grossa e quente) e, quando chegar o Verão, vê uma opção mais leve para o seu quarto. Assim, não gasta tanto dinheiro agora.

Não se esqueça, também, que os têxteis englobam as cortinas e os tapetes, objectos de decoração indispensáveis para tornar um quarto mais acolhedor e melhorar a qualidade térmica e acústica do ambiente.

6. Muitas almofadas à cabeceira

As almofadas merecem um ponto à parte. Substituir as almofadas é, porventura, a forma mais fácil de tornar uma cama mais bonita e confortável (acontece o mesmo com o sofá). Hoje em dia, em lojas como a H&M Home, a Zara Home ou a IKEA, arranja capas de almofadas muito elegantes a preços muito em conta (a partir dos 4.99€). Pode misturar cores e padrões ou seguir uma linha mais minimalista. Use entre cinco a seis almofadas para tornar a sua cama digna de quarto de hotel de luxo.

7. Os detalhes importam

Os detalhes importam e são a alma do espaço, a melhor forma de o personalizar e de o tornar seu. As velas, as molduras, as jarras, os candeeiros, as plantas, as peças de arte ou os espelhos estão entre as peças de decoração de que se pode servir para preencher o seu quarto e tornar a atmosfera mais cosy.

8. Um colchão confortável

Terminamos com o colchão que é, na verdade, o mais importante. Um colchão bom é vital para uma boa noite de sono, por isso, pode começar a transformação do seu quarto pela compra de um. Leve o seu tempo a escolher. Experimente, compare preços, peça referências a amigos e aproveite as promoções porque os colchões podem ser caros. Se está a pensar transformar mesmo a fundo o seu quarto, para o tornar mais relaxante, pode aproveitar, também, para comprar uma cama. As camas com a cabeceira em tecido serão, porventura, as mais confortáveis.

8 coisas que dizem "dar azar ao ter em casa"
sexta, 23 de outubro de 2020

Há quem seja supersticioso, outras pessoas nem tanto.

Que tipo de pessoa é? Liga a estas coisas?

A verdade é que, passamos uma vida a ouvir certas coisas e acabam por ficar entranhadas na nossa cabeça, assumindo-as mesmo no dia-a-dia. 

Se quiser começar o ano de forma mais positiva e afastar tudo o que pode atrair azar, dê uma vista de olhos a este livro de ideias. Reunimos 8 coisas que dão azar em casa e que precisa de mudar já, caso tenha isso na sua vida. 

1. Espelho partido ou loiças quebradas

Segundo as superstições, quebrar um espelho já dá azar. Talvez o azar de o ter partido e ter que gastar mais dinheiro, na compra de um novo.

Se partiu o espelho deve deitá-lo fora, para não atrair má sorte. O mesmo vale para os copos, não os guarde, até porque poderá cortar-se ao beber neles.

Curiosidade: a superstição dos 7 anos de azar, quando se parte um espelho, remonta à Grécia antiga!

2. Guardar velharias

Não devemos guardar objetos e roupas velhas, porque estes podem impedir a mudança e dificultar o avanço. Tire umas horas do fim de semana, para fazer uma limpeza geral aos seus armários e doa ou ponha no lixo, o que já não quer e usa. Vai ver que sentirá uma lufada de ar fresco em sua casa.

3. Vassouras velhas e estragadas

Ao guardar uma vassoura esfarrapada não limpará como deve ser o espaço e tudo ficará no mesmo estado. De acordo com as superstições, guardar uma vassoura velha pode levar a problemas de dinheiro. Por isso, não queira começar mal o ano, troque a sua vassoura, custa tão pouco dinheiro para arriscar.  

4. Fotos que não proporcionam emoções positivas

Imagens pouco inspiradoras, desagradáveis, de catástrofes naturais ou mundiais, tempestades de chuva ou de neve ou outras imagens que não desencadeiam emoções positivas não devem estar dentro da nossa casa. 

Tudo o que proporcionar negatividade deve estar fora de casa e da nossa vida. É fácil, não?

5. Relógios atrasados

Tem um relógio atrasado em casa? Toca a acertá-lo, se não der porque está avariado, livre-se dele! 

Queremos avançar na vida e não estagnar, por isso, ponha tudo a horas para ter boa sorte na sua vida!

6. Escada

A superstição das escadas é bem famosa e remonta há 5.000 anos no Egito antigo. Segundo essa cultura uma escada a uma parede forma um triângulo, sendo que os egípcios consideravam esta forma sagrada (pirâmides). Os triângulos representam a trindade dos Seuses e passar por um triângulo era profaná-los.

Esta crença foi ganhando força através dos tempos, sendo que “séculos mais tarde, os seguidores de Jesus Cristo usurparam a superstição, interpretando-a à luz da morte de Cristo”, explicou Panati. “Como uma escada descansou contra o crucifixo, tornou-se um símbolo de maldade, morte e traição. Andar sob uma escada trazia desgraça”.

Por exemplo, no Reino Unido, no século XVI, os criminosos tinha de caminhar debaixo de uma escada até à forca, lugar da morte. 

7. O gato preto dá azar?

Os gatos pretos são seres vivos que apenas têm a cor preta. São gatos bonitos, meigos e fofinhos como os outros. 

Curiosamente, os antigos egípcios consideravam os gatos pretos boa sorte. Tal como o rei Charles I, da Inglaterra, que tinha um gato preto, como animal de estimação. A má sorte chega a partir do momento em que o gato morre e, no dia seguinte, o rei foi preso e acusado de alta traição. 

Por outro lado, na Idade Média, noutras partes da Europa, havia outras pessoas com uma crença contrária. Consideravam que os gatos pretos eram os familiares das bruxas ou as próprias bruxas disfarçadas, sendo que o Diabo estaria a olhar para elas! 

E é assim que a história vinca nos tempos e nas mentalidades…

8. objetos em forma de sapos

Os símbolos em forma de sapo têm várias interpretações e vários sentidos. Outrora, o sapo esteva associado à magia e à bruxaria. Por isso, tire-os da sua casa. 

Tudo o que deve saber antes de comprar o poliban
sexta, 16 de outubro de 2020

Se há coisa que nos delicia numa casa de banho é, sem dúvida, um bom duche! Aquela água a correr pelo nosso corpo, a sensação de refresco, de relaxe, um pouco como se tudo de mau saísse por aquela água. Mesmo quem tenha banheira acaba muitas vezes por tomar um duche e muito raramente um banho de imersão. A correria do dia a dia, os gastos da água, o tempo, a falta de paciência… acabam por tornar pouco útil a função de banheira. Por isso, um chuveiro é sempre uma opção mais certa e que usará todos os dias.

Quando não existe a possibilidade de ter os dois (banheira e duche) numa casa de banho ou em duas diferentes, há que optar por um duche. É mais prático e adapta-se mais facilmente a todas as pessoas, seja com limitações motoras ou de idade. Além disso, uma base de chuveiro ocupa muito menos espaço que uma banheira, deixando a casa de banho mais espaçosa e atrativa. 

Para ajudá-lo na escolha do seu poliban compilámos toda a informação num só artigo. Venha daí!

Que diferentes materiais existem para o poliban?

Atualmente, existem no mercado diferentes materiais para poliban, reunimos os principais: 

arenito: a base de duche neste material será de fácil manutenção, oferece uma vasta oferta de cores, mas o seu peso é muito importante e, às vezes, pode ser escorregadio; 

cerâmica: ideal para uma opção de duche italiano. Um design que fica ao mesmo nível do chão;

acrílico: mais leve que o modelo anterior, a base de duche acrílica também tem uma variedade de formas e cores, mas risca-se com bastante facilidade;  

teca ou madeira: original, proporciona um lado natural e estético à casa de banho, a base de duche teca de madeira é uma opção cara e que precisa de uma manutenção regular, para manter a madeira com um bom aspeto.  

em resina ou em betão sintético: resistência e fácil de manutenção caracterizam-se pelo seu alto preço.

Que diferentes formas existem para o poliban?

As formas dos polibans também diferem, conforme os gostos, as vontades, mas também pelo layout da casa de banho, nalguns casos é aconselhável optar por uma forma específica de base de duche. Os três modelos mais usados são: 

quadrado: este é o modelo mais comum, geralmente instalado num canto da casa de banho. As dimensões variam entre 70 e 100 cm ao lado; 

retangular: um modelo retangular combina com a poupança de espaço e facilidade de uso, pode assim ter um comprimento de até 150 cm; 

em meio-círculo: ideal para aproveitar os ângulos da casa de banho.

Poliban embutido ou sobressaído?

O duche embutido:

Com a imensa vantagem de dar acesso ao duche, a base de chuveiro embutida requer algum trabalho para ser instalado. Deve ser feito um buraco no chão e o sistema de evacuação deve ser colocado com precisão para recolher a água a ser evacuada. 

O duche embutido é, geralmente, feito de arenito ou betão sintético. Nos últimos anos, os modelos de azulejos, que podem receber os mesmos ladrilhos que a restante casa de banho estão a multiplicar-se, uma verdadeira moda que não vai querer perder, certo?

A base de duche sobressaída (instalada depois):

Como o seu nome permite adivinhar facilmente, a base de duche sobressaída instala-se de forma simples e não requer grande trabalho de construção. A maneira como ela é projetado permite que seja auto-suficiente para receber e evacuar a água. Para compensar a sua altura, por vezes, imponente, e para responder a uma necessidade prática ou estética de poder entrar no duche sem ter de levantar o pé a 30 cm do solo, existem hoje bases de chuveiro extra planas para posar. A escolha deste tipo de base de duche, no entanto, requer as seguintes condições: tem um dreno vertical, o espaço sob a base de duche extra-plano é insuficiente para criar um declive de drenagem, têm ainda uma taxa de descarga suficiente, caracterizada por um diâmetro do tubo de descarga pelo menos igual a 50 mm.

Qual deles escolher?

Escolher entre uma base de chuveiro sobressaída ou embutida requer considerar dois critérios:

o conforto de uso para os idosos ou crianças, mas também para os amantes do design e duche italiano. O chuveiro embutido é a referência inescapável, enquanto a base de duche sobressaída (instalada) é, via de regra, muito mais fácil de instalar do que o modelo embutido.

Que porta de duche escolher?

Escolher bem a porta do duche certa desde o início irá ajudá-lo a melhorar a comodidade e a estética da sua casa de banho. Se o design é uma parte importante da escolha, não negligencie o aspecto prático. Com uma porta de chuveiro adaptada, pode poupar muito espaço. Aqui estão algumas dicas para guiá-lo a escolher a sua:

A porta do chuveiro de correr:

este tipo de porta de duche é, geralmente, preferido para aberturas de canto ou de espaços pequenos. Os seus painéis sobrepostos permitem um ganho significativo de espaço, já que não é necessário liberar a sua abertura. É adequado para áreas quadradas e arredondadas. A desvantagem da porta deslizante de duche é a sua manutenção, pois é mais exigente do que a de uma porta pivotante.

A porta do chuveiro pivotante:

este tipo de porta de chuveiro funciona da mesma forma que uma porta convencional, ou seja, abre pela frente. Alguns modelos, particularmente adequados para grandes áreas de duche, abrem mesmo por dentro e por fora. Se escolher uma porta de chuveiro que se abre para o exterior, tenha em consideração o espaço necessário. É importante que, uma vez que a porta esteja aberta, ainda tenha espaço na sua casa de banho. Lembre-se de vedar corretamente a sua porta, de modo a que água não transborde, caso contrário poderá ter problemas de fuga.

O material da porta do duche:

quanto ao material, a escolha é entre o vidro e o sintético. O vidro, mais caro que o sintético, também tem uma melhor resistência ao tempo. É necessário escolher um vidro de segurança suficientemente espesso para uma porta (cerca de 5 milímetros), uma vez que é utilizado regularmente. Ao escolher uma porta de vidro, tem acesso a uma ampla gama de estilos: transparente, temperado, jateado, opaco, etc. As portas sintéticas, existem com padrões (gota de água, flores, etc), uma escolha ideal para esconder os vestígios de calcário. Mas claro que pode optar por uma cortina de duche, há modelos giros e divertidos no mercado.

O que saber antes de escolher um poliban?

Critérios importantes que deve considerar quando escolher o seu poliban: 

- a base do chuveiro deve ser compatível com o piso e as dimensões do chuveiro;

- a inclinação: deve ser suficiente para permitir a evacuação da água sem dificuldade; 

- o sistema de evacuação e o tipo de válvula de esgoto: permitem garantir a boa evacuação da água; 

- a presença da marca CE: garante uma certa qualidade da base do chuveiro; 

- Finalmente, uma escolha final será feita durante a instalação: uma base de chuveiro sobressaída (instalada) ou embutida?

Quanto custa e que profissionais contactar?

Quanto custa?

O preço de uma base de chuveiro varia essencialmente do material de construção e do seu tamanho. Além disso, aqueles construídos com materiais pesados acabam por ser mais caros do que aqueles feitos de materiais leves.

Assim:

- Uma base de duche em cerâmica custa entre 35 e 350€. 

- Uma base de chuveiro acrílica custa entre 80 e 200€.

- Um chuveiro de madeira (muitas vezes em madeira de teca) custa pelo menos 300€ 

-Uma base de chuveiro em resina, mármore, arenito ou concreto custa entre 150 e 300€, no mínimo. 

- Modelos high-tech custam mais de 300€.

Para a instalação, é necessário prever entre 300 e 500€, incluindo todos as taxas e mão de obra. No entanto, não hesite em comparar preços e pedir vários orçamentos para obter o seu poliban a um custo razoável. 

Nota: estes valores não incluem a cabine ou portas do duche e claro são valores estimados, podem ser menos ou mais. 

Qual é o material mais adequado para bancadas de cozinha?
sexta, 09 de outubro de 2020

Planear uma cozinha! Uma das questões importantes que deve decidir antes de começar a construção ou a renovação é o material a ser utilizado para bancadas de cozinha e armários, e a forma como esse material contribuirá para a decoração do espaço. As características do material que usar, as suas cores e texturas, estarão intimamente relacionadas com o seu estilo e com a qualidade da sua decoração. 

Existem dezenas de diferentes tipos de materiais que pode escolher para a bancada e para os armários de cozinha. Normalmente os produtos fabricados a partir de várias misturas de materiais como pedra, areia e mármore são usados para as bancadas, enquanto os produtos fabricados a partir de madeira são usados para os armários. 

Hoje a Homify reuniu para si ideias e recomendações que facilitarão o seu trabalho de seleção dos materiais de bancada. A informação que apresentamos sobre o assunto, acompanhada de bonitas imagens exemplificativas, pode realmente ser-lhe muito útil. 

Tem duas opções: – pode encomendar bancadas de cozinha especiais para o seu espaço e estilo, ou adaptar bancadas pré-fabricadas, concebidas por designers de cozinha e instalá-las, sem comprometer a estética. Mas, seja qual for a sua escolha, nós aconselhamo-lo a examinar cuidadosamente todas as amostras e modelos possíveis antes de decidir qual é o melhor para a sua cozinha. Faça uma pesquisa completa até encontrar o modelo mais adequado para não ter o arrependimento da sua vida! 

Bancada em pedra natural

A maior vantagem das bancadas feitas de pedra natural é que elas são muito robustas. 

As bancadas de mármore e granito, tão apreciadas, estão no grupo da pedra natural. 

A bancada de granito é fabricada a partir de uma rocha que isola o calor, é durável e pode ser encontrada em dezenas de cores diferentes. Embora tenha muitas opções de cores, é sempre uma estrutura de cor mista, não um produto de cor sólida. É muito conveniente para uma utilização prolongada e intensa, mas pode ser necessário polir todos os anos porque a ocorrência de pequenas rachaduras no uso a longo prazo é provável. 

Embora o mármore tenha muitas vantagens, é um material que pode criar manchas quando em contacto com materiais ácidos. Por este motivo, é necessário um tratamento cuidadoso. 

As bancadas de pedra natural podem ser um pouco mais dispendiosas do que outras feitas com outros materiais mas são sempre bonitas e clássicas, além de muito resistentes, especialmente quando combinadas com armários de madeira, para criar uma imagem e construção sólidas. 

A pedra é perfeitamente compatível com a linha estética de armários de bancada usados na composição da cozinha da imagem.

Bancada em Corian, Dupont

As bancadas em Corian, um material composto por 2/3 de minerais naturais, 1/3 de acrílico e pigmentos, entram no grupo de bancadas de superfícies duras, também conhecidas como bancadas de acrílico. 

As bancadas acrílicas são feitas de matérias-primas de produtos como pedra, areia e vidro, aglomeradas com acrílico. É muito popular porque é um material artificial, produzido por máquinas, e que pode ser facilmente moldado. A superfície é lisa e resistente a arranhões, pois não é porosa, o que torna este um produto higiénico e muito resistente. É usado muitas vezes no setor de saúde e em casas de banho com grande afluência. 

Estas bancadas oferecem uma grande variedade de cores, com alternativas claras e brilhantes. Além disso, as cores não se desvanecem e a manutenção é bastante fácil. 

Esta proposta de design chama a atenção pela sua estética, bem como pela qualidade dos materiais utilizados.

Bancada Dekton

As bancadas Dekton também estão no grupo das bancadas fabricadas com materiais compostos. O Dekton é um material duro mas fácil de trabalhar, formado pela compressão de vários materiais diferentes a alta temperatura e pressão. 

Uma vez que este material é produzido por compressão pode ser muito fino, sem deixar de oferecer grande robustez. Por este motivo, se o seu gosto recair por materiais finos deve considerar bem a utilização do Dekton. 

Este é também um material resistente ao calor, aos riscos e à abrasão, incolor e com grande resistência à rutura. Devido à sua estrutura não porosa, também é higiénico. O aspeto natural é, no entanto, menos apelativo do que o Corian, mas é mais económico do que as pedras naturais, como o granito e o mármore. 

Neste exemplo, a cor e o modelo utilizados neste design aperfeiçoaram a cozinha. Uma bancada branca e lisa, como esta é perfeita para completar uma cozinha decorada com estilo escandinavo, moderno e minimalista.

Bancada de quartzo

As bancadas de quartzo também se incluem na classe composta, mas não são muito económicos, pois são compostos de pedra de quartzo. Há várias marcas, entre as quais a Silestone, nome cujo o próprio material chega a ser conhecido. 

A gama de cores é menos variada que a de outros materiais compostos. É geralmente comercializado numa cor sólida, mas também pode ser encomendado com combinações e variações de cor. 

É durável e resistente contra arranhões e embates, mas pode ser afetado negativamente por materiais altamente ácidos e produtos químicos, tal como as bancadas em pedra natural. Portanto, requer um uso cuidadoso e exigente, mas tem uma manutenção e limpeza fáceis.

Antes de decidir por este material deve avaliar os seus hábitos e comportamentos, e solicitar o parecer de um arquiteto de interiores. Todos os dias há inovações e recursos que podem ser adicionados a todos os materiais à sua disposição, e aprender sobre as inovações mais recentes irá ajudá-lo a fazer uma melhor escolha.

Bancada em madeira maciça

As bancas de cozinha construídas com madeira maciça podem ser a melhor escolha para elegância e naturalidade. A paixão pela decoração com madeira, resultado da nossa admiração pela natureza e da nossa sincera confiança nesse material milenar, também se manifesta nos nossos balcões de cozinha. 

O uso de madeira maciça na bancada da cozinha é a característica mais marcante do estilo rural. Estas bancadas têm a vantagem de ser robustas, práticas e naturais, mas a sua maior vantagem é que qualquer design beneficiará da sua aparência elegante. 

O material sólido destaca-se pela sua imagem intemporal, texturizada e natural. Mesmo quando já tem uma imagem desgastada e desbotada, ainda parece elegante e especial! 

As bancadas de madeira maciça são duráveis, robustas, acessíveis, limpos, naturais, inofensivos para o meio ambiente e fáceis de manter.

Bancadas em laminado

Em primeiro lugar é importante frisar que os balcões laminados não devem ser confundidos com outros materiais laminados, como a madeira laminada. A madeira laminada é um material composto por algumas camadas de madeira fina, utilizadas na produção de parqué, mas não na produção de bancadas! 

As bancadas produzidas a partir de madeira real são conhecidas como bancadas de madeira maciça, enquanto o material laminado é um material que consiste numa camada de laca vinílica, seguida de uma camada de papel ou um material plástico, que dá aparência, e uma camada HDF. 

Estas bancadas têm superfícies lisas e existem numa enorme gama de cores e padrões. Elas podem durar muito tempo quando usadas com cuidado, mas não são tão duráveis como os materiais de pedra ou compostos. É quase impossível repará-las quando se deixa uma panela quente sobre elas.

Bancada de aço inoxidável

Os balcões de aço inoxidável, indispensáveis para estilos modernos e industriais, combinam bem com quase todos os materiais de armários e de chão. 

Estas bancadas têm vantagens em relação às de pedra e às de madeira, e têm sido especialmente populares nas decorações de cozinhas modernas nos últimos anos. Se quisermos destacar, este material tem apenas uma desvantagem: – os danos são difíceis de reparar. Mas de resto pode usar uma bancada em aço inoxidável por décadas sem problemas. 

Em conjunto com lava-loiças em inox, estas bancadas formam uma equipa de sucesso, que se pode adaptar a praticamente qualquer design moderno ou industrial.

Bancadas de cozinha

Como vê, tem inúmeras opções para as bancas de cozinha. Irá depender do seu gosto mas sem esquecer todos os cuidados que cada material requer, tendo em conta a utilização que pretender fazer. As pedras para cozinha preço varia bastante e para ter uma noção mais clara de quanto lhe poderá custar uma cozinha nova.

 

 

Os materiais mais indicados para revestimentos de WC
sexta, 02 de outubro de 2020

O azulejo não é o único revestimento adequado para WC. Também pode optar por um revestimento em madeira ou cimento queimado para o chão ou ainda uma pintura resistente à humidade para as paredes. Até temos opções alternativas, que não requerem tantas obras, nem tantos gastos na remodelação da sua casa.

Para orientá-lo no caminho certo, não queira perder as nossas seleções de revestimentos de casas de banho modernas, bem como as nossas dicas para usá-los. 

Tome nota e escolha o seu predileto!

1. Mármore

O mármore é um material nobre, adequado aos revestimentos de parede e chão de casas de banho. É um material derivado do calcário, sem dúvida que, esta pedra metamórfica natural irá encantá-lo, especialmente se estiver interessado em interiores de luxo. Para adoptar um piso de mármore ou azulejo de mármore na sua casa de banho terá que escolher entre uma variedade de estilos distintos.

Disponível em branco, mas também em tons de rosa, preto, castanho ou amarelo, o mármore presta-se a muitas variações de cores. Para o seu WC, a escolha de um tom mais claro é preferível para melhor sublimar o espaço ou então uma tonalidade escura para um espaço sofisticado. Com as suas veias e estilo inconfundível, o mármore oferece elegância e uma óptima prestação se for colocado por um profissional experiente.

2. Cimento queimado

O cimento queimado ou microcimento é um material que tem invadido, cada vez mais, os interiores há vários anos, inclusive as casas de banho. 

É bastante estético, de fácil manutenção e super trendy, apresenta inúmeras vantagens e tornou-se um dos preferidos para revestimentos. 

Na casa de banho, revela todas as suas vantagens: sem juntas, não poroso, aplicável em azulejos que não precisa de partir, ideal para renovação… Não é à toa que é o melhor aliado de renovações e novas construções. Especialmente porque o cimento queimado não é mais apenas um revestimento de chão, pois aplica-se também a paredes e tetos. 

Ideal para quem procura um ambiente moderno, minimalista ou de estilo industrial.

3. Papel de parede

Numa casa de banho, o nível de humidade é máximo. Portanto, o papel de parede tradicional é para ser proscrito, pois iria descolar e criar bolhas de ar logo nos seus primeiros banhos. Para um espaço húmido como uma casa de banho, os papéis de parede revestidos com PVC: papel de parede de vinil e papel de parede não tecido, são altamente recomendados. A sua constituição confere-lhe propriedades impermeáveis, por isso, são perfeitamente adequados para um WC ou para a parede de uma cozinha. 

Revestidos com uma película fina de PVC, estes papéis de parede são laváveis e resistem à humidade, a diferentes salpicos e apresentam uma vida mais longa. 

Saiba que quanto maior for a espessura do papel de parede não tecido, mais impermeável será.

4. Tinta resina

A tinta resina também conhecida sob o nome de tinta époxi também poderá ser uma solução para revestir o seu WC. Cada vez mais em voga, é uma opção acessível, prática e muito moderna. 

Esta tinta é bastante resistente, apresenta um excelente poder de cobertura e oferece boa impermeabilidade, permitindo um resultado atraente, com um acabamento brilhante, com textura ou acetinado. 

Este revestimento pode ser aplicado em quase todas as superfícies: piso e parede, interiores e exteriores.

5. Ladrilho hidráulico

O ladrilho hidráulico tem vindo a ter cada vez mais popularidade no mundo dos revestimentos, incluindo nas casas de banho. Este pode ser aplicado nas paredes ou no chão. 

Existe em vários padrões e diferentes cores. O seu lado criativo proporciona uma decoração ímpar a uma casa de banho. 

Os preços no mercado são bastante variados e encontra este material em diversas superfícies conhecidas. Por exemplo, no Leroy Merlin tem um modelo de ladrilho hidráulico, de nome Lisboa, por 7,99€/m2. Num pequeno WC e apostando apenas no revestimento do chão, não lhe ficará muito caro, nomeadamente se o instalar sozinho ou tiver um familiar com estes conhecimentos. 

6. Azulejo tipo metro londrino

A escolha desses azulejos brancos brilhantes, estilo metro, não é em vão, já que permite refletir uma iluminação menos eficiente num espaço. 

Graças ao seu estilo intemporal, o azulejo metro entrou rapidamente nos nossos interiores, especialmente nas casas de banho. Se a tradição quer que seja colocado em separado, alguns modernizam alinhando perfeitamente os azulejos para um efeito gráfico e muito contemporâneo. 

Hoje, as marcas disponibilizam em várias cores e em versão fosca, o que nos permite brincar com estilos decorativos, de retro para mais design. 

Por outro lado, esta opção de azulejo é bastante económica e fácil de manutenção. Impossível resistir a ele!

7. Pastilha / mosaico

Artístico e colorido, o mosaico ou pastilha oferece uma infinidade de opções para decorar o interior do seu WC ou apenas do seu duche. O mosaico não é apenas reservado para a realização de antigas telas de tipo Roma: hoje redescobre-se todas as possibilidades oferecidas por estes pequenos ladrilhos regulares ou irregulares, reunidos para formar uma decoração.

Inicialmente, o mosaico representa uma arte decorativa, que usava vidro partido, pedras diferentes, esmaltes ou cerâmicas, unidas com uma massa ou cimento para reconstruir um padrão ou uma decoração. 

Mas hoje, são reutilizados num estilo mais contemporâneo e, sem dúvida que, o mosaico é um material atemporal que será perfeito nas paredes ou no chão.

8. Pintura

A pintura tal com a cerâmica é das opções mais utilizadas para revestir uma casa de banho. Esta pode ser aplicada nas paredes ou no teto, nunca no chão ao contrário da tinta époxi. 

Uma solução fácil, rápida e económica. Sempre que quiser pode facilmente dar uma demão às paredes do seu WC. 

Mas atenção que a escolha da tinta é fundamental, de modo a não criar manchas de humidade ou de bolor. É imperativo escolher uma boa tinta anti-fúngica e própria para casas de banho. 

Não hesite em pedir mais informações a um colaborador de loja, seja no Leroy Merlin, Aki, Maxmat ou outra. 

Dica homify: é possível também comprar uma tinta para azulejos e pintar os antigos azulejos da sua casa de banho. 

9. Cerâmica

Fácil de limpar, resistente à água, estética… A cerâmica é o material principal de uma casa de banho ou WC, sendo que a tendência atual é a cerâmica de grande formato. 

Relativamente à escolha, se puder colocar qualquer tipo de cerâmica na sua parede ou no chão, terá que optar por um azulejo especial para chão, ou seja, com maior resistência. 

No chão, os azulejos mais adequados são geralmente de grés porcelanato, pois a cerâmica (azulejos recobertos com uma camada de esmalte) tão brilhante e fácil de manutenção são mais adequados às paredes, por serem mais frágeis e menos resistentes às pisadas.

10. Madeira

A madeira nem sempre foi vista com bons olhos para revestir o chão ou as paredes de uma casa de banho, mas a verdade é que este pensamento está completamente desatualizado. Hoje em dia, é perfeitamente viável revestir uma casa de banho com madeira e o espaço ficará muito mais acolhedor e confortável. Ideal para uma decoração natural.

Se optar por este material, prefira uma madeira à prova de fogo, como a teca, ou que tenha sido submetido a um tratamento que repete a água, para garantir uma boa vedação. Evite também pisos flutuantes, pois a água pode penetrar entre as lâminas.

Para dar uma atmosfera SPA à sua casa de banho, instale painéis numa única parede, ou apenas na metade, para evitar sobrecargas. Pode manter a madeira em bruto para apreciar o seu lado quente ou pintá-lo para se encaixar perfeitamente à sua decoração.

11. Pintar azulejos | Vinil

Existem soluções alternativas para revestir as paredes ou o chão do seu WC. Estas passam por uma pintura nos azulejos, como vê na imagem acima. Este trabalho foi realizado pelos profissionais Sant'Anna. 

Outra opção é revestimento para casas de banho em vinil nos azulejos, a marca The Bolt é perita neste assunto. 

Renovação de casa de banho

Agora que já ficou a par dos vários tipos de revestimentos casas de banho existentes no mercado, pode começar a pensar numa remodelação na sua e como tapar azulejos com pvc ou usar azulejos casas de banho pastilha. Para isso, prefira optar pela ajuda de um designer que o guiará nas melhores escolhas.

 

 

 
7 truques de decoração simples para fazer um espaço parecer maior do que é
sexta, 25 de setembro de 2020

Os espaços pequenos têm tanto de acolhedores como de desafiantes. Pode não ser fácil acomodarmos todos os nossos objectos num ambiente exíguo. O ideal, nestes casos, é começarmos por determinar aquilo de que realmente precisamos. Afinal de contas, menos é mais. Repare que, se comprar em demasia e tiver tendência para acumular, depressa acabará a viver numa casa que tem coisas a mais e que é, por isso, pouco funcional e inestética. Os espaços pequenos querem-se com poucas coisas. Só assim se conseguirá preservar a luminosidade e circular dentro deles sem quaisquer problemas. Há vários truques muito fáceis de implementar para fazer com que um espaço pareça maior do que realmente é. Hoje, deixamos-lhe sete ideias nesse sentido, todas elas ilustradas com projectos de profissionais portugueses. Veja quais são.

1. Peças de mobiliário pequenas

Os móveis para espaços pequenos devem ser proporcionais ao ambiente em que se inserem. Peças volumosas sobrecarregam, vedam a luz e criam constrangimentos à circulação. Para criar uma sensação de amplitude, recorra a peças pequenas e de linhas simples. Esta sala é uma inspiração nesse sentido. O sofá tem apenas dois lugares, a mesa de centro é pequena e, em vez de uma poltrona, optou-se por uma cadeira de braços que é muito mais leve. O resultado é um ambiente arejado, luminoso e espaçoso.

2. Cores claras: o branco é sempre uma boa opção

O branco e as cores claras reflectem a luz e fazem com que os espaços pareçam maiores e mais luminosos, por isso, é comum os designers de interiores e os decoradores privilegiarem esquemas cromáticos claros em vez de cores escuras e/ou saturadas. Ao pintar as paredes de branco, por exemplo, conseguirá apagar as fronteiras entre o tecto e as paredes, criando, assim, uma sensação de profundidade e de continuidade. Além do mais, as cores claras simplificam os espaços e evitam que surja uma sensação de ruído visual. Se um ambiente em branco total não é para si, invista em materiais, elementos e apontamentos que criem contraste: a madeira, uma manta, quadros, candeeiros, plantas, e assim por diante.

3. Móveis baixos

Ainda no que toca ao mobiliário, uma boa solução para um espaço pequeno é favorecer móveis baixos que criarão uma sensação de amplitude pelo simples facto de haver mais espaço livre sobre eles e de não surgirem como um obstáculo à passagem de luz. Um sofá ou mesa de centro rentes ao chão, pufes e, no quarto, uma cama rasteira são escolhas que pode considerar se tem uma casa pequena.

4. Espelhos

Os espelhos reflectem tudo aquilo que se lhes defronta, por isso, criam profundidade nos ambientes. É apenas uma ilusão de óptica, mas funciona e quanto maior for o espelho, melhor. Há até quem crie paredes espelhadas que fazem com que os espaços pareçam ter o dobro do tamanho.

5. Tire partido da verticalidade

Tire partido da verticalidade do espaço em questão para, assim, desimpedir ao máximo o chão. Pode, por exemplo, suspender a televisão, usar prateleiras para acomodar os seus livros e outros pertences e apostar em arrumação embutida como se vê no quarto da imagem acima. Quanto mais espaços de arrumação tiver, melhor. Assim, estão menos coisas à vista e os espaços parecerão maiores. Outra coisa que pode ter que fazer é mandar construir à medida para os móveis se ajustarem com precisão ao espaço e não desperdiçar nem um centímetro.

6. Cortinas diáfanas

Deixe as cortinas pesadas e opacas de parte e aposte em cortinas brancas e semi-transparentes. São mais leves, simples, versáteis e deixam a luz natural passar. E como fazer (especialmente em divisões como o quarto) quando não quer que a luz passe ou quando precisa de mais privacidade? É fácil: use estores de rolo opacos (block-out) que facilmente pode subir e descer. Quando estão recolhidos, nem damos por eles!

6.1. Janelas desimpedidas

Se tiver portadas, pode até dispensar as cortinas por completo. Esta lógica também se aplica às carpetes e aos tapetes. A premissa é simples: quanto menos coisas o espaço tiver, melhor. No entanto, se não abdica destes elementos, por uma questão de conforto, compre-os dentro de um estilo minimalista.

7. Móveis dois em um

Móveis que servem mais do que um propósito são sempre bem-vindos em espaços pequenos, desde que não sejam demasiado volumosos. Uma otomana com arrumação no interior, uma cama com gavetões ou cujo colchão levante para dar acesso a um espaço de arrumação ou um sofá-cama são boas soluções para resolver alguns problemas de funcionalidade e de armazenamento numa casa pequena.

Isolamento térmico: como manter a casa quente durante o Inverno
domingo, 20 de setembro de 2020

O Outono está já ao virar da esquina e o Inverno aproxima-se a passos largos. As temperaturas caem, passamos mais tempo dentro de casa e queremos conforto. Se está a construir ou a remodelar casa ou se, todos os Invernos, a sua família se debate com o desconforto de ter a casa fria, então, este artigo é para si. Um bom isolamento térmico é fundamental por várias razões. Primeiro, quando pensamos em energia, devemos pensar em como poupar e não em como gastar. Na nossa casa, a poupança de energia passa, incontornavelmente, por apostarmos num bom isolamento térmico. De nada nos serve ter uma boa fonte de calor dentro de casa, se esse calor se evade pelas paredes e telhados, fazendo com que tenhamos que gastar mais e, no fim, pagar também muito mais. Por isso, não veja a questão do isolamento térmico como um gasto: é uma necessidade e um passo essencial para a poupança de dinheiro e, ao mesmo tempo, do planeta.

Depois, não nos esqueçamos que a camada de isolamento também preserva a estrutura da casa e evita que surjam problemas tão chatos como a humidade.

Por fim, mas não menos importante, permite que desfrutemos de uma temperatura agradável ao longo de todo o ano (sim, é verdade que se fala mais sobre o assunto quando chegam os dias frios, mas o isolamento também traz conforto no Verão).

Hoje, damos-lhe algumas sugestões sobre o assunto. Tome nota e, no fim, coloque todas as questões que quiser.

1. Cortiça

Portugal detém um terço da área global de sobreiros e é responsável por 55% da transformação mundial. Numa altura em que é tão importante usar materiais sustentáveis e promover o que de melhor se faz em Portugal, a cortiça tem, necessariamente, que estar entre as opções principais para isolar uma casa. Estamos a falar de um material ecológico, durável e 100% reciclável que, ainda por cima, é compatível com diferentes tipos de revestimentos de parede (betão, pedra ou madeira, por exemplo). Para além de ser uma excelente solução para melhorar a eficiência energética da sua casa, possui propriedades hidrófugas, isto é, repele a água, o que significa que pode ser incorporada em espaços que apresentam risco de penetração da humidade. A cortiça pode servir como material de isolamento em paredes, nos telhados e no piso e a aplicação é tão fácil como se vê nesta imagem da Go4Cork by Amorim.

2. Cuidado com o telhado

Há quanto tempo não manda inspeccionar o seu telhado? Preocupa-se em fazer uma manutenção regular? Alguma vez pediu para substituir as telhas? Contratou um profissional para o efeito?

É através das paredes que se perde mais calor, mas, logo depois das paredes, está o telhado, estrutura pela qual se perde cerca de 25% do calor gerado de uma casa. É muito. Por isso, não deixe o Inverno chegar e, se não o fez recentemente, comece já a procurar empresas que se dediquem à instalação e à manutenção de telhados para fazer um ’check-up’ ao seu. Aliás, a imagem acima é da BMI Group, uma empresa onde pode encontrar excelentes produtos para garantir um bom isolamento do seu telhado e aconselhar-se em relação às melhores soluções para a sua casa.

3. Lareira

Há coisa melhor do que uma lareira a aquecer a casa no Inverno? As lareiras são aconchegantes, são eficazes e são tão bonitas! Actualmente, há vários tipos de lareiras. Se tem uma lareira aberta, daquelas mais tradicionais, tente perceber se é possível fechá-la para, assim, poder usufruir de um sistema de aquecimento real. Contrariamente às lareiras tradicionais, as lareiras fechadas possibilitam que se aproveite mais de 85% do calor produzido.

4. Vidros e esquadrias

Os vidros e as esquadrias devem igualmente ser tidos em conta porque podem constituir um problema sério à retenção do calor numa casa. Sugerimos, mais uma vez, que contrate um profissional para inspeccionar as suas janelas. Pode ser necessário eliminar frestas ou substituir os vidros actuais por vidros duplos (há, inclusivamente, vidros triplos, por norma usados em locais mesmo muito frios) ou por vidros de baixa emissividade ou low-e, isto é, que possuem uma fina camada de metal que cria uma barreira à passagem de temperatura. Se não pode, neste momento, fazer esta pequena intervenção, então lembre-se que as cortinas também formam uma barreira e que são muito úteis para aquecer os ambientes. Uma cortina grossa é muito mais eficaz nesse sentido do que uma cortina diáfana, por exemplo. Pode, até, comprar um varão duplo para ter duas camadas de cortinas (uma grossa, por cima, e outra mais fina, por baixo).

5. Revestimentos

Há revestimentos mais quentes do que outros. Quando pensamos, por exemplo, na cerâmica, facilmente a associamos a um toque frio e pouco confortável. Já a madeira, a cortiça, as alcatifas (boas para quartos) ou os laminados são melhores escolhas para criar ambientes quentes e cómodos. Se passa frio em sua casa e tem chão em cerâmica em todas as divisões, pense se não será esse o problema e considere substituir o revestimento do piso, pelo menos, das divisões onde passa mais tempo (porventura a sala e os quartos).

6. A decoração importa

O isolamento térmico é uma questão essencialmente estrutural e é importante pensar nele como tal, mas, se a sua casa já está construída e se, neste momento, não dispõe dos meios para fazer alterações mais profundas ou custosas, então aposte tudo na decoração. Esta última tem, também, um papel essencial no conforto de uma casa. Já referimos as cortinas neste artigo. Tal como elas, também as carpetes têm um impacto muito significativo no conforto térmico dos ambientes. Não se esqueça, também, das mantas, das almofadas e dos tecidos que escolhe: o veludo, o jacquard, o chenille e o pêlo sintético são uma forte aposta das lojas de decoração para estas estações.

7. Soluções rápidas para as paredes

Se as paredes estiverem despidas, mais depressa o calor se escapa. Por esta razão, sugerimos que encoste os móveis volumosos às paredes e que cubra estas últimas com quadros, espelhos, molduras e papel de parede. As cores mais escuras e os tons fechados deixam os espaços mais quentes e são ideais para o Inverno.

 

Janela de pvc ou alumínio? A resposta às suas questões!
sexta, 11 de setembro de 2020

Está na hora de trocar as janelas de sua casa. A primavera e o verão estão aí, e são as alturas perfeitas para fazer essa mudança, antes que o frio invada tudo. Afinal, ninguém quer ter a casa toda aberta durante o inverno, nem que seja por algumas horas!

Mas substituir as janelas de uma habitação é tudo menos trivial. Há imensos materiais entre os quais pode escolher, com características, acabamentos e preços diferentes, e depois há a configuração do próprio edifício que pode condicionar fortemente essa escolha. 

A escolha final que se impõe na maior parte dos casos é só uma: – PVC ou alumínio? A madeira e a fibra de vidro podem ficar demasiado caras para as vantagens que apresentam, o que faz delas escolhas menos comuns.

Se está diante deste dilema e vacila na escolha, a homify vem em seu auxílio! Hoje falamos sobre materiais para janelas, caixilhos e portadas, as suas características, vantagens e desvantagens e até preços. Não perca!

PVC – O material

Podemos dizer que as janelas em PVC estão na moda e que um crescimento substancial de empresas especializadas a oferecer este produto.

Estas janelas são feitas com o nosso conhecido, e sempre versátil, cloreto de vinil, protagonista de pavimentos, revestimentos e autocolantes de parede. Como já deve saber, este material é constituído principalmente de sal-gema, petróleo e agentes de enchimento naturais, tais como o giz e calcário. 

No caso das caixilharias das janelas o PVC é estabilizado com tecidos de aço, de alumínio ou de fibra de vidro para melhorar as suas propriedades de robustez e flexibilidade.

Este é um material leve, que facilita a solda dos componentes das caixilharias das janelas e possui excelentes características para criar janelas muito eficientes, como veremos a seguir. 

PVC – Características

A caixilharia PVC oferece características inigualáveis na construção de janelas devido às características do próprio material:

- têm uma boa rigidez, são estáveis e pouco sujeitas a dilatações provocadas pelo calor ambiental;

- são bastante leves, adicionando menos carga ao edifício. A leveza do PVC facilita também a solda dos vários componentes da caixilharia, facilitando o processo de produção;

- o PVC caracteriza-se por ter uma baixa condutividade térmica, o que faz com que as caixilharias PVC ajudem a minimizar a perda de calor através delas. Isto faz com que funcionem como óptimas isoladoras, ajudado a que a casa se mantenha quente ou fria por mais tempo, e assim diminuindo os gastos energéticos;

- são muito resistentes à corrosão e à degradação por agentes climatéricos e biológicos, como os bolores e os líquenes;

- proporcionam um bom isolamento acústico, contribuindo para a melhoria da vivência da habitação no interior;

- a caixilharia PVC fica totalmente impermeável, graças ao processo de produção e às características do material;

- o PVC pode ser reciclado;

- as caixilharias de PVC podem ser combinadas com outros materiais como a madeira para melhorar ainda mais a sua performance, criando modelos híbridos;

- o PVC permite uma grande variedade de acabamentos, nomeadamente através de laminados ou lacados. A lacagem tem ainda a vantagem de proporcionar uma resistência ainda maior ao material, com qualquer cor que deseje.

- Estes caixilhos exigem muito pouca manutenção. Aliás a manutenção da caixilharia PVC é realmente simples, necessitando apenas de uma periodicidade para algumas acções prevista pela maioria dos fabricantes:

- Limpeza da sujidade acumulada devido à contaminação ambiental e ao pó – lavagem com água e um detergente neutro, que deve incluir as estrutura, e as calhas e rodízios, no caso janelas de correr – de 3 em 3 meses.

- Lubrificação das ferragens e verificação do correcto funcionamento dos mecanismos de fecho e manobra. Aplicação de pó de talco nas  juntas de estanquidade (normalmente de EPDM – dimonómero de etileno propileno – ou TPE – elastómero termoplástico) para garantir a manutenção das suas características de flexibilidade e durabilidade. Esta manutenção pode ou não incluir a desmontagem dos componentes – anualmente.

- Verificação visual para detecção de eventuais perdas de estanquidade dos perfis, ou danos na fixação do envidraçado – de 3 em 3 anos.

Apesar das evidentes vantagens, a caixilharia PVC também apresenta alguns pontos negativos, nomeadamente a deformação a temperaturas elevadas, o que faz com que proporcione uma protecção contra o fogo inferior ao de outros materiais, e a rápida evidência de riscos que não podem ser reparados. Também ficam sujas mais depressa porque a poeira e a sujidade podem ser atraídas pela elevada carga estática do material.

PVC – Preço e garantia

A caixilharia PVC é uma alternativa de excelência à madeira. Segundo o site http://www.geradordeprecos.info, uma janela de PVC com duas folhas de correr de espessura de 74 mm, dimensões 900x900 mm, composta de aro, folhas e bites com acabamento natural em cor branca, e pré-aro, custa cerca de 231 Euros.

No exterior uma persiana de PVC custa cerca de 30 Euros, segundo o mesmo site.

Os materiais em PVC têm mais tempo de garantia, normalmente o dobro dos materiais de alumínio. Na maior parte das vezes o alumínio tem garantia de 10 anos e o PVC tem uma garantia de 20 anos.

Alumínio – o material

O alumínio é um material já muito conhecido na construção de janelas, mas se está a pensar nos antigos caixilhos de alumínio cinzentos, simples e bastante feios, vai gostar de saber que actualmente já existem soluções de excelência, tanto em características técnicas como estéticas.

O alumínio é um metal, leve, não inflamável, resistente aos choques e às intempéries, que pode ser trabalhado para proporcionar muito boas características às suas janelas.

Alumínio – Características

Apesar de as primeiras janelas com caixilhos de alumínio deixarem muito a desejar a várias facetas, que não apenas na estética, actualmente esses problemas foram ultrapassados se o fornecedor for de qualidade. 

Antes estas janelas apresentavam muito pouco isolamento térmico e acústico, apresentando várias fugas de calor, fosse a partir das calas onde corriam ou pelas junções mal conseguidas. Para resolver essas falhas foram acrescentados complementos para melhorar as suas características técnicas. Assim nasceram as caixilharias de alumínio com corte térmico, constituídas por perfis melhorados pela ligação mecânica dos perfis de alumínio extrudido com barras de poliamida de 24 mm, e reforçadas com fibra de vidro. Estes sistemas apresentam várias vantagens, sobretudo em relação às caixilharias de alumínio antigas:

- Menos perda de calor ou frio pelo caixilho e capacidade para receber uma placa de vidro duplo mais espessa e de ter com uma caixa de ar superior; Isto faz com que apresentem uma acentuada redução dos custos de climatização;

- Melhor capacidade de redução do ruído;

- Diminuição da condensação interior;

- Possibilidade de fabrico de caixilharias bicolores, com cores diferentes no interior e no exterior.

As técnicas de laminagem também se aplicam a este material, pelo que os acabamentos deixaram de ser problema.

Alumínio – O preço

Uma boa janela em alumínio com ruptura térmica pode ser ligeiramente mais cara do que uma equivalente em PVC. Segundo o site http://www.geradordeprecos.info, uma caixilharia de alumínio, anodizado natural, para janela com dobradiças de abrir de abertura para o interior CORTIZO, de 120x120 cm, sistema 2000 Canal Europeo, CORTIZO, formada por duas folhas, e com pré-aro, com caixa de estore incorporada (monobloco), estore de lâminas de PVC, com accionamento manual com fita e recolhedor custa 270,35 Euros.

Conclusões

Em jeito de conclusão aconselhamos a que faça uma boa pesquisa de mercado e avalie as vantagens e desvantagens de cada material, e de cada profissional, em relação ao seu caso particular.

A verdade é que numa avaliação persiana alumínio vs pvc, o PVC leva alguma vantagem no que se refere ao desempenho térmico e acústico, à resistência ao elementos e à qualidade nos preços intermédios, mas o alumínio é um pouco mais barato, permite maiores dimensões nas janelas e é muito mais resistente ao fogo.

Tudo sobre o microcimento: um guia completo para facilitar a sua escolha e aplicação
sexta, 04 de setembro de 2020

As tecnologias construtivas estão sempre a evoluir e a melhorar… Em termos de revestimentos o ser humano passou da simples terra batida para a pedra e para a madeira, depois surgiram os mosaicos e os azulejos. Mais recentemente, com o dealbar do petróleo, as opções diversificaram-se muito, com o surgimento do linóleo, do vinil, dos derivados da cortiça, entre outros. 

Uma das mais recentes novidades no mundo dos revestimentos é o microcimento, e veio trazer vantagens nunca antes imaginadas! Não sabe o que é? Então não perca tempo e leia este artigo! 

O que é, como se aplica, o preço e muito mais…  Aqui vai encontrar respostas a todas as suas questões sobre o microcimento, não perca!

O que é o microcimento?

O microcimento é em primeira instância um revestimento contínuo para superfícies, que não fica com juntas, emendas ou selagens, mesmo em grandes áreas. 

É constituído por cimento e polímeros, sendo que as partículas de cimento são mais pequenas do que as do cimento normal e os polímeros (aglomerantes, resinas e outros aditivos) são responsáveis por lhe conferir maior elasticidade, o que o torna menos propício a fazer fissuras. Constitui uma alternativa mais barata à resina de epóxi e ao poliuretano, com resultados igualmente bons. 

O produto apresenta-se, normalmente, em dois componentes: uma resina líquida (com aditivos, aglomerantes, aditivos e pigmentos) e um pó branco que se misturam antes da aplicação.

Como é feita a aplicação do microcimento?

O microcimento aplica-se de uma forma simples, em camadas. No final do processo o revestimentos terá entre 2 e 3mm somados no total de 6 a 10 demãos de material. 

É um trabalho bastante silencioso e rápido, quando comparado com todos os outros métodos, e tem resultados espetaculares, embora tenha grandes probabilidades de correr mal se não for efetuado por profissionais devidamente habilitados.  

A aplicação compõe-se das seguintes fases:  

- o primeiro passo é fazer uma boa preparação das superfícies a revestir. É fundamental garantir que as superfícies são devidamente limpas e desengorduradas para aplicação dos promotores de aderência e garantia da sua eficácia. Nesta fase faz-se também um correto nivelamento da superfície, se esta não estiver nivelada.  

- preparação da mistura de pó e líquido concentrado conforme as instruções do produto específico, em função da fase de aplicação (base ou revestimento final); 

- aplicação manual do produto com espátulas. Para cada superfície existe um método especifico de aplicação, e cada produto terá as suas especificidades, sendo que o seu rendimento também vai estar dependente destes fatores.

- por vezes é ainda aplicada uma última camada de proteção com verniz acrílico ou poliuretano.

Sobre que materiais se pode aplicar microcimento?

Tem um chão de tijoleira e não sabe se pode revesti-lo com microcimento? A resposta é sim! 

O microcimento é adequado para revestir praticamente qualquer superfície, à exceção da madeira ou superfícies deformáveis. Superfícies com texturas muito pronunciadas, como a pedra rústica, devem ser niveladas para obter um bom resultado.

Pode revestir de microcimento azulejos, tijoleira, piso autonivelante, gesso cartonado, betonilha, betão, entre muitas outras superfícies, com excelentes resultados. O microcimento pode ser usado no interior ou no exterior. No interior pode utilizá-lo para revestir paredes e pavimentos de cozinhas, casas de banho ou outro compartimento (se corretamente aplicado é totalmente impermeável), bancada de cozinha, móveis de cozinha e casa de banho e até da sala (exceto se forem de madeira), tetos, escadas, etc. Como o microcimento vem em muitas cores e acabamentos pode usá-lo como complemento da decoração e do design de interiores da sua casa. 

No exterior as aplicações são também muito vastas. A sua resistência e impermeabilidade tornam-no perfeito para garagens, paredes exteriores e fachadas, pavimentos e até piscinas!

Vantagens e desvantagens da sua utilização

Mas usar microcimento para revestimento só tem vantagens? 

A resposta é simples: – se gosta da estética, sim, terá muito mais vantagens do que desvantagens na sua utilização. Ora vejamos.

Vantagens durante a aplicação:

- O processo de aplicação é bastante silencioso e não produz resíduos volumosos ou entulho;

- Pode ser aplicado sobre qualquer superfície à exceção de madeira ou outros materiais deformáveis;

- Aplicação rápida e simples, desde que efetuada por profissionais qualificados;

- A sua aplicação não produz juntas, selagens ou emendas que possam pôr em causa a uniformidade do revestimento; o microcimento fica com uma textura incrível;

- Boa gama de cores disponíveis;

- Baixo custo com o material e com a aplicação, quando comparado com outros revestimentos.

Todas estas vantagens na aplicação tornam este revestimento especialmente atraente para obras de remodelação, onde já existem revestimentos prévios.

Vantagens durante o uso:

- Revestimento totalmente impermeável, excelente para zonas muito húmidas, como cozinhas e casas de banho, incluindo áreas de chuveiro, 

- Elevada resistência, incluindo a raios UV, o que o torna muito adequado para áreas de grande tráfego de pessoas e objetos (até em corredores de hospitais, por exemplo);

- Muito resistente ao fogo (classe A de resistência ao fogo);

- Não fratura ou forma fissuras e rachas;

- Manutenção simples.

Desvantagens:

- A gama de cores é inferior à da resina epóxi ou à do poliuretano;

- A cor de base natural é cinzenta, como a do cimento normal. A cor adicionada pode não ficar perfeitamente uniforme se as misturas não forem bem feitas;

- O processo de aplicação requer treino e experiência, pois qualquer falha vai ficar bem visível e ter consequências visuais desagradáveis, bem como comprometer a integridade da camada de revestimento;

- Tem uma estética que remete bastante para um ar industrial, o que também pode ser encarado como uma vantagem.

Que cores de microcimento existem?

O céu é o limite quando se trata de criar uma cor! Existem diversas cores e podem alterar o tom do seu acabamento, tal como acontece quando se aplica o verniz de vedação: mediante o acabamento escolhido (acetinado, fosco ou brilho), é possível obter cores mais opacas ou mais vivas.

Dê asas à sua imaginação…

É muito caro?

O conceito de caro depende do orçamento, mas também da vontade, da necessidade e do gosto. 

Segundo o site http://www.geradordeprecos.info um pavimento contínuo de microcimento, de 3 mm de espessura, realizado sobre superfície absorvente, através da aplicação sucessiva de: camada de primário monocomponente, diluído em duas partes de água; malha de fibra de vidro anti-álcalis de 80 g/m² de massa superficial; dupla camada base (de 1 kg/m² cada camada) de microcimento monocomponente, cor branco; dupla camada decorativa (de 0,3 kg/m² cada camada) de microcimento monocomponente, textura lisa, cor branco; camada de vedação formada por duas demãos de primário vedante transpirável com resinas acrílicas em dispersão aquosa e duas demãos de vedante de poliuretano alifático de dois componentes sem dissolventes, acabamento brilhante fica por cerca de 58 Euros por metro quadrado. 

Pelo mesmo site descobrimos que um ladrilhamento com azulejo acabamento decorativo, 20x20 cm, 8 €/m², capacidade de absorção de água E>10%, grupo BIII, resistência ao deslizamento até 15, colocado sobre uma superfície suporte de argamassa de cimento ou betão, em paramentos interiores, através de cimento cola de utilização exclusiva para interiores, Ci cinzento, sem junta (separação entre 1,5 e 3 mm); cantoneiras de PVC, fica por cerca de 22,50 Euros. Mais barato, portanto… Mas será que é mesmo? É importante perceber que os preços dos azulejos variam muito, e que, se considerar as vantagens técnicas de resistência e durabilidade do microcimento, o preço pode já não parecer assim tão superior! E se entrar com o gosto e com o estilo o mais provável é considerar que vale mesmo a pena.

Estes preços de microcimento são meramente indicativos. Informe-se bem acerca das características do produto e do tipo de aplicação para o seu caso específico. Pode ter uma surpresa!

Limpeza e manutenção

O microcimento foi pensado para facilitar a vida aos seus utilizadores a todos os níveis. A própria constituição do microcimento impede a absorção de produtos derramados e facilita a sua remoção com um simples produto de limpeza neutro, não corrosivo e não abrasivo. Molhos de culinária, óleos e gorduras, vinho, café, desinfetantes com iodo e mesmo sangue, podem ser removidos facilmente com um pano embebido em água e um detergente neutro. Esse mesmo detergente neutro e comum deve ser usado para a limpeza regular do revestimento.  

Para a correta manutenção do estado do pavimento é importante proteger as bases das pernas dos móveis, evitando riscos e mossas que afetem a estética ou mesmo a integridade do revestimento.

Que acabamentos tem?

O microcimento é um revestimento contínuo decorativo, e por isso tem bastantes cores, mas todas partilham uma característica: – as nuances de efeito marmoreado criadas pelo processo de aplicação com espátula. Este efeito é característico deste revestimento e parte do seu apelo estético, sendo mais ou menos evidente consoante a cor escolhida.

Para o pavimento normalmente usa-se um acabamento mais liso para facilitar a limpeza, enquanto nas paredes pode conseguir-se um acabamento mais rústico, se for esse o efeito desejado pelo projeto de decoração.

A finalização é feita com um selante de resinas acrílicas e poliuretano bicomponente. O acabamento vai depender do seu gosto, podendo ser mate, acetinado ou brilhante.

Este revestimento é especial e pode ser utilizado em projetos tão audaciosos como o da imagem acima.

5 erros na hora de pintar parede que você pode evitar com estas dicas!
sexta, 28 de agosto de 2020

Desde o preparo da parede até a escolha do material, veja os problemas mais comuns de quem é iniciante na pintura

Pintar as paredes é uma maneira excelente de renovar os ambientes sem gastar muito. Por ser uma opção simples, prática e econômica, a pintura foi a alternativa escolhida por muitas pessoas para dar uma cara nova ao décor durante a quarentena. Entretanto, é preciso tomar alguns cuidados antes mesmo de começar a pintar para garantir um resultado agradável e que corresponda às expectativas.

Dar dicas para ajudar as pessoas a não errarem na hora da pintura é justamente uma das coisas que o youtuber carioca Felipe Lisowski, conhecido como Mestre do Acabamento, faz em seu canal do YouTube. Os conteúdos apresentados incluem explicações que vão desde como escolher os materiais mais adequados até como fazer técnicas aprimoradas de pintura. Assim, os vídeos já renderam ao pintor mais de 164 mil inscritos na plataforma. 

Para te ajudar a colocar a mão na massa e obter bons resultados na hora de pintar as paredes, conversamos com o pintor youtuber e reunimos cinco erros que as pessoas costumam cometer na hora da pintura, além de dicas de como resolvê-los. Confira! 

1. Preparação

Antes mesmo de começar a pintura, errar no preparo de parede já faz com que o resultado final fique muito abaixo das expectativas. De acordo com Lisowski, é necessário entender as funções do fundo preparador e do selador, que são as substâncias que preparam as paredes para receber a tinta, para não utilizá-los erroneamente. O selador, ao contrário do fundo preparador, só pode ser utilizado em cima de paredes com reboco novo e firme. Isso porque esta substância possui menos resina, portanto, não é tão eficaz para impulsionar a aderência da tinta em todos os tipos de superfície. Para todos os outros casos, é necessário utilizar o fundo preparador, que serve inclusive para paredes descascadas e para superfícies de gesso. "O fundo preparador substitui o selador, mas o selador não substitui o fundo preparador", explicou o pintor.

2. Escolha do rolo de pintura

Outro erro que as pessoas costumam cometer na hora de pintar as paredes é a escolha do rolo de pintura. De acordo com o pintor, os rolos de pelo alto são erroneamente utilizados por muitas pessoas para pintar superfícies lisas. No entanto, este material pode trazer um aspecto ruim para a pintura, visto que é mais recomendado para superfícies rugosas ou com textura. Por conta disso, é fundamental optar por rolos de pelo baixo para garantir um acabamento perfeito.

3. Materiais

Escolher materiais de boa qualidade também é essencial para não errar da hora da pintura. De acordo com Lisowski, muitas pessoas decidem qual material utilizar simplesmente ao olhar a marca. Entretanto, esta não é uma boa opção para decidir qual é o utensílio mais adequado, afinal, as empresas possuem linhas que variam conforme a qualidade do produto. Dessa forma, é fundamental ter um trabalho de pesquisa antes de sair às compras para saber quais são os melhores pincéis e lixas, por exemplo, para atender às suas necessidades. 

4. Tintas

Da mesma forma que é importante escolher os utensílios que serão utilizados para pintar a parede, também é fundamental saber decidir qual é o tipo de tinta é mais adequado para a tarefa. Segundo Lisowski, existem três tipos de tinta, sendo eles: econômica, standard e premium. A linha econômica é adequada somente para ambientes internos. Por não ter um bom rendimento, este tipo de tinta é aconselhado exclusivamente para reforçar a tonalidade de uma parede, ou seja, aplicar uma nova mão da mesma cor. Já para pintar ambientes externos ou dar uma nova cor para a sua parede, a linha intermediária standard pode ser uma boa opção. Este tipo de tinta possui rendimento e cobertura melhores do que a linha econômica, além de também ser vendida por um preço acessível.

Por fim, a linha premium possui uma série de benefícios que a tornam a melhor opção para a maior parte dos casos. As tintas que possuem este título são laváveis, contam com melhor rendimento e cobertura, não possuem cheiro e, na maior parte dos casos, são anti-mofo. Além disso, é possível encontrar tintas desta categoria com diversos acabamentos, como semi-brilho, acetinado e fosco.

5 combinações de cores que nunca falham
domingo, 16 de agosto de 2020

Sabia que as cores são, em grande parte, responsáveis ​​por como nos sentimos quando entramos num espaço? É verdade, as cores têm uma grande influência no nosso psicológico, na nossa forma de ser e de agir. Por isso, escolher uma paleta cromática para decorar um espaço requer cuidado e cautela. Além disso, combiná-las é outra tarefa complicada. Mas para ajudá-lo nesta missão, a homify reuniu uma mão cheia de ideias para combinar cores, sem errar. Os exemplos apresentados foram todos desenvolvidos por profissionais especializados e registados na homify, por isso, não há aqui erros. É apenas uma questão de gosto pessoal, mas há várias soluções, por isso, esperamos agradar a gregos e a troianos!

Ora, descubra as nossas 5 combinações de cores e aplique-as em sua casa, para dar um up aos seus interiores e, consequentemente, a si!

Vamos a isso!

1. Amarelo + cor-de-rosa

É verão, é calor e emoção! Por isso, começamos com este exemplo fresco, que nos traz alegria e boas energias. A cor amarela tem um poder incrível na decoração, é como um sol dentro de casa. O amarelo, nomeadamente o tom mostarda, é uma grande tendência e aposta no design de interiores, aliás tem vindo para ficar. É muito versátil, quer em termos de combinações, como de estilo.

Mas, sem dúvida, que adoramos esta combinação revigorante do amarelo e cor-de-rosa. É uma verdadeira lufada de ar fresco, quer para um quarto ou sala de estar.

2. Rosa + azul petróleo

O azul petróleo é outra cor predominante na decoração. Temos visto muito esta cor na decoração de quartos infantis ou de salas de estar. É uma cor elegante e sóbria, por isso, combiná-la com cores mais vivas e claras é uma boa aposta.

Combinar azul petróleo com cor-de-rosa claro é ter a certeza que tem um espaço de puro requinte, basta ver o projeto acima para perceber que a combinação destas duas cores é mais que perfeita!

3. Cores naturais + cinza

Se se identificar mais uma decoração do estilo escandinavo, então aposte numa combinação neutra, como por exemplo, tons naturais e cinzento.

O branco, o bege, a cor da madeira e o cinzento combinam perfeitamente, sendo que criam uma atmosfera sóbria, leve e luminosa.

Agora tem de perceber, qual destas cores irá prevalecer mais, ou seja, se as cores naturais compõe mais a decoração ou se o cinzento. É uma questão de gosto pessoal, mas também do tipo de espaço. Por exemplo, se a sua sala for pequena, crie uma tela maioritariamente branca ou cinzenta clara, para criar um ambiente mais luminoso.

4. Verde seco + bege

O verde seco é outra cor muito procurada na decoração. Vemo-la em todos os espaços: cozinha, casa de banho, quartos, salas, hall de entrada… Enfim, é uma cor muito versátil e leve, sendo também fácil de combiná-la com diversas cores. Contudo, para criar um ambiente mais luminoso e pouco excessivo, combine o verde seco com o bege, madeira ou branco, tal como vemos neste projeto de interior. O verde trouxe personalidade, mas sem cair no exagero, porque como sabe menos é mais!

5. Coral + azul

O Living coral foi a cor de 2019, pela Pantone, mas continua na ordem do dia. É uma cor delicada e que pode associar-se a outras cores de forma incrível. É aquela cor que pode acrescentar em apontamentos decorativos, para personalizar o ambiente. Gostamos imenso desta doce combinação da MUDA Home Design: azul e coral.

Como usar tapetes na decoração para tornar a sua casa mais bonita
sexta, 14 de agosto de 2020

Os tapetes na decoração são fundamentais, pois tornam o ambiente mais acolhedor, seguro e, claro, elegante. Confira as dicas para escolher o artigo certo

Os tapetes na decoração são uma peça que não deve ser menosprezada. Afinal, ao escolher o artigo certo, toda a divisão parecerá que foi alvo de uma pequena alteração.

O truque para ser bem-sucedido nesta tarefa é escolher o tipo de tapete que se adequa ao estilo da sua casa, que seja confortável e, claro, com as medidas certas.

Não faltam locais de inspiração para decorar a sua casa, seja no Pinterest, em blogs de decoração, em revistas ou programas de televisão. Todavia, há algo muito importante que deve ter em contam nomeadamente os seus gostos pessoais.

Há peças que, sem dúvida, ajudam a conferir nova vida aos espaços, as chamadas peças “statement” e os tapetes são mesmo uma delas.

Parece-lhe demasiada informação? Não se preocupe, pois vamos explicar tudo passo a passo. Tome nota!

 

TAPETES NA DECORAÇÃO: 5 ASPETOS A TER EM CONTA

Estas são indicações valiosas que o vão ajudar a selecionar o tapete ideal para qualquer espaço de casa.

 

1. Tamanho

O tapete pode funcionar como um delimitador do ambiente, determinando onde começa e termina a divisão ou mesmo sugerir o tipo de circulação que pretende que as pessoas façam no espaço.

No que respeita às suas medidas, é preciso ter alguns aspetos em conta. Conheça, então, algumas medidas padrão que poderão ajudar a escolher o tapete certo:

Casa de banho: 50 x 80cm

Cozinha: 150 x 57cm

Entrada ou corredor: 60 x 110cm ou 120 x 170cm

Sala de estar: 160 x 230cm

 

2. Material

Outro fator que deve ser tido em conta aquando a compra de um tapete é a questão do material. Este terá a ver com a finalidade do mesmo. Por exemplo, um tapete natural cria um olhar autêntico e fosco, enquanto os materiais sintéticos serão adequados para ambientes com brilho e cores mais vivas.

Conheça alguns materiais mais usuais:

Viscose: este material deve ser evitado nos corredores e locais de passagem frequente. É ideal para tapetes no quarto ou escritório;  

Algodão: de fácil manutenção e, como tal, pode colocar em qualquer parte da casa;

Fibras de plástico: ideal para espaços frequentados por crianças, pois são bastante resistentes e de fácil limpeza;

Lã: ideal para a sala de estar, preferencialmente em frente à lareira, para proporcionar uma sensação de conforto extra. Não se preocupe, porque este material reduz a eletricidade estática e é anti inflamável;

Fibras naturais: resultam em peças duradouras e de fácil manutenção, porém não conferem tanto conforto e valor. Por isso, poderá colocar nas cozinhas, casas de banho ou sala de jantar.

 

3. Formato

Este aspeto deve seguir o seu gosto pessoal e o estilo que deseja imprimir à sua casa, embora as divisões mais clássicas peçam tapetes de formas mais convencionais como quadradas ou retangulares.

Porém, se quiser ousar, arrisque num tapete redondo ou um modelo um pouco menor deslocado da composição dos móveis. O formato deve ser acompanhado por uma cor ou padrão que acompanhe esse tom mais clássico ou mais arrojado.

 

4. Espessura

A espessura de um tapete é fundamental para garantir a segurança e o conforto do espaço.

Por exemplo, em lugares de constante circulação deve optar-se por um tapete de baixa espessura, para que não tropeçar. Já em zonas onde passamos muito tempo sentados, mas pouco a caminhar, os tapetes mais espessos são mais confortáveis.

Se tem aí em casa pessoas com alergias, então deve evitar alguns modelos, nomeadamente os que têm mais pelo.

 

5. Padrão

Se o tapete tiver algum padrão ou outro tipo de desenho, escolha algo que acompanhe a linha da restante decoração da casa.

Os modelos com desenhos muito marcantes ganham destaque na divisão e, por isso, devem ser acompanhados por mesas de centro mais simples e discretas, por exemplo. Já os tapetes mais rústicos ou com desenhos mais simples adaptam-se praticamente a qualquer ambiente.

No fundo, o truque é balançar: peças mais extravagantes com outras mais simples.

 

TAPETES NA DECORAÇÃO: DICAS ÚTEIS PARA OS MANTER EM BOM ESTADO

No que diz respeito a tapetes na decoração, não basta escolher o certo e não mais se preocupar com ele. Sendo um tecido, deve sempre ter em conta as indicações que constam na etiqueta. Se porventura a retirou, então, veja as sugestões que temos para partilhar consigo:

Coloque fitas dupla-face nos cantos dos tapetes, para prevenir quedas;

As cores escuras disfarçam mais facilmente a sujidade, enquanto os tapetes brancos requerem cuidados especiais, por isso escolha também as cores de acordo com o espaço onde irá colocar;

Aspire o tapete pelo menos 1 vez por semana;

Limpe e lave os tapetes regularmente para evitar reações alérgicas e mau cheiro;

Quando lavar, não deixe o tapete secar diretamente ao sol, mas sim à sombra, preferencialmente num local com boa circulação de ar;

Nunca esfregue o tapete com vassouras ou escovas de cerdas grossas, porque desgasta os tecidos;

Nunca utilize alvejante na limpeza de tapetes;

Caso suje o tapete, deve limpar a mancha o mais rapidamente possível, sob pena de não conseguir retirá-la na totalidade;

Não coloque demasiada quantidade de detergente – a qualidade da lavagem não se mede pela quantidade de espuma que faz.

Pavimentos de casa de banho: qual escolher e o que ter em conta
sexta, 07 de agosto de 2020

Os diferentes pavimentos de casa de banho vão influenciar no conforto do seu dia a dia. Saiba como escolher e o que ter em conta na hora da compra.

Pavimentos de casa de banho: temos as melhores dicas e sugestões de compra para quem quer acertar na escolha e não gastar dinheiro em vão. Saiba qual escolher e quanto vai gastar. Fique connosco.

Na altura de construir ou remodelar casas de banho há muito para planear antes de passar à fase de execução das obras. Por isso mesmo, reunimos dicas essenciais para quem está de olhos postos nas melhores tendências, que garantem ótimos resultados e prometem respeitar o orçamento, mantendo a saúde do seu bolso em dia.

Neste artigo vamos focar num ponto fundamental e que deve estar no topo da lista de tarefas: a escolha do pavimento ideal para a sua casa de banho. Antes de mais, deve saber que é neste ponto que deve concentrar atenções especiais, pois esta escolha vai traduzir-se numa fatia considerável dos gastos com as obras na casa de banho. Reserve uma parte generosa do seu orçamento para o piso e os azulejos e mantenha o foco na higiene e na manutenção dos materiais escolhidos.

MERGULHE NO CONFORTO COM O PAVIMENTO CERTO PARA A SUA CASA DE BANHO

A casa de banho é onde pode relaxar ao final de um dia de trabalho, onde vai descansar os músculos após um treino exaustivo, onde vai arranjar-se ao espelho antes de sair de casa e onde os mais novos vão adorar brincar na água. Arriscamos, até, dizer que esta é a divisão onde o conforto e a qualidade dos materiais escolhidos mais importa. Concorda?

Seja para limpar-se da areia depois da praia ou para remover a sujidade depois de um passeio de bicicleta o que importa aqui é contar com um pavimento que seja capaz de suportar processos de limpeza regulares e não se estrague com arranhões e manchas. Se achava que não era possível ter um pavimento de casa de banho bonito e resistente a preços justos, em cerâmica, vinil ou laminado, desengane-se. Já pode começar a sonhar com isso.

PAVIMENTOS DE CASA DE BANHO: COMO ESCOLHER?

A escolha dos materiais que vai usar na sua nova casa de banho é pessoal, claro. Mas, a par dos gostos, a escolha deve ser baseada, também, na qualidade e em algumas características essenciais que este ambiente exige. Saiba mais aqui.

Como escolher os melhores materiais

Por que razão deve escolher cuidadosamente os melhores materiais para o pavimento da casa de banho? A resposta é simples: porque esta decisão é uma das que vai ter mais peso no resultado final – quer na questão visual, quer no orçamento das obras. Mas, então, como fazer a escolha certa? Nós ajudamos.

6 dicas para escolher o pavimento da casa de banho e ter mais benefícios todos os dias

  1. Antes de mais, já decidiu se prefere que o pavimento da casa de banho seja frio ou quente ao toque? Pavimentos cêramicos, vinílicos ou flutuantes, com efeito de pedra natural, carvalho quente, nogueira ou madeira branca, têm resultados diferentes nesse quesito. Seja qual for a sua preferência, não esqueça de garantir que escolhe um material à prova de riscos;
  2. Claro que, ainda no topo da lista de dicas, destacamos um conselho essencial: dê atenção aos materiais que sejam realmente resistentes à água;
  3. Procure por materiais com características específicas que garantam maior durabilidade e menor esforço de manutenção regular;
  4. O material deve ter baixo nível de porosidade para, assim, manter longe as manchas no piso e ser uma opção mais higiénica a longo prazo;
  5. Escolha um pavimento com características antiderrapantes, afinal, este é um ambiente que estará sujeito à humidade constante;
  6. Opte por pavimentos de casa de banho com necessidade reduzida de juntas.

3 TIPOS DE PAVIMENTOS DE CASA DE BANHO A TER EM CONTA

Pavimento cerâmico

O pavimento cerâmico é uma das escolhas mais comuns no que toca aos pavimentos de casa de banho e cozinha. Sendo este um material resistente e impermeável, torna-se portanto ideal para estes tipos de ambientes. No entanto, deve-se ter em conta que este tipo de soalho é frio ao toque. Se esta é uma característica a evitar, os pavimentos cerâmicos não são para si.

Pavimento vinílico

Esta é uma opção alternativa para casas de banho. À semelhança do pavimento flutuante, o piso vinílico é duradouro e garante conforto e impacto visual a preços mais reduzidos. Confortável e de toque quente, este tipo de piso conta com um acabamento plastificado que garante a sua resistência à humidade – ao contrário de outros materiais, como a madeira.

Contudo, é preciso ter especial atenção à sua aplicação, garantindo que a superfície fica completamente nivelada e limpa, caso contrário, o piso ganha fissuras ou bolhas.

Pavimento flutuante

O pavimento flutuante é, indiscutivelmente, o pavimento de eleição dos portugueses. Provavelmente porque é um material simples de instalar e bastante versátil, apresentando-se com efeito de madeira em padrões diversos. Outro ponto positivo é a sua alta durabilidade e necessidade reduzida de manutenção.

Ponto negativo desta escolha: para ter um piso flutuante na sua casa de banho deve escolher materiais resistentes à agua e impermeáveis. Isso pode significar ter de pagar até 3 vezes mais do que a sua verão tradicional.

Há cada vez mais tipos de pavimentos de casa de banho com diferentes efeitos e preços. Aposte nas principais tendências e garanta o efeito visual que sonhou, mas dê prioridade ao conforto e à durabilidade dos materiais que leva para casa. Certifique-se que faz a escolha acertada.

Decoração de parede de cozinha: 12 ideias para inspirar
sexta, 31 de julho de 2020

Pratos, talheres e até formas de bolo estão entre as ideias de composições que você pode montar

Sua cozinha anda meio sem graça? Um bom jeito de dar um up na decoração, sem quebra-quebra e sem muito investimento é decorar as paredes. Além das tradicionais prateleiras, você também pode considerar objetos do dia a dia para criar as composições, como talheres, pratos e até formas de bolo. Quer ver como fica lindo? Então, confira a seleção que preparamos logo abaixo. 

Exiba as colheres de pau

Se você gosta de comprar colheres de pau ou de bambu, uma boa ideia é pendurá-las na parede. Para criar um desenho bonito estabeleça um limite para as bordas e posicione cada peça voltada para um lado diferente. Você também pode mesclar tonalidades de madeira e, de repente, criar um efeito em degradê.

Tábuas e bandejas

Com formatos, cores e texturas variadas, as peças desta parede não têm nada demais. São objetos do cotidiano de qualquer cozinha que, se bem organizados, formam lindas composições. Aqui, bandejas e tábuas foram distribuídas para formar um desenho orgânico.

Prateleiras e ganchos

Se você tem parede sobrando e pouco espaço, que tal instalar prateleiras e ganchos para organizar as coisas? Além de armazenar, esses recursos permitem que você deixe sua louça e utensílios à vista, trazendo cores e formas para a sua cozinha.

Facas sempre à mão

Quem gosta de cozinha costuma ter uma faca para cada tipo de alimento. Então, por que não incluí-las na decoração? Um bom jeito de fazer isso é fixar uma barra imantada na parede. Depois, é só dispor as facas, uma ao lado da outra.

Pratos estampados

Nesta cozinha, pratos decorativos foram instalados por cima do azulejo branco com rejunte escuro. E o resultado é uma composição divertida e vibrante. Aqui, há só quatro peças, mas você pode montar uma parede com muitos pratos e de diversos tamanhos.

Colheres e quadros

Outra ideia para usar colheres de pau na decoração de paredes de cozinha. Aqui, os utensílios foram alinhados com quadros de moldura escura. Uma solução interessante para um cantinho que precisa de um pouco mais de graça.

Mão francesa dourada

As tradicionais prateleiras de madeira ganharam um detalhe a mais aqui: os suportes (ou mão francesas) são feitos de metal dourado. Assim, além de servirem de estrutura também adornam a composição simples e charmosa.

Pendure as panelas

Do mesmo jeito que as facas ficam bem charmosas se expostas na cozinha, as panelas também fazem bonito. Para isso, basta instalar algumas barras metálicas e ganchos na sua parede e distribuir as panelas. Quanto maior for a variedade de tamanhos e cores, melhor.

Deu branco

A parede azul serviu de fundo para deixar as louças brancas se destacarem nesta cozinha. Aqui, pratos de porcelana de diversos formatos deram graça à parede. A mesma linguagem visual foi usada na composição montada sobre o móvel.

Nichos decoram e armazenam

Nesta cozinha pequena, cada canto foi ocupado de um jeito inteligente. A mesa embutida, o carrinho de utensílios e a fruteira pendente são alguns exemplos disso. Na parede, um suporte de madeira abriga uma pequena horta, um cesto e porta-toalhas. Acima, um nicho decora e serve para armazenar a louça. 

Formas divertidas

Dá para criar composições com o que você quiser na parede da sua cozinha, inclusive com formas de bolo. Se você tiver formas de formatos diversos, como estas da foto, que tal instalar ganchos e deixá-las à vista? Além de ser prático, cria um efeito visual bem interessante.

Prateleiras de corda

Além de serem fixadas diretamente na parede, estas prateleiras ganharam um acabamento de corda entre elas. O detalhe trouxe uma pitada rústica no décor e deixou o espaço ainda mais aconchegante.

Ideias para combinar cores na decoração
sexta, 24 de julho de 2020

As cores são a alma de um espaço e têm muito poder na decoração. Diferentes tons evocam diferentes estados de espírito, contam histórias distintas e mudam a forma como sentimos e percepcionamos um espaço, por isso, escolha calmamente a paleta para a sua casa. Procure inspiração, peça amostras de tinta/tecidos nas lojas e tenha em conta a luz, a dimensão e a função de cada ambiente (repouso, trabalho, preparação de refeições, etc.).

Aqui na homify, temos ao seu dispor uma galeria com milhares de projectos nos quais se pode inspirar para tirar ideias de cores para a sua casa. Se anda a pensar pintar a casa (ou apenas uma ou outra divisão), então aproveite o bom tempo para pôr mãos à obra e começar a preparar o seu projecto. Hoje, deixamos-lhe aqui algumas sugestões para combinar cores e aproveitamos, também, para lhe sugerir a leitura do nosso artigo onde encontra tudo o que deve saber antes de pintar as paredes da sua casa.

1. Azul, branco e apontamentos vibrantes

É num apartamento de praia que se encontra o quarto que vemos na imagem e a proximidade em relação ao mar poderá ter sido inspiração para a escolha das cores que o definem. O azul marinho da cama em tecido tem uma presença forte no espaço e é suavizado pelos azuis mais claros (que aparecem no papel de parede, nas cortinas, na carpete e na otomana) e pelo branco. Este equilíbrio permitiu que o quarto beneficiasse de uma atmosfera mais luminosa e suave. Destacamos, ainda, a alegria e a jovialidade que as almofadas e a manta lhe trouxeram. Os tons fluorescentes são uma boa opção para dar energia a um espaço, mas devem ser usados como apontamento. Repare que tanto a manta com as capas das almofadas têm riscas com o mesmo azul da cama, o que torna a decoração mais coesa.

2. Vermelho e amarelo baunilha

Duas salas de jantar, dois pormenores em comum: a combinação entre o vermelho e o amarelo baunilha. O vermelho é, sem dúvida, um tom forte, quente e apaixonante que torna qualquer ambiente muito mais acolhedor. Pode usá-lo de forma mais expressiva – como na primeira sala de jantar onde a parede de fundo foi pintada a vermelho – ou de um modo mais discreto como na segunda sala em que o vermelho aparece apenas nas cadeiras que ficam à cabeceira. Seja como for, é uma cor que se faz notar e que empresta aos espaços um toque envolvente, luxuoso, clássico e intimista.

3. Vermelho, madeira e dourado

É o vermelho profundo que se evidencia quando olhamos para o quarto de luxo deste hotel de cinco estrelas. Desta vez, a cor faz par com tons cremosos e é elevada pela presença de apontamentos em dourado. Peças com acabamentos metálicos, sobretudo em dourado, são uma excelente opção para compor uma decoração que tenha o vermelho como protagonista. O preto, sendo um tom neutro, fica também bem com esta cor, embora não deva ser usado em demasia sob pena de o espaço ficar demasiado pesado e escuro. Neste caso, aparece apenas no painel de mármore que conforma a cabeceira da cama.

4. Os neutros

Mas também temos ideias para os nossos leitores que se identificam com uma linguagem mais sóbria. Para esta suíte, utilizaram-se tons neutros que lhe conferem uma intemporalidade e elegância únicas. As cores são frias, mas o quarto não é porque a sobreposição de têxteis, as diferentes texturas, as várias almofadas e a carpete sob a cama garantem que a paleta cromática não compromete o conforto. Quando pensar nas cores, não se esqueça que não as pode dissociar de tudo o resto. Além disso, há, neste espaço, pormenores com tons mais ricos e saturados como a cabeceira de cama, o cadeirão e os bonitos candeeiros dourados.

5. Paleta monocromática

Há muitos designers de interiores e decoradores que gostam de trabalhar com paletas monocromáticas. Isto significa que escolhem uma cor e exploram várias tonalidades dessa mesma cor. O cinza é uma boa cor para o efeito ou, por exemplo, o azul (o azul pálido fica maravilhoso quando combinado com um azul profundo).

6. Azul turquesa e bege

Se procura criar um espaço elegante, romântico, sereno e acolhedor tem no azul turquesa e no bege uma boa solução no que à paleta cromática diz respeito. O turquesa funciona bem com outros neutros como, por exemplo, o cinza e o off-white. Não aconselhamos, contudo, a que o turquesa seja usado em excesso. Pode deixar o ambiente um bocado sobrecarregado e acabar por ser cansativo. Use-o numa parede e/ou em alguns objectos de decoração, mas deixe que os neutros ocupem mais do espaço.

7. Verde seco, púrpura e rosa

Os tons de verde seco e verde acinzentado estão em voga. São tons modernos, com personalidade e extremamente aconchegantes. Nesta decoração mid-century, destaca-se, de imediato, a combinação entre a parede verde sálvia e o sofá púrpura com almofadas cor-de-rosa. Estas cores saturadas e vibrantes são uma boa escolha para espaços dentro deste estilo retro ou vintage.

 

 
5 erros comuns para não fazer ao organizar sapatos
sexta, 17 de julho de 2020

Até mesmo mantê-los na caixa pode não ser tão saudável assim para os calçados!

 

Como qualquer outra peça de vestuário, os sapatos precisam ser bem guardados e higienizados para que tenham boa durabilidade. No entanto, a correria do dia a dia ou até mesmo a falta de espaço para uma ampla sapateira fazem com que os cuidados com os calçados não sejam tão precisos. 

Algumas soluções inteligentes, como uma sapateira no hall de entrada ou a utilização de nichos para armazenar os calçados, podem ser uma boa opção para preservar os pares. O problema é que, em muitos casos, até algumas medidas que são pensadas com as melhores intenções podem acabar danificando os calçados.

Por conta disso, selecionamos cinco erros que costumamos cometer na hora de guardar os sapatos. Além disso, a personal organizer Cora Fernandes listou algumas soluções para evitá-los. Confira!

1. Um par em cima do outro

Ao organizar os sapatos em espaços pequenos, é comum que o par seja colocado em cima do outro. No entanto, esta prática não é recomendada, pois além de danificar os sapatos, ainda faz com que o tempo gasto para encontrar um par seja maior. Por conta disso, segundo a personal organizer, o ideal é colocar um pé atrás do outro.

2. Calçados na caixa de papelão

Muitas pessoas gostam de manter os sapatos dentro das caixas, até mesmo por achar que a medida preserva os calçados. Entretanto, a caixa de papelão faz com que os sapatos não respirem e mofem. Por conta disso, de acordo com Cora, a melhor alternativa para quem prefere mantê-los em caixas, é utilizar caixas plásticas com uma abertura na lateral.

3. Botas dobradas

Deixar as botas de cano alto dobradas, apesar de parecer uma forma de otimizar o espaço, é uma medida que pode danificar os calçados e criar marcas, caso seja de couro. Assim, se você possui botas neste estilo, é importante planejar uma sapateira que possua nichos altos para colocá-las. Além disso, segundo Cora, uma opção para evitar que as botas dobrem é inserir uma boia espaguete (que é geralmente utilizada em piscinas) no interior do calçado na hora de guardar.

4. Sapatos misturados

Manter os sapatos misturados faz com que o tempo gasto buscando um calçado específico no dia a dia seja muito maior. Além disso, mantê-los desta forma faz com que você não consiga ter noção da quantidade de sapatos que possui. De acordo com a organizer, é importante organizá-los por estilo. Outro método importante é manter no alto ou no meio da sapateira os calçados que são utilizados com mais frequência, enquanto os que são menos usados devem ficar na parte de baixo.

5. Guardar os sapatos sujos

Na correria do dia a dia, às vezes parece tentador chegar em casa e já guardar os sapatos antes de limpá-los. Contudo, além de ser um hábito anti-higiênico, esta medida pode sujar os outros calçados e danificá-los. Segundo Cora, uma alternativa para este caso é ter um móvel de apoio na lavanderia ou na entrada de casa para colocar os sapatos até que eles sejam limpos.

Ideias de decoração para receber o verão em sua casa!
sexta, 10 de julho de 2020

O verão já entrou em força e temos que aproveitar esta fantástica estação do ano. Este ano, todos sabemos que o verão será passado mais em casa, como tal, devemos investir no nosso lar, para o tornar alegre, confortável e convidativo. Assim, não custa estar tanto tempo em casa e além disso, fica pronta para receber alguns amigos e familiares, para brunches ou jantaradas.

Devemos apostar noutras cores, tecidos, padrões e outros detalhes, de forma a criar um ambiente mais veranil. Além disso, o jardim ou a varanda também merecem um maior destaque. Enfim, no artigo de hoje, destacamos algumas ideias para que possa preparar a sua casa e receber o verão. Inspire-se nestas bonitas imagens!

Leve e fresco

Geralmente, é no verão que voltamos a pintar algumas paredes, nomeadamente aquelas que ficaram mais danificadas pela humidade do inverno.

Por isso, pode optar por pintar de branco, que é sempre uma escolha certa, mas também pode escolher uma cor diferente, como um verde claro, cinza ou outro tom pastel. De facto, basta pintar só uma parede para alterar logo o ambiente.

Padrões

Há quanto tempo é que tem as mesmas almofadas, mantas ou cortinados? Talvez esteja na hora dos substituir. O que nos diz?

Para dar um toque de verão, pode arriscar num padrão mais exótico ou africano. Não tenha dúvidas que irá dar aquele up bem quente e confortável. Além disso, não é difícil de trocar e nem fica muito caro.

Cores alegres

Como uma estação que se envolve em tons fortes, como o azul do céu, o amarelo do sol, o verde das plantas e o rosa das flores, pode inspirar-se na paleta cromática do verão para levar este ambiente para dentro de casa.

Por exemplo, pode misturar uma cor neutra (branco, amarelo, bege… ) com azul turquesa ou azul claro, amarelo, verde, etc. Pode apostar numa tonalidade mais forte num elemento grande ou pequeno do espaço (móvel, parede ou item decorativo), de forma a criar pontos coloridos e com sabor a verão.

Como pode verificar nas imagens dos projetos, há várias maneiras de introduzir cor no espaço! Sem dúvida que, a sensibilidade profissional faz toda a diferença. Por isso, se não se sentir seguro para estas mudanças, não hesite em entregar o seu projeto a um profissional.

Materiais leves e naturais

De modo a proporcionar um ambiente leve e descontraído do verão, inclua itens com esse estilo, como móveis de madeiras claras ou peças feitas em fibras naturais.

Tapetes em juta são uma grande tendência e dão logo uma atmosfera quente e leve à casa.

Têxteis

Da mesma forma que trocamos os casacos de lã do inverno por vestidos em algodão para o verão, nos têxteis da casa também o devemos fazer. As suas noites podem ser bem mais agradáveis se tiver roupas de cama adequadas. Para as noites quentes, prefira tecidos em linho, cetim e percal, por exemplo. Como estes tecidos são mais finos e flexíveis permite uma melhor respiração, sendo que as noites serão bem mais agradáveis e frescas também.

Trocar a posição dos móveis

Para quem estiver cansado de ver a mesma decoração, mas não quiser entrar em despesas para já, basta trocar a posição dos móveis! Fácil e não custa nada!

Até pode trocar alguns móveis, com outras divisões. Por exemplo:

  • Uma mesa de cabeceira como mesa de apoio, na sala de estar;
  • Trocar o aparador para o hall de entrada;
  • Um banco como mesa de cabeceira;
  • Trocar cadeiras e misturar cores;
  • Ir buscar o baú da casa da avó para ter um móvel TV novo ou mesa de cabeceira;

Enfim, são tantas as possibilidades. Só precisa de dar asas à sua imaginação!

Plantas e flores

Do padrão floral às flores frescas e naturais, há muitas formas de as incluir dentro da nossa casa, de forma a deixar o ambiente mais alegre. De facto, as plantas e as flores deixam os espaços mais coloridos, perfumados e refrescantes. Não precisa de um viveiro, pois basta um vasinho em diferentes cantos da sua casa, para deixar um ambiente diferente e com sabor a verão.

Recuperar peça

Pode aproveitar um fim de semana, para dar uma volta a uma feira de velharias ou no sótãos dos avós.

As peças antigas estão na moda e integram-se lindamente da decoração de um espaço. Veja como nesta sala, colocaram vários pratos na parede ou suspenderam um antigo candeeiro por cima da mesa.

Pintar móveis

Aproveite os dias mais quentes para pintar um móvel que já não gosta! Esta solução irá criar um dinâmica nova à sua casa.

Escolha uma cor que tenha a ver com a paleta cromática da sua casa.

 

Como se organizar no home office: 9 dicas para ser mais produtivo
quinta, 02 de julho de 2020

Trabalhar em casa realmente caiu no gosto das novas gerações e os números de uma pesquisa realizada pela Flexjobs provam. No estudo, feito com mais de 3 mil profissionais, mais da metade das pessoas disseram que sua casa é o lugar preferido para trabalhar, enquanto apenas 7% escolheram o escritório quando o assunto é ser produtivo. Outros locais que apareceram na pesquisa também foram coworkings, bibliotecas e cafeterias. Tendo isso em mente, separamos algumas dicas para tornar o seu home office o mais produtivo possível e aproveitar ao máximo os resultados da experiência!

1. Encontre seu canto preferido 
Há quem goste de ter uma vista bonita pela janela e há quem prefira olhar para a parede ou mural de recados. O primeiro passo é instalar o seu escritório no espaço que mais te agrada, assim será mais fácil se inspirar e manter-se motivado.

2. Iluminação é tudo
Seja ela natural ou não, afinal, ninguém gosta de trabalhar no escuro. A boa iluminação ajuda na concentração e a não forçar os olhos. A dica é ter uma luminária de mesa para auxiliar.

3. Nada de distrações
Televisão é uma ótima opção para se manter inteirado das notícias durante as refeições, tarefas domésticas ou mesmo para relaxar. Mas na hora do trabalho, fique longe da tela - ela pode facilmente te distrair. Aproveite a vantagem de trabalhar em casa e assista ao seu programa preferido na hora do almoço, por exemplo - mas mantenha a TV desligada nos demais momentos.

4. Certifique-se de que tem tomada por perto
Mesmo que você use notebook, ter tomadas por perto facilita e otimiza tempo - afinal de contas, somos reféns da bateria dos aparelhos eletrônicos e ninguém merece interromper o trabalho para ter que carregar ou ir em busca de extensões, não é mesmo?

5. Esconda os fios!
Apesar de ser importantíssimo ter tomada por perto, olhar os fios enrolados e jogados por toda parte pode trazer sensação de bagunça e sobrecarregar o ambiente. Por isso, a dica é manter os fios escondidos.

6. Conforto em primeiro lugar
E não estamos falando da vantagem de usar chinelos ou pantufas se quiser, mas, sim, de escolher uma cadeira confortável e manter o computador na altura dos seus olhos. Além disso, nada daquela competição de liga ou desliga o ar-condicionado com os colegas do andar, então, ajuste a temperatura ideal e mãos ao trabalho.

7. Organização é essencial
Ter uma mesa bagunçada não funciona nem no escritório, então, muito menos em casa. Mantenha à vista apenas os itens realmente importantes e que você vai precisar usar. Papéis antigos devem ir para o lixo ou gavetas. Os enfeites podem até ajudar a criar identidade para o seu espaço e trazer sensação de satisfação, mas, veja bem, nada de transformar a sua estação de trabalho em exposição de coleções ou acúmulo das fotos de família.

8. Siga à risca seu horário de trabalho
Não é porque você está trabalhando de casa que a disciplina ficou de lado. Atente-se aos horários de começar, pausar e terminar seus trabalhos diariamente. Adotar o uso de um cronograma e aprender a gerenciar seu tempo vai te ajudar muito.

9. Mexa-se!
Você provavelmente vai ficar a maior parte do tempo sentado, trabalhando. Mas não se esqueça de, de vez em quando, levantar, esticar as pernas, dar uma volta em casa ou ir à cozinha buscar um lanche.

As cores tendência para o Verão de 2020
quinta, 02 de julho de 2020

O Verão faz o elogio às cores claras e alegres. Quando chegam os dias soalheiros e quentes, ficamos logo com vontade de refrescar o nosso guarda-roupa e deixar os tons mais sóbrios que, por norma, usamos durante o Outono e o Inverno. Certo? No que toca à casa, é igual. De repente, olhamos para o sofá e já não queremos ver lá as mantas grossas ou as almofadas de tons mais escuros e aconchegantes.

Como é óbvio, não podemos mudar a decoração da casa de cada vez que a estação muda. Porém, podemos alterar alguns apontamentos: mudar as capas das almofadas e dos edredões (uma das formas mais baratas e eficientes de dar um novo élan a um espaço sem gastar muito dinheiro), trocar jarras e/ou vasos por outros mais coloridos, arrumar a manta de Inverno e pôr uma manta fininha e com uma cor mais leve e até trocar as imagens de um ou outro quadro.

Hoje, e para o inspirar a fazer essas mudanças, agora que o Verão está aqui, deixamos-lhe seis propostas de cores que serão tendência durante o Verão de 2020 e mostramos-lhe como funcionam nos espaços e com que outras cores podem ser combinadas.

Ora veja.

1. Amarelo

O amarelo é uma cor enérgica que associamos ao sol, à vida e à boa energia. É, sem dúvida, uma cor que combina com o Verão e que tem aparecido amiúde entre as tendências de decoração de interiores para 2020. Não é uma cor que, actualmente, se use muito em paredes, mas é frequentemente utilizada em apontamentos de decoração (almofadas, candeeiros, velas, jarras, espelhos, carpetes, entre outros) e até para pintar móveis. Se sente, por exemplo, que a sua sala de estar está muito sombria e precisa de uma injecção de vida, então esta é a cor perfeita para o efeito.

 

2. Coral

Living Coral foi a cor que a Pantone elegeu para 2019, tendo ganhado mais notoriedade a partir daí. É uma excelente opção para quem quer criar um ambiente estimulante e vibrante, mas, ao mesmo tempo, suave. Ao contrário do amarelo, que tem uma presença assaz impactante, o coral é dotado de uma elegância e subtileza muito apelativas. Segundo Leatrice Eiseman, a directora executiva do Pantone Color Institute, a cor é equalizadora, na medida em que equilibra as realidades naturais e digitais da experiência humana, sendo que os consumidores anseiam por conexões mais humanas e por conectividade social, qualidades expressas pelo acolhedor Living Coral. Na decoração, o coral é uma cor que fica bem com verde água, azul claro, bege, branco e apontamentos dourados.

3. Azul marinho

Mais escuro do que as cores anteriores e do que as que se seguem, o azul-marinho tinha que figurar neste artigo. O Verão também é mar e esta cor remete-nos, incontornavelmente, à imensidão azul do mar. Numa decoração que se queira mais leve, sugerimos que conjugue o azul-marinho com o branco ou o amarelo. Como se percebe, a introdução de cor nos espaços acontece, muitas vezes, por via da adição de almofadas coloridas que, actualmente, encontra a preços muito simpáticos nas lojas de decoração mais conhecidas.

 

4. Rosa

Os mais atentos à decoração e ao design de interiores já terão, por certo, percebido que o cor-de-rosa tem vindo a crescer em popularidade. O boom de popularidade terá começado em 2016 quando a Pantone nomeou Rose Quartz como cor do ano, um tom de rosa pastel que, mais tarde, começou a ser designado por Millenial Pink. Neste Verão, pode apostar em tons de rosa para a decoração. Se se sentir com vontade de ir um bocado mais além e arriscar, abrace tonalidades mais vibrantes como as que vemos no espaço da imagem acima. Ficam especialmente bem numa casa com uma decoração de estilo boho. Se é mais discreto e não se identifica tanto com esta cor, então escolha tons de rosa mais subtis.

5. Verde água

O verde água transmite-nos uma enorme sensação de serenidade e frescura. É uma excelente escolha para um quarto (onde se procura um ambiente relaxante), mas fica igualmente bem noutras divisões da casa. Aqui, o tom aparece nas paredes e tem o cor-de-laranja a fazer a contraposição. É uma combinação pouco usual, mas que resulta maravilhosamente. Acha que funcionaria em sua casa?

6. Tons terra

Terminamos com mais uma proposta para quem prefere uma decoração mais neutra. Os tons areia, bege, canela ou chocolate podem perfeitamente ser incorporados num espaço onde se queira criar um ambiente mais ligado ao Verão e à praia. Pode optar por usar apenas estas cores ou, como se vê no projecto acima, combiná-la com verde água.

Dicas para tornar a sua casa mais fresca no verão
sexta, 19 de junho de 2020

O Verão está mesmo aí a chegar! Ele não quer saber de confinamentos, não se compadece de vírus, vem mesmo que devagar e quase sem se dar por ele. Em pouco tempo as casas, que até aqui se queriam quentes e aconchegadas, passarão a precisar de ser mantidas o mais frescas possível para continuarem confortáveis.

O ar condicionado é uma das formas mais eficientes de arrefecer a casa nas épocas quentes, mas temos de concordar que não é nada ecológico e muito menos barato!

Numa altura em que a poupança e a protecção do meio ambiente são preocupações cada vez maiores, torna-se importante encontrar soluções alternativas ao ar condicionado.

Já sabe que a homify está sempre aqui para ajudar, por isso, o artigo de hoje traz-lhe um leque de sugestões e ideias para manter a sua casa mais fresca durante dos dias quentes, sem recurso aos uso de equipamentos eléctricos. Venha descobri-las!

1 – Abra as janelas

Esta dica parece óbvia, para refrescar é preciso abrir as janelas e deixar o ar circular. Mas na realidade não se trata de abrir simplesmente as janelas de forma aleatória!

Abrir as janelas nas horas mais quentes do dia vai apenas fazer com que a sua casa fique cada vez mais quente porque vai deixar entrar o ar quente. Abrir uma janela por si só pode não ter um grande impacto pois pode não deixar o ar circular. Então o que fazer?

Abra as janelas depois da noite cair ou de madrugada, se conseguir, pois estas são as horas mais frescas do dia e feche-as nas horas de luz. Tente criar túneis de vento e correntes de ar entre compartimentos da casa, mantendo também portas interiores abertas em função da configuração da habitação. Se usar ventoinhas conjugue a sua acção com a da natural corrente de ar para optimizar o arrefecimento.

Uma ideia um pouco diferente consiste em usar um lençol molhado pendurado como cortina para refrescar a brisa que ainda vem quente lá de fora. Acreditamos que pode não servir para todas as casas, mas em caso de grande necessidade é uma boa ideia.

2 – Feche cortinas e estores

No seguimento da sugestão anterior deixamos agora esta: – assim que o dia nascer ou enquanto não anoitecer feche os estores e as cortinas. Esta medida simples ajuda muito a manter a temperatura mais baixa. Mesmo que seja apenas dois graus já é uma grande ajuda a enfrentar o calor!

As cortinas e os estores vão impedir que a forte luz solar entre nos espaços interiores e transforme a sua casa numa estufa.

3 – Evite cozinhados de forno e fogão

Pode parecer residual, mas o forno e o fogão aquecem muito a casa, em especial quando se trata de um espaço pequeno de apartamento. Nos dias quentes o nosso conselho é que evite estes equipamentos e privilegie alimentos de confecção rápida, de preferência saladas e frescos. Aproveite o bom tempo e cozinhe lá fora, aproveitando o grelhador, nem que seja numa pequenina varanda. Assim o calor fica no exterior e mantém a sua casa mais fresca!

4 – Use o exaustor

Não vai usar a cozinha para cozinhar, mas pode usar para refrescar! Ligue o exaustor do fogão por algum tempo, mesmo que não esteja a cozinhar. Este equipamento foi especialmente concebido para sugar o ar quente e o vapor dos seus cozinhados e vai ser bastante útil a extrair o ar quente da sua casa no verão. Esta método é bastante eficaz em open spaces de pequenas dimensões.

Também pode usar o extractor de humidade da casa de banho para a mesma finalidade.

5 – Retire todas as decorações que transitam sensação de calor

Está na hora de saírem as mantas de lã, os tapetes felpudos, as almofadas de veludos e tantos outros acessórios decorativos que tornam a sua casa mais quente. Substitua estes elementos por tecidos frescos de algodão ou linho, tapetes de juta ou ráfia, padrões florais e cores frescas, em verde e azul-claro, por exemplo.

6 – Aposte em cores claras

As cores claras são a melhor aposta para conseguir um ambiente visualmente mais refrescante e combater o calor. Já referimos as cores frias e os padrões florais frescos, mas um ambiente carregado em branco total ou cinza claro também funciona maravilhosamente. Aproveite e siga uma via mais minimalista, guardando tudo o que possa dar ao ambiente uma sensação menos arejada.

7 – Plantas na varanda

As varandas são o habitat natural das plantas na cidade, pelo que já é natural encontrá-las aí. No entanto esta ideia trata-se de colocar plantas mais altas nestes espaços, tapando parcialmente a entrada de luz pelas superfícies envidraçadas e dando um tom mais fresco não só à varanda, mas também ao ambiente interior.

8 – Pensa na iluminação

Esqueça as luzes normais, incandescentes ou de halogéneo! Esta iluminação produz muito calor e isso repercute-se no conforto da sua casa no verão. Se não houvesse outra solução, teríamos que as usar, mas actualmente as lâmpadas de LED são muito mais eficientes: – quase não produzem calor e gastam muito menos energia. É só poupança!

9 – Dormir rente ao chão

O ar quente sobe, o que significa que, quanto mais alta for a sua cama, mais calor vai sentir. Os beliches superiores nesta altura podem tornar-se bastante desconfortáveis. Assim, se tiver possibilidade, arranje uma cama mais baixa, retire as pernas da sua cama de sempre ou simplesmente desmonte-a e durma no colchão directamente sobre o pavimento para conseguir uma sensação térmica mais agradável.

10 – Roupas de cama

Deixamos-lhe mais uma ideia para dormir mais fresco: – colocar as roupas de cama certas! É certo que ninguém consegue manter as flanelas e os polares do inverno em pleno verão, mas mesmo assim ainda se cometem muitos erros na escolha dos têxteis de cama.

Para uma noite mais tranquila e fresca esqueça os tecidos sintéticos, mesmo que pareçam frios ao toque. Estes tecidos vão fazer fricção o que aumentará a sensação de calor, a transpiração e o desconforto. Opte por têxteis de fibras naturais, como o algodão biológico ou o linho que deixam a pele respirar e são mais confortáveis e frescos.

11 – Medidas a longo prazo

Para ter um controlo de temperatura mais eficaz e económico a longo prazo tome medidas mais duradouras.

A instalação de toldos e palas nas janelas e varandas, um melhor sistema de isolamento, estores de corte térmico ou outras medidas que possam contribuir para o controlo da temperatura no interior das habitações, vão traduzir-se em melhores condições de habitabilidade e mais poupança por muito mais tempo.

17 ideias para usar madeira clara na decoração
sexta, 12 de junho de 2020

Além de ser muito versátil e bela, a madeira aquece os ambientes e traz sensação de aconchego. Na época em que o modernismo brasileiro estava em seus anos dourados, o jacarandá, de coloração mais escura, dava forma às peças que hoje são ícones do design nacional. Agora, madeiras claras, certificadas e derivadas de manejo sustentável, são um hit nas decorações. A ideia veio do estilo escandinavo, que ganhou o mundo com sua proposta de leveza e aconchego. Para te inspirar, veja abaixo algumas ideias de como usar a madeira clara no décor.

Quarto aconchegante

Com uma paleta suave, este quarto exibe uma combinação de texturas que exalam aconchego. A madeira clara, na cama e no armário baixo, o tapete, a luminária de papel e a roupa de cama de algodão criam o cenário perfeito para uma boa noite de descanso.

Cuba inusitada

Neste lavabo, a madeira aparece em um lugar que não é muito comum: a pia. Esculpida em madeira clara, a cuba tem uma coloração parecida com os metais de latão e o cesto de fibra natural. 

Estante de OSB

Placas de OSB não são uma espécie de madeira, mas são feitas com o material. De coloração clara, elas costumam render decorações descoladas, como esta sala da foto. Aqui, a estante com nichos de vários tamanhos, se destaca na parede branca e contrasta com os móveis pretos.

Espaço bem aproveitado

Esta estante é um bom exemplo de como aproveitar todos os espaços para armazenar livros e revistas. O móvel feito de madeira cobre toda a parede e contorna, inclusive, a porta, alcançando o teto. Nichos de alturas variadas permitem que o morador guarde livros de várias alturas em posições diferentes.

Cozinha natural

Nesta cozinha, a madeira clara foi o material escolhido para forma à marcenaria. O revestimento do piso e das paredes seguem a mesma paleta, criando um visual único, sem grandes contrastes. Uma ideia perfeita para combinar com a luminosidade natural que entra pela janela ampla.

Divisória de ambientes

Aqui, a madeira aparece em um painel que atua como divisória de ambiente e no piso, feito de assoalho. Hoje em dia, aliás, existem porcelanatos que imitam perfeitamente a textura e a cor dos assoalhos de madeira. Tudo para deixar os ambientes ainda mais aconchegantes.

Armários simples

Bem ao estilo escandinavo, esta cozinha é um convite para um almoço demorado. Os armários baixos, de desenho simples e feitos de madeira clara, fazem par com as prateleiras feitas do mesmo material. As paredes e a coifa brancas completam o clima acolhedor do espaço.  

É estante ou painel?

Esta estante de espessura fina também funciona como um painel de madeira, pois ocupa toda a parede. Nichos estreitos são perfeitos para acomodar quadros e pequenos objetos. Na parte debaixo, o morador acomodou suas revistas preferidas, criando um canto de leitura.

Painel no banheiro

Aqui, um painel de OSB reveste a parede do banheiro e nele foram instalados os espelhos e o gabinete. Além de trazer um ar mais aconchegante ao espaço, o painel pode ser um recurso rápido para esconder imperfeições na parede.

Madeira + tramas

Nesta sala de jantar, a madeira clara aparece nas cadeiras, que possuem assento revestido de uma trama feita de tecido. As tramas naturais também aparecem na luminária e no tapete e reforçam o estilo natural do ambiente.

Piso claro

O piso de madeira clara serve de base para a decoração neutra e elegante neste quarto. Sem cabeceira, a parede da cama ganhou uma gallery wall com quadros estrategicamente desalinhados. E, na lateral, uma pequena escrivaninha serve como home office.

Estante assimétrica

A madeira pinus, antes pouco usada na decoração, hoje é uma tendência. Neste home office, ela dá forma a uma estante assimétrica, formada por nichos de diferentes aturas. Essa ideia cria um visual interessante ao móvel.

Muito espaço de armazenamento no banheiro

Não falta espaço para armazenar toalhas, produtos de beleza e afins neste banheiro. A marcenaria, feita de madeira clara, conta com armários generosos sob a bancada e um painel na parede.

Do piso às paredes

Neste quarto de bebê, o pinus reveste o piso e as paredes. Gavetas e armários sem puxadores foram embutidos nesta caixa de madeira, criando um visual minimalista, mas ao mesmo tempo, com muito espaço para manter tudo organizado.

Pé-direito duplo

Nesta sala de estar de pé-direito alto, a estante ocupa do piso ao teto, mas sem pesar. A madeira clara deixa tudo mais suave e o desenho inusitado garante um toque lúdico ao décor.

Armário horizontal

Se a estante anterior ia do piso ao teto, este armário ocupa toda a área horizontal da parede, deixando a parte superior livre para os quadros. O piso, que também é feito de madeira clara, parece ser a continuação do móvel.

Home office compacto

Neste home office, um armário estreito e alto permite que tudo fique bem organizado. Fio condutor do pequeno espaço, a madeira, no piso e no mobiliário, deixou o clima de trabalho bem aconchegante. 

Os materiais mais usados no revestimento de WC's
sexta, 05 de junho de 2020

Falar de casas de banho nunca, mas nunca, perde o interesse! Se há espaço que precisa de renovações periódicas é a casa de banho, pelo que recolher informações e boas ideias sobre ele nunca é demais.

A humidade é a sua némesis, qual kryptonite para o Super-Homem, causando-lhe danos ao longo do tempo de utilização. Se pretende que a sua casa de banho esteja em condições o máximo tempo possível, tem de escolher os revestimentos certos.

Optar por revestimentos inadequados para casas de banho, ou de qualidade duvidosa, é uma decisão que se paga caro em pouco tempo, por isso, quando se faz um orçamento para construir ou renovar, é fundamental saber com que materiais pode contar.

Se está nesta fase, não pode deixar de ler este artigo. Hoje, a homify vem relembrar o abc dos materiais de revestimento mais usados para casas de banho, acompanhe-nos!

1 – Azulejos e tijoleiras

Começamos este artigo precisamente pelo material de revestimento mais comum em casas de banho: o azulejo e a tijoleira.

Estes revestimentos cerâmicos são provavelmente os mais utilizados em casas de banho e há muitas razões para isso:

  • É possível encontrar bons azulejos a preços atraentes, mas tanto encontra propostas económicas como propostas com preços bastante mais elevados. Isto faz dos azulejos e das tijoleiras a escolha tanto de quem tem um orçamento generoso, como de quem tem um orçamento apertado.
  • O factor que mais faz variar o preço são os seus desenhos e padrões quase infindáveis, o que acaba por se tornar outra vantagem destes materiais. É bom ter bastante por onde escolher!
  • Os azulejos são simples de instalar, o que faz com que seja possível cortar um pouco no orçamento para mão-de-obra, se tiver jeito para as pequenas obras. Se não tem jeito, o melhor mesmo é contratar um bom profissional ou vai acabar com um revestimento feio e com fissuras que podem encurtar bastante a sua vida útil.

2 – Mármore

A pedra é um revestimento de grande beleza, não só para cenários rústicos, mas para todos os tipos de espaços. A sua presença fria proporciona conexão com o ambiente natural mas a maior parte das pedras podem ser muito caras, sendo pouco indicadas para orçamentos limitados.

No campo das pedras para revestimento de casa de banho, o mármore é o vencedor, entrando de imediato para a categoria dos materiais mais usados. É certo que o seu preço é elevado e que é uma pedra relativamente frágil (a embates e a ácidos) mas a sua beleza compensa e acaba por ser uma opção muito utilizada. 

A magnífica casa de banho que vê na imagem é da Smile Bath S.A. e mostra claramente todo o potencial do mármore clássico, na criação de ambientes modernos.

3 – Mosaico pastilha

O mosaico pastilha, versátil e duradouro, proporciona a criação de ambientes muito originais, que podem ser mais descontraídos ou mais elegantes, conforme a variedade de pastilha utilizada. Começou por ser um material usado em piscinas mas, rapidamente, passou para o domínio das casas de banho.

A utilização deste material tem vindo a crescer e agora já é muito usual em projectos privados. Normalmente é muito resistente e consegue encontrar-se um bom produto a preços atraentes, fazendo concorrência ao azulejo e à tijoleira, embora ainda estejam longe em popularidade.

4 – Mosaicos hidráulicos

Embora possam assemelhar-se a azulejos, os mosaicos hidráulicos não são feitos de cerâmica, mas sim de cimento. A sua produção continua a fazer-se artesanalmente, com métodos muito antigos, o que faz com que este revestimento seja bastante caro. A sua resistência, beleza e durabilidade acabam por compensar o preço mais elevado, mas podem ser inacessíveis em alguns projectos.

Os seus padrões geométricos têm vindo a conhecer mais adeptos após um longo período longe das luzes da ribalta. Nós achamos que ficam espectaculares e que ajudam muito a atingir o objectivo de ter uma casa de banho moderna com um toque vintage, como esta da imagem acima, cortesia da HOMESTORIES!

5 – A madeira

A madeira, até há pouco tempo, não era um material usado em casas de banho devido à sua relativa fragilidade, à humidade e ao ataque de pragas. Actualmente, o caso mudou de figura, pois por um lado surgiram madeiras tratadas, que apresentam um grau de resistência muito superior e, por outro, apareceram materiais que dão um perfeito acabamento de madeira, mas não são. Assim a madeira tem-se tornado progressivamente mais comum em casas de banho.

Nós aprovamos! Poucas coisas nos deixam tão felizes como lindos ambientes acolhedores, revestidos de madeira.

6 – A tinta

Acabamos este artigo como o começámos, por um revestimento muitíssimo utilizado em casas de banho, seja sozinho ou como complemento a um dos outros materiais aprovados para estes espaços: a tinta!

A tinta é barata, fácil de aplicar e permite uma vasta gama de escolhas de cores e acabamentos. Mas é preciso cuidado! Não compre tintas de má qualidade e certifique-se de que são apropriadas para casa de banho, junto do seu fornecedor. Uma escolha mal feita vai significar uma tinta descascada em muito pouco tempo!

5 segredos para ter uma "cama de hotel" em casa!
quinta, 04 de junho de 2020

Lavar e passar bem os lençóis, uso de óleos essenciais e camadas extra de conforto estão entre as recomendações

Durante a quarentena, é natural que o sono sofra alterações e que alguns enfrentem dificuldade para dormir. Afinal, além da mudança na rotina, a situação da pandemia impõe um novo estresse à maioria da população. Mas algumas dicas simples podem ajudar a dormir melhor, e o primeiro passo é dar uma atenção extra à sua cama! Afinal, se você não se sentir confortável nela, seu sono muito provavelmente não será dos melhores, certo? E, para montar uma cama caprichada, Brad Harrell, diretor de serviço de limpeza do Four Seasons Hotel Washington DC, listou com exclusividade à Casa Vogue algumas recomendações para deixar sua cama tão aconchegante quanto as de um hotel. Veja:

 

. Atenção ao colchão

O primeiro passo é checar se o seu colchão está em ordem. Se estiver muito velho, ele pode gerar dores na coluna, além de alergias, caso não esteja higienizado corretamente. Se você sente que não está conseguindo ter uma boa qualidade de sono no seu colhão atual, talvez seja hora de investir em um novo. "Um colchão de boa qualidade é a parte mais importante para uma boa noite de sono", diz Harrell.

2. Toque a mais: pillow top de plumas!

Harrell também recomenda adquirir um pillow top de plumas para colocar em cima do seu colchão. Muito usado em camas de hotéis, o pillow top é uma camada alchoada extra, que geralmente é "encaixada" acima do colchão para dar mais conforto.

3. Lençóis e ededrom alisados 

Depois de se certificar de que o seu colchão está em ordem, o próximo passo é a roupa de cama. Assim como o colchão, caso não sejam higienizados corretamente (saiba aqui quando trocar e lavar a roupa de cama), lençóis e fronhas podem gerar alergias devido ao acúmulo de ácaros. Além disso, Harrell recomenda sempre passar os lençóis e, em seguida, cobrí-los com um cobertor e um edredom. "Para remover qualquer dobra do edredom, borrife um pouco de água e então o estique-o para alisá-lo", orienta.

4. Cheiros e aromas

Óleos essenciais podem ser uma boa dica para ajudar a relaxar. Você pode borrifá-los misturados à água nos lençóis e fronhas. Harrel recomenda os de lavanda e eucalipto. O uso de óleos essenciais, inclusive, é considerado um método de terapia complementar, conhecido como aromaterapia. 

5. Travesseiros e almofadas sempre macios!

A última dica de Harrell é não ter medo de exagerar nos travesseiros e almofadas! Ele recomenda colocar 4 travesseiros e duas almofadas bem macias. "A cama é um templo do sono, e o ponto focal de qualquer quarto deve ser sempre convidativo", diz. 

Salas de jantar em open space: a solução prática para as famílias
sexta, 22 de maio de 2020

Inicialmente, havia a cozinha americana, que era bem moderna. Mas aos poucos e poucos, quando se começaram a otimizar (ainda mais) os espaços, a cozinha americana tornou-se uma cozinha aberta, primeiro nos apartamentos mais pequenos, depois em moradias e agora estão, praticamente, em toda parte!

É, cada vez mais, comum as pessoas solicitarem aos profissionais para derrubar uma parede e abrir a cozinha à sala, para reorganizar o seu espaço.

É verdade que o estilo de vida muda, a sala de jantar tradicional torna-se opcional e ganha terreno entre a cozinha e a sala de estar. Este tipo de layout é ideal para participar nas conversas com os convidados enquanto se prepara uma refeição, e não se sentir tão só quando se prepara o jantar ou se arruma a cozinha. Esta grande mudança também levou a mudar o conceito de sala de jantar, porque esta já não é usada apenas em dias de festa e domingos. De facto, as salas de jantar são bem mais utilizadas, porque agora são o ponto central das refeições.

15 sensacionais ideias de iluminação (de tecto, de pé, de parede, etc.)
sexta, 15 de maio de 2020

Na língua inglesa, usa-se muito a conhecida expressão make it or break it. Traduzida de forma não literal, esta expressão, em português, seria qualquer coisa como fazer ou desfazer ou ser bem sucedido ou fracassar. Ora, a iluminação é o make it or break it de um projecto de decoração ou de design de interiores. Um espaço, por muito interessante que seja do ponto de vista estético, terá tudo a perder se for mal iluminado. A luz traz conforto, assegura a funcionalidade dos ambientes e torna-os mais intimistas.

Um candeeiro pode fazer toda a diferença num espaço, quase como uma maquilhagem bem aplicada pode iluminar um olhar ou um rosto. Aliás, não raros são os projectos de ambientes minimalistas onde é um candeeiro que cria um ponto de interesse; e isto acontece em todas as divisões da casa! A luz é importante em qualquer uma delas e deve ser pensada de acordo com as actividades levadas a cabo em cada uma.

Hoje, e para o inspirar a escolher os candeeiros para a sua casa e, por conseguinte, a melhorar a iluminação em cada zona, queremos partilhar consigo 15 sensacionais ideias de iluminação. Por detrás destes projectos estão alguns dos mais prestigiados gabinetes portugueses de arquitectura, design e decoração.

Ora veja.

1. Candeeiros de tecto como protagonistas da cozinha

Começamos por uma espectacular cozinha de estilo minimalista onde se privilegiaram armários com frente branca e sem quaisquer adornos. A cozinha abre-se para uma zona de refeições e acomoda uma ilha que aparta ambas as áreas. Sobre a ilha, desemboca uma série de candeeiros de tecto, com abajures volumosos, que tornam esta superfície mais funcional e enriquecem, ainda mais, o design do espaço. Esta é uma excelente solução para cozinhas com ilha central. O globo pode ser da cor que prepondera no ambiente ou ser de um tom diferente para contrapor a base cromática.

2. Um elegante candeeiro em preto para criar um contraste na sua sala

3. As luzes LED são a opção mais sustentável. Além disso, são perfeitas para ambientes modernos!

Habitamos um mundo que enfrenta problemas ambientais sérios, pelo que seria impensável não incluirmos, neste livro de ideias, projectos com iluminação LED. São cada vez mais as famílias que optam por lâmpadas LED e por spots LED embutidos no tecto. Para além de muito mais sustentáveis, as LEDs criam este efeito impressionante nos ambientes – tipo céu estrelado -, pelo que se junta o útil ao agradável. Para uma sala de estar, sugerimos LEDs com efeito amarelado e até 2700K. Não use luzes incandescentes se a sala for pequena ou baixa, visto que estas sobreaquecerão o espaço.

4. LEDs na zona de estar e um candeeiro de tecto moderno para iluminar e marcar a zona de jantar

5. A elegância e versatilidade dos candeeiros de pé

Os candeeiros de pé podem servir vários fins. Numa sala de estar, por exemplo, podem ser usados para criar um simpático recanto de leitura, tal como se vê na imagem. Basta, para isso, estarem ao lado de uma poltrona. No entanto, também pode colocar o seu candeeiro de pé ao lado do sofá ou até numa esquina para preencher um canto vazio e escuro. Um dos pontos fortes destes candeeiros é, precisamente, a versatilidade. São altos, esguios e práticos, por isso adequam-se a diferentes funções e podem ser facilmente levados para outras divisões. Um candeeiro de pé tem sempre lugar numa casa, até mesmo se esta for pequena.

6. No seu quarto, também pode colocar um candeeiro de pé ao lado da poltrona

7. Dois candeeiros de tecto simples e finos a substituir os tradicionais candeeiros de mesa de cabeceira

8. Candeeiro de parede no hall de entrada

Se pensarmos bem, todos os candeeiros têm lugar em todas as divisões da casa. Como dizíamos na introdução, a iluminação é fundamental em qualquer espaço. O hall de entrada é uma divisão que as pessoas nem sempre sabem como decorar, até por se tratar de uma zona de passagem. Na imagem, vemos como os designers criaram uma composição apelativa através do uso de uma (muito pequena) consola, de um quadro e de um candeeiro de parede com cabeça flexível. Adoramos a originalidade!

9. Um candeeiro de parede sobre o sofá é, também, uma opção criativa e prática! E por que não em dourado?

10. Tiras LED na cozinha
As cozinhas pedem uma iluminação funcional e moderna e os arquitectos e designers sabem-no. Na cozinha da imagem acima, é impossível não reparar nos frisos LED que atravessam o tecto e os armários superiores. Estes frisos LED proporcionam-lhe um toque diferenciador e futurista. Já tinha pensado nesta solução para a sua cozinha? Para além de se adequar ao espaço, é uma tendência que veio para ficar!

11. Candeeiros com uma presença impactante na sala de jantar

12. Vários candeeiros sobre a mesa

Os seus amigos conhecem-no pelos seus dotes como anfitrião? Então, impressione-os! Complemente a sua mesa de jantar com um ou mais candeeiros que criem um ponto focal no espaço. Pode inspirar-se neste projecto em que um conjunto de candeeiros – todos iguais, mas com tamanhos diferentes – coroam a mesa de jantar moderna.

13. Uma peça delicada e em dourado para uma sala de jantar moderna e sofisticada

14. Não se esqueça da iluminação exterior

A iluminação é fundamental numa casa, tanto no interior como no exterior. No exterior, há várias razões para não dispensar um bom projecto luminotécnico: a segurança, a sinalização de zonas mais perigosas (sobretudo para quem tem crianças ou animais domésticos) e, claro, a componente estética. Tudo fica mais bem iluminado, por isso espalhe os pontos de luz de forma cirúrgica para que eles assinalem o que de melhor tem o seu jardim.

15. Vários tipos de iluminação para dar resposta às diferentes necessidades decorativas e práticas de um espaço

 

 

Teletrabalho: escritórios bonitos e confortáveis
sexta, 08 de maio de 2020

Estamos a passar por uma situação atípica, que nos leva a repensar em tudo nas nossas vidas, nomeadamente a importância que tem a nossa casa nas nossas vidas. Além disso, percebemos que é importante ter um cantinho para o escritório, não precisa de ser uma divisão exclusiva, mas pode aproveitar um canto da sala, do quarto ou até do hall de entrada, se for espaçoso. É tudo uma questão de organização. Por outro lado, deve valorizar o conforto do seu escritório, para que possa trabalhar inspirado, à vontade e sem dores nas costas. Por isso, é crucial apostar numa cadeira ergonómica e numa secretária de qualidade.

Se estiver em teletrabalho, provavelmente estará por mais algum tempo, por isso, veja isso como um investimento para o seu trabalho e que ficará para mais tarde.

1. Secretária para dois!

Esta opção é ideal para quem tiver espaço e puder ter uma secretária para duas pessoas ou mais. Ideal para filhos, mas também para um casal que tenha que trabalhar em casa.

Vamos lá desocupar a mesa de sala de jantar e ter um espaço apropriado para trabalhar, sim?

Esta secretária tem um design moderno, com linhas simples. As curvas permitem encaixar o corpo de forma perfeita.

2. Escritório de ministro!

Podemos ter um escritório de ministro em nossa casa e não temos que ser um político!!

Se se identificar com este estilo mais sofisticado e elegante, não temos dúvidas que este escritório encaixar-se-á na perfeição na sua casa e na sua vida.

Uma mesa em vidro, com pés finos e cromados para muita leveza e simplicidade.

3. Escritório em tons castanhos

Uma opção diferente, mas também tão elegante. Uma secretária em forma de L que permite trabalhar com espaço e conforto.

Os tons castanhos deste escritório permitem criar um ambiente muito agradável e natural. Apresenta uma estrutura bem sólida e com imensa qualidade.

4. Escritório minimalista

Esta secretária apresenta uma linha mais minimalista, pelo seu design mais discreto com linhas simples e depuradas.

Os pés da mesa são muito originais. O tampo de madeira claro ficará perfeito numa decoração moderna ou escandinava.

Esta solução mais pequena e discreta é perfeita para incluir na sala ou no quarto.

5. Cadeira para escritório

Não devemos desvalorizar as cadeiras do nosso escritório. São muitas horas sentado e, como tal, o nosso corpo precisa de uma cadeira ergonómica que garanta o máximo de comodidade. Assim, evita aquelas terríveis dores nas costas e pescoço. Se tem tendência a ter dores nas costas, faça mesmo este investimento, porque irá ajudar imenso trabalhar numa cadeira confortável. Consequentemente, terá um trabalho mais produtivo.

Além disso, uma cadeira giratória permite tornar as horas de trabalho mais fáceis, além de facilitar o movimento se precisar de ir buscar alguma coisa.

 

Decoração de primavera: inspirações para transformar a casa
sexta, 01 de maio de 2020

Mais cor e mais pormenores naturais ajudam a transformar a casa e a prepará-la para a decoração de primavera. Conheça todas as dicas.

A decoração de primavera em casa convida a mudanças: abrir as janelas, trocar os tecidos pesados pelos mais leves e de cores mais claras e trazer para dentro um pouco da Natureza que se vive lá fora.

A primavera é mesmo a estação que transforma o clima lá fora e que nos renova também por dentro, completamente. E, por isso, quando ela chegar, receba-a de portas abertas, deixando o sol purificador entrar, levando consigo o peso da escuridão invernal.

E, claro, é uma excelente época para redecorar a casa, acompanhando os passos da natureza. Não é à toa que as limpezas de primavera são tão famosas. Se está a preparar-se para fazer a sua decoração de primavera, a homify associa-se à mudança e, para isso, selecionámos alguns conselhos que o podem ajudar.

DECORAÇÃO DE PRIMAVERA: 7 DICAS PARA REFRESCAR A CASA

Dê cor às paredes

Não é uma ideia tão simples quanto trocar as flores do jarro ou apostar numa planta para a sala, mas a verdade é que mudar a cor de uma parede para um tom claro ou para uma cor bem alegre transforma a casa para receber a primavera.

Escolha um tom vibrante para complementar a decoração que já tem ou, então, considere um papel de parede.

Mude as almofadas

Estes acessórios são excelentes para mudar a decoração e gastar pouco. É tão rápido e simples de fazer: basta trocar as capas das suas almofadas por modelos que tenham tons mais claros, mais doces, ou temas mais tropicais e relacionados com a natureza.

Os tons verde e amarelo, típicos desta estação, são uma aposta segura.

Mas calma, que isso não significa que todos os anos deve trocar de capas de almofadas: guarde as capas de inverno e volte a colocá-las quando chegar essa época do ano. Assim, continua a reaproveitar o que já tem.

Troque as cortinas

Se tem cortinas fáceis de trocar, e que não obriguem a grande trabalho ou despesa, escolha umas costinhas novas mais claras, que permitam a entrada da luz do sol. Tecidos leves vão criar ambientes iluminados e aconchegantes.

As melhores opções são as cortinas em linho, seda, gaze ou até com apontamentos de renda.

Encha a casa de plantas

A tendência é criar, dentro de casa, no terraço ou na varanda, uma verdadeira floresta urbana. Encha a sua casa de plantas, para poder criar um verdadeiro refúgio privado.

Acreditamos que esta decoração de primavera é um verdadeiro antídoto contra o stress, até porque as plantas são ótimas para o bem-estar e, mesmo em casa, todos podemos criar uma conexão com a natureza.

Um jardim zen ou um jardim vertical, uma horta urbana… Dê asas à imaginação e use as plantas na decoração da casa. O importante é que saiba escolher as plantas que funcionam bem em diferentes espaços e que sejam adequem às condições da sua casa.

Use e abuse das flores

As flores são excelentes em qualquer época do ano para conferir mais vida a uma casa. Mas realmente é com a decoração de primavera que elas se destacam.

Para criar os arranjos florais, é preciso ficar atento ao estilo de decoração que tem ou vai ter e avaliar as condições do ambiente em relação a ventilação, intensidade de sol, sombra, etc. para escolher as espécies certas.

Está mesmo na hora de destralhar

Não é à toa que se fala em limpezas de primavera… A chegada desta bonita estação é a desculpa perfeita para limpar a casa em profundidade, fazer pequenos arranjos necessários lá em casa e, sim, destralhar! Não adianta adiar mais esta tarefa, de achar que aquele casaco que usou em 2010 ainda vai servir para outra ocasião. Fora a quantidade de lembranças e objetos que guardamos, porque associamos a determinado momento.

Guarde algum tempo para esta tarefa, mentalize-se de que no final vai ganhar espaço e ficar com a casa mais livre e deite mãos à obra.

Escolha símbolos associados à primavera

A escolha de símbolos associados a determinada época do ano são uma opção óbvia para adaptar a decoração de casa.

No caso específico da primavera tal pode ser conseguido com estampados ou prints de flores e plantas, o uso de andorinhas – um objeto tão famoso na decoração de paredes portuguesas.

Serralheria na decoração: 15 ideias para dar um toque industrial ao décor
sexta, 24 de abril de 2020

Estantes, armários e outros móveis feitos de metal garantem leveza e muito estilo

Quando você pensa em fazer um móvel novo para a decoração logo pensa em marcenaria, não é mesmo? Mas, saiba que móveis de metal, as chamadas serralherias, podem ser uma alternativa interessante. Como o estilo industrial tornou-se tendência e segue firme e forme no universo da decoração, a serralheria também desenvolveu-se e passou a fazer parte dos projetos com mais frequência. Se você gosta dessa ideia, não deixe de ver os ambientes que selecionamos abaixo.

Na cozinha

Se você combinar metal, madeira e vidro nos armários de sua cozinha poderá sair do tradicional e criar um ambiente com estilo marcante, sem abrir mão da leveza. Aqui, o vidro emoldurado por perfis metálicos, fazem o armário superior parecer uma cristaleira ao armazenar as louças da casa.

Cama suspensa

Nesta proposta, uma única peças reúne cama e home office. Feita de serralheria, ela tem linhas simples e isso deixa o ambiente mais leve. Além de criar uma atmosfera lúdica no quarto, a ideia economiza espaço.

Divisória no banheiro

Neste uma estante de metal, que vai do piso ao teto, divide a área das pias com o espaço do chuveiro. Como o móvel é vazado, não interrompe a visão e deixa o visual mais leve. Nas prateleiras, cestos e organizadores mantém tudo à mão dos moradores.

Closet metálico

Aqui, uma estrutura de finos canos de cobre criaram um closet compacto, que aproveita o canto da parede. A coloração rosada do metal, também traz um ar de feminilidade ao espaço. Repare que alguns nichos foram reservados para porta-retratos, vasos e maquiagens. 

Acessórios no banheiro

A serralheria também pode ser usada para fazer acessórios para banheiros, como nesta proposta. O metal preto deu forma ao toalheiro, serviu de estrutura para o nicho na área do chuveiro e para a estante ao lado do vaso, além de dar forma ao box minimalista.

Moldura para o quarto

As esquadrias internas estão em alta na decoração e são ideais para criar divisórias leves, como neste quarto. Feitas de serralheria, elas conferem um ar contemporâneo ao décor e são capazes de deixar o ambiente mais reservado, sem fechá-lo totalmente.

Closet minimalista

Resolveu adotar um armário cápsula? Então, que tal fazer um closet minimalista em serralheria? Veja esta ideia com uma barra de metal dourado, que sai do pequeno armário, funciona como arara e depois, como base para o espelho.

Adega bem pensada

A gente sabe que é fácil cair em clichês quando o assunto é adega de parede. Mas, se você quer fugir deles, considere criar uma com serralheria. Nesta ideia, a adega de metal aproveita a parede de pedra como fundo e as portas de correr vazadas deixam o móvel mais discreto e com um ar contemporâneo.

Praticidade no quarto

Neste quarto pequeno, um móvel de serralheria resolveu o armário de roupas, que é bem compacto, e a mesa do escritório. Repare que a parede pintada de verde serviu como fundo e trouxe mais vida ao ambiente. 

Estante simples e elegante

Feita com barras metálicas e chapas de madeira, esta estante de desenho simples é ideal para ocupar uma parede vazia na sala e armazenar livros e objetos. Se quiser dar um ar ainda mais industrial à peça, uma dica é usar vergalhões (aqueles usados em construções). 

Cama com dossel

Não é só no estilo industrial que a serralheria cai bem. Se a ideia é fazer um quarto no estilo boho, por exemplo, ela pode entrar na cama com dossel. Essa estrutura pode ser usada para colocar xales e até luzinhas de Natal, como mostra o exemplo da foto.

Estante para memórias

Quem tem talento para a arte do do it yourself pode até tentar fazer uma estante como esta de trilhos metálicos, mão francesa e chapas de madeira. Aí você pode montá-la no tamanho ideal para a sua parede. Aqui, livros e objetos afetivos foram distribuídos pelas prateleiras. 

Leveza no loft

Outra ideia de divisória de ambientes feita com serralheria. Neste loft, onde os ambientes são integrados, ela serviu para separar a sala de estar do quarto. Com um desenho simples e montada com metal pintado de preto, a peça seguiu a proposta minimalista do décor.

Estante suspensa na cozinha

Na cozinha, a serralheria pode dar forma a uma estante suspensa, por exemplo. Este móvel serve para otimizar o espaço e servir como um canto extra para armazenar temperos, louças, panelas e o que mais você quiser deixar à vista.

Quarto compacto

Outra ideia de cama suspensa feita de serralheria. Desta vez, com um ar mais jovem, ideal para adolescentes. Combinada com escrivaninha, painel metálico e prateleiras, a peça resolve muitas funções em uma só.

 

Casas de banho minimalistas: quando menos é muito mais!
sexta, 17 de abril de 2020

A estética minimalista transmite calma e é extremamente apelativa na sua simplicidade. Para uma casa de banho – por norma, a divisão mais pequena da casa – é um estilo particularmente interessante. As linhas singelas, a ausência de adornos e o ambiente visualmente limpo, que é típico deste estilo, emprestam ao espaço a limpeza visual e a clareza necessárias para começar o dia ou para o terminar, antes de ir dormir. Note-se que a ideia não é subtrair aos espaços detalhes que não tenham um uso claro e intencional ou destituir a divisão de tudo que é ornamental. Há casas de banho minimalistas muito especiais como é o caso das que lhe vamos mostrar neste artigo.

Todos os projectos que escolhemos para integrar este artigo são da autoria de profissionais portugueses. Lembre-se que investir na contratação de um profissional compensa largamente a curto, médio e longo prazo. Estes profissionais sabem como optimizar, ao máximo, o orçamento que lhes é disponibilizado e acrescentam valor aos projectos nos quais se imiscuem.

Sem mais delongas, acompanhe-nos e inspire-se nas imagens que se seguem.

1. Um toque de preto a criar um contraste

No estilo minimalista, são os tons neutros que imperam, podendo ser utilizados de diferentes modos. Nesta casa de banho, sobressai o grande espelho preto que gera um contraste com o bege das paredes e do chão e com a cor natural dos cestos de vime e dos objectos de decoração. A composição da zona do lavatório é particularmente interessante, com o espelho ao centro e o lavatório puxado para um dos lados. Sobre este último, pende um moderno candeeiro de tecto que dá um toque diferenciador à divisão. A iluminação é, aliás, um dos pontos fortes deste espaço que se caracteriza pela atmosfera zen.

2. Organização

Os espaços minimalistas são espaços organizados. Numa casa de banho comum, os produtos de higiene estão à vista, as toalhas são de todas as cores e padrões e há um sem fim de pequenas informações que mais não fazem que gerar ruído visual. Se procura um estilo minimalista, opte por um móvel com gavetas, prateleiras e/ou portas e recorra a objectos que são úteis para arrumar coisas como os cestos ou as caixas.

A casa de banho integra um duche italiano, isto é, com a base ao nível do chão. O duche surge resguardado por uma superfície de vidro emoldurada a preto, o que, à semelhança do que acontece na divisão anterior, também cria um contraste na área.

3. Uma cor diferente

Como se percebe pela imagem, nem só de cores neutras se faz o estilo minimalista. Na imagem, vemos uma alternativa para quem gosta de cores diferentes. O sofisticado tom de azul acinzentado é uma óptima escolha para marcar um statement na sua casa de banho minimalista. As duas prateleiras brancas, que funcionam como suporte para o lavatório, contrastam com esta tonalidade profunda, assim como o chão em mosaico. O espelho redondo vem quebrar a geometria rígida e dar um toque mais orgânico ao ambiente.

4. Antracite

O antracite é, possivelmente, um dos mais luxuosos tons de cinza e tem estado entre as tendências mais actuais de design de interiores e de decoração. É uma cor que se coaduna na perfeição com ambientes minimalistas que equilibram a beleza e a função. As torneiras pretas, colocadas directamente na parede, surgem como um detalhe especial nesta sublime casa de banho cuja beleza é enfatizada pela luz natural que entra pela janela.

5. Móveis suspensos

Mobiliário suspenso, protecção de vidro sem qualquer moldura e cores claras: uma casa de banho minimalista, mas com muita personalidade. O preto não é uma cor fácil de utilizar. Facilmente sobrecarrega um espaço se a imagem do mesmo não for devidamente pensada. Nesta casa de banho, o móvel preto cria um ponto focal no ambiente. A cor repete-se na moldura do espelho e na iluminação de tecto que acompanha ambos.

6. Mármore

Como os espaços minimalistas se definem por terem poucos ornamentos e objectos de decoração, pode explorar a componente decorativa das cores e dos revestimentos. O mármore tem uma beleza intemporal e vale por si só, ou seja, dispensa decorações elaboradas. É o caso desta casa de banho quase totalmente revestida a mármore, com um excelente aproveitamento da luz e com móveis e equipamento de linhas clean.

7. Acabamentos em mate

E por falar em acabamentos, terminamos com uma casa de banho com acabamentos em mate, tanto nos sanitários e lavatório como nas torneiras. O mate permite contrariar os brilhos naturais destes artigos, o que oferece uma renovada sofisticação ao espaço. Esta experiência de aparente contradição – já que somos, normalmente, atraídos pelos brilhos – capta a atenção para o design particular de cada elemento que compõe a casa de banho.

Portas de jardim inspiradoras
domingo, 12 de abril de 2020

Acha que a porta de jardim da sua casa está banal? Acha que precisa de um novo visual? Então, está na hora de tratar dela e torná-la sensacional.

De facto, uma porta não é simplesmente um elemento que abrimos e fechamos para passar, pois tem também um grande impacto estético e de conforto, quer em termos acústicos e térmicos. Além disso, esta deve integrar-se com a restante decoração exterior e arquitetura do edifício, tornando a casa mais harmoniosa e bonita. Até porque muitas portas de jardim são as entradas principais de casa, por isso, são como um cartão de visita.

Para inspirá-lo e ajudá-lo a transformar a sua nova porta, falamos sobre 10 exemplos de portas de jardim.

Acompanhe-nos!

1. Do velho nasce o novo

Neste primeiro exemplo mostramos-lhe como pode integrar uma porta mais antiga, tipo rústica, numa moradia moderna. É uma forma de personalizar e/ou de deixar uma marca do passado da casa.

Uma porta de jardim pode ter imenso significado, tornando todo o projeto bem mais especial.

2. Madeira e vidro

Numa casa rústica ou mais tradicional deve-se respeitar a linguagem, o estilo e os materiais, para criar harmonia.

A opção de madeira combinada com o vidro está perfeita, porque liga-se às janelas da moradia.

3. Madeira lisa

Há diferentes portas de jardim em madeira, umas mais leves e outras mais maciças. A escolha irá depender do estilo da sua casa, mas também do seu orçamento. Claro que, uma porta mais maciça trará uma maior segurança, mas o preço será mais elevado.

Além disso, o design da madeira irá recair também no estilo da casa. Uma porta mais lisa e depurada, para uma casa moderna e contemporânea.

4. Madeira trabalhada

Se tiver uma casa de campo, poderá optar por uma porta com mais detalhes e frisos. Irá enriquecer toda a fachada, bem como o jardim.

É de salientar ainda que, as portas de madeira para uso externo precisam de ser mais resistentes às intempéries climáticas, especialmente chuva e humidade. Por isso, peça ajuda a um profissional experiente ou a um colaborador de loja.

5. Porta em vidro

Se a porta de jardim der acesso a uma zona mais privada da sua casa, por que não optar por uma porta em vidro? Esta poderá ter uma moldura em alumínio, madeira ou de outro material.

Sem dúvida que, o interior da sua casa receberá uma fantástica luz natural, tornando o ambiente bem mais acolhedor.

Nota: se quiser ter uma porta em vidro, mas quiser manter longe os olhares indiscretos, pode optar por uma porta em vidro temperado.

6. Porta de jardim com moldura preta

Outro exemplo de porta em vidro com moldura, neste caso, a cor escolhida foi o preto. Esta opção permite criar contraste com uma fachada branca.

7. Porta azul

Uma opção de porta de jardim, para os nossos leitores que gostam de ousar e também de cor.

Se quiser ter uma porta nova, mas sem gastar muito tem esta opção simples, só precisa de tinta (à escolha), um rolo e uns pincéis.

8. Porta vermelha

Continuamos a nossa dose de inspiração, com uma porta em tons vermelhos.

Escolha uma cor ao seu gosto, mas atenção porque esta deve combinar com a sua casa.

9. Iluminação de porta de jardim

Se a cor e o material da porta de jardim é importante, não podemos descurar a iluminação. Além de reforçar a segurança, a luz artificial permitirá enaltecer este espaço. A porta acaba por ter um grande protagonismo, seja de dia ou de noite, por isso, cuide dela!

10. Porta em alumínio

As portas em alumínio são 100% recicláveis, são fáceis de manter e extremamente resistente. Além disso, têm um excelente desempenho sonoro e térmico, uma impermeabilização máxima e uma vasta oferta de cores.

Combinações de cores para espaços pequenos
sábado, 04 de abril de 2020

Quando se decora um espaço, há uma panóplia de factores a ter em conta. Para além do mobiliário e dos acessórios de decoração, entre os quais incluímos os têxteis como, por exemplo, as cortinas e as carpetes (se for o caso), importa fazer as melhores escolhas no que toca às cores. Nos espaços pequenos, sobretudo, as cores têm um enorme impacto e podem fazer com que o ambiente pareça muito maior do que realmente é. Outras cores há que são ideais para dar ênfase ao lado aconchegante desses mesmos espaços.

Neste livro de ideias, propomos-lhe algumas combinações de cores que deve considerar para as divisões pequenas.

Acompanhe-nos e escolha as suas cores preferidas.

Azul marinho e branco

Há a ideia errada de que um espaço pequeno tem, necessariamente, de ser pintado com cores claras. Apesar de as cores claras serem, por norma, uma boa escolha para áreas desta natureza, não quer dizer que não se possa ir para além delas. O azul marinho, é uma cor que traz enorme aconchego ao ambiente. Sobre um fundo escuro, destacam-se os móveis claros, que surge como uma lufada de ar fresco.

Azul ou verde claro com brancos e tons cremosos

O azul e o verde claro mesclados com uma decoração cremosa ou em tons de branco são uma óptima opção para espaços pouco amplos. Apesar de, na origem, serem tons clássicos, também lhes está associado um certo imaginário que nos transporta para a serenidade de uma casa de praia. Aproveitamos para chamar a sua atenção para a iluminação sem a qual uma cor não se faz. Optimize ao máximo a luz natural do espaço em questão e valorize-o com pontos de luz artificial.

Cinza com apontamentos coloridos

O cinza pode ser uma cor algo aborrecida, por isso, escolha um tom que tenha alguma luminosidade. É uma cor que flutua conforme a altura do dia, por isso, parece-nos uma escolha interessante. Para lhe dar vida insira tons alegres através da decoração: almofadas, pufes, velas, jarras, e assim por diante.

Tons blush

Os tons blush (entre o rosa e o salmão) acrescentam aconchego e uma nota diferenciadora aos espaços sem os saturar. São, por isso, uma boa escolha para ambientes pequenos. Para uma decoração mais suave e romântica, pode combiná-los com cores neutras e dourados, mas, se quiser tornar as áreas mais sofisticadas, pode conjugar estes tons com cinza, preto ou verde seco.

Vermelho a criar um statement

O vermelho não é especialmente versátil, pelo que não é muito comum encontrarmos projectos nos quais seja utilizado como cor protagonista. Contudo, pode criar um ponto focal no ambiente beneficiando da luz natural que entra.

Bege, amarelo e branco

O amarelo é uma das cores mais alegres que há, mas é raro encontrá-lo em projectos de decoração, talvez por ser algo ousado. Se gosta da cor, mas não sabe como pode usá-la, então deixamos-lhe uma sugestão: combine-a com bege e branco para criar um espaço com vitalidade e personalidade. No quarto, por exemplo, o amarelo pode aparecer nas almofadas, naquela mantinha que sabe – e fica – tão bem aos pés da cama ou até no mobiliário.

Inspire-se na Primavera para levar o amarelo para a sua casa!

Tons neutros

Terminamos com as cores neutras que, tal como o preto na roupa, nunca comprometem. Se visitar uma loja que comercialize tintas, perceberá, ao consultar os catálogos, que há uma miríade de alternativas ao branco puro: o marfim, o jasmim, o camélia, o casca de ovo, entre outros. Estas tonalidades garantem a simplicidade e a abertura espacial dos espaços mas, ao mesmo tempo, afastam-se do tal branco puro que é mais banal, para poder usar tons neutros para tornar as divisões arejadas mas, ao mesmo tempo, muito confortáveis.

Materiais para usar na sua bancada de cozinha
sábado, 28 de março de 2020

A cozinha é um espaço em permanente mudança. Fruto da intensa e dura utilização a que costuma ser sujeita, a cozinha é, a par com a casa de banho, o sítio que mais se danifica e que acaba por exigir remodelações mais frequentes.

Na homify sabemos disso e estamos sempre a par das novidades em termos de materiais. E de estéticas, porque não? Se é para melhorar vamos fazê-lo em todos os aspectos que envolvem cada espaço! De que vale ter uma cozinha prática se é feia ou, pelo menos, se a imagem não está ao nosso gosto?

Actualmente as opções são inúmeras, desde as paredes aos pavimentos, mas um dos aspectos mais intensamente ponderados são os materiais para a bancada da cozinha. O motivo é simples – esta superfície ampla e lisa vai ser sujeita a tudo que a pode danificar e vai estar sempre em exposição permanente sendo, muitas vezes, o elemento que mais chama a atenção no espaço.

A escolha do material para a bancada é um ponto crucial no design de uma cozinha e, por isso, hoje damos-lhe ideias inovadoras ou clássicas, com características diferentes onde se pode inspirar. Não perca!

Compostos de quartzo

Muitas vezes chamados de Silestone, ou por outro qualquer nome comercial, os compostos de quartzo são, neste momento, uma opção de grande valia para uma bancada de cozinha.

Esta pedra é moldável, o que permite um grande leque de designs e aplicações, aparece com vários tipos de acabamentos, não é porosa, tem uma permeabilidade muito baixa e proporciona um tom bem uniforme em toda a superfície mas, na realidade, não é pedra.

Os compostos de quartzo são fabricados com uma mistura específica de pó de quartzo e resina, o que acaba por ditar a sua maior desvantagem: – não suporta temperaturas altas! Isto implica um cuidado extra com panelas e outros materiais quentes sobre a bancada, pois esta pode ficar definitivamente danificada.

Granito

Granito é uma pedra clássica e é, ainda hoje, uma das escolhas mais comuns nas cozinhas portuguesas. Tem várias origens e essas ditam, muitas vezes, a sua tonalidade.

Se pensa que o granito apenas tem aquele aspecto mesclado em tons de cinzento e preto, vai gostar de saber que também há granito natural rosado, amarelado e quase totalmente preto. Nas suas muitas variedades é possível encontrar aquela que se adapta bem ao estilo da sua cozinha.

A grande vantagem do granito está na sua resistência e facilidade de manutenção, e acaba por ser uma opção com uma boa relação custo benefício.

Madeira

A madeira é uma opção extremamente estética, mas algo complicada para uma bancada de cozinha. No geral, a madeira é porosa e mesmo com um tratamento específico, dadas as condições de humidade deste tipo de espaços, acaba por sofrer danos rapidamente.

Actualmente há vários tipos de materiais com acabamentos esteticamente semelhantes aos da madeira, mas muito mais resistentes. Pode ainda guardar a madeira para os armários e optar por outro material para a bancada. No entanto, se não resiste ao apelo da madeira natural na bancada, opte por uma madeira muito resistente, como a de teca, por exemplo.

Mármore

O mármore também é uma opção clássica e ainda figura em várias bancadas nas cozinhas por esse país fora, mas pode não ser a melhor opção para si, sobretudo se faz um uso intensivo da sua cozinha. O mármore é poroso, muito frágil a impactos e, sobretudo, extremamente sensível ao contacto com ácidos. Um pequeno derrame de vinagre, por exemplo, pode arruinar toda a estética da sua bancada.

Os materiais tecnologicamente mais avançados oferecem a possibilidade de ter a estética do mármore com toda a resistência com que foram criados.

O mármore acrescenta o tom intemporal numa cozinha moderna e ajuda a criar uma imagem maravilhosa, contemporânea com apontamentos retro!

Corian

Corian é o nome comercial para um composto sintético fabricado a partir de resina acrílica e hidróxido de alumínio. É um material inovador que permite designs arrojados e contínuos, sem junções aparentes e, por isso, é um favorito dos designers de cozinhas.

Além da uniformidade que proporciona, este material é também muito resistente, sendo óptimo para criar cozinhas com utilização intensa e cheias de estilo. Como desvantagem aparece o preço, que ainda é bastante elevado, embora isso possa variar muito com o fornecedor.

Nano glass ou Glass stone

São materiais elaborados a partir de resina sintética e pós de vidro. São ainda pouco divulgados no nosso país e, por isso, bastante caros. Ainda assim, estes materiais sintéticos oferecem características técnicas de excelência e acabamentos perfeitos, apreciados sobretudo pela alta resistência e pelo brilho incomparável.

Outros materiais

Terminamos este artigo com um ponto que deixa em aberto este assunto em permanente mudança. Há vários outros materiais utilizados para construir a bancada de cozinha, como o aço inoxidável, mais associado a cozinhas industriais, o porcelanato, o microcimento ou mesmo a cerâmica, com pouca resistência a impactos.

Antes de escolher o material certo para a bancada da sua cozinha, pense bem sobre o estilo que pretende e avalie a intensidade da utilização da cozinha e, só depois, avance para uma escolha ponderada.

Materiais para revestir o chão do seu quarto
sábado, 21 de março de 2020

O quarto deve ser o espaço para relaxar após um longo dia, um lugar para descansar e recarregar as baterias para melhor enfrentar o dia de amanhã. A sensação de relaxamento no quarto não está apenas relacionada com o conforto da cama.

Muitas vezes, o quarto é a última prioridade na lista de todas as divisões para decorar, mas a verdade é que um quarto bem pensado pode realmente dar a impressão de um refúgio de paz.

Como acontece em muitas divisões, o revestimento do chão contribui muito para a energia e a atmosfera que um quarto transmite. Quer o sentimento que sentimos sob os pés, como também no estilo que desejamos.

Por isso, a homify quer partilhar, no artigo de hoje, algumas soluções possíveis para revestir o chão do seu quarto com estilo e bom gosto.

Acompanhe-nos!

1. Carpete

Já sabemos que as tendências são cíclicas e as carpetes estão a voltar gradualmente para dentro das nossas casas. De facto, não há nada de tão confortável como de colocar pés numa carpete quente e suave, logo pela manhã.

A carpete é quente e aconchegante, e continua a ser o revestimento de piso mais agradável para os pés. A carpete foi rotulada, durante muito tempo, como um ninho de poeira, mas a carpete moderna é hipoalergénica e é preferencialmente feita de lã de ovelha e com um acabamento limpo, em vez de materiais sintéticos.

Claro que, a carpete requer uma limpeza regular para evitar o acúmulo de ácaros. Uma das soluções para manter a carpete mais higienizada é de não andar com sapatos da rua em casa.

2. Pavimento em PVC

O pavimento em PVC é muito económico, fácil de instalar, fácil de limpar e tem possibilidades infinitas, quer em termos de formatos, como de cores.

Mas então por que não temos todos um piso de PVC nos nossos quartos? Simplesmente porque é um material sintético e oferece pouco interesse do ponto de vista estético e conforto.

3. Chão em madeira maciça

O chão em madeira maciça cria um espaço nobre por excelência. É extremamente duradouro e possui qualidades isolantes muito interessantes. Este tipo de revestimento nunca será muito quente, nem muito frio para os seus pés.

O chão em madeira maciça está disponível numa variedade infinita de cores, acabamentos e padrões de instalação.

Dica: permita cerca de 8 cm de espessura para um piso sólido sobre vigas contra apenas 1 cm para alguns pisos flexíveis.

4. Tacos de madeira

Esta solução enquadra-se na opção anterior. O taco de madeira pode ser colocado de várias maneiras, mediante o tamanho do mesmo.

As possibilidades são:

  • dama ou xadrez;
  • amarração;
  • diagonal;
  • escama;
  • espinha.

5. Microcimento

O microcimento é um revestimento muito tendência atualmente (2020). É um revestimento resistente, versátil, económico e moderno.

O microcimento pode ser aplicado sobre qualquer superfície, logo pode enquadrar-se perfeitamente num quarto. E não cria um ambiente frio e austero, pois tudo depende da restante decoração.

6. Ladrilho hidraúlico

O ladrilho hidráulico é muito usado no revestimento das cozinhas e casas de banho, mas por que não levá-lo para um quarto?! Os resultados ficam surpreendentes e com um certo toque mediterrâneo.

Este material é resistente e com características antiderrapantes.

Até pode criar um chão original e combinar o ladrilho hidráulico com madeira, por exemplo.

7. Cerâmica

A cerâmica pode ser olhada de lado para revestir o chão de um quarto, mas a verdade é que pode ser uma excelente solução se tiver problemas de humidade. Além de auxiliar no controlo da temperatura, deixando os ambientes mais amenos nos períodos de calor.

O piso cerâmico é de fácil manutenção, há diversos modelos e formatos que atendem a todos os gostos.

Há opções de cerâmica que imitam a madeira, por exemplo.

8. Decorar o chão

Se não gostar do revestimento do seu quarto, mas não conseguir efetuar estas obras, pode sempre encontrar estratégias decorativas, como colocar um bonito e confortável tapete ou vários.

4 ideias para dividir a sala de estar da sala de jantar
sábado, 14 de março de 2020

As actuais tendências de interiores ditam cada vez mais multifuncionais. É normal encontrar nas páginas da homify, open spaces que juntam numa só área, a cozinha, a sala de estar e a sala de jantar e, por vezes, outras funcionalidades como o escritório ou uma área de brincadeiras para as crianças, por exemplo.

Mas, este gosto pela amplitude visual em detrimento da compartimentação excessiva acarreta alguns problemas de design de interiores que os profissionais têm de ultrapassar.

Apesar da unificação espacial, é importante estabelecer fronteiras para melhorar a distribuição dos elementos no espaço e as vias de passagem entre os diversos ambientes criados. E, é nisso que nos focamos hoje!

Este artigo traz-lhe quatro ideias para separar a sala de estar da sala de jantar. São ideias simples mas extremamente eficazes a dividir, sem separar, a fazer uma fronteira impalpável que não limita o olhar, e que lhe podem ser muito úteis para o seu projecto. Seja para implementar sozinho ou para discutir com o profissional escolhido para o fazer, estas ideias são excelentes e não pode perdê-las!

1 – Lâminas pivotantes

Começamos por uma ideia inteligente e que resulta na perfeição.

Os trabalhos podem levar ao desaparecimento de algumas paredes, unindo desta forma ambientes anteriormente separados, mas que geram também soluções de design de interiores astutas e muito bonitas. Trata-se de uma divisória de ripado vertical com lâminas pivotantes.

O que significa isto? Significa que as lâminas podem unir-se ou separar-se rodando num eixo! Assim, a amplitude pode ser total ou parcial, em função dos gostos e necessidades dos habitantes da casa! Uma ideia fabulosa, certo?

2 – Uma lareira muito especial

Esta ideia só se tornou possível graças às novas tecnologias, no que respeita a lareiras e recuperadores de calor. E embora já comece a ser mais usual ver lareiras de dupla face, a servir como fronteiras entre ambientes, ainda continua a ser um design fabuloso que promete perdurar no tempo, em estilo e em conforto.

A estrutura da lareira faz a fronteira entre a sala de estar e a sala de jantar, mas não só. Serve também como suporte para os ecrãs de televisão, para organização de cabos e para decoração! O estilo e a função de mãos dadas!

3 – Diferentes níveis de piso

Por vezes, o terreno tem destas contingências… Inclinações e depressões que condicionam a configuração da construção e obrigam os interiores a reflectirem essa faceta, através de pisos em cotas distintas. Essa faceta, que poderia ser vista como um contra, pode ser utilizada para criar designs de interiores de sonho, servindo como separador natural para ambientes distintos.

Se gosta da estética, se a sua casa tem um pé direito generoso e o espaço permite, pode pedir ao seu arquitecto de interiores que inclua estas quotas diferentes no seu open space.

4 – Diferenciação através do pavimento

Para terminar, uma ideia absurdamente simples mas que, muitas vezes, não ocorre a quem planeia espaços abertos, sobretudo sem o aconselhamento seguro de um designer de interiores – pavimentos diferentes em ambientes diferentes!

Lembre-se de procurar equilíbrio estético, pois de outra forma apenas vai conseguir um erro ruinoso para a imagem da sua casa com a combinação de diferentes pavimentos.

Luzes de tecto: 8 ideias para tornar os seus espaços mais brilhantes e sofisticados
domingo, 08 de março de 2020

Iluminar os espaços interiores e exteriores é quase sempre uma boa oportunidade para apostar na decoração, e isto acontece há centenas de anos!

Frisos e florões de gesso, lustres majestosos e candeeiros dos mais diversos materiais enfeitaram palácios um pouco por toda a Europa, mas praticamente todas as culturas e todos os estratos sociais aproveitam as fontes de luz para dar um toque mais cuidado aos espaços interiores. Actualmente essa tradição mantém-se forte, abrangendo praticamente todos os lares do mundo!

Hoje trazemos-lhe uma pequena selecção de projectos de iluminação que o vão encantar. Se está à procura de ideias ou apenas ama decoração, não pode perder!

1 – Um toque retro, uma pitada de moderno

Começamos pela cozinha.

Este espaço, muitas vezes é esquecido no que toca à iluminação, o que acaba por gerar espaços pouco funcionais onde não é agradável trabalhar, mesmo que o design seja actual. Quantas vezes já não viu cozinhas onde a bancada é tão mal iluminada que mal se consegue ver o estado dos vegetais que se está a cortar ou se a loiça está bem lavada?

A iluminação natural deve ser bem complementada com iluminação de tecto estrategicamente colocada para tornar tudo mais brilhante, mais clean e mais funcional. Aos focos simples de LED colocados no tecto sobre a área de trabalho, juntar focos colocados sob os armários e, para dar um toque mais sofisticado, na área de refeições candeeiros suspensos com campânula de vidro, que dão um toque retro intemporal. Adorável e super prático!

2 – Discreto mas bem presente

Com um design tão simples e minimalista, quase frio, baseado no branco dos armários e no preto da bancada, consegue-se criar um ambiente caseiro e familiar.

O segredo está nos detalhes, como os acessórios, a loiça e, claro, na iluminação.

O projecto de iluminação segue as mesmas premissas de funcionalidade e conforto da utilização do espaço e o candeeiro, discreto, mas bem presente, deve estabelecer uma nota de refinamento e elegância.

3 – Um céu estrelado

Agora passamos para as salas e temos para si quatro ideias brilhantes!

Distribuir uniformemente focos no tecto para dotar de iluminação artificial um espaço já favorecido com imensa iluminação natural. Esta escolha permite criar uma sensação de continuidade entre a luz exterior com a interior e assim manter intacta a amplitude, mesmo de noite.

4 – Inexplicavelmente fabuloso

Tecto falso em madeira natural cria um ambiente espectacular, mas pode tornar o espaço mais escuro por isso deve incluir uma sanca iluminada, que além de tornar o espaço mais brilhante e luminoso, faz com que o tecto pareça flutuar.

5 – Diversas fontes de luz

Aos vários focos de luz bem posicionados une-se a luz de um friso embutido no tecto, contribuindo para criar uma imagem única.

6 – Jogos de volumes – a luz vs a sombra

Criar molduras no tecto e colocar iluminação embutida permite obter uma iluminação personalizada com o formato desejado.

É incrível como os volumes e relevos podem demarcar tão bem as diferentes áreas.

7 – Mantendo a atmosfera suave

Das salas passamos para os quartos e temos duas ideias para si.

Fazer um friso iluminado em nicho no tecto por cima da cama dá-lhe todo o destaque, como deve ser num quarto, e além disso proporciona uma iluminação mais forte para quem gosta de ler antes de dormir!

8 – A incidência é tudo!

Terminamos com a ideia de um friso iluminado em nicho no tecto, tal como na ideia anterior, mas desta vez colocado diante do closet ou da entrada para a casa de banho que, além de iluminar, esta faixa estabelece uma separação subtil entre as diferentes áreas.

Guia para escolher o abajur perfeito para cada candeeiro
sábado, 29 de fevereiro de 2020

É curioso como, na decoração, aquilo que temos como sendo um pormenor pode, na verdade, fazer toda a diferença. Há uma miríade de pequenas coisas que tendem a passar ao lado como, por exemplo, a escolha dos abajures. Por norma, os candeeiros são comprados já com o abajur (ou abat-jour), mas nem sempre reparamos no tipo de abajur mediante o uso que vamos dar ao candeeiro ao qual ele pertence. Num quarto, por exemplo, onde se pretende criar uma atmosfera serena que convide ao repouso, não é oportuno ter abajures que deixem passar muita luz.

Há, ainda, a questão do estilo. Os abajures são uma excelente oportunidade para elevar a história decorativa de um espaço. Existem em diferentes tamanhos, cores e formatos e podem mesmo assumir-se como o ponto focal de uma divisão.

Hoje, falamos-lhe sobre abajures e trazemos-lhe algumas dicas que devem ser consideradas aquando da compra de um. Ora tome nota.

1. Como surgiram os abajures?

A palavra abajur deriva do francês abat-jour que significa baixar ou quebrar a luz. A história do abajur remonta ao século XVI e a Paris onde começou a aparecer nas ruas. Mais tarde, em Milão, ainda com a iluminação em petróleo, os candeeiros tinham, na parte de cima, um semi-esférico reflector que conduzia a luz para baixo e um segundo reflector que direccionava essa luz. Contudo, por a iluminação ser a gás, havia risco de explosão, de incêndio e de intoxicação. A invenção da lâmpada eléctrica veio pôr termo a esse medo e dar força ao uso dos abajures por mitigarem a intensidade desta nova luz. Os modelos Tiffany foram os primeiros a serem criados e distinguem-se facilmente por terem uma cúpula de vidro que se parece com um vitral.

2. Por que é que os abajures são necessários?

Os abajures têm três funções basilares: direccionam a luzatenuam a intensidade das lâmpadas e protegem os nossos olhos. Olhar directamente para uma lâmpada, sobretudo de alta intensidade, pode causar lesões oculares, mesmo que pequenas. Hoje em dia, é comum a utilização de candeeiros de tecto sem abajur, sobretudo em ambientes modernos, industriais ou de estilo minimalista. Contudo, o uso desses candeeiros deve ser bem pensado e a intensidade das lâmpadas escolhida em função desse factor.

3. Dicas para escolher correctamente o abajur

Quando compramos um candeeiro, tendemos a olhar para o todo. No entanto, sugerimos que tenha em conta as seguintes recomendações para escolher o abajur adequado:

O espaço – o abajur pode misturar-se com a decoração e passar despercebido no conjunto ou surgir enquanto ponto de destaque. Seja como for, deve considerar o estilo do espaço para escolher um abajur que se harmonize com o mesmo e o eleve. Ao focar-se apenas num estilo, conseguirá afunilar, significativamente, as suas escolhas, tornando o processo de compra muito mais rápido. Com o comércio on-line, já é possível aceder aos sites das marcas e filtrar os abajures por cor, por preço, por tipo, e assim por diante.

A luz – de que forma usará o seu candeeiro? Servirá para leitura? Colocá-lo-á na mesa de apoio ao sofá ou sobre a mesa de cabeceira? Quanto mais escuro for o abajur, menos luz passará. Nos ambientes onde se queira usufruir de uma luminosidade difusa e ténue, pode-se apostar em abajures de tons mais escuros. Por outro lado, numa zona de trabalho, de refeições ou num recanto de leitura, os tons claros deverão ser favorecidos para não se ter que forçar a vista.

A lâmpada – o abajur deve ter um tamanho proporcional ao da lâmpada. É provável que já tenha, inadvertidamente, comprado uma lâmpada que, por ser demasiado volumosa, tenha ficado muito perto do abajur, acabando por queimá-lo ou que, por ser alta, tenha ficado à vista. Certifique-se, ainda, que o abajur tem uma abertura suficientemente grande no topo para sair o calor emitido pela lâmpada.

A base do candeeiro – se a base do candeeiro for especial, então opte por um abajur mais discreto para não a ofuscar. Por outro lado, se a base for demasiado simples, pode favorecer um abajur com um formato diferente ou até com um padrão.

O formato – geralmente, um abajur arredondado fica melhor com uma base, também ela, arredondada. Por sua vez, uma base angular ou quadrada deverá ficar melhor com um abajur com um formato semelhante. Esta não é uma regra de ouro, mas sim um truque para orientar a sua escolha. Há sempre excepções à regra. Num candeeiro com um pé quadrado que esteja sobre uma mesa redonda, pode colocar um abajur cilíndrico que complementará tanto o candeeiro como a mesa.

O tamanho – para ter a certeza de que compra abajures para candeeiros de mesa no tamanho certo, siga as seguintes regras:

  • a altura do abajur deve ser cerca de 3/4 a altura do pé do candeeiro;
  • a largura da base do abajur deve aproximar-se da altura do pé do candeeiro desde a base até ao encaixe;
  • o abajur deve ser cerca de 1.3 cm maior do que o pé do candeeiro para ambos os lados;

A localização – a localização do candeeiro é importante para escolher o abajur. Se se tratar de um candeeiro para a mesa de cabeceira, por exemplo, não convém que o abajur seja demasiado volumoso sob pena de o derrubar ao entrar e a sair da cama ou com as almofadas ou edredão.

O material – translúcido ou opaco? Tudo depende do propósito que vai dar ao candeeiro. Os abajures translúcidos – num tecido semi-transparente ou em papel – são óptimos para áreas onde se tencione ler ou usufruir de uma iluminação mais intensa. Os abajures opacos, por seu lado, direccionam a luz de forma muito definida, o que faz deles uma boa opção para realçar objectos e criar uma atmosfera.

4. Abajures por medida

Os abajures dos seus candeeiros estão a ficar gastos? Gosta da base de um candeeiro, mas já não se identifica com o abajur? Tem um candeeiro antigo sem abajur ou uma jarra que electrificou e precisa de um? Actualmente, há uma vasta oferta no mercado, pelo que não deverá ser difícil encontrar um abajur dentro do que idealizou. No entanto, se quiser algo mais específico, lembre-se que é possível mandar fazer à medida. Pode, inclusive, fornecer o tecido.

5. Abajur para quarto

A iluminação é importante em toda a casa. No entanto, o quarto é um lugar de descanso e uma luminosidade pouco adequada a esta divisão pode pô-lo em causa.

A luz de um quarto deve ser trabalhada por camadas. O candeeiro de tecto, que é prático e ilumina o espaço na íntegra, deve ser complementado por candeeiros de ambos os lados da cama e, se necessário, por candeeiros que tornem mais confortável a realização de tarefas como ler ou pôr a maquilhagem.

Lembramos, todavia, que a intensidade da luz não é só determinada pela cor do abajur. A potência e a temperatura de cor da lâmpada são cruciais nesse sentido. Se quiser criar um ambiente mais intimista e propício ao descanso, tal, os abajures escuros ou de cores quentes são uma boa opção, assim como lâmpadas que não excedam os 2700 K (unidade de medida da temperatura da cor).

Aconselhamo-lo, ainda, a apostar num regulador de intensidade, também conhecido como dimmer, para aumentar ou diminuir a intensidade da luz conforme precisar.

6. Abajures em sítios pouco convencionais

Os candeeiros com abajur já não são apanágio dos quartos, do escritório ou das divisões que compõem o núcleo social da casa. Pelo contrário, podemo-los incorporar em espaços mais inusitados, como a casa de banho, para os elevar esteticamente e criar uma ambiência. Numa casa de banho, um candeeiro com abajur, até mesmo em tecido, pode, por exemplo, pender sobre o móvel do lavatório ou coroar uma bela banheira independente (freestanding bathtub). São pormenores assim que tornarão a sua casa de banho verdadeiramente especial.

7. A pender sobre a mesa de refeições

Podemos cozinhar a mais deliciosa das refeições e pôr a mais bonita das mesas, mas o ambiente não fica realmente completo sem uma luz no centro. É nos abajures que reside a piada dos candeeiros de tecto. Pode optar por um candeeiro ou combinar mais do que um para criar um ponto focal na sua zona de refeições.

8. Os abajures em fibras naturais são tendência

Terminamos com uma das tendências mais fortes no que toca a abajures, designadamente para candeeiros de tecto: os abajures em fibras naturais (vime, bambu, etc.). Estes abajures são feitos artesanalmente, pelo que cada peça é única. Combinam especialmente bem com espaços de estilo escandinavo, rústico ou campestre e emprestam aos ambientes uma nota deveras acolhedora.

Como decorar a casa no Carnaval
sexta, 21 de fevereiro de 2020

Já alguma vez pensou em decorar a casa no Carnaval? É uma óptima maneira para encher a sua habitação de cor e diversão. Experimente! Algumas ideias:

– Uma decoração colorida: Carnaval é sinónimo de alegria. Portanto, decorar a casa no Carnaval implica apontamentos cor-de-laranja, verdes, azuis, vermelhos, ou amarelos. Para isso, utilize fronhas de almofadas coloridas, objectos brilhantes e/ou com lantejoulas, louça cintilante ou toalhas de mesa com cores vibrantes.

– As máscaras não podem faltar: Use e abuse das máscaras mais assustadoras e divertidas e espalhe-as por todos os recantos da casa. Caso prefira decorar a casa no Carnaval com um certo requinte, opte por máscaras mais discretas e coloque-as estrategicamente sobre a mesa da sala de estar ou em móveis. Ponha a sua imaginação a trabalhar!

– Recicle os fatos de Carnaval dos anos anteriores: Possivelmente já acumula muitos fatos de Carnaval, especialmente se tem filhos. Por que não usá-los para decorar a casa no Carnaval? Coloque alguns sobre as cadeiras, em cabides, ou, simplesmente, suspensos numa parede…As opções são infinitas!

– Prepare um cesto divertido: Pegue naquele cesto velho que tem arrumado a um canto e use-o como objeto de decoração. Encha-o de objectos carnavalescos: narizes de palhaço, chapéus, laços, óculos XXL, tiaras de princesa, buzinas, cornetas, perucas, máscaras, confettis, entre outros. Uma ideia simples mas muito eficaz para trazer o espírito carnavalesco para o seu lar.

– Espalhe balões pela casa: Se vai decorar a casa no Carnaval tem que, obrigatoriamente, adicionar à decoração muitos balões! A sugestão é suspender balões com cores diferentes em pontos distintos da casa. Vai, com certeza, divertir-se muito com esta tarefa!

– Coroas como elemento decorativo: Não precisa de comprar, faça-as você mesmo! Peça ajuda aos seus filhos, pois certamente vão divertir-se. Decore as coroas com desenhos ou cole plumas, serpentinas, confettis, entre outros. Depois, pendure-as nas portas.

– Arranjos carnavalescos: Recorra a penas, máscaras, plumas, serpentinas, cornetas, buzinas, entre outros objectos relacionados com o Carnaval, e crie um arranjo alusivo a esta época festiva. Até pode adicionar algumas flores. No final, coloque o jarro no hall de entrada, ou sobre a mesa da sala.

– Pom-poms de papel: Crie pom-poms de papel em tamanhos diversos e cores chamativas para suspender no tecto.

– Serpentinas coloridas: É dos elementos que não podem faltar quando estiver a decorar a casa no Carnaval. Tanto as pode usar para encher  jarras como para criar uma mesa divertida. Para uma decoração mais chamativa, suspenda serpentinas no tecto e nas portas.

– Guloseimas: O Carnaval é vivido com muita intensidade pelos mais novos. Lembre-se deles e encha recipientes de vidro na sala e na cozinha com chupas-chupas, rebuçados, pastilhas, gomas e chocolates.

– Cata-ventos: Um erro comum das pessoas, quando pensam em decorar a casa no Carnaval, é deixarem de fora o jardim. Não precisa de ser nada extraordinário. Uma ideia simples e muito divertida é espalhar pelo seu jardim e varanda cata-ventos coloridos. Um pormenor carnavalesco que não vai deixar ninguém indiferente. Certamente que os seus filhos vão adorar e os seus vizinhos também.

Agora que está convencido, comece hoje mesmo a decorar a casa no Carnaval. Divirta-se num programa familiar divertido. Deixe a sua imaginação fluir. Será, com certeza, um Carnaval muito especial.

Dia dos Namorados: 4 ideias de decoração perfeitas para o S. Valentim
quinta, 13 de fevereiro de 2020

O Dia dos Namorados está ao virar da esquina e habitualmente sentimo-nos pressionados a ser românticos. Os pequenos gestos são, muitas vezes, os mais eficazes. Assim, e se não és uma pessoa de mostrar afeto com cartas longas, presentes ou jantares, toma nota destas ideias de decoração que propomos, inspiradas na Houzz Espanha, e que podem fazer a diferença na hora de deixares o teu par feliz.

Faz da música uma grande aliada

Tens uma música especial? Conheceram-se num concerto, festival de verão ou quiçá numa festa de aldeia? Se partilham uma memória associada a uma música, imprime o refrão (ou algumas frases de que gostas) e emoldura-as, por exemplo. Se a moldura não te convence, já pensaste em deixar um bilhete com essas frases debaixo da almofada?

 

Nunca (nunca) esqueças as flores

As flores são a maneira perfeita de demonstrar afeição por alguém. E não é preciso gastar uma fortuna num bouquet enorme de rosas. Sempre poderás utilizar pequenos frascos de vidro ou jarras e enchê-las com flores de cores diferentes. Poderá ser também interessante dar um toque diferente aos vasos com uma fita da mesma cor das flores.

 

Acrescenta um pormenor luminoso

Lâmpadas e neons são um dos elementos favoritos de decoração. Um pormenor com a palavra LOVE será um sucesso no Dia dos Namorados. Coloca-a por exemplo na sala de estar ou jantar. A ideia é simples: conseguir uma atmosfera íntima e sugestiva, utilizando um elemento decorativo “poderoso”.

 

Cores e detalhes para uma mesa perfeita

Um jantar romântico será sempre um sucesso. Tons rosa, vermelhos e brancos são os mais apreciados para o momento. Para completar a mesa escolhe um bom porta-guardanapos e coloca uma pequena mensagem pessoal.

Feliz dia de S. Valentim

6 maneiras de deixar a sua casa de banho mais moderna
domingo, 09 de fevereiro de 2020

A vantagem de ter uma casa de banho moderna é mesmo o próprio conceito de modernidade. Se o moderno está associado a um valor que corresponde ao tempo presente, pode também estar ligado ao intemporal.

Todos os designers de interiores, arquitetos e decoradores focam-se sempre num conceito que se estende ao longo do tempo quando falam em modernidade. Portanto, decorar a sua casa de banho de forma moderna é uma opção segura e atemporal.

Um visual moderno é sempre mais reconfortante e são também mais fáceis de atualizar. Por isso, descubra 6 maneiras que encontramos para deixar a sua casa de banho mais moderna.

1. Opte por cores que perduram no tempo

A primeira coisa a pensar quando quiser modernizar a sua casa de banho é escolher as cores certas. Tanto a cor do piso, paredes, móveis ou dispositivos diferentes. Pense sempre moderno.

Uma decoração moderna é sempre melhor representada por cores básicas, como o preto, branco, bege, diferentes tons de azul e cinza. No entanto, não deve misturar todas as cores ao mesmo tempo.

Por exemplo, revestimentos em microcimento, madeira, azulejos hidráulicos, Neolith Estatuário (imitação mármore) ou azulejos tipo metro londrino são muito modernos e conferem espaços muito atraentes e confortáveis.

Para os móveis, escolha branco, cinza, preto ou madeira natural.

2. Opte por peças sanitárias leves e modernas

Quando escolher as suas louças sanitárias, deve optar por peças modernas e elegantes. Por exemplo, evite cortinas no chuveiro, prefira um duche italiano ou uma base moderna. Coloque um resguardo em vidro transparente.

No fim, não se esqueça de combinar o lavatório, com o bidé, vaso sanitário e banheira e/ou duche. Assim, obtém um resultado mais elegante e moderno. Quanto ao lado prático, certifique-se de comprar peças duradouras e que sejam fáceis de limpar.

3. Evite móveis muito grandes

O melhor inimigo da modernidade é a desordem! Portanto, evite os móveis que sejam muito grandes.

Para colocar o lavatório opte por uma tábua de madeira ou pedra. Para guardar os vários acessórios, aposte nas prateleiras de madeira e nos suportes.

Além disso, coloque um banco de casa de banho com design, para criar uma atmosfera clean e moderna. O truque é mesmo brincar com o minimalismo e as linhas limpas, nos móveis e armazenamento.

4. Cuide da aparência dos elementos que compõem a casa de banho

As instalações hidráulicas, como os radiadores, máquinas de lavar ou os aquecedores elétricos, podem afetar o seu objetivo de casa de banho moderna.

Por isso, no caso dos aquecedores, nada mais simples do que comprar um aquecedor de toalhas, em vez de usar um dispositivo volumoso. Não só é prático, como também é muito estético. Para os outros grandes dispositivos, escolha uma neutra como preto ou branco. Depois deixe-os o mais escondidos possível, criando um móvel em madeira, por exemplo.

5. Candeeiros e espelhos, os aliados da iluminação

Os espelhos são os seus aliados no design da casa de banho, quer em termos decorativos, como de iluminação. Escolha espelhos com ou sem arestas equipadas com luzes LED.

Por outro lado, deve cuidar da iluminação noutras partes da casa de banho, para deixa-la mais acolhedora e maior visualmente. Iluminação de parede, lâmpadas embutidas no teto falso e todos os outros tipos de lâmpadas devem ser LED. Além disso, priorize a luz branca, pois ela liga-se melhor aos espelhos e dá mais brilho ao espaço.

6. Termine com detalhes modernos

Para finalizar este pequeno guia de casa de banho moderna, falamos sobre decoração. Um aspeto a ter em conta e que dará o toque final. E numa bela casa de banho moderna encontramos:

  • plantas naturais ou artificiais;
  • um conjunto de acessórios (saboneteira, doseador, copo… );
  • um caixote de lixo com design;
  • um tapete elegante e moderno;
  • velas e um difusor de óleos essenciais;
  • Um cesto de roupa suja, pode ser em vime, por exemplo.
7 plantas domésticas comuns que podem levar a que os seus animais de estimação fiquem doentes
sábado, 01 de fevereiro de 2020

As plantas dão um toque bonito a qualquer casa, mas, quando se tem animais de estimação, é importante ter em atenção o tipo de plantas a comprar. Há animais domésticos que não ligam a plantas, mas também há os que não hesitam em comê-las, até mesmo por curiosidade! Algumas plantas repelem os animais naturalmente – pelo sabor amargo ou pelo cheiro que emanam -, mas, ainda assim, diríamos que o melhor é não arriscar. Se decidir ter uma planta que se inclui no grupo das plantas nocivas, então deve colocá-la num local ao qual o seu animal não tenha acesso e ser mais vigilante.

Apesar de este artigo estar mais focado nas plantas domésticas, as plantas que estão no jardim também devem ser seleccionadas criteriosamente. Um jardineiro pode orientá-lo nesse sentido ou até o veterinário.

Se suspeitar que o seu animal ingeriu algo que lhe fez mal, então não perca tempo e leve-o, de imediato, para o veterinário. Pode, também, contactar a Linha de Saúde Animal através do 760 450 911 (0,60€ + IVA). Mas como não queremos que tenha que chegar a este ponto, tome nota das plantas que destacamos neste artigo.

1. Aloe Vera

As suculentas estão na moda. Dão pouco trabalho a manter e são utilizadas amiúde para fins decorativos. Entre as plantas suculentas mais populares está a aloe vera que possui propriedades medicinais famosas. É, por exemplo, usada para aliviar queimaduras e problemas na pele, podendo também ser encontrada na composição de cremes, de bebidas e até de suplementos. Embora benéfica para os seres humanos, a aloe vera pode provocar vómitos, diarreia, anorexia, depressão e até tremores em cães e em gatos. Se quiser ter um pequeno vaso com esta planta, então certifique-se de que está num local onde o seu animal não chega.

2. Lírios

Bonitos e coloridos, os lírios são comummente utilizados na decoração e em jardins. Porém, todas as partes da planta são tóxicas. Nos gatos, os lírios podem provocar uma intoxicação sistémica e falência renal aguda e nos cães indisposição ao nível gastrointestinal. Para além destes problemas mais sérios, os lírios, depois de ingeridos ou apenas tocados, podem causar irritação oral e ocular, coceira, dificuldades respiratórias e a engolir e alterações neurológicas.

Se tiver uma jarra de lírios a decorar, por exemplo, a mesa da sala de jantar, é provável que o seu cão não lhe chegue. Pelo contrário, os gatos são muito ágeis e percorrem a casa toda, por isso tenha cuidado com esta planta.

3. Dracenas

As dracenas são plantas arbustivas muito apelativas para uso doméstico, visto que singram facilmente, inclusive em espaços com pouca luz. Além do mais, têm uma folhagem decorativa que valoriza qualquer ambiente. Contudo, são tóxicas para cães e gatos devido às saponinas, um composto químico agressivo da planta. A ingestão das folhas das dracenas pode provocar vómitos (com ou sem sangue), depressão, perda de apetite e/ou salivação abundante. Os gatos podem, ainda, exibir pupilas dilatadas.

4. Pothos

Pothos. O nome é-lhe familiar? Se calhar, conhece a planta como hera-do-diabo ou jibóia. Com as suas folhas caídas, ficam particularmente bem suspensas ou colocadas em pontos altos como prateleiras. Tal como as dracenas, são plantas fáceis de manter. Todavia, contêm ráfides, células que podem irritar a língua e a boca dos animais, provocar excesso de salivação e vómitos e causar dificuldade em engolir.

5. Begónias

As begónias são muito atraentes para decorar e toleram espaços com pouca luz. A ingestão de begónias tem, no entanto, efeitos adversos nos animais domésticos. Os sintomas mais comuns são idênticos aos de outras plantas já aqui mencionadas: vómitos, excesso de salivação, ardor na boca, irritação na língua e dificuldade a engolir.

6. Cactos

São fotogénicos, estão entre as tendências e muito fáceis de manter. Os cactos são a planta ideal para um espaço moderno, minimalista e para pessoas que têm pouco tempo ou disponibilidade para cuidar de plantas. Os animais domésticos são inteligentes e os espinhos dos cactos serão, à partida, suficientes para os manter afastados. Apesar disso, a seiva de alguns tipos de cactos pode provocar irritações em cães e em gatos, tanto na pele como nos olhos. Nos cães, os cactos podem, também, provocar diarreia e vómitos e, com menos frequência, anomalias no ritmo cardíaco.

7. Crisântemos

Com cores e formatos sedutores, os crisântemos são perfeitos para decorar a casa e enchê-la de cor e de vida, mas esta planta asiática pode provocar desconforto no seu animal de estimação e fazê-lo perder a coordenação, vomitar, ter diarreia, alergias, dermatites e excesso de salivação.

8. Que outras plantas não são recomendáveis?

Há, como deve imaginar, mais plantas nocivas. Para além das sete plantas já enumeradas, tome nota das que se seguem:

  • Cravos
  • Dálias
  • Margaridas
  • Lavanda
  • Peónias
  • Gerânios
  • Azáleas
  • Gardénias
  • Hidrângeas
  • Tulipas

 

Esta não é uma lista exaustiva, por isso, antes de comprar uma planta para a sua casa, deve fazer uma consulta rápida na Internet ou, como referimos, informar-se junto do seu veterinário ou jardineiro.

7 revestimentos para parede: ideias para o interior e para o exterior da sua casa!
sábado, 25 de janeiro de 2020

Construir ou remodelar uma casa ou um espaço implica tomar um conjunto de decisões. Quando o projecto é levado a cabo por um arquitecto, arquitecto de interiores, designer de interiores ou decorador, é mais fácil percorrer as opções disponíveis no mercado hoje em dia. Estes profissionais conhecem os materiais, os preços e sabem dar resposta às expectativas dos clientes, sem descurar as características e necessidades dos espaços. No entanto, e para o inspirar nesse sentido, reunimos, neste livro de ideias, um conjunto de materiais que pode considerar para o interior e para o exterior da sua casa.

Se está neste processo de seleccionar os revestimentos, comece por reunir inspiração (pode, até, fazer um moodboard para o ajudar a estruturar o processo criativo), tenha em conta o estilo da casa (tratando-se das paredes exteriores, deve respeitar a paisagem, elegendo um material que se harmonize com a mesma), defina o seu orçamento e tente saber quais são os materiais mais populares na sua zona (assim, apoia um produto local e ainda consegue poupar). Não se precipite a tomar uma decisão. A oferta é vasta e comparar qualidade e preços é importante para fazer uma escolha acertada.

Venha saber mais.

1. Revestimento de parede em pedra

pedra é um material popular, tanto para aplicações interiores como exteriores.

Extraídas da natureza, as pedras naturais são favorecidas pela sua origem orgânica, pelas cores variadas e pelas imperfeições que as tornam únicas. Para além do mais, trata-se de um material altamente resistente e versátil.

Entre as pedras mais conhecidas e utilizadas em Portugal estão o granito, o arenito, o calcário, o mármore, o quartzito, o gneisse e o filito. A pedra pode ser adquirida em vários formatos como, por exemplo, em bloco ou em mosaico, e ser instalada de acordo com diferentes técnicas que a deixam mais ou menos irregular.

A todos os materiais estão inerentes vantagens e desvantagens que podem variar mediante inúmeros factores. No que diz respeito às principais qualidades da pedra natural, destacaríamos a durabilidade extrema, a variedade de escolha, a facilidade em conjugá-la com outros materiais, como a madeira ou o betão, o excelente isolamento que proporciona, a resistência a abrasões e o facto de aumentar o valor dos imóveis.

Por outro lado, a instalação da pedra pode ser dispendiosa – devido ao peso -, assim como o custo de aquisição. Além disso, deve ser selada e pode danificar-se se for limpa com detergentes muito abrasivos.

2. Revestimento de parede em madeira

madeira, tal como a pedra, é uma escolha popular para revestimento exterior e interior. É, possivelmente, um dos materiais mais consensuais pelo aspecto distinto que empresta às casas e aos ambientes e pela beleza intemporal que possui.

Apesar de ser muito associada ao estilo rústico, a madeira surge com frequência em espaços modernos, minimalistas, clássicos, industriais ou de estilo nórdico. Em boa verdade, não há nenhum estilo com o qual este material não combine.

Os tipos de madeira mais populares para a casa são o carvalho, o pinho, o eucalipto, o cedro, a nogueira, o mogno, a cerejeira, o bordo, o choupo e a teca. Para tomar conhecimento das características de cada um destes tipos de madeira, não deixe de pesquisar.

A madeira tem algumas vantagens que sobressaem: é fácil de instalar, é durável quando bem mantida, tem excelentes propriedades de isolamento térmico e acústico, é versátil e é amiga do ambiente. Para além disso, a cor da madeira torna qualquer atmosfera mais aconchegante e intimista. Num espaço demasiado frio ou impessoal, a adição de madeira é uma excelente solução.

Em contrapartida, absorve e perde facilmente humidade, pode mudar de tamanho conforme os níveis de humidade e a temperatura, possui uma estrutura fibrosa e heterogénea e, claro está, se for obtida de forma descontrolada pode-se gerar um desequilíbrio ecológico.

Vale sublinhar que as vantagens e desvantagens dependem dos tipos de madeira e da forma como o material é aplicado e tratado.

3. Revestimento de parede 3D

No mundo do design de interiores, estão sempre a surgir novidades para criar ambientes que se diferenciem. É, sem dúvida, uma forma muito clean e elegante de elevar um espaço e de o tornar mais exclusivo.

4. Revestimento de parede com pastilha

pastilha pode ser encontrada a revestir paredes exteriores, mas é mais comum aparecer em casas de banho, em cozinhas e em piscinas. As pastilhas são feitas, principalmente, com três materiais: vidroporcelana e cerâmica.

Pastilha de vidro: tem um acabamento superior, não perde o brilho e tampouco desbota. A absorção de humidade é inferior a 0.05%, o que a torna ideal para casas de banho, cozinhas, piscinas e varandas. A pastilha de vidro possui um coeficiente de dilatação praticamente nulo, o que a torna apta a ser usada em ambientes onde a temperatura varia.

Pastilha de porcelana: é, também, altamente durável. A pastilha de porcelana é uma escolha popular para fachadas sujeitas ao desgaste provocado pela maresia e pelo sol. É, ainda, muito fácil de limpar. Porém, com o passar do tempo, perde alguma beleza.

Pastilha de cerâmica: é muito usada em piscinas devido à resistência ao cloro. Deve ser aplicada por mão de obra especializada visto tratar-se de uma peça pequena, de pouca espessura e delicada.

Lembramos que a pastilha para aplicação no pavimento deve ser antiderrapante.

5. Revestimento de parede com tijolo

Em países como o Reino Unido e a Alemanha, a paisagem é muito povoada por prédios em tijolo: o famoso brick. Em Portugal, não é tão comum, embora o tijolo apareça com alguma frequência nos interiores, designadamente em espaços de estilo industrial e em lofts.

A grande vantagem deste revestimento prende-se à resistência extrema e à baixa manutenção. Depois de instalado, o tijolo pode durar décadas sem que sejam necessários muitos cuidados. É, além do mais, um material que existe em diferentes tonalidades, que é muito resistente ao calor e ao fogo e que actua como uma excelente barreira acústica.

No interior, pode recorrer ao tijolo para dar destaque a uma parede importante dentro de determinada divisão. Na sala de estar, por exemplo, essa parede pode ser a que está por detrás do sofá ou do móvel de televisão.

6. Revestimento com papel de parede

O papel de parede tem o poder de mudar a atmosfera de um espaço sem que tenhamos que andar com pinturas e cheiros incómodos ou que fazer uma obra morosa e, porventura, dispendiosa. Há papéis de todas as cores, padrões, com e sem textura e até papéis de parede laváveis e com acabamento em PVC para o uso em casas de banho e em cozinhas.

Ao escolher um papel de parede, tenha em atenção as cores existentes no espaço em questão, a qualidade do acabamento, a escala do desenho (se for o caso) e, claro, tire bem as medidas para não acabar com material a mais ou a menos. Deve, também, confirmar a referência do papel de parede quando ele chegar para se certificar de que é exactamente aquele que encomendou.

Antes de aplicar, deve verificar o estado da parede que deve estar lisa e seca. Não cole o novo papel sobre uma parede com problemas estruturais – fissuras ou humidade, por exemplo – ou sobre papéis de parede previamente existentes. Sugerimos, ainda, que revista as suas paredes com uma subcamada isolante para que fiquem protegidas.

7. Parede acolchoada (revestida em tecido)

Terminamos com uma sugestão elegante que é particularmente interessante para um quarto: uma parede acolchoada. A existência de uma parede acolchoada por detrás de uma cama dispensa que esta tenha uma cabeceira já que as pessoas se podem encostar à própria parede.

As paredes acolchoadas ou estofadas dão um ar super aconchegante e refinado aos ambientes, para além de os protegerem contra o barulho, o que também faz delas uma boa escolha para escritórios.

 

Há ainda outras opções que pode considerar para cobrir as superfícies da sua casa como, por exemplo, o revestimento de parede com PVC, azulejos, betão aparente, cimento afagado, mosaico hidráulico ou porcelanato.

Beliches: modelos, as vantagens e as desvantagens e os preços!
domingo, 19 de janeiro de 2020

Os beliches são uma escolha popular entre miúdos e graúdos. Os mais pequenos vêm neles uma aventura. A ideia de se poder subir e descer, quiçá através de um escorrega, faz as delícias das crianças. Os pais, por outro lado, encaram os beliches como uma forma de se poupar espaço no quarto e de uma só peça poder dar resposta a necessidades distintas, na medida em que os beliches, para além das camas, podem ter gavetas, secretária e até pequenos roupeiros e prateleiras. Comprar um beliche é, em muitos casos, resolver uma boa parte da decoração de um quarto.

Hoje em dia, é ainda mais fácil encontrar um beliche que vá ao encontro do que procuramos. As marcas não se poupam em propostas que vão desde o mais sóbrio ao mais criativo. Há beliches em diferentes materiais, em formatos inusitados, com escadas e escorregas e com ou sem secretária ou sofá. As hipóteses são inúmeras e variadas, já para não mencionar que se pode pedir a um carpinteiro ou marceneiro para construir um beliche à medida do espaço e de quem o vai usar.

Hoje, damos-lhe alguns conselhos em relação à compra de um beliche, pomos em destaque as principais vantagens e desvantagens e não nos esquecemos de pesquisar preços.

Ora venha connosco até às alturas!

1. O que considerar antes de comprar um beliche?

Escolher um beliche não é tão simples como parece. Eis os aspectos que deve considerar:

Medir o espaço: antes de se comprar um móvel volumoso, deve-se sempre medir o espaço onde ele vai ser colocado. No caso dos beliches, para além do comprimento e da largura, é também importante ter em conta a altura, sob pena de a cama de cima ficar demasiado perto do tecto. Se o beliche que tem em vista possuir gavetões ou armários incorporados, calcule o espaço de que vai precisar para abrir as portas e as gavetas.

Ponderar o tipo de beliche de que precisa: há uma vasta oferta no mercado no que aos beliches diz respeito. Para além de os encontrar fabricados em materiais, cores e estilos diversos, há beliches com secretária, beliches com arrumação e beliches com uma terceira cama extraível, tipo gaveta. Se tem, por exemplo, filhos em idade escolar, então poderá ser oportuno adquirir um beliche com secretária.

Segurança acima de tudo: escolha um beliche com as devidas protecções, sobretudo se os seus filhos ainda são muito pequenos e, por conseguinte, mais agitados.

Escolha um material resistente: a madeira e o metal são os materiais mais resistentes. No entanto, o metal é frio e, por vezes, escorregadio, pelo que consideramos a madeira uma melhor opção. A madeira é resistente, versátil e tem um aspecto caloroso e aconchegante.

Acessibilidade: no que ao acesso à cama de cima concerne, sugerimos que evite escadas pequenas e sem apoios. As escadas devem ser o mais práticas e seguras possíveis. Os beliches com escorrega fazem as delícias das crianças, mas o escorrega não garante a mesma segurança. É mais fácil descer do que subir. Porém, tudo depende da idade da criança. Além do mais, deve sempre aconselhar o seu filho para que ele saiba usar com segurança o beliche.

Pense no estilo: há beliches com um ar muito infantil – em forma de casa, de castelo, com escorrega, e assim por diante -, mas há, também, beliches juvenis com um design mais sóbrio e neutro que se adaptam a todas as idades e são, por isso, mais versáteis.

2. Quais são as vantagens dos beliches?

Os beliches têm vantagens e desvantagens que devem ser ponderadas antes da compra. Venha saber quais são.

Os beliches ocupam pouco espaço: os beliches ocupam espaço em altura, mas menos em largura, o que liberta o quarto das crianças para as brincadeiras e não só. Se, em vez de um beliche, optar por duas camas – uma ao lado da outra – o espaço livre disponível ficará consideravelmente reduzido.

São úteis para quando os amigos vão dormir aí a casa: as crianças têm sempre planos com os amigos e adoram que eles fiquem a passar a noite. Um beliche com um gavetão que funcione como terceira cama é o ideal para estas situações. Assim, não precisa de sacos-cama e pode receber as visitas de palmo e meio com todo o conforto. 

Podem incluir secretária e zonas de arrumação: como mencionámos, há beliches modernos e compactos com arrumação integrada e secretária. Uma única peça de mobiliário pode reunir tudo aquilo de que os seus filhos precisam, o que é uma mais-valia para se optimizar o espaço.

Um beliche pode transformar-se em duas camas separadas: há modelos de beliches que permitem que as camas sejam separadas. Assim, se, mais tarde, os seus filhos forem para quartos separados ou se quiser mudar a disposição dos móveis no quarto, pondo uma cama ao lado da outra, pode fazê-lo.

Não são só para as crianças: apesar de comummente usados em quartos de criança, há beliches que acomodam facilmente adultos e que são uma boa opção para um quarto de hóspedes ou para apartamentos e casas com fins turísticos.

3. Quais são as desvantagens dos beliches?

Segurança: a segurança dos filhos é, obviamente, a grande prioridade dos pais e uma das preocupações que se levanta por ocasião da compra de um beliche. Os beliches devem ser usados por crianças com mais de seis anos, sendo que a cama alta deve ser atribuída ao irmão mais velho.

Montagem: a montagem de um beliche é intrincada e deve ser confiada a alguém hábil. As lojas de móveis costumam ter equipas para fazer a montagem das peças, mas deve indagar antes de fazer a compra.

Mais difícil fazer a cama: não é fácil fazer as camas de um beliche, sobretudo a cama alta. Para além disso, é difícil aceder aos dois lados, já que o beliche está, por norma, encostado à parede. Uma forma de agilizar o processo passa por privilegiar lençóis com elástico visto que se prendem ao colchão e não saem tão facilmente do sítio.

Descer e subir a escada a meio da noite: descer e subir a escada a meio da noite pode ser difícil para uma criança sonolenta.

Claustrofobia: para algumas pessoas, ter o tecto tão perto ou uma cama por cima pode despoletar uma sensação de claustrofobia. Quanto mais alto puder ser o espaço entre as duas camas e a cama alta e o tecto, melhor. De resto, estamos em crer que é uma questão de hábito e a maior parte das crianças se adapta bem aos beliches.

4. Onde comprar e a que preço?

Tem duas opções: pode optar por mandar fazer o beliche à medida ou por comprar um numa loja de mobiliário. Na gigante sueca IKEA, por exemplo, há beliches a partir dos 109€ (muito simples) e outros mais elaborados (combinação de secretária com cama alta e gavetas, por exemplo) a partir de 325€.

Se escolher fazer à medida, deve preparar-se para gastar mais dinheiro. Um beliche de qualidade construído por um carpinteiro pode custar 2000€.

Seja como for, não se precipite na compra. Veja as ofertas em várias lojas – de preferência, dentro da sua zona de residência – e tome uma decisão que assente na relação qualidade/preço.   

5. Beliche com camas de tamanhos distintos

Não podíamos deixar de incluir este beliche no nosso livro de ideias pela particularidade de a cama inferior ser mais larga do que a superior. A cama de baixo pode ser usada como sofá e espaço de brincadeiras ao longo do dia, para além de ser extremamente prática quando se quiserem receber visitas. Aliás, as almofadas que a decoram sugerem que é essa a utilização que lhe é dada, o que torna o quarto muito mais versátil. Mais tarde, pode-se até remover a parte superior e ficar apenas com a cama de baixo, adaptando o quarto ao crescimento da criança/jovem.

6. Configuração personalizada

Os beliches não têm que obedecer à configuração tradicional com uma cama por cima da outra.

6 Móveis que não podem faltar numa sala moderna
sexta, 10 de janeiro de 2020

Lembra-se das salas antigas, atravancadas de móveis pesados e muito trabalhados, com demasiados tapetes e demasiados acessórios decorativos? Agora pense nas decorações actuais, mais leves e frescas, muito elegantes e sóbrias. Essa diferença é a marca da modernidade!

Construir uma imagem moderna numa sala é um processo muito pessoal, que envolve gostos, tendências e vivências. E há tanto por onde escolher que na hora H podemos sentir-nos assoberbados!

Mesas, cadeiras sofás, armários grandes e pequenos… O que é que não pode mesmo faltar numa sala moderna?

Há alguns elementos comuns, que estão sempre presentes em todas as salas de estar e de jantar modernas, e hoje a homify parte em busca deles. Acompanhe-nos!

1 – Não há sala sem sofá!

Uma verdade incontestável! É tão absurdo pensar uma sala de estar sem sofá como uma cozinha sem fogão (ou placa, vá).

Então este é o primeiro elemento a considerar para criar uma sala de estar moderna. Pode pensar que a simplicidade inerente ao estilo moderno o limita a sofás de linhas simples e tecidos lisos, mas isso está longe de ser verdade. A essência do moderno está na harmonia dos elementos no espaço, deixando liberdade à forma e às combinações inusitadas.

Pode optar por um sofá de veludosem medo de que não fique moderno. Este material é uma tendência muito actual, dando um certo brilho de glamour e elegância ao ambiente.

Optar por uma cor sólida, sem padrão para o sofá é tanto uma dica de modernidade quanto de funcionalidade, uma vez que um sofá com uma cor básica vai permitir-lhe mais extravagâncias decorativas nos acessórios.

2 – Um móvel de televisão, claro!

O ecrã de televisão e toda a parafernália que o acompanha (cabos, box, router… ) é um elemento indispensável no quotidiano actual. Já há muito que ninguém dispensa os filmes, as séries ou mesmo as telenovelas!

Por isso mesmo, na planificação de uma sala moderna, é obrigatória a inserção de um móvel de televisão. É importante que além das linhas mais ou menos arrojadas, este móvel proporcione um bom nível de organização para todos os elementos que referimos. Opte por móveis com calhas e aberturas já pensados para passar cabos e espaços adaptados para os equipamentos, pois só assim vai conseguir uma arrumação perfeita e manter a limpa simplicidade que o estilo moderno exige.

3 – Uma poltrona convidativa

Relaxando no sofá, relaxando na poltrona, relaxando até no puf! Numa sala moderna é imperativo criar as melhores condições para momentos de puro descanso para combater a agitação do trabalho. E isso tem mesmo de incluir uma poltrona tão confortável como o sofá. Quem nunca passou uma tarde a dividir as atenções entre estes dois móveis, entre a televisão e um livro?

4 – Mesas de apoio

Descontrair implica uma bebida, um livro, uma revista e até uma tigela com snacks, por isso incluir uma ou duas mesas de apoio de linhas simples, mas funcionais, é fundamental. E nem precisa de gastar muito dinheiro nestes elementos pois há mesinhas de apoio fantásticas a preços convidativos que vão complementar perfeitamente a decoração e o ambiente.

5 – A iluminação certa

A iluminação ganha protagonismo nos nossos dias e as suas potencialidades são cada vez mais bem conhecidas. Além da iluminação do ambiente em geral, que deve ser boa para criar um ambiente acolhedor (luzes mais amareladas vão tornar o espaço mais convidativo e luzes brancas vão torná-lo mais aberto), deve incluir também iluminação localizada e individual, para potenciar o conforto das actividades de lazer, como a leitura. Para isso pode utilizar candeeiros de pé alto, que estão muito na moda, e aparecem com vários formatos interessantes no mercado.

6 – Uma simples estante para decoração

Por fim aconselhamos também a inclusão de algumas prateleiras para acomodar decoração e arrumação. Escolha com simplicidade para não sobrecarregar o ambiente, pois no estilo moderno o tom arejado e limpo da atmosfera é um requisito essencial.

Se não encontra nada que se adapte ao seu espaço na perfeição opte por pedir a colaboração de um designer de interiores e/ou de um bom carpinteiro!

10 dicas para cuidar de plantas domésticas
sexta, 03 de janeiro de 2020

Faz parte daquele grupo nada restrito de pessoas que não conseguem manter uma plantinha doméstica por muito tempo? Está na hora de rever os seus conceitos e pensar no que tem estado a fazer mal!

É certo que as plantas podem ser bastante sensíveis mas o mais certo é estar a fazer alguma coisa mal, provavelmente por simples desconhecimento.

Se está mesmo interessado em ter pelo menos uma ou duas plantas em sua casa e ao seu cuidado tem de ler este artigo! Hoje a homify partilha consigo alguns conselhos de jardineiros amadores bem-sucedidos. Acompanhe-nos e confira o que está a fazer de mal com as suas plantas.

1 – Escolha a planta certa

Embora não se trate propriamente de um cuidado a ter com a planta, a escolha é determinante para saber o que vai precisar de passar a ter, por isso tem de ser incluída neste artigo!

Há plantas muito sensíveis e plantas que aguentam alguns descuidos da sua parte, por isso se tem pouca experiência ou jeito para a jardinagem será bom começar com uma planta resistente. As suculentas estão entre as mas resistentes e que menos cuidados exigem, mas também pode experimentar uma Espada de São Jorge, uma Jibóia ou uma Pata de elefante que também têm boas probabilidades de ter êxito. As características e necessidades da planta vêm normalmente descritas numa etiqueta anexada ao vaso, estude-as bem.

2 – Prepare o melhor solo para a sua planta

Prepare o solo que será da sua planta tendo em conta as necessidades específicas descritas. Lembre-se de que o vaso onde ela veio, apesar de ter o solo correcto, tem de ser temporário e mais tarde ou mais cedo terá de a mudar.

Atente no pH e nos nutrientes necessários que vêm descritos na etiqueta de compra. Se não a tiver faça uma pesquisa na internet para saber o que tem de fazer.

3 – Avalie a luz no local onde vai ficar a planta

Pesquise as necessidades da sua planta e escolha o sítio onde ela vai ficar em conformidade.

Perceba se a planta precisa de muita luz directa ou se, pelo contrário, prospera melhor à meia-luz ou na sombra. Este factor vai ser decisivo na sua manutenção em boas condições.

4 – Verifique a temperatura e as correntes de ar

Verifique também as correntes de ar e a temperatura ambiente. Há plantas que suportam mal o frio e o vento, pelo que podem não ser as melhores escolhas para locais mais expostos ao ambiente exterior no nosso país.

5 – Preste atenção à planta

Não se esqueça da existência da sua planta. Isto inclui as regas, obviamente, mas também a verificação periódica de sinais preocupantes, como o aparecimento de folhas amareladas ou secas, pragas ou manchas estranhas. Se der conta do problema a tempo ainda terá a oportunidade de o resolver antes de a planta morrer.

6 – Cuidado com as regas

Obviamente, as plantas precisam de água para viver (como nós), mas cada uma tem as suas necessidades. No pólo oposto à falta de regas temos o comportamento igualmente errado de regar em demasia.

As regas demasiado abundantes ou em períodos errados podem apodrecer as raízes e propiciar o aparecimento de fungos que vão matar a sua planta. Verifique sempre as necessidades específicas e proceda em conformidade.

7 – Retire folhas velhas e faça poda

Falamos de manutenção básica à própria planta. Remova folhas secas e velhas, e se for necessário aprenda a podar. As folhas velhas atrasam o crescimento da planta, usam nutrientes preciosos e ao apodrecerem no vaso, por exemplo, podem fazer a planta adoecer.

8 – Limpe o pó

O pó não se acumula nos móveis? As folhas da sua planta não são diferentes! O pó e outra sujidade (pelo de animais, por exemplo) acumulada nas folhas pode dificultar e mesmo impedir o processo da fotossíntese, acabando por matar a planta no extremo. No mínimo terá uma planta feia num ambiente bonito e não é isso que deseja, certo?

9 – Não se esqueça do adubo

Regar é importante, mas também é fundamental manter o solo fornecido com os nutrientes de que a planta precisa, por isso adubar é fundamental. Uma vez mais deve ter em conta a espécie da sua planta e comprar o adubo em conformidade. Nas lojas de jardinagem ou bricolage pode encontrar adubos próprios para várias espécies de plantas com as respectivas descrições.

10 – Escolha o vaso certo

A escolha do vaso é a nossa última dica de hoje!

A escolha do vaso é muito mais do que simples decoração. Há vasos que simplesmente não funcionam para algumas plantas, como por exemplo a orquídea que precisa de vasos com perfurações para drenagem e, se esses orifícios não forem eficazes, põem em causa a planta.

Os vasos devem ter um tamanho proporcional às plantas e assegurar uma boa drenagem da água em excesso.

Decorar a casa para a passagem de ano
domingo, 29 de dezembro de 2019

E com a noite mais festiva do ano a aproximar-se, há que dar um toque especial à nossa casa no caso de sermos nós a receber os amigos (e família) nesse dia especial e glamoroso. Até hoje nunca celebrei a Passagem de Ano na minha casa, mas se o fizesse estas seriam algumas ideias e pormenores que utilizaria para tornar a casa mais apetecível para a grande noite da mudança de ano.

Comprar e encher balões com hélio numa loja de artigos de festas vai imediatamente imprimir um ambiente de festa a qualquer espaço. Este tipo de balões geralmente apenas se aguenta durante 24h, por isso é daquelas coisas que se tem mesmo que fazer no próprio dia. Depois há que lhes dar um pequeno toque mais festivo com, por exemplo, fitas douradas de cetim a prender e caídas do teto, pequenas ramagens verdes ou mesmo enchê-los de confettis. De certeza que vão ter os balões mais giros de sempre!

Os copos são um elemento importante neste dia por isso é bom dar-lhes uma atenção especial. Recortar umas estrelas em papel festivo e colocar na base onde se pode inclusive escrever o nome da pessoa a quem o pertence é uma ideia gira e útil, ou ainda colocar glitter comestível no rebordo pode torná-los o destaque da festa!

Para quem estiver de férias nesta altura do ano, tiver tempo e gostar de um bom DIY, fazer umas grinaldas de estrelas com cartolina e linha e pendurá-las do teto ou na parede com washi tape pode dar um efeito verdadeiramente bonito e inspirador. Já fiz umas uma vez cá para casa e são realmente simples de fazer. A conjugação de branco e dourado é a que gosto mais e recomendo, pois conjuga-se bem com qualquer decoração.

Por fim, dar uma pequena decoração nos bolinhos e sobremesas que servimos também é uma forma interessante e divertida de receber bem nesse dia, e podem fazê-lo de várias formas, desde utilizar o tal glitter comestível que já mencionei acima, a espetar pequenos pauzinhos com washi tape, ou mesmo estrelas com números ou papel dourado. Estamos a celebrar a Passagem de Ano por isso usar e abusar do dourado é quase obrigatório.

Desejo a todos umas ótimas entradas em 2020 e encontramo-nos para o ano!

Tendências de design de interiores para 2020
domingo, 15 de dezembro de 2019

As tendências vão e vêm, tanto no mundo da moda, como na decoração. Algumas são intemporais e nunca passam de moda. Outras estão mais relacionados a uma época.

Nesta lista, agrupamos as tendências de decoração para 2020 que, de acordo com nossa pesquisa, serão as mais populares no próximo ano.

Escultural, mineral, super slow ou completamente artístico, o ano de 2020 dá uma certa continuidade ao ano de 2019. Como tem vindo a notar, o mundo da decoração já havia procurado abandonar os estilos exagerados para dar entrada a peças mais afirmadas e menos padronizadas. Assim, para o próximos meses esperamos objetos mais originais, dominados pelo estilo nórdico, objetos imperfeitos nas suas formas, tons terra, materiais naturais… Enfim, uma bonita metamorfose que não é de todo desagradável, bem pelo contrário.

Seja dos primeiros a acompanhar as tendências para 2020. Por isso, tome nota!

1. Mix de tendências

homify acredita que a tendência mais interessante é a mistura de estilos, formas, cores, texturas, materiais… Enfim, o que quebra os códigos das tendências tradicionais!

A regra? Não há mais. Como na moda, ousamos alto e baixo para encontrar a decoração que realmente gostamos. Um pouco de decoração barata ou reciclada com móveis de marca e de designer.

2. Os materiais naturais

Nada de muito novo para esta tendência? Pois, os materiais naturais tal como o rattan ainda são muito populares para 2020. No entanto, podemos esperar vê-los de uma nova maneira no design de interiores. Aguardamos!

3. O novo estilo escandinavo

O renascimento do estilo escandinavo, uma tendência decorativa que espera marcar o próximo ano. O estilo escandinavo é cada vez menos minimalista e organizado.

Em 2020, o novo estilo nórdico traz texturas, materiais e cores naturais.

4. Decoração africana

Podemos esperar novas coleções decorativas inspiradas em África, com coleções cápsulas feitas por designers locais.

5. Reciclar peças

Como dizia o nobre Lavoisier, «na Natureza, nada se cria, nada se perde, tudo se transforma». Mas esta sabedoria também se aplica na decoração e design de interiores, com o conceito upcycling e as aspirações ecológicas, as peças em segunda-mão prometem afirmar-se em 2020.

O truque é procurar em lojas de segunda mão e em feiras, ou até mesmo no mercado online.

Em 2020, damos então lugar a peças antigas e objetos com carácter, que temos o privilégio de prolongar a sua história.

6. Os tons amarelos

Do amarelo mais vibrante, limão ao amarelo mostarda, todos os tons de amarelo estarão na moda na decoração em 2020.

7. O regresso do (quase) branco

Entre a decoração da parede e a pintura, o branco tem tendência a desaparecer. Mas em 2020, o branco volta em diferentes tonalidades, principalmente no mobiliário.

8. Cores terra

Terracota, ocre e nude são as cores que enquadram a paleta cromática de 2020. Irão surgir em tons mais apagados, relativamente aos outros anos, que serão mais fáceis de associar.

9.Peças artesanais

Esta é uma tendência de decoração bem convidativa para os nossos interiores em 2020, nomeadamente através de pratos e tecidos. Agora queremos peças únicas, artesanais e feitas à mão pelos criadores.

Essas peças são usadas para receber, mas também como peças decorativas para destacar numa prateleira ou numa vitrina.

10. Torneira preta

Já deve ter reparado que as torneiras pretas tiveram um papel preponderante no design de interiores em 2019. Pois bem, esta tendência continuará a marcar as casas de banho e cozinhas dos nossos queridos lares, dando um destaque surpreendente ao ambiente, nomeadamente quando optamos por uma decoração branca.

11. Erva-das-pampas

Dentro da onda das flores secas, a erva-das-pampas é ideal para quem não gosta de cuidar de plantas, mas gosta do toque da natureza dentro de casa. Uma vez tratadas com delicadeza, trazem suavemente o lado natural a um espaço. Ficam bem na decoração de uma sala, escritório, casa de banho ou quarto.

12. Texturas nas paredes

Ainda e sempre! A tecelagem irá alcançar o auge da sua popularidade em 2020. Pendure peças em macramé, tapetes… para ter um interior bem trendy!

13. Vitrinas, estantes… para deixar tudo em aberto

Por que não sucumbir à tendência das vitrinas e outros móveis abertos para destacar os seus objetos favoritos? Estas peças de mobiliário deixam os olhos vaguear e descobrir o que de melhor tem em casa.

Como decorar a casa para o Natal: 10 ideias simples e originais
domingo, 08 de dezembro de 2019

Das decorações tradicionais às mais contemporâneas, existem inúmeras ideias simples e originais para vestir a tua casa, de forma alegre e festiva, neste Natal. Se estás à procura daquele pequeno toque extra que está a faltar para começar a decorar a casa para o Natal, inspira-te com a nossa lista!

 

1 – Árvore de Natal

Sem sombra de dúvidas, a grande protagonista da época natalícia é a árvore de Natal, onde se centram grande parte das atenções antes, durante e depois da ceia e, por isso mesmo, terás de destacá-la na decoração. Grande ou pequena, artificial ou natural, verde floresta ou branca, com decorações de uma só cor ou ornamentos feitos à mão… o que importa é ter uma árvore de Natal imponente, mas sem esquecer as iluminações e a estrela no topo da árvore, que representará o espírito natalício que se vive em casa.

 

2 – Presépio

A exposição de um presépio na decoração de Natal é uma tradição que se prolonga há anos, mas nada impede de inovarmos, não é? Atribui um toque mais contemporâneo ao presépio: personaliza-os, cria novos artesanalmente, expõe-nos em outros contextos… Divirta-se ao inovar!

 

3 – Embrulhos de prendas de Natal

Grandes ou pequenas, luxuosas ou feitas em casa, é a intenção que conta… mas também a apresentação! De frente com uma prenda, embrulhada num papel fantástico com motivos de Natal e adornados por um laço em cetim, e outra num saco de papel normal ou com a publicidade da loja onde foi adquirida – qual é que escolherias? A resposta é óbvia! Embrulha as prendas de Natal de forma personalizada para expô-las de modo que despertem a curiosidade de quem será presenteado.

 

4 – Almofadas

Trocar as fronhas das almofadas é uma das ideias mais simples e originais para mudar a decor da casa, por isso, porque não aplicar a mesma técnica na decoração de Natal? Escolhe almofadas com padrões mais neutros – como estrelas, azevinho, flocos de neve – ou então não resista às fronhas com a imagem do Pai Natal, às suas renas e aos bonecos de neve… dá um toque natalício aos sofás, cadeirões e camas lá de casa!

 

5 – Velas

Independente da cor ou do tamanho, acende todas as velas que tiveres: vais elevar instantaneamente qualquer decoração de Natal, criando um ambiente aconchegante que respira espírito natalício. Se estas forem perfumadas, com um aroma reminiscente da época, melhor ainda!

 

6 – Jarras de doces

Escolhe 3 ou 4 jarras de vidro de diferentes tamanhos e formatos, com ou sem tampa, e enche-os com frutos secos, rebuçados, chocolates e outras guloseimas de Natal. Expõe esta doce coleção sobre a lareira, a consola do hall de entrada ou na bancada da cozinha para uma decoração de Natal irresistível!

 

7 – Mesa de Natal

Atenção aos pormenores, pois são eles que irão tornar a mesa da ceia de Natal mais apelativa e mágica. Usa elementos decorativos, marcadores personalizados, guardanapos e lenços, toalhas com padrões elegantes e charmosos… Ah! Sabes aquele lindo e sofisticado serviço de mesa que utilizas apenas em momentos especiais? Chegou a hora de usá-los, mas de forma mais ousada, como por exemplo, combiná-los com o uso de outras cores além do verde e vermelho.

 

8 – Centros de mesa

Uma das decorações mais populares na época natalícia são os centros de mesa e não estamos a falar apenas daqueles que enfeitam a mesa de jantar na noite da ceia. Existe uma enorme variedade de matérias-primas para elaborar simples e originais centros de mesa de Natal, que não vão querer esperar até ao dia 24 de Dezembro para serem exibidos! Aproveita os ornamentos que não colocaste na árvore e as velas, adiciona alguns ramos de pinheiro, pinhas, paus de canela, entre outros elementos e dá um toque natalício à mesa da sala, ao espaço sobre a lareira, à mesa da cozinha, à mesa da sala de jantar, à mesa do hall de entrada…

 

9 – Coroa de Natal

Tradicionalmente em forma de círculo – que significa eternidade – o costume de pendurar as coroas de Natal na porta de entrada da casa está relacionado com a crença de que este símbolo trará sorte e alegria no novo ano. Isso significa que são indispensáveis numa decoração de Natal! Para além de pendurar uma coroa na porta de entrada, pendura também nas portas dos quartos, nas escadas, janelas, lareiras… em diferentes lugares!

 

10 – Decoração de Natal por toda a casa

Há quem prefira concentrar a decoração de Natal num único espaço da casa, normalmente a sala de jantar ou de estar, mas também há quem goste de enfeitar a casa toda. Se tu és uma dessas pessoas, adiciona pequenos apontamentos natalícios em qualquer divisão: na casa de banho ou na cozinha, com têxteis-lar natalícios ou apenas nas cores tradicionais vermelho e verde, ímanes ou peças decorativas alusivas ao Natal, por exemplo.

Quartos de bebé: uma mão cheia de inspiração para criar um mundo de sonho!
sexta, 29 de novembro de 2019

A chegada de um bebé altera por completo a rotina numa casa. Os dias são mais ocupados, mas também mais felizes. Uma das partes mais apaixonantes é decorar o quarto do bebé. Em inglês, esta fase é conhecida como “nesting” que se pode traduzir por “preparar o ninho”. 

Embora os bebés permaneçam no quarto dos pais durante os primeiros meses de vida, não se pode dispensar um quarto para eles com tudo o que isso implica. Decorar um quarto de bebé deve ser uma tarefa pensada ao pormenor, pelos cuidados constantes de que ele precisa. Os móveis, as cores e a iluminação são elementos a considerar. Para além disso, e acima de tudo, deve ser aconchegante e funcional. 

Vamos deixar-lhe algumas sugestões para decorar o quarto do seu bebé. Tome nota!

1. Berço

berço é, por norma, o primeiro móvel a comprar e a peça central de um quarto de bebé. É lá que o bebé vai começar e acabar o dia e, se tudo correr bem, dormir umas sestas pelo meio.

Independentemente do estilo do berço, é fundamental que se tenha em conta a segurança do bebé. Sugerimos que procure um berço cujas partes laterais sejam amovíveis e ajustáveis. Estes berços oferecem uma maior comodidade aos pais e garantem a segurança do bebé. Se herdar um berço antigo, certifique-se de que a estrutura vai ao encontro dos princípios de segurança basilares. Hoje em dia, muitas marcas fabricam berços com materiais sustentáveis e tintas atóxicas, o que é uma mais-valia.

Procure, também, um colchão confortável com uma protecção impermeável e lençóis macios.

2. Cómodas, roupeiros e trocadores

Depois de escolhido o berço, pode começar a procurar uma cómoda para guardar a roupa do bebé, assim como um roupeiro, caso o quarto não tenha um embutido. Aconselhamo-lo a comprar divisórias para as gavetas, para manter tudo organizado. A linha SKUBB da IKEA é ideal para o efeito.

Para mudar as fraldas, é fundamental ter um trocador. Os trocadores têm prateleiras onde pode colocar os produtos de higiene, as fraldas, os toalhetes, as roupas que queira ter mais à mão, entre outras coisas. Actualmente, existem os trocadores anatómicos que proporcionam mais conforto ao bebé. Muitas vezes, o trocador de fraldas vem na mesma estrutura da cómoda ou do berço. Estes móveis polivalentes são práticos e ocupam menos espaço.

3. Cores, papéis de parede e iluminação

Um quarto de bebé deve ter um ambiente calmo e relaxante. Para isso, são fundamentais a paleta cromática e a iluminação.

No que toca às cores, diríamos que os tons neutros e pastel são os mais populares devido à serenidade que transmitem. Nos dias que correm, as pessoas já não se prendem tanto ao cliché de escolher o azul para meninos e o cor-de-rosa para meninas. Pode fazê-lo, como é óbvio, mas pode, também, explorar outros tons como, por exemplo, o bege e o cinza que são versáteis em todos os sentidos.

Outra forma de valorizar o ambiente é através de um papel de parede. Favoreça papéis de parede com padrões simples ou clássicos – como as riscas – para que não sobrecarreguem o espaço.

No que à iluminação concerne, privilegie luzes com temperatura de cor quente, em detrimento de luzes frias e brancas. As luzes alaranjadas e difusas são as mais adequadas para criar um ambiente de paz. Complemente o candeeiro de tecto com candeeiros de pé e de mesa e aposte num regulador de intensidade (dimmer).

4. Um quarto montessoriano

Método Montessori é-lhe familiar? Olhe que tem dado que falar nos últimos tempos! Trata-se de um método desenvolvido pela médica e pedagoga italiana Maria Montessori que se define pela importância dada à autonomia, liberdade e respeito pelo desenvolvimento natural das crianças.

Um quarto equipado e decorado segundo o método montessoriano deve ser funcional e estimular a aprendizagem da criança. Para que tal aconteça, é essencial que o ambiente seja simples, prático, que não tenha brinquedos em excesso e que os mais pequenos consigam aceder facilmente a tudo para que assim desenvolvam a sua autonomia. A ideia é criar um espaço fácil de ser explorado e que desperte a curiosidade dos mais novos, mas sem que a segurança seja comprometida.

É, também, crucial criar um espaço organizado onde os ambientes com propósitos distintos estejam bem definidos: zona para brincar, zona para ler, zona para dormir, e assim por diante. À medida que a criança cresce, vá ajustando o quarto às necessidade dela, incluindo outras áreas (de estudo, por exemplo).

Se está prestes a ter um bebé, então é possível que já lhe tenham oferecido inúmeros brinquedos. Não caia na tentação de os expor todos de uma vez. Organize-os por faixa etária e dê-os gradualmente ao seu filho.

5. Os detalhes contam

Depois de escolher o principal, debruce-se sobre os detalhes. São eles que personalizam os ambientes e que os tornam mais acolhedores. Tenha sempre em mente o mote menos é mais e escolha pormenores bonitos que não tornem o quarto demasiado pesado. As grinaldas de luz, os quadros, as casinhas de madeira na parede, as almofadas ou as bandeirolas são alguns dos elementos decorativos que podem fazer toda a diferença. Use-os com peso e medida.

6. Uma poltrona para garantir o conforto dos pais

Não se esqueça do seu próprio conforto e coloque uma poltrona no quarto do seu bebé. Vai passar muitas horas nesta divisão a brincar com ele, a embalá-lo, a adormecê-lo ou a alimentá-lo. Pode até apostar numa cadeira de baloiço para o acalmar naquelas noites mais difíceis.

7. Um decorador ou designer de interiores pode ajudá-lo

Se gostou destes projectos e acha que beneficiaria da ajuda de um decorador ou designer de interiores, escolha um que trabalhe na sua zona de residência.

Tudo sobre papel de parede – revestimento e decoração num só material
domingo, 24 de novembro de 2019

A história do papel de parede é antiga, muito antiga. Teve início na China, há mais de dois mil anos, e começou de forma modesta, feito de papel de arroz, usado provavelmente como forma de melhorar o isolamento das habitações. Mas rapidamente se perceberam as possibilidades do conceito, e os materiais tornaram-se mais resistentes, embelezados com diversas técnicas para aumentar o seu potencial decorativo.

À Europa o papel de parede chegou no século XVI, pela mão dos árabes que tinham entrado em contacto com os chineses e aprendido a técnica de produção com eles. Rapidamente a sua utilização se disseminou, sobretudo entre as camadas mas abastadas da população, e os padrões chineses foram progressivamente substituídos por motivos ao gosto europeu.

De lá para cá muito evoluiu neste tipo de revestimento, sobretudo na metodologia de produção que se massificou. A sua utilização tem tido altos e baixos. No passado recente houve um período em que a utilização de papel de parede foi pouco expressiva, mas esse cenário mudou nos últimos tempos.

Actualmente o papel de parede é uma excelente opção de decoração, cheia de possibilidades e escolhas inovadoras, perfeito para quem gosta de decorações rápidas, fáceis e bem personalizadas.

Hoje na homify fala-se de papel de parede. Se gosta deste revestimento magnífico não pode perder!

Vantagens e desvantagens do papel de parede

Apesar do maravilhoso efeito que se pode obter com a aplicação de um simples papel de parede, a sua utilização pode trazer alguns contras, que se prendem especialmente com a humidade ambiente. É como tudo na vida, o papel de parede tem vantagens e desvantagens. Vamos conhecê-las:

 

Vantagens

  • Facilidade e rapidez de aplicação – poderá não ser assim para toda a gente, mas, com alguma experiência e jeito, a colocação de papel de parede é bastante rápida, simples e limpa. Se não sente confiança na sua capacidade para o fazer, aconselhamos a que contrate um dos nossos profissionais para ficar descansado.
  • Disfarça pequenas imperfeições na parede – não é válido para todas as imperfeições, pois defeitos maiores vão notar-se, mas pequenos buracos tapados ou rachaduras superficiais desaparecem sem necessidade de grandes obras de reparação.
  • Tem boa durabilidade com baixa manutenção – provavelmente saberá que o papel de parede de boa qualidade tem uma excelente durabilidade, podendo durar inclusivamente mais do que a pintura, que tem de ser renovada a cada cinco anos, em média.
  • Laváveis – esta é uma vantagem que se obtém escolhendo o papel de parede certo. Actualmente a maior parte destes revestimentos é lavável (com um pano húmido), para permitir um cuidado mais fácil e uma maior durabilidade.
  • Torna os espaços mais acolhedores – apesar de não ser a sua principal função, o papel de parede proporciona algum isolamento, o que acaba por tornar os ambientes mais acolhedores.
  • Torna os espaços mais modernos – a facilidade de aplicação e remoção facilita a manutenção dos espaços nas últimas tendências da moda em padrões e cores.

 

Desvantagens

  • A remoção pode não ser tão fácil como antecipámos – apesar de não ser uma ciência complicada, a remoção do papel de parede pode implicar bastante trabalho, ferramentas apropriadas e produtos especializados. Também não é aconselhável colocar o novo papel de parede sobre o anterior.
  • Pode ficar bastante caro – há muitos papéis de parede à venda no mercado, por isso esta desvantagem pode não acontecer consigo, mas os produtos mais exclusivos e sofisticados podem ter preços realmente proibitivos.
  • Fragilidade face à humidade – a maior parte dos papéis de parede são frágeis à forte humidade e não devem ser instalados em áreas como casas de banho ou cozinhas. Felizmente actualmente há vários materiais com acabamento semelhante ao papel de parede, de que falaremos adiante, que já resistem bem à humidade, ajudando a ultrapassar esta limitação.

Os materiais

Há muito que o papel de parede deixou de ser apenas papel! Nos nossos dias este revestimento apresenta-se fabricado em vários materiais, cada um com características diferentes, alguns efectivamente resistentes à humidade. Vamos conhecê-los:

  1. Papel de parede em tecido – este papel de parede é na realidade fabricado em tecido não tecido: uma mistura de fibras de celulose e têxtil que proporciona um acabamento com uma textura semelhante à do tecido. Este material permite que o papel de parede seja lavável com pano ou esponja macia molhada e detergente neutro, sem esfregar, e passível de aplicação em ambiente húmidos. A sua característica mais marcante é que pode ser reutilizado se for removido por inteiro com muito cuidado.
  2. Papel de parede em vinil - este material tem uma base de celulose que é impressa em tinta vinílica e finalizada com uma camada de PVC. O vinil parede, como por vezes é chamado, é o mais resistente dos materiais de papel de parede (que acaba por ter pouco de papel). Pode ser lavado com esponja humedecida e detergente e é muito resistente à humidade, ao calor e à luz solar. Também é um material ecológico, que pode ser reciclado, e é muito fácil de remover. Têm textura e são ligeiramente mais grossos do que os outros papéis de parede. Por todas estas vantagens, o vinil parede é o papel de parede mais indicado para áreas muito húmidas como cozinhas e casas de banho, sobretudo em zonas próximas à janela.
  3. Papel de parede vinilizado – difere do vinil parede por não possuir o acabamento em PVC sobre a impressão, tornando-se mais frágil. Não possui textura, mas é mais fino e pode ficar mais barato, sendo uma hipótese muito boa para um hall de entrada ou como papel de parede para sala.
  4. Papel de parede adesivo – os autocolantes ou murais de parede podem não ser considerados como papel de parede, mas o seu princípio é o mesmo. Este revestimento é fabricado em vinil com aplicação de uma camada de cola na face de contacto. Este material sintético tem uma textura plástica devido ao PVC, apresentando características tanto do papel de parede vinílico como do vinilizado.

Como colocar papel de parede

Os métodos de aplicação dos papéis de parede variam com diferentes materiais, mas acabam por ser semelhantes em alguns pontos, com uma metodologia aproximada à que lhe descrevemos aqui.

 

Materiais:

  • Tesoura e X-acto;
  • Lâmina de revestimento;
  • Esponja, trincha grande, rolo de juntas;
  • Régua de dois metros e fita métrica;
  • Nível de prumo;
  • Cola e balde para a cola;
  • Escadote.

 

Procedimento

  • Prepare as superfícies, garantindo que estão completamente limpas e sem imperfeições com relevo. Repare os danos mais profundos e lixe as superfícies de forma a que fiquem sem protuberâncias;
  • Meça bem a área onde será aplicado o papel de parede para poder cortar o material nas dimensões necessárias. Deixe cerca de 10 cm na parte de cima e de baixo para ter uma margem de erro;
  • Se o papel de parede não tiver autocolante deve misturar a cola em pó com a água num balde seguindo as instruções da embalagem da cola.
  • Aplique a cola com abundância do centro do papel para as extremidades com o rolo;
  • Comece a aplicar a partir do tecto, colocando a ponta do papel de parede no canto e partindo daí ara baixo;
  • Usar um pano seco vai auxiliar o processo de colagem e evitar que se formem bolhas no decorrer do processo.
  • Cole cuidadosamente até ao chão, verificando o posicionamento;
  • Repita o processo com o restante papel até preencher a área totalmente;
  • Se formar bolhas de ar deve furá-las com um alfinete e passar a espátula na área até desaparecer;
  • Passe o pano seco por cima para verificar a inexistência de imperfeições;
  • Use a espátula para demarcar bem o início e fim do papel de parede e corte o excesso do papel com o X-acto.
  • Puxe o excesso com cuidado.

O papel de parede certo para cada espaço

A escolha do papel de parede certo irá fazer toda a diferença no sucesso do seu projecto de design de interiores.

Para a cozinha deve sempre escolher vinil, mas no que respeita à temática as opções são vastas. Há papel de parede que imita muito bem azulejos, ou com dizeres interessantes que vão dar um ar descontraído e moderno à sua cozinha.

O papel de parede para sala deve ser mais refinado e elegante, com motivos geométricos e florais. As riscas também funcionam muito bem para estes espaços, sobretudo em tons neutros. Este princípio pode ser também utilizado no papel de parede para quarto.

O papel de parede infantil deve ser divertido, alegre e luminoso. Pode combinar padrões diferentes, desenhos e bonecos, com paredes lisas para maior leveza.

Onde comprar papel de parede

As lojas de decoração continuam a ser locais privilegiados para comprar papel de parede, mas a internet tem vindo a tornar-se um espaço de pesquisa onde pode encontrar um pouco de tudo sem esforço. Há literalmente milhares de sites onde pode encomendar o papel de parede dos seus sonhos, mas é preciso ter algum cuidado com as características dos materiais e com a possibilidade de devolução uma vez que não terá oportunidade de confirmar a imagem real com amostras, como nas lojas físicas. Os designers de interiores e decoradores têm acesso aos melhores fornecedores e conhecem bem os produtos, podendo ser uma mais-valia de grande peso, tanto na escolha como na encomenda.

Tapetes: o que considerar antes de comprar um?
sexta, 15 de novembro de 2019

O mobiliário não é o principal veículo para marcar a diferença num espaço. Esse papel pertence aos têxteis. Repare que pode, por exemplo, ter a sala já equipada com o sofá, a unidade de televisão e a mesa de centro, mas é quando começa a decorá-la com tapetes, cortinas ou almofadas que ela ganha realmente personalidade.

Os tapetes assumem uma função decorativa e de valorização do espaço. Para elevar a sua sala, os quartos ou até o hall de entrada, considere o uso de tapetes que se notabilizem pelo toque, pela cor ou pelos motivos que exibem.

Para além de os tapetes serem uma forma de expressão criativa, também tornam as divisões mais confortáveis. Afinal de contas, é muito mais agradável pisar uma superfície macia do que o chão frio, sobretudo no inverno. Em termos acústicos, são, igualmente, uma mais-valia, uma vez que amortecem os sons. Numa casa com crianças, têm um papel particularmente importante, na medida em que protegem as superfícies, tornando-as antiderrapantes.

1. O tamanho

É um erro crasso não se tirar medidas aquando da compra de um tapete. Na decoração, as proporções são essenciais para um resultado equilibrado e harmonioso. Tenha em conta as medidas da divisão em casa e dos móveis que nela existem para escolher um tapete que lhes seja proporcional. Um tapete que tape o chão todo ou quase todo não ficará bem, mas um demasiado pequeno acabará também por ficar estranho.

Numa sala de estar, o tapete deve ficar preso por baixo do sofá para se evitar acidentes. Além disso, deve ser deixado um espaço entre ele e o móvel da televisão. Tenha, ainda, em conta os outros elementos como as poltronas, as mesas de apoio laterais, os candeeiros de pé, e assim por diante.

Um truque que pode aplicar é marcar os limites do tapete, no chão, com fita-cola normal ou de pintor. Assim, conseguirá ter uma noção mais realista em relação ao espaço que ele vai ocupar.

2. O estilo

O tapete pode ir ao encontro do estilo da sua sala ou surgir como um elemento contrastante. Não é incomum vermos um ambiente moderno e clean com um tapete persa ou um tapete de arraiolos, por exemplo, a trazer um toque diferenciador à atmosfera.

Se não quiser arriscar, seguir o estilo do espaço é o mais fácil para afunilar o leque de escolhas. Seja como for, o tapete deve ter alguma ligação com o ambiente para não destoar totalmente.

3. As cores

O estilo e as cores andam de mãos dadas. Geralmente, os tapetes modernos têm tons sóbrios, mas os tapetes persas ou de arraiolos, já acima mencionados, notabilizam-se pelos padrões coloridos e vibrantes. Na decoração, tende-se a apostar em tons claros quando se pretende melhorar a percepção visual que se tem de um espaço, pelo que uma cor clara será sempre uma boa opção para uma área pequena. Já num espaço amplo, pode-se apostar em tonalidades mais escuras ou saturadas. Se não pretende trocar de tapete tão cedo e quer uma peça que dê com tudo, sugerimos que favoreça um com uma cor neutra e um tapete sem padrões (ou com um padrão simples).

4. A utilização que é dada ao espaço

Quando se escolhe um tapete, nem sempre se pensa na utilização que vai ser dada ao espaço, mas deve-se pesar este ponto, nomeadamente se a área vai ser usada por crianças pequenas (que sujam e passam muito tempo a brincar sobre o tapete) e animais de estimação. Neste caso, os tapetes de sisal são uma boa opção visto que são duráveis, fáceis de limpar e de manter, apesar de não serem imunes à água e à humidade. Os tapetes de sisal enquadram-se em espaços de diferentes estilos, embora apareçam mais em ambientes de estilo escandinavo, rústico, mediterrânico ou campestre.

5. O formato

Como sabemos, há tapetes de vários formatos. Podem ser rectangulares, quadrados, redondos e não só! O formato do tapete deverá ser escolhido tendo em conta o do próprio espaço onde ele vai ser inserido e aquilo que se quer pôr em destaque. Um tapete redondo, por exemplo, é uma excelente opção para dar ênfase a uma mesa redonda.

À semelhança dos tapetes redondos, os tapetes quadrados também ficam bem a fazer par com elementos do mesmo formato ou em salas quadradas. Por sua vez, os tapetes rectangulares são os mais tradicionais, aparecendo em áreas amplas ou quando se quer que determinado espaço pareça mais longo.

6. Planos futuros

Está a pensar mudar-se a curto ou a médio-prazo? Então, é melhor esperar pela mudança para investir num tapete de qualidade. Se comprar antes, corre o risco de o tapete não caber no novo espaço. Tenha, também, em conta os seus planos futuros em relação à família. Os casais que estão a pensar começar construir família devem planear a decoração em função desse objectivo. As casas onde existem bebés ou crianças pequenas devem ser preparadas para o efeito.

7. As tendências

Seguir ou não tendências: eis a questão. Na homify, estamos, claro está, atentos às tendências que, todos os anos, surgem em catadupa. Acompanhá-las é oportuno para tirar ideias e dar um novo élan à decoração, mas não deve ser vítima delas. Encare-as com equilíbrio e adopte apenas aquelas de que realmente gosta e que acha que não o vão cansar rapidamente. Como é óbvio, pode, de quando em vez, sair da sua zona de conforto e arriscar um bocadinho, mas, tendo em conta que os tapetes não costumam ser baratos, é importante haver alguma ponderação.

Uma das tendências mais marcantes no que toca ao uso de tapetes é a sobreposição dos mesmos. Pode-se sobrepor mais de dois ou optar, por exemplo, por colocar um tapete de sisal ou de juta por baixo e um tapete colorido e mais pequeno por cima. Esta tendência é particularmente forte no estilo boho.

5 truques infalíveis para manter a casa sempre limpa
segunda, 11 de novembro de 2019

Todos sabemos a dificuldade que é manter uma casa limpa e organizada. O trabalho absorve-nos grande parte do tempo e no pouco que sobra não apetece nada andar em limpezas, queremos passá-lo em actividades de lazer. Mas é impossível viver bem numa casa suja e desarrumada, por isso é fundamental encontrar um equilíbrio!

No quotidiano há truques que pode utilizar para manter a sua casa no ponto certo, só precisa de os descobrir (ou redescobrir). Para lhe dar um empurrãozinho, no bom sentido, hoje a homify seleccionou para si alguns conselhos que o podem realmente ajudar a manter o seu lar organizado e a conseguir alguns momentos de precioso descanso na correria do dia-a-dia. Venha conhecê-los!

1 – Estabeleça uma rotina e mantenha-a

A rotina é muito aborrecida, mas neste caso pode realmente salvar-lhe a vida!

Mantenha uma rotina de limpeza geral periódica. Não precisa de ser semanal, nem precisa de ser como outras pessoas fazem, pode ser adaptada ao seu caso, mas tem mesmo de existir.

Esse trabalho periódico e rotineiro vai impedir que a desarrumação e a sujidade tomem conta do lar, facilitando as tarefas.

Tome como exemplo o exaustor da cozinha. A limpeza deste equipamento deve ser feita semanalmente, de quinze em quinze dias, ou com uma periodicidade mais alargada, se cozinhar pouco em casa. Se fizer essa limpeza periodicamente ela é só aborrecida, mas se deixar acumular gordura no exaustor ela torna-se realmente muito difícil! E lembre-se de que mesmo que use pouco o exaustor a sujidade seca com o tempo e torna-se num pesadelo de limpeza.

Este é só um exemplo, mas funciona para toda a casa. Quanto mais acumular mais difícil se torna reverter a situação.

2 – Não adie, vá limpando

Aqui não entra a periodicidade e a rotina, mas sim o improviso. A ideia é ir limpando o que se suja à medida que se vai utilizando, evitando acumulações. São apenas acções rápidas e imediatas, mas que podem poupar-lhe tempo e trabalho posterior.

Resistir à tentação de deixar a loiça suja para o dia seguinte. Recolher os resíduos à medida que eles são gerados. Limpar de imediato salpicos e derrames de comida, seja durante o cozinhado sobre o fogão, na despensa ou no frigorífico. Colocar a roupa suja no cesto e não o deixar transbordar. Arrumar as cadeiras antes de ir dormir (um aspecto muito importante para assegurar a segurança dos habitantes em caso de emergência nocturna).

Estes são apenas alguns exemplos daquilo que não deve deixar para depois.

3 – Aproveite as oportunidades

Mantenha alguns produtos de limpeza em lugares estratégicos e incorpore algumas limpezas em tarefas quotidianas.

Por exemplo, aproveite a hora do banho para limpar a banheira ou uma ida ao vaso sanitário para dar aquela limpeza mais caprichada.

Fez a barba e o lavatório ficou cheio de pêlos? Aproveite que os vai retirar e use uma toalhita de limpeza para casas de banho.

Está na hora de escolher a toilette do dia seguinte? Aproveite e dobre algumas roupas para arrumar. A ideia é aproveitar as rotinas para incorporar limpezas que ajudem à manutenção da casa.

4 – Evite acumular

Todos adoramos decoração! Aliás, a decoração é um dos pontos mais fortes que a homify tem para lhe oferecer. Mas decoração não implica acumulação!

Se não tem tempo a perder, nem apetência para as limpezas exaustivas, deve escolher criteriosamente os acessórios decorativos para a sua casa, evitando exageros e livrando-se de tudo o que não tem um significado profundo ou um propósito estético específico. Lembre-se de que é importante encontrar o seu equilíbrio entre personalização e funcionalidade!

5 – Crie sistemas de arrumação

Para acabar este pequeno conjunto de dicas sugerimos-lhe que crie sistemas de arrumação à sua medida. Isto tanto pode significar um maravilhoso armário na entrada ou simplesmente prateleiras para organizar.

Na cozinha, no quarto, no hall de entrada… A aplicação de sistemas de arrumação específicos para a sua realidade vai ajudá-lo a manter cada coisa no seu lugar.

Quer ideias concretas? Uma excelente é arrumar tudo em caixas de plástico, laváveis, devidamente etiquetadas. Pode utilizar as etiquetas para estabelecer as localizações de tudo, desde os utensílios de cozinha até a roupa de inverno armazenada.

6 ideias geniais para organizar os armários da cozinha
sábado, 02 de novembro de 2019

A arrumação da nossa cozinha é um processo que nos atormenta muitas vezes, porque não sabemos gerir o espaço e toda a tralha que por lá acumulamos. Mas será que é assim tão difícil? Será que não existem alternativas práticas para arrumar a nossa cozinha? Pois bem, para ajudá-lo nesta tarefa, a homify decidiu partilhar consigo umas dicas geniais para organizar os armários da sua cozinha.

Ideias simples e práticas que irão facilitar a sua vida, mas sobretudo o seu dia-a-dia. Acabou-se aquele stress para encontrar aquela travessa ou a farinha.

Acompanhe-nos e tome nota!

1. Limpeza!

Acumular para quê? Ter em excesso para quê? Para nada!

Vamos aproveitar o movimento Marie Kondo (especialista em organização pessoal) para fazer uma seleção dos produtos e utensílios úteis que temos na nossa cozinha. A ideia de Kondo consiste em reunir todos os itens por categoria, e manter apenas as coisas que possam despertar alegria (ときめく tokimeku, palavra em japonês que pode ser traduzida como palpitar). Mas atenção porque deve escolher um lugar adequado para os itens mantidos.

Para o fazer, tire tudo fora! Verifique os prazos de validade: o que já tiver passado a data, ponha fora. O que não quiser mais ou não tiver utilidade deve colocar num saco para doar. Por fim, reúne os utensílios por categoria e coloque-os nos armários de forma organizada. Para uma melhor organização pode colocar certos alimentos em frascos ou caixas (transparentes de preferência).

Dica: pode até recuperar frascos, em vidro, de alimentos já terminados, para colocar farinha, açúcar, leguminosas, massas, etc. Vai ver que assim os seus armários terão uma aparência mais clean e será mais fácil encontrar os produtos. Pode, ainda, etiquetar todos estes frascos, com o nome e respetivo prazo de validade.

Irá perder uma hora ou duas de um dia, mas no final irá compensar imenso. Experimente!

2. Prateleiras

Quando o espaço nos armários já é escasso, pode colocar uma ou outra prateleira na parede da cozinha. Além de decorativas, são práticas, para colocar algumas loiças (pratos, taças, copos, etc.), mas também, alguns frascos alimentares, com massas, frutos secos, cereais, biscoitos ou leguminosas. A cozinha fica arrumada e decorada!

Na parede também pode colocar uns suportes de parede, para colocar alguns utensílios de cozinha, especiarias, entre outros.

3. Arrumar os alimentos corretamente

Para arrumar os diferentes tipos de alimentos há que distingui-los: legumes, produtos lácteos, carnes e produtos que necessitam de ser mantidos refrigerados, alimentos como massas e enlatados poderão ser colocados noutro lugar. Perto da bancada, coloque os alimentos básicos.

Arrume numa caixa a pimenta, azeite, sal, vinagre, óleo… Uma outra caixa é reservada ao lado mais doce, como o café, chá ou açúcar. A farinha, as massas, o arroz, as leguminosas ou os cereais também são colocados perto da bancada, porque são produtos que têm de ficar mais à mão.

Os enlatados, biscoitos, bebidas e leites podem ficar num lugar mais longe do plano de trabalho, uma vez que não necessita sempre deles.

4. Arrumar os talheres

Compre um separador de talheres que lhe permite ter facas de cozinha, garfos, colheres de sopa e de sobremesa separados.

Noutra gaveta tenha os outros utensílios, como facas, conchas, tesouras, coador, ralador, etc. No mercado, também, encontrará separadores para organizá-los da melhor maneira. Se não encontrar um à medida da sua gaveta, pode sempre aventurar-se num DIY (Did It Yourself), com uns pequenos pedaços de madeira.

Nota: se quiser pode sempre optar por uma barra magnética ou um suporte, como referimos no ponto 2.

5. Usar caixas para tudo

Se o espaço da sua cozinha for escasso, use várias caixas para separar produtos e itens por categoria. Uma vez mais reforçamos a ideia de manter apenas o que precisa e de não acumular. Compre apenas quando os produtos estiverem a terminar. Crie listas para ajudá-lo nesta organização.

Dica: mantenha tudo no lugar depois da utilização, pois vai ver que a sua cozinha estará sempre arrumada e organizada.

6. Tire partido de cada canto

Pode tirar um máximo proveito dos espaços dos seus armários. Por exemplo, ganchos autocolantes no interior das portas, cabide para portas ou uma estante adicional, de modo a tirar proveito da altura dos móveis.

7 modelos diferentes de bancos altos para cozinha
sábado, 26 de outubro de 2019

As barras e as ilhas de cozinha estão na ordem do dia, conferem um design incrível ao espaço e são muito práticas no nosso dia-a-dia. Mas para complementá-las e usá-las como deve ser, não podemos prescindir de uns bancos altos. A quantidade que iremos escolher dependerá do tamanho da ilha ou da barra de cozinha. Poderá ser apenas um, mas também dois, três ou até quatro, geralmente, não temos muito mais do que isso. Porquê? Pelo simples facto que uma barra ou ilha de cozinha é como uma mesa de apoio, para conviver ou tomar uma refeição mais rápida, por isso, quando o número de pessoas já é elevado é preferível usar a mesa de jantar.

Depois de definir a quantidade necessária de bancos altos para cozinha, há que pensar no design e na cor que preferimos. Com encosto ou sem? Estofados ou não? Escuros ou claros? Madeira, polimérico ou de pele? Fixos ou giratórios? Enfim, há uma série de questões a ter em conta. Neste sentido, para ajudá-lo reunimos umas quantas opções. Venha daí descobri-las!

1. Bancos altos simples e discretos

Optar por bancos altos sem encosto é bastante prático para deixá-los arrumados e discretos na sua cozinha. Ficam por baixo da mesa ou da ilha da cozinha e não ocupam o caminho.

Pode optar por uma cor similar à ilha da cozinha ou uma cor oposta, desde que se enquadre com o restante ambiente. A ideia é deixar o ambiente uniforme e harmonioso esteticamente.

2. Design do futuro

Este modelo de banco alto é como que fixo ao chão, o que permite uma grande estabilidade e segurança. Além disso, apresenta um pequeno encosto para as costas, tornando-se mais ergonómico.

Aproveita-se também o espaço inferior da barra de cozinha, de modo a colocar lá os bancos.

3. Minimalistas

Como referíamos na introdução, há modelos de bancos altos para todos os gostos e feitios. O mais difícil será decidir qual, mas tenha sempre em conta o design da sua cozinha, para criar um ambiente harmonioso e bonito.

Por exemplo, se tiver uma cozinha minimalista, com linhas simples e depuradas, bancos altos com uma estrutura fina e assento branco serão ideais.

4. Bancos altos estofados

Para maximizar o seu conforto e o dos seus convidados opte por um banco alto estofado. Mas atenção: é importante escolher um revestimento que seja lavável ou que possa ser removido para ir à máquina de lavar roupa. Como deve imaginar há riscos de manchas em bancos altos de cozinha!

5. A cor dos bancos altos

A opção da cor dos bancos altos recai no design da sua cozinha, mas também no seu gosto pessoal. Gosta de ambientes mais coloridos ou neutros? Quer tudo discreto ou salpicar um pouco de cor no espaço? O tecido do banco é removível ou não? Esta última questão é pertinente, pois se a forra do banco for removível pode trocá-la quando quiser, e escolher uma nova cor para mudar a decoração da sua cozinha.

6. Acrílico transparente

Os bancos altos em acrílico são muito comuns nas cozinhas dos portugueses, por ser uma opção versátil, prática e discreta. Além disso, são fáceis de limpar e são confortáveis.

Existem várias cores de acrílico, sendo que uma vez mais irá depender da cor da sua cozinha e do seu gosto pessoal.

7. Giratórios

Há bancos altos que giram em 180º ou 360º. Um detalhe que pode fazer diferença na sua tomada de decisão, nomeadamente se o banco alto da cozinha partilhar espaço com a sala de estar. É uma forma de estar mais facilmente em contacto.

6 formas inteligentes de usar estantes na nossa casa
sexta, 18 de outubro de 2019

Precisamos, muitas vezes, de arrumação extra na nossa casa. Neste caso, a melhor solução é apostar numa peça incontornável, tal como a estante! Tanto pode ser uma solução decorativa, como uma peça útil de mobiliário para um interior mais contemporâneo.

Mas quais são os aspetos a ter em conta, quando se escolhe uma estante? Em primeiro lugar é o material. A madeira está entre os materiais mais comuns. Além disso, proporciona calor e conforto aos espaços. Contudo, se o interior da sua casa for mais elegante, também pode optar por uma estante de vidro. As vantagens deste material são diversas: é fácil de limpar e, além disso, combina com qualquer estilo de mobiliário. Se o seu interior for mais industrial ou vintage, a estante metálica ou em ferro também será uma solução estética, que complementará o toque retro da sua casa. Além disso, existem diferentes tipos de estantes. Por exemplo, modelos para CDs, para livros ou outros. De qualquer das formas, este tipo de mobiliário é prático, funcional e bastante versátil.

Neste artigo, iremos mostrar-lhe como pode usar estantes em todas as divisões da sua casa. Acompanhe-nos!

1. Estante à medida e embutida

Uma das formas mais elegantes e discretas de ter uma estante em nossa casa é criar um projeto à medida. Para tal, deverá consultar um profissional especializado na área do design de interiores ou até mesmo um carpinteiro. Desta forma, poderá criar uma estante à medida do seu espaço, mas sobretudo à medida das suas expetativas. Tamanho, quantidade de prateleiras, tipo de acabamento e cor são alguns dos detalhes que poderá escolher.

Até pode criar uma estante embutida, sendo que esta poderá ser criada com a ajuda de paredes em pladur ou dentro de um nicho da sua sala de estar, casa de banho ou quarto. É uma forma eficaz de preencher um vão perdido, pois como sabe nem sempre encontramos o móvel à medida.

2. Estante simples

O mercado apresenta uma vasta oferta de estantes para salas, quartos, escritórios, cozinhas, casas de banho ou entradas. Até porque alguns modelos adaptam-se às mais diversas divisões. Estas peças de mobiliário montam-se facilmente e colocam-se contra uma parede ou a dividir um espaço. Mas atenção que algumas estantes precisam de ser fixas à parede.

O preço das estantes é também abrangente, sendo que há opções para todas as carteiras. O tipo de acabamento, o material ou a marca do produto irão ditar o valor final. Por isso, faça uma visita a várias lojas físicas e analise, também, o mercado online, pois é uma forma fácil de aceder a todos os detalhes sem grandes incómodos.

Antes de escolher o material da sua estante, pense no estilo que tem em sua casa. Moderno? Minimalista? Eclético? Clássico? Escandinavo? Industrial? Enfim, há estantes para todos os estilos e gostos. Por exemplo, opte por uma estante de madeira para um estilo mais escandinavo, minimalista ou moderno. Enquanto as estantes metálicas ficarão melhor num estilo eclético ou industrial.

3. Estante no escritório

Uma peça incontornável a ter num escritório para além da secretária é, sem dúvida, a estante. Porquê? Pela simples razão que é um móvel de fácil acesso e que deixa visível os livros e a documentação.

Por isso, coloque sempre uma estante no seu escritório, mesmo que seja num modelo pequeno. O espaço fica mais arejado, além de permitir colocar alguns itens decorativos.

4. Estante a dividir espaços

Se precisar de separar uma divisão, tal como um quarto, uma cozinha ou uma sala, mas não souber como fazê-lo deve considerar esta solução: separar com uma estante.

É uma ideia prática, que não requer obras, nem grandes custos. Além disso, a estante não irá quebrar a luz, nem isolar por completo os ambientes, graças às várias aberturas. Pode optar por uma estante à medida ou por módulos pré-fabricados.

A estante pode ser alta (até ao teto) ou baixa (mais ou menos metade da parede). Tudo depende da forma como pretende dividir os ambientes.

Que espaços dividir? Quarto +escritório; quarto + espaço de brincar; Sala de estar + cozinha + escritório; sala + cozinha; sala + escritório; hall de entrada + sala; etc.

5. Estante na cozinha para ter tudo à mão

As cozinhas com estantes são para quem gosta de ter tudo à mão, mas sobretudo para quem mantém tudo religiosamente impecável. Não vamos negar, uma estante na cozinha tanto pode ser uma boa opção, como não. Pois se não soubermos escolher as peças perfeitas para deixar à vista e não mantivermos algum ritual de arrumação, vale mais optar por uma arrumação fechada.

6. Estante para closet

Esta solução é sempre bem-vinda, não é verdade?

Crie um pequeno (ou grande) closet com estantes, no quarto ou noutra divisão da sua casa. Escolha vários tipos de prateleiras para os diversos tipos de arrumação (camisolas, casacos, calças, t-shirts, entre outros).

Mediante o seu projeto e o orçamento de que dispõe, pode optar por uma estante ou várias estantes à medida ou pré-fabricadas. Geralmente, as estantes de madeira são as mais usadas para um projeto assim.

As estantes são uma alternativa moderna e prática aos tradicionais roupeiros.

Como criar um quarto Montessoriano para o seu filho?
sexta, 11 de outubro de 2019

Para Maria Montessori, não se trata de abandonar um filho a si mesmo, para que faça o que ele quer, mas sim prepará-lo para um ambiente onde possa agir livremente.

Esta médica italiana dedicou toda a sua vida à educação das crianças, ao seu desenvolvimento físico e espiritual. Para ela, entre o nascimento e a idade dos seis anos, a criança aprenderia mais do que um jovem adulto durante a sua vida universitária.

Assim, podemo-nos inspirar no método Montessori para organizar a nossa casa e, em particular, o quarto do nosso filho. Este deverá ser sóbrio, estético e bem cuidado. Mas acima de tudo terá que ser bem organizado, tendo em conta os diferentes espaços, que irão evoluir com a idade da criança. Resumidamente, um quarto Montessori é, essencialmente, um espaço do tamanho da criança, para que tenha acesso ao que a envolve, mas sempre com segurança, claro.

Neste artigo, a homify promete partilhar consigo todas as dicas para criar um quarto Montessori ao seu herdeiro. Afinal, este tipo de pedagogia nunca esteve tanto na boca do mundo!

Venha saber mais…

1. O que é um quarto Montessori?

Organizar o quarto de um filho é sempre um momento de alegria para os pais. O método Montessori recomenda tornar o quarto num espaço agradável com decorações simples, mas pensadas para o desenvolvimento da criança. Pode ser a partir de qualquer idade, mas o ideal é criar logo um quarto Montessoriano para bebé.

É aconselhável optar por uma divisão silenciosa, se possível, para proporcionar uma sensação de segurança. A atmosfera do espaço deve ser calma e relaxada, a decoração refinada e simples. A escolha de objetos também é muito importante. Mas principalmente, tudo deve ser fácil de guardar e ao alcance da criança (brinquedos, acessórios…). Ela deve ser capaz de se mover, rolar, levantar a cabeça, num espaço adequado, sem obstáculos no seu caminho. O objetivo é torná-la autónoma o mais cedo possível, sem que seja necessária muita intervenção dos pais.

O seu filho torna-se, assim, o ator do seu próprio ambiente. No fundo, devemos criar um quarto para miúdos e não para adultos.

Dica: pendure molduras com a sua fotografia ou da sua família para aprender a diferenciar os diferentes membros.

2. A cama Montessoriana

A ideia principal da pedagogia Montessori é de permitir que a criança tenha a oportunidade de se movimentar sozinha no quarto, por isso, deve existir uma cama que permita que a criança vá para a cama e saia dela sozinha. Neste caso, a melhor opção é uma cama que esteja quase ao nível do chão.

Além disso, este tipo de móvel permite que a criança tenha uma visão completa do seu quarto, que não está travada pelas barras do berço. Para a criança é algo de muito reconfortante.

Para evitar que a criança caia, especialmente quando é pequena, o ideal é colocar almofadas planas no chão (tenha cuidado, não use em bebés para evitar o risco de asfixia). Se não tiver carpete no chão, pode colocar um tapete ou vários cobertores para que as quedas sejam mais suaves.

3. Como organizar os brinquedos num quarto Montessoriano?

É interessante que os livros estejam ao alcance da criança para que seja encorajada a consultá-los.

Os brinquedos também, é claro, devem estar acessíveis para evitar que a criança peça ajuda dos seus pais.

No entanto, evitamos, tanto quanto possível, aquelas caixas onde se colocam todos os brinquedos no monte e que não ficam valorizados, porque não dão vontade às crianças e dificultam a sua diferenciação.

Prefira a organização em caixas, cestas ou gavetas transparentes. Para melhorar a organização, coloque cada tipo de brinquedo numa caixa (instrumentos musicais, legos, alimentação, carros, etc. em caixas separadas), assim a criança fica mais animada e concentra-se melhor numa atividade.

Pode parecer curioso, mas as crianças gostam que tudo tenha o seu lugar – é uma forma de ensiná-las a arrumar e, sobretudo, a serem pessoas organizadas.

Tome nota das nossas duas dicas parra arrumar brinquedos:

  • Evite caixas muito opacas e fechadas, é necessário que a criança veja os brinquedos disponíveis. As caixas abertas são as preferidas, até pode colar uma foto do tipo de brinquedo em frente à caixa.
  • Não coloque todos os brinquedos à disposição ao mesmo tempo. Prefira mais ou menos 4 caixas, dependendo da idade e do temperamento da criança. Assim, estará a promover a descoberta e a autonomia. De facto, ao colocar todos os brinquedos à sua disposição, o seu filho corre o risco de pegá-los todos ao mesmo tempo, mudando de um para o outro em poucos segundos, sem nunca se concentrar numa única atividade. Além disso, fica tudo mais desarrumado e é um stress também para si!

3. O guarda-roupa montessoriano

Quando a criança tiver idade suficiente para escolher as suas roupas e vestir-se sozinha, certifique-se de que as roupas estejam acessíveis e visíveis. É uma forma de dar mais autonomia e segurança à criança. Se não ficou com o outfit perfeito, do seu ponto de vista, para ela estará e é o mais importante, porque promove a auto-confiança.

Além disso, irá poupar o seu tempo todas as manhãs!

4. Que outras dicas devo ter em conta para um quarto Montessoriano de sucesso?

No quarto Montessoriano do seu filho pode, também, apostar no seguinte:

  • Um espelho: é um clássico no layout de um espaço Montessori. Promove a aprendizagem e a autonomia. Colocado horizontalmente, na parte inferior do chão, o espelho permite mil fantasias à criança quando é pequena. Também desenvolve a consciência da criança, à medida que se vai reconhecendo gradualmente. Desta forma, a criança gatinha e começa a brincar com a sua própria imagem. Quando crescer, o espelho pode ser posicionado na vertical, para ajudá-la a vestir-se.
  • Uma poltrona: geralmente é escolhido em vime ou em baloiço, para um ambiente mais acolhedor e calmo. O mais importante é que esteja sempre posicionado no mesmo lugar do quarto, para que a criança tenha uma referência quando o adulto passar um momento de relaxe com ela. Muitas vezes, o cadeirão fica perto de uma estante de livros. Pode ser usado para alimentar o filho, para ler um livro ou para dar colo.

5. Que cuidados devo ter em termos de decoração?

Não nos podemos esquecer da decoração de quartos!

Em termos decorativos cada um faz como mais gostar, mas há duas coisas que devem ser evitadas:

  • Padrões enormes/desenhos nas paredes que tendem a distrair. Trabalhar com paredes muito marcadas não facilita a concentração de uma atividade.
  • As paredes escuras. Embora estejam muito na moda, o ambiente fica muito pesado e a criança precisa de um quarto luminoso, pois é mais relaxante e reconfortante. A madeira clara, a cor branca ou os tons pastel são excelentes alternativas para decorar o quarto de uma criança.
5 formas de manter a casa arrumada e limpa tendo animais de estimação
sábado, 05 de outubro de 2019

Não temos dúvidas que ter animais de estimação é um verdadeiro prazer e uma grande alegria, mas a presença deles cria uma série de restrições!

Então, como podemos aproveitar os nossos animais de estimação sem abrir mão do conforto de uma casa limpa?

De facto, sucumbimos rapidamente ao charme de um gatinho ou de um cachorro fofinho, mas verdade seja dita, os animais podem rapidamente pôr a casa do avesso. Por isso, a homify partilha, neste artigo, 5 formas de manter a sua casa arrumada e limpa, mesmo com animais de estimação em casa.

Tome nota e ponha-as em prática!

1. Atenção aos itens decorativos que compramos

Quando temos um animal doméstico temos que ter alguma cautela naquilo que compramos para a nossa casa, porque devemos escolher itens que sejam fáceis de limpar.

Por exemplo, se tiver tapetes ou outros objetos difíceis de limpar, não irá lavá-los com tanta regularidade, acumulando maus cheiros, bactérias e resíduos. No entanto, se escolher tapetes que possam facilmente ser lavados ou aspirados, não terá nenhum problema em manter a sua casa limpa.

2. Aspirar

Entre os pêlos que caem e as sujidades que ficam agarradas às patas e ao pêlo dos nossos amigos de quatro patas, a nossa casa fica mais caótica. Por isso, é conveniente aspirar a casa várias vezes por semana. Se não tiver tempo, opte por aqueles aspiradores robot. São um pequeno investimento, mas irão ajudá-lo imenso no dia-a-dia. Assim, só precisa de limpar mais a fundo uma vez por semana.

3. Abra a janela para uma casa limpa e arejada

Ventile cada divisão pelo menos 10 a 15 minutos por dia (a menos que as condições atmosféricas não o permitem) para evitar as poeiras, os cheiros e, também, para manter uma casa limpa.

Se os cheiros persistirem, acenda algumas velas aromatizadas, incensos ou outros sprays caseiros ou comprados no mercado.

????Dica: coloque uma colher de chá de bicarbonato de sódio e uma colher de sopa de vinagre branco num frasco de spray. Acrescente duas chávenas de água e mexa bem. Pulverize o ar, os sofás, os tapetes, as cortinas, etc.

4. Limpe as patas dos seus animais

Para manter o chão da sua casa limpo e higienizado, deve limpar as patas do seu animal doméstico assim que entrar, de forma a evitar que as sujidades da rua entrem no interior da sua casa.

Pode limpá-los com toalhetes de bebé ou com uma toalha velha húmida. Em dias de chuva, pode encher uma bacia com poucos centímetros de água e lavar as patas. Lembre-se de colocar uma toalha limpa por perto para poder secá-las.

De vez em quando, não se esqueça de dar um banho ao seu cão. Se não tiver tempo, nem paciência para isso, contrate profissionais especializados.

5. Comprar têxteis que possam ir à máquina de lavar roupa

Tanto os gatos como os cães adoram estar confortáveis e andar nas cadeiras e nos sofás. Mas o problema é que os tecidos absorvem imenso os cheiros!

Almofadas, toalhas de mesa, cortinas, capas de sofá… Enfim, escolha sempre tecidos que sejam laváveis na máquina de lavar roupa.

Esta dica fá-lo-á poupar muito tempo e permitirá que a sua sala tenha um cheiro mais fresco!

????Dica: compre uma capa para o seu sofá ou coloque uma mantinha que seja bonita e dentro das cores da sala.

7 ideias fáceis para deixar a sua sala muito mais charmosa
sexta, 27 de setembro de 2019

’Já não posso com a decoração da minha sala!’ ????

Estou cansado das mesmas cores, das mesmas coisas e disto e daquilo… ! ????

Gostava de ter uma sala igual a esta revista. ????

Enfim, quem nunca pensou assim, dê um passo em frente… É, de facto, inevitável, mais tarde ou mais cedo, ficarmos cansados da decoração da nossa sala e acabarmos sempre com vontade de mudar algo, para a tornar mais bonitinha.

Mas o que pode fazer, sem ter que gastar um salário nisto?! Ora bem, a homify reuniu 7 ideias mágicas, para ajudá-lo neste processo. Quer ver? Então acompanhe-nos! ????????

1. Aplicar decorações diferentes à parede

É importante assumir um estilo, de modo a criar um espaço pessoal, irreverente e cheio de carácter. Como tal, achamos que esta ideia seria perfeita e à sua medida. Em vez das tradicionais molduras com fotografias das férias e da praia ou de quadros de pintura, opte por colocar na sua parede peças inusitadas, como pratos. Pode encontrá-los em feiras, lojas de decoração ou até trazê-los da sua próxima viagem (Índia, Bali, Tailândia… ).

2. Mudar a organização da sala

Já pensou em mudar a posição dos móveis da sua sala? Por vezes, basta começar por aí. Basta trocar a posição do sofá, da secretária (se tiver), da mesa de centro, etc.

Um bom layout é meio caminho andado para uma sala charmosa, confortável e fisicamente prática. Nada como testar numa tarde de sábado. Alinha?

3. Dar outra função a certas peças

Temos que olhar para as peças com outros olhos, isto é, tentar perceber que outra função podem ter em nossa casa. Assim, tem uma peça diferente e uma sala com personalidade. Uma mala/baú serve perfeitamente como mesa de centro. Além disso, tem, também, a função de arrumação!

4. Um cadeirão, poltrona, banco, puff, banqueta…

Para complementar a área da sua sala de estar, pode comprar uma cadeira, poltrona ou banqueta. Além de definir melhor o espaço, obtém outro lugar sentado em casa.

Dica: o material em vime é muito tendência e funciona bem com qualquer estilo, proporcionando um ambiente caloroso.

5. Mudar almofadas

Basta mudar as almofadas do sofá para mudar tudo!! É verdade, parece tão básico, mas funciona mesmo. Há opções bem em conta em várias lojas do mercado e com menos de 50€ já faz a festa.

Mas atenção, tente escolher cores e padrões que tenham a ver com o ambiente da casa, de modo a criar harmonia no espaço. Faça uma simulação no photoshop ou com tecidos que tem em casa. Se comprar e não gostar, pode sempre trocar.

Nota: se precisar de ajudar profissional, não hesite em contratar um decorador ou designer de interiores.

6. Arrumar tudo com astúcia

Nada de deixar toda a tralha à vista, pois é meio caminho andado para uma sala caótica. Tente procurar soluções estéticas, práticas e baratas. Use cestas, para destralhar as suas prateleiras e móveis. O espaço ficará muito mais harmonioso, clean e ganhará do ponto de vista decorativo.

 

7. Plantas e flores fazem milagres

Um raminho de folhas, de flores ou uma planta traz uma lufada de ar fresco na sua sala. Até pode colocar mais do que uma.

Por exemplo: uma planta no móvel TV ou perto dele; um mini cacto na mesa de centro; uma planta perto do sofá… Experimente e vai ver que a sua sala ficará muito mais charmosa!

Qual destas 7 ideias foi a sua preferida? 

10 móveis que vai querer comprar este ano para sua casa!
sábado, 21 de setembro de 2019

Escolher móveis para a casa não é tarefa fácil. Por vezes, identificamo-nos com o design, mas o conforto deixa a desejar. Outras vezes há em que nos apaixonamos por determinada peça, mas ela não se harmoniza com a decoração do espaço onde a pensamos inserir. Pode, também, dar-se o caso de encontrarmos mobiliário super funcional e/ou confortável, mas não ficarmos especialmente seduzidos do ponto de vista estético.

O processo de escolha deve, por isso, ser ponderado para se conseguir fazer uma compra com uma boa relação qualidade/preço. Estar por dentro das tendências é uma ajuda, na medida em que as imagens que aparecem em revistas ou até nas páginas de redes sociais dedicadas a decoração nos podem ajudar a enquadrar os móveis no nosso próprio espaço.

Hoje, trazemos-lhe 10 peças de mobiliário que, por um motivo ou outro, devem ser consideradas para a sua casa. Venha saber quais são!

1. A chaise-longue

Nas civilizações grega, romana e egípcia, a chaise-longue já era utilizada – mas o formato que nos é mais familiar começou a ser desenvolvido entre os séculos XVII – XVIII, em França. Trata-se de uma peça de mobiliário muito elegante que é especialmente usada nas salas de estar, embora também possa ser integrada num quarto grande ou suíte e – por que não? – num escritório. Lembre-se, além do mais, que quando receber visitas, a chaise-longue ser-lhe-á útil para ter zonas de assento adicionais.

2. A cadeira de baloiço

Empreste um toque onírico à sua casa através da adição de uma cadeira de baloiço. Apesar de ser uma escolha muito pouco comum, nunca passa despercebida pela ideia de alegria e doçura que lhe está associada. Pode incorporá-la na sala, num quarto – as crianças adoram esta peça! – ou num jardim presa numa árvore. Valorize-a com uma almofada, p.ex..

3. O tamborete

Pequenos e, por norma, acessíveis, os tamboretes são tendência e cabem em qualquer recanto. São ideais para preencher um espaço vazio e para dar um toque especial a um projecto de decoração. Encontramo-los, não raras as vezes, sob as consolas – nos halls de entrada e não só – e há até quem os use como mesa de cabeceira.

4. Cadeiras em palhinha

As fibras naturais voltaram em força à decoração, tornando os espaços mais orgânicos. São uma boa escolha para ambientes eclécticos, rústicos, campestres, modernos ou minimalistas. Não lhes falta versatilidade.

5. A consola

Não podíamos deixar de incluir as consolas no nosso livro de ideias. Para além de práticas, são peças de mobiliário extremamente decorativas que, por serem pequenas, leves e estreitas, aparecem amiúde em halls de entrada, em corredores ou encostadas às costas dos sofás. Neste último caso, a consola deve ser um pouco mais baixa que as costas do sofá contra o qual está encostada ou, pelo menos, da mesma altura. Não compre uma sem, primeiro, tirar as medidas.

6. O aparador

Na mesma linha das consolas estão os aparadores. Numa sala de jantar, é uma peça importante para servir de apoio à mesa durante as refeições – pode ser usado para se pousarem bebidas, travessas, sobremesas, entre outras coisas – e para arrumação, sobretudo se tiver portas e gavetas.

7. Banqueta

Esta é mais uma daquelas peças de mobiliário de que nem sempre nos lembramos, mas que pode fazer toda a diferença. A banqueta pode ser colocada na entrada, no corredor, ao longo de uma qualquer parede despida ou aos pés de uma cama de casal.

8. Uma cama com cabeceira em tecido

Dormir bem é fundamental para a nossa saúde e bem-estar e uma cama confortável é meio caminho andado para que isso aconteça. As camas com cabeceiras suaves e acolchoadas são o epítome da elegância e da comodidade. Uma boa cama é, sem dúvida, um bom investimento.

9. Cadeiras Acapulco

As cadeiras Acapulco foram criadas em Acapulco, no México, na década de '50. Acapulco era um dos destinos turísticos mais populares do mundo para celebridades de Hollywood e políticos norte-americanos, entre eles Elizabeth Taylor, os Kennedy e o famoso Rat Pack. É curioso perceber que uma das peças de mobiliário mais famosas do momento já tem uma história de décadas e é agora tendência, tanto no interior como no exterior. Já tem a sua?

10. Uma mesa espelhada

Terminamos com uma bela sala de estar onde a protagonista é a requintada mesa de centro espelhada. Os móveis espelhados elevam qualquer que seja o espaço e são uma opção inteligente para ambientes pequenos já que as superfícies espelhadas levam a que fiquem como que camuflados. Se optar por uma peça espalhada, mantenha a decoração ao redor mais discreta para a peça poder sobressair.

Mesas de jantar - que tipos existem e como escolher
sexta, 13 de setembro de 2019

A mesa é a peça central na sua sala de jantar! À volta dela cresce o estilo da divisão – em cadeiras e acessórios, a combinar ou a contrastar – mas tendo-a sempre como ponto de partida. 

Por este motivo, a escolha da mesa de jantar é um assunto delicado, que deve ser bem pensado. Há literalmente milhares de designs e uma outra imensidão de materiais, sendo que cada um tem um impacto individual na estética e na funcionalidade do espaço. 

Que fazer? Como planear a escolha? Quer materiais há no mercado? Quais são as formas mais comuns? Que tamanho devo escolher? 

Estas e outras questões surgem no horizonte. Descubra todas as respostas aqui! 

1 – O que deve ter em consideração para a escolha 

As mesas de jantar têm um peso muito diferente das mesas de cozinha. Ao contrário das mesas de cozinha, que podem dar-se ao luxo de primarem mais pelo aspecto funcional, as mesas de jantar devem conjugar beleza e funcionalidade na perfeição, pois estão bem à vista de todos, família e convidados. 

Nos actuais conceitos de design de interiores as mesas de jantar ganham uma importância superior e a sua escolha reveste-se de cuidados especiais. A multifuncionalidade impõe-se e a integração de ambientes é uma constante. É normal as salas de jantar partilharem o espaço com a sala e vai-se tornando cada vez mais comum que o partilhem também com a cozinha, em abono da amplitude. Assim, na hora de comprar é preciso ter alguns pontos em consideração para evitar escolhas desastrosas que podem ter consequências em todo o ambiente. Vejamos: 

  • Espaço disponível 

Uma avaliação rigorosa do espaço disponível para a mesa impõe-se ainda antes da escolha do estilo. É fundamental determinar com exactidão as medidas do espaço, mas também perceber a sua conformação e como se interliga com as restantes funções no espaço. Uma mesa demasiado pequena pode fazer com que o ambiente fique um pouco desolado e pareça vazio. Uma mesa demasiado grande pode tornar o espaço impraticável por falta de vias de passagem adequadas, além de encolher visualmente a área. O ideal é que haja proporcionalidade, deixando pelo menos um metro ao redor da mesa para a movimentação das cadeiras. 

  • Forma da área a usar 

A geometria da área disponível é outro ponto fundamental a ter em conta. Se tem uma área estreita e comprida deve evitar firmemente uma mesa redonda, pois haverá sempre uma área vazia, a não ser que destine esse espaço a outro móvel específico. Da mesa forma, um pequeno espaço quadrado se beneficiará muito com a presença de uma mesa redonda de dimensões reduzidas. Um espaço com uma geometria fora do normal pode necessitar de uma mesa feita à medida. 

  • Necessidades de utilização 

Tem muitas visitas? Gosta de receber? Mesmo com um espaço reduzido precisa de uma mesa que responda às suas necessidades. As mesas de jantar extensíveis são opções perfeitas que actualmente já aparecem em vários estilos e materiais, incluindo com tampo redondo. Mas mesmo para uma utilização quotidiana e familiar deve sempre assegurar lugar e conforto para toda a gente. 

  • Transições 

O posicionamento e a forma como a mesa se relaciona com a restante linguagem estética são muito importantes. A mesa de jantar deve ficar o mais próximo possível da área de confecção das refeições para facilitar o serviço e simultaneamente assegurar uma transição suave entre a cozinha e a sala de estar. 

2 – O formato 

Os formatos de mesas de jantar mais comuns são os rectangulares e os redondos, mas também é comum encontrar mesas quadradas e ovais. Para além dos formatos standards, que pode encontrar no mercado, tem também a opção sempre acertada de encomendar uma mesa à medida para o seu espaço. Um designer de interiores e um bom carpinteiro podem fazer toda a diferença! 

As mesas de tampo rectangular ainda são as preferidas pois, além de serem bastante versáteis, permitem uma utilização confortável, com os anfitriões nos topos e os convidados confortavelmente reunidos nas laterais. As mesas redondas, em especial as mesas clássicas e em madeira, dão sempre um tom original e ecléctico aos ambientes. 

Já falámos um pouco da importância do formato da mesa, sobretudo no que respeita ao tampo, mas há outro factor que influencia muito no formato da mesa, e por isso no estilo do móvel e de todo o ambiente. 

As pernas ou suportes têm um papel menos preponderante do que o tampo na área ocupada, mas têm uma palavra forte a dizer no que toca ao estilo. Ao contrário do tampo, que tem sempre de ser plano para suportar eficientemente as loiças, os suportes podem ser arredondados, angulares ou fortemente esculpidos, contribuindo bastante para a estética global. 

Por exemplo um suporte de madeira em tripé, muito normal nas chamadas mesas de pé-de-galo, com tampo redondo, confere ao espaço um tom retro vintage que está muito na moda. Mesas com pernas projectadas lateralmente, estiveram muito em voga nos anos cinquenta e sessenta do século passado e agora voltam à vida em ambiente retro e de inspiração escandinava. Chamam-se mid century modern e são uma tendência muito forte e marcante, capaz de produzir ambientes super contemporâneos. Pernas de linhas rectas são mais conotadas com o estilo moderno e a simplicidade do seu fabrico produz mesas de jantar baratas, mas com muito estilo. 

As combinações são infinitas, havendo mesas modernas com suportes muito originais, em formatos inusitados (cruzes, blocos de madeira rústica, arcos de aço ou cromado, entre outros) que vão ser as peças centrais do espaço onde estão inseridas. 

3 – Os materiais 

O material de eleição para as mesas de jantar ainda é, agora e sempre, a intemporal madeira! Na sua forma mais rústica, trabalhada nos métodos modernos ou imitada por materiais de vanguarda, é na madeira que ainda recai a maior parte das preferências. Isto é normal pois a madeira continua a exercer o seu fascínio de aconchego desde tempos imemoriais, sendo notória a sua versatilidade. 

O vidro e o metal também têm o seu papel nesta equação, e as mesas com tampo de vidro ganham adeptos pela sua resistência e leveza. 

Apesar de o vidro ser muitas vezes conotado com um estilo mais moderno, a verdade é que as mesas de jantar com tampo de vidro podem ter o estilo que desejar. O vidro também é muito versátil, podendo ser combinado com madeira ou metal para conseguir um estilo mais industrial ou mais moderno. 

Há literalmente um mundo de possibilidades que se abre com a adição do vidro à sua mesa de jantar. Há muitos modelos no mercado, com tampo de vidro simples, martelado, gravado, com madeira, ferro ou aço inoxidável, mas para tirar o melhor proveito deste material e das suas combinações o melhor é pedir a um designer de interiores para desenhar o móvel certo para o seu espaço. 

As mesas com pernas e apoio metálicos já conferem seu toque industrial, mas se optar por uma mesa toda metálica, à semelhança de uma bancada de trabalho, está a escolher uma peça totalmente industrial. Se for bem combinada, vai revelar-se uma escolha arriscada que pode render um estilo único. Combinadas com as cadeiras certas (de plástico transparente ou madeira natural) fazem um conjunto fabuloso! 

4 – Os estilos e os acessórios 

Como já referimos, a mesa de jantar é uma peça central, visível e de destaque, que vai ter um grande peso no estilo da sua sala de jantar, e é por isso que muitas vezes há a tendência natural de escolhê-la básica e neutra, para se integrar melhor no ambiente. Mas não precisa de seguir essa via discreta. Opte por uma mesa de impacto e siga pela via da discrição nos acessórios, marcando o seu estilo com uma mesa bem bonita. 

Obviamente é mais simples colocar uma mesa no espírito da decoração de toda a casa, pois desta forma é mais fácil obter equilíbrio, mas se é fã do estilo ecléctico dê largas à sua imaginação. Pode combinar uma mesa de jantar antiga, recuperada, com cadeiras modernas ou vice-versa. Pode combinar o vidro do tampo com troncos de madeira rústica. Pode fazer o que a sua imaginação ditar, desde que evite sobrecarregar o espaço com cores escuras e móveis demasiado pesados. 

6 ideias para uma bela decoração com azulejos
sexta, 06 de setembro de 2019

O azulejo é um elemento essencial nos interiores da nossa casa. Se há uns anos, era visto apenas como um simples revestimento para paredes e chão, hoje em dia, já não é bem assim, pois tornou-se um excelente aliado da decoração. Muito usado na cozinha e na casa de banho, o azulejo promete revolucionar todas as divisões dos seus interiores.

Os novos padrões, a mistura de cores ou as alternativas que imitam os azulejos vieram dar um boost a este material de outros tempos. Para comprová-lo, partilhamos, neste artigo, ideias inusitadas para aplicar azulejos na sua casa, proporcionando ambientes harmoniosos e calorosos. Dizemos, assim, adeus ao lado mais frio e austero do azulejo!

Acompanhe-nos!

1. Que modelos de azulejos escolher?

Escolher os vários azulejos para a nossa casa pode causar alguns problemas, porque acabamos por ficar perdidos e muito indecisos com a imensa oferta do mercado.

Se é claro que, além de agradá-lo do ponto de vista estético, também deve ter em conta sua funcionalidade. Assim, antes de escolher os seus azulejos, faça as perguntas certas: em que espaço será usado? Será uma divisão com muita passagem? O espaço é húmido e propício a manchas? Quais são as cores mais indicadas? Que estilo tem a minha casa?
Por exemplo, o ladrilho hidráulico tem sido um revestimento muito usado no revestimento dos interiores, seja na casa de banho, na cozinha, no corredor ou na sala. No mercado, encontra vários modelos, cores e padrões. Sem dúvida que, é uma excelente escolha para criar um espaço cheio de carácter.

Se mesmo assim as suas dúvidas persistirem, não hesite em contratar um decorador ou um designer de interiores.

2. Azulejos tipo metro

Atualmente, o metro londrino ou subway tiles é um dos modelos mais requisitado. Se busca um azulejo para casa de banho ou um azulejo para revestir paredes de cozinha, esta opção deixa o espaço bem trendy e luminoso (se optar pelo seu acabamento brilhante.)

Escolher o azulejo tipo metro tem várias vantagens, sendo que as três principais são:

- o seu custo mais baixo, relativamente a azulejos mais trabalhados;
- o seu lado versátil, pois este azulejo é monocromático (branco, azul, preto, cinza… ), logo é mais fácil de combinar com os restantes itens do espaço;
- é de fácil aplicação porque é bastante simples e é todo igual, logo não há como errar ao assentá-lo.

Se quiser saber mais sobre este tipo de azulejo, não hesite em ler este artigo da nossa revista: A grande moda dos azulejos de parede tipo metro.


3. Azulejos autolocantes

Está farto dos seus azulejos, mas não está para gastar um salário num novo revestimento? Ou talvez viva numa casa alugada e não pode entrar em grandes obras? Enfim, seja qual for a razão, temos – A – solução!

Basta comprar uns azulejos autocolantes e colá-los por cima dos antigos. É importante que a base seja lisa, para criar um acabamento uniforme e perfeito.

Assim, acabaram-se as desculpas para não renovar os azulejos da sua casa de banho e da sua cozinha.

4. Azulejos que imitam a pedra

Como referimos na introdução, os azulejos são trabalhados nas mais diversas formas, de modo a responder aos mais variados pedidos e necessidades. Assim, é possível encontrar azulejos que parecem pedras naturais.

Esta solução vem facilitar bastante a aplicação da pedra natural, porque é mais fácil e mais barato do que colocar pedra. Além disso, é uma alternativa para introduzir azulejos nas paredes da sala, de um corredor ou até de um quarto. Pode optar por um modelo tipo pedra à vista, que irá conferir um estilo bem industrial ao seu espaço. Mas claro que irá encontrar várias opções no mercado a imitar a pedra rústica.

Dica: escolha apenas uma parede da divisão para revestir a pedra, para não criar um ambiente demasiado pesado e frio. Por exemplo, na sala de estar ficará bem a parede do sofá ou a da televisão.

5. Azulejos portugueses

Claro que, a opção de azulejos portugueses teria que contemplar o nosso artigo, é uma forma de homenagear o passado e a nossa história. Até porque os azulejos portugueses são tão bonitos que não irão desiludir na sua decoração.

Não precisa de recobrir todo um espaço com ele, para não deixá-lo muito sobrecarregado. Opte por destacá-lo numa parte da sua casa de banho ou cozinha, por exemplo.

Dica: pode também colocar uns azulejos portugueses numas molduras e decorar a sua casa com eles. Uma ideia original e que irá criar sensação.

6. Que cuidados deve ter na aplicação de azulejo?

Se já lhe abordamos algumas ideias originais para decorar com azulejos , com diferentes estilos, também queremos aproveitar este artigo para lhe dar algumas dicas sobre a sua aplicação.

Ora bem, é importante ter imenso cuidado, porque depois de aplicar um azulejo já não há nada a fazer, a não ser parti-lo. Uma vez que se trata de um processo rigoroso e que requer um certo conhecimento, poderá contratar um ladrilhador. Não veja esta contratação como uma despesa supérflua, mas sim como algo que lhe evitará dores de cabeça, e que lhe permitirá obter um acabamento perfeito.

É importante um bom planeamento para uma colocação perfeita, pois os erros podem ser muito dispendiosos. Muitos azulejos são fabricados em tamanhos padrão, por isso é fácil saber exatamente a quantidade de que vai precisar para completar um trabalho. Contudo, deve sempre comprar uma caixa extra, para erros ou futuros reparos.

Relativamente à cola, deve comprar um produto à prova de água para as zonas como as banheiras ou os duches. Se optar por cimento-cola, é importante limpar quaisquer restos deste que caiam sobre o azulejo, uma vez que será difícil de limpar quando secar.

7 objectos a menos de 30€ para transformar o aspeto da sua casa de banho
sábado, 31 de agosto de 2019

Andamos sempre à caça das oportunidades e de boas ideias low-cost, e sabemos que desse lado também adora! ???? Por isso, reunimos 7 ideias baratas – a menos de 30€ – para transformar o aspeto da sua casa de banho. Não acredita? Mas olhe que é, perfeitamente, possível mudar alguns detalhes decorativos sem gastar um salário.

É daquelas coisas que tem de ver para crer! Vamos a isso? Então siga-nos!????

1. Nicho, prateleira, estante…

Se há uma peça incontornável numa casa é, sem dúvida, a prateleira. Por isso, não hesite em comprar uma. Pode encontrá-las em várias lojas de bricolagem a um preço super acessível, por vezes, a menos de 10€.

Tanto pode optar por uma prateleira, um nicho (como vemos na imagem) ou uma estante em madeira (imagem abaixo). Tire proveito e coloque uns acessórios decorativos, toalhas, cestos com rolos de papel higiénico e/ou cosméticos.

2. Plantas e flores

Não há nada melhor do que umas plantas verdes e/ou umas flores para dar uma lufada de ar fresco a um espaço. É algo de económico e transforma logo um ambiente, tornando-o mais acolhedor e confortável.

Tendo em conta que as casas de banho são divisões com pouca ou nenhuma luz natural, pode optar por plantas/flores artificiais. Não se esqueça de complementá-las com um bonito vaso, este pode ser em vidro transparente, em cerâmica branca ou numa cor mais ousada, que tenha a ver com o design de interiores do espaço.

3. Um banco particular

Nunca sabemos onde colocar a nossa roupa lavada ou que não queremos pôr já a lavar. Por isso, pode optar por pequenos ganchos atrás da porta, mas para uma solução mais decorativa adquire um pequeno banco.

O banco que vemos na imagem acima é perfeito e pode ser gratuito. Por exemplo, da próxima vez que um familiar seu cortar uns pinheiros ou uns eucaliptos, peça-lhe para guardar um pedaço maior. Este será um banco bem giro, diferente e muito tendência. Alinha?

4. Velas everywhere!

Porquê complicar, quando podemos fazer tão simples?!

Coloque várias velas pela sua casa de banho, até pode ser daquelas com fragrância para aromatizar o ambiente. E quando for tomar um bom banho de imersão, acende-as (todas), para criar aquele cenário de filme americano. Vai ver que se sentirá super relaxado!

5. Cestos e mais cestos!

Cesto para a roupa suja; cesto para as toalhas; cestos para os produtos; cestos para os rolos de papel higiénico… Enfim, cestos para tudo o que for arrumação. São tão práticos e decorativos. Não tenha dúvidas que, a partir do momento em que organizar corretamente a sua casa de banho, o espaço ficará completamente transformado e não terá gasto muito!

6. Tapete redondo, quadrado, retangular…

Um tapete de casa de banho é uma peça essencial, porque cria logo todo um estilo. Para ir variando o mood da sua casa de banho até pode ter 2 ou 3 diferentes, para os ir trocando sempre que se fartar. Há tantas formas, modelos, padrões e cores, que não será difícil encontrar um! Este tapete amarelo que tanta vida dá a esse espaço, pode encontrá-lo na Smile Bath S. A.

7. Saboneteira, doseador, copo e afins

Invés de ter o sabonete à solta ou o líquido para lavar as mãos na sua embalagem original, pode, perfeitamente, colocá-los em bonitas peças de louça. Fica mais elegante na sua casa de banho e permite manter tudo uniforme.

Há vários preços no mercado, sendo possível comprar o conjunto de 3 peças por menos de 10€. Basta estar atento e procurar em lojas mais baratas.

Quais as cores que combinam melhor com o azul da decoração?
sábado, 24 de agosto de 2019

Se há uma cor que é super usada por todos nós, e bem, é o azul. É fácil de usar no design de interiores, mas merece ser realçada por outras cores, a fim de tirar todo o seu valor.

A cor azul fica bem na sala de estar, no quarto ou até na casa de banho. Pode ser usada para apontamentos decorativos, acessórios ou para o mobiliário.

Mas afinal que cores combinam com o azul escuro, com o azul claro, entre outros? Venha descobrir quais as combinações ideais para realçar esta cor fresca e alegre, de modo a tornar o seu interior num ambiente agradável.

1. Como usar o azul na decoração?

O azul é, muitas vezes, usado na design de interiores, mas será que andamos a combiná-lo corretamente?!

É uma das cores primárias e que está muito presente na natureza. O azul é chamado de cor fria, mas pode aquecer qualquer ambiente, quando é bem aplicado e combinado, adaptando-se facilmente a todos os gostos e estilos de interiores. Por exemplo, os tons mais claros de azul irão iluminar as divisões mais escuras, pois tem a vantagem de ampliar espaços pequenos. Além de aquecer ambientes mais claros.

Usar a cor azul na decoração é criar espaços tranquilos e agradáveis, já que o azul é símbolo de viagem, descoberta, compreensão, profundidade de coisas, mas também de frescura, pureza, sabedoria, verdade, calma interior, imaginação, paz e sonhos.

2. Quais são as melhores cores para combinar o azul? E em que divisões?

O azul combina facilmente com muitas outras cores, como iremos ver de seguida.

Para quem gostar de seguir a Filosofia do Feng Shui, saiba que não é recomendado o azul na cozinha ou na sala de jantar, pois é a cor menos alimentar. Para o Feng Shui, o azul tira a beleza da comida e traz uma sensação etérea e acalma instantaneamente a compulsão.

3. As melhores combinações de cores com o azul

Tome nota dos nossos seguintes conselhos!

Azul turquesa + cor de laranja

Azul + cor de laranja

O cor de laranja é a cor complementar do azul. Juntos formam um dueto estimulante com fortes contrastes. Um resultado repleto de vitalidade, tal como o amarelo brilhante ou o vermelho. Além disso, o azul turquesa combina muito bem com cores neutras como branco, cinza e preto, assim como com variadas tonalidades de azul, verde, lilás e rosa. Mas também pode, em pequenas doses, fazer uma boa parceria com cores vibrantes como vermelho, o já referido laranja e amarelo.

✔ Onde usar esta combinação? Na sala de estar ou quarto para criar um ambiente cheio de energia.

Azul nas mais diversas tonalidades + branco

 Azul (variado) + branco

O duo azul e branco é um clássico. É difícil de errar!

É a mistura de eleição dos temas marítimos/praia, por exemplo. Para um resultado muito natural use também o bege ou creme. Resultado imbatível!

✔ Onde? Na sala de estar, quarto ou na casa de banho. O WC.

Azul claro + cinza

Azul claro+ cinza

As cores que combinam com o azul claro ou o azul cinza associam-se lindamente ao cinzento ou a um branco acinzentado, nomeadamente para quem procura criar um estilo mais escandinavo. O cinzento e o azul celeste também casarão perfeitamente, nomeadamente para obter uma atmosfera mais masculina.

✔ Onde usar? Na sala de estar, no escritório ou no quarto.

Azul petróleo + amarelo ou verde lima

Azul petróleo ou azul escuro + amarelo ou verde lima

Com amarelo ou verde lima, irá ter uma combinação fresca e repleta de vida. Por exemplo, um azul muito claro ou azul petróleo irá combinar perfeitamente com um amarelo mostarda ou mais vibrante.

✔ Onde usar? No escritório ou na sala de estar.

Azul + roxo

 Azul + roxo

Apostar nalguns apontamentos roxos numa decoração azul dará uma atmosfera chique e elegante. Os azuis que se aproximam do roxo ou da lavanda irão criar um estilo chique ou mediterrâneo.

✔ Onde? Na sala de estar ou quarto.

Azul + castanho

Azul + castanho

Toques de azul turquesa combinam lindamente com o castanho chocolate, proporcionando um interior moderno e confortável. Sem dúvida que é um clássico, mas que não falha! Além disso, associar azul claro a um castanho terra também será uma boa alternativa. Não hesite!

✔ Onde aplicar? No quarto.

Azul escuro+ azul claro

Azul + azul

Uma associação que funciona sempre é o azul, combinado com azul. O truque é brincar com as várias tonalidades de azul e as próprias sombras nas paredes. Utilize alguma decoração, como almofadas, mantas, tapete ou cortinas, para criar os vários contrastes. Vai ver que irá obter uma atmosfera verdadeiramente calmante e relaxante.

✔ Onde? Na casa de banho, no quarto de bebés e crianças, no quarto de casa, na sala de estar… Enfim, onde gostar mais!

4. Que cor associar a um sofá azul?

Escolher um sofá azul é muito moderno e a oferta disponível no mercado é imensa. Neste sentido, para personalizá-lo, deve adicionar alguns toques de cores. Por exemplo, o azul claro pode combinar com as seguintes combinações:

  • amarelo
  • castanho
  • cor de laranja
  • turquesa

 

Se quiser algo de mais doce e sóbrio, as seguintes cores funcionam perfeitamente:

  • branco
  • cinza
  • preto

 

De modo geral, evita-se o vermelho ou o verde, pois não são as melhores combinações de cores com o azul. Além disso, tenha cuidado para associar também claro e escuro, e não ficar apenas em cores muito escuras para não tornar a sala de estar muito triste.

5. Como decorar um quarto com azul?

Escolher roupa de cama azul permite dar um toque de cor ao quarto. Se as paredes forem brancas ou cinzentas, é ainda melhor! Não será difícil de introduzir azul, nas suas variadas tonalidades, numa capa de edredão ou numa colcha. Se optar pelo azul petróleo, crie um contraste com estas cores:

  • amarelo
  • turquesa
  • branco

 

Deixar o quarto monocromático tornará o ambiente mais austero, portanto, não hesite em adicionar acessórios em tons contrastantes.

6. Onde encontrar ajuda profissional?

Precisa da ajuda de um bom profissional? Não sabe que cores combinam com o azul para pintar paredes? Então procure alguém do ramo da decoração, arquitetura de interiores ou design de interiores.

Desta forma, poderá usar a cor azul em sua casa sem errar! Vamos a isso?

Gosta de azul na decoração? Nós adoramos

Como aproveitar corretamente uma varanda?
sexta, 16 de agosto de 2019

Não precisamos só do bom tempo, para nos preocuparmos com a nossa varanda ou terraço. Se esta for aproveitada corretamente, conseguimos usá-la o ano inteiro, nas mais variadas formas.

A varanda é um espaço privilegiado na nossa casa, é banhada por uma luz natural incrível, está aberta para o exterior, podemos desfrutar do sol, mesmo no inverno. Enfim, não temos dúvidas que quem tenha uma varanda bem organizada e bonita acaba por passar lá grande parte do tempo!

De modo a aproveitá-la ao máximo, a homify decidiu partilhar consigo algumas ideias fáceis e diversificadas, que deixarão a sua varanda incrível. Tudo depende do que pretende fazer na sua varanda…

Um lugar de descanso e leitura? Uma horta na varanda? Fechá-la com vidro? Um bonito alpendre moderno?

Enfim, temos aqui uma mão cheia de ideias giras, simples e algumas baratas. Por isso, arregaça as mangas e mãos à obra!

Como mobiliar uma varanda?

Não hesite em mobiliar a sua varanda, como se tratasse de uma outra divisão da sua casa, nomeadamente se esta for grande. Será muito mais funcional e mais agradável. Forneça a este espaço o estilo que corresponde ao uso pretendido:

  • Para relaxar;
  • Reunir-se com a família à volta de refeições ou aperitivos;
  • Ler e descansar;
  • Meditar.

 

É muito importante escolher o mobiliário exterior de acordo com as suas dimensões. As varandas muito grandes acomodam facilmente cadeiras confortáveis ​​e uma área de jantar. Quanto ao estilo dos móveis, basta escolher um tema específico: elegante, clássico, sóbrio, colorido, zen, branco, etc.

Numa varanda de menor dimensões pode-se pensar numa mesa dobrável para refeições. Também pode ser reservado um espaço para colocar uma rede, ideal para relaxar, dormir ou ler um livro. Pense em pufes que se ajustam à forma do corpo, seja sentado ou deitado, uma alternativa sensata às redes ou aos bancos.

2. Como decorar uma varanda

Uma varanda não precisa de ter um mobiliário exterior específico. Pode, perfeitamente, adaptar acessórios para criar conforto e embelezar a área. Tapetes, almofadas, lanternas, um banco de madeira e pronto, uma varanda bem cozy para desfrutar das noites de verão na sua varanda.

Uma excelente alternativa para contemplar as estrelas com a sua cara metade!

Que materiais escolher?

A escolha dos materiais irá depender de vários fatores:

  • o seu orçamento
  • o seu estilo
  • uso/finalidade da varanda
  • circulação do local
  • família com ou sem crianças
  • presença de animais domésticos
  • a sua região
  • as condições climatéricas

 

Se quiser colocar peças mais sensíveis à chuva, não se esqueça de retirá-las da sua varanda, para preservá-las mais tempo.

Como decorar as paredes de uma varanda?

Não negligencie as paredes da sua varanda ou terraço. De facto, nem sempre nos lembramos de as decorar.

Pode decorá-las como nos ambientes internos, nomeadamente com armários e prateleiras para arrumar almofadas e outros acessórios. A escolha da cor das paredes irá muito ao encontro da decoração da varanda.

Nota: as varandas dos prédios não poderão ser pintadas de qualquer cor, uma vez que fazem parte da fachada do imóvel. Esta questão deverá ser discutida em reunião com todos os seus representantes.

Como ter uma varanda de vidro?

Ter uma varanda fechada é uma opção muito válida, mas uma vez mais alertamo-lo para o facto de ser necessário uma autorização do condomínio, se viver num prédio. Faça sempre tudo de forma legal, para não ter problemas e chatices com os seus vizinhos e não só.

Ter uma varanda de vidro é uma excelente alternativa para desfrutar deste espaço todo o ano, porque está protegido do vento e da chuva. Tem, assim, um ambiente muito confortável e agradável.

Para ter uma varanda de vidro deve contratar um profissional especializado na área, não só pela dificuldade da montagem, mas também porque a estrutura deve ser feita com um vidro adequado que ofereça resistência a impactos, à pressão do vento e às variações de temperatura.

Embora existem vários benefícios numa sacada de vidro, esta é uma solução que requer cuidados e uma manutenção específica, para que o material mantenha a sua qualidade e o sistema de envidraçamento continue como deve ser. Neste sentido, é necessário realizar manutenções periódicas e contratar um serviço de manutenção.

Como criar uma horta na varanda?

As varandas citadinas precisam de algum verde, para quebrar o lado mais frio e cimentado de tudo o que a envolve.

Além disso, é uma excelente alternativa para cultivar alguns vegetais e frutas. Uma atitude sustentável, económica e que deixa qualquer um muito orgulhoso.

Mesmo numa pequena varanda consegue criar uma horta. Como? Usando a verticalidade, isto é, as paredes. De facto, não precisa de muito espaço para cultivar hortícolas (qualquer m2 é útil para produzir uma série de coisas). Se quiser começar já amanhã, pode iniciar esta aventura com um ou dois vasos e à medida que ganha mais confiança vai aumentando a produção e a variedade da mesma. Não precisa de comprar vasos novos, pois pode recuperar caixas ou outros recipientes que tem em casa. Por exemplo, as caixas de fruta são excelentes floreiras para hortícolas. Coloque, se quiser, uma estrutura de madeira ou ferro para pendurar o vaso na parede!

 

O que plantar na varanda?

Pode começar com ervas aromáticas, tomates cerejas, tomates, morangos, batatas (com uma planta obtém várias batatas), beringelas, ervilhas, favas, rúcula, cenouras, pimento, piripiri, alfaces, couves.

Dica: faça uma escolha inteligente e cultive o que consome. Atenção que a ideia é de seguir o calendário de plantações.

Como iluminar a varanda?

Por fim, mas não menos importante, deve iluminar corretamente a sua varanda se quiser aproveitá-la ao máximo.

Existem várias formas de o fazer:

  • Candeeiros – pode colocar um ou vários nas paredes da sua varanda. O ambiente fica agradável para desfrutar do jantar pela noite fora;
  • Spots – coloque alguns no teto da sua varanda. São excelentes alternativas para criar uma iluminação decorativa. Funcionam bem para iluminar a zona de refeições ou para valorizar jardins verticais. Alguns modelos de tamanho reduzido ficam excelentes embutidos em marcenaria;
  • Pode utilizar LEDs ou lâmpadas solares que de dia decoram e de noite iluminam sem gastar eletricidade. Para momentos mais pontuais podem ser utilizados elementos como lampiões, grinaldas de luzes ou velas elétricas ou de cera para criar um ambiente romântico.
Como usar espelhos na decoração
sexta, 09 de agosto de 2019

Os primeiros vestígios de espelhos datam de 6000 a.c. Nessa altura os espelhos eram apenas superfícies altamente polidas de obsidiana, uma pedra vulcânica negra com grande concentração de sílica. Depois começou a utilizar-se cobre (Egipto) e bronze (China) polidos como superfícies reflectoras, tornando mais fácil a criação de espelhos, mas ainda estava longe de ser um item comum em qualquer casa.

 

Algures pelo século I começaram a produzir-se espelhos com um método semelhante ao actual, mas utilizava ouro no revestimento posterior, o que fazia destes espelhos um artigo de alto luxo.

Só no século XVII surgiram os primeiros espelhos feitos com uma fina camada de prata sobre vidro, o que ajudou a massificar a utilização destes elementos em casas por todo o mundo. Actualmente o método da aplicação de prata mantém-se, sendo complementada por tinta preta que ajuda a proteger a prata (que oxida facilmente em contacto com a humidade) e impede que a luz absorvida se dissipe pelo metal.

 

Usar espelhos na decoração tem vantagens bem conhecidas e nos nossos dias temos a sorte de poder contar com espelhos relativamente baratos e produzidos em larga escala. Podemos usar e abusar!

Hoje falamos de espelhos. Vamos descobrir o como e o porquê de os usar em decoração e até um pouco da filosofia do Feng Shui aplicada a este elemento. Acompanhe-nos!

Redondo? Quadrado? Oval?

Os espelhos são símbolos de luminosidade, luxo, beleza e elegância, mas na hora de escolher o espelho certo para o seu espaço é preciso ter alguns cuidados, nomeadamente com a escolha do formato. Pela sua exuberância, os espelhos mal utilizados podem rapidamente transformar um ambiente que se queria elegante num espaço excessivo. Encontrar o equilíbrio é fundamental.

A escolha do formato do espelho tem muito a ver com os seus gostos, mas também deve avaliar as condicionantes do espaço e o objectivo que pretende implementar.

Se o seu objectivo é ampliar o ambiente, tornando-o visualmente mais espaçoso, a melhor escolha será um espelho quadrado ou rectangular. Esta é uma solução muito interessante em salas pequenas.

Se o espelho cobrir toda uma parede vai duplicar instantaneamente a área e se for um rectângulo grande vai proporcionar um bonito efeito de janela, muito útil em ambientes onde não as há (ou são insuficientes). Para estas finalidades as melhores escolhas são, sem dúvida, os espelhos de parede, rectangulares ou quadrados.

Os espelhos redondos ou ovais são perfeitos para dar dinamismo ao ambiente e para criar pontos de luz, sendo ideais para propostas de decoração românticas ou informais. Eles também são excelentes para criar focos de destaque no ambiente, como por exemplo ao serem colocados por detrás de uma peça de arte para a valorizar.

Não têm um efeito ampliador tão evidente, mas dão muito estilo e um toque original à decoração. Numa sala pequena utilize espelhos redondos ou ovais mais pequenos, evitando assim a desproporcionalidade.

Pequeno ou grande?

Como referimos, a chave é a proporcionalidade, mas também é importante pensar no efeito que quer obter. É tudo uma questão da imagem pretendida e da tendência do momento.

Um espelho grande numa área pequena vai funcionar muito bem, ajudando a torná-la mais ampla, sobretudo se for quadrado ou rectangular, como vimos atrás, mas o contrário pode não ser verdade. Um espelho de pequenas dimensões numa parede enorme pode ter um efeito absolutamente nulo na decoração ou até ficar a parecer deslocado, em especial se não houver mais nenhum elemento decorativo a apoiá-lo.

Por outro lado temos a questão da funcionalidade. Um espelho grande será sempre mais funcional, permitindo que tenha um reflexo abrangente de si próprio, importante nos espelhos para quarto e hall de entrada. Um espelho pequeno terá sempre funções mais decorativas ou mais específicas, como os espelhos de aumentar, para maquilhagem.

Com ou sem moldura?

Uma vez mais, o seu gosto vai prevalecer. A grande questão é no estilo. Os espelhos sem moldura são geralmente conotados com estilos mais modernos e minimalistas, mas isso não significa que não possa adicionar uma moldura com estas características.

As molduras tornam os espelhos decorativos mais atraentes, permitindo destacá-los e valorizá-los. Na sua origem as molduras surgiram como forma de suportar o espelho e de o proteger (era tão caro… ), mas rapidamente se tornaram num elemento decorativo estreitamente associado a esse luxo.

De forma muito simples e directa podemos dizer que as molduras muito trabalhadas, com arabescos ou outros motivos, de madeira entalhada ou de metal fundido, são especialmente indicadas para decorações de estilo clássico. As molduras mais finas e rectas devem ser usadas em decorações modernas, clean e minimalistas, o que também é muito válido para os espelhos sem moldura. Em decorações rústicas, de inspiração campestre ou marítima, as molduras de madeira são as mais utilizadas. Se pretende criar um ambiente ecléctico pode optar por misturar molduras em vários estilos, mas neste caso é preciso tacto e harmonia, sob pena de ficar com um espaço desagradavelmente desconexo.

Os espelhos por medida podem ser a solução para ter a peça ideal para a sua casa!

Onde devo colocar?

O posicionamento dos espelhos é um tema de suma importância!

  • Casa de banho – os espelhos em casa de banho são perfeitos para dar mais luz e mais dimensão a espaços normalmente pequenos, mas o seu objectivo maior é auxiliar na higiene diária e na vaidade quotidiana. Só que um mau posicionamento pode arruinar tudo! A não ser que seja uma preferência sua, deve evitar colocar espelhos em frente à sanita e deve ter o maior cuidado com reflexos cruzados. Não é nada agradável abrir a porta da casa de banho e a imagem aparecer reflectida no espelho do corredor, arruinando a privacidade, por exemplo.
  • Sala de estar - Controlar o posicionamento do espelho para que este reflicta uma imagem interessante é uma premissa válida para todos os espaços! Certifique-se sempre de que o seu espelho apenas reflecte aquilo que quer ver reflectido, em especial coisas boas e bonitas. Se da sua janela se avista lugares feios, um aterro ou um cemitério evite colocar o espelho em frente à janela. Na sala de estar cuide para que os reflexos dos espelhos não o incomodem quando estiver a ler ou a ver televisão.
  • Quarto – uma vez mais, a não ser que goste, evite colocar espelhos directamente virados para a cama, na sua linha de visão. Os reflexos podem dificultar a transição para o sono, impedindo-o de dormir bem.
  • Aproveite as portas dos armários da casa, se não entrarem em conflito com o referido sono. Esta colocação é excelente para poupar espaço em espaços limitados.
  • Hall de entrada – um espelho no hall de entrada é excelente para dar mais amplitude a um espaço normalmente pequeno, para dar aquela revisão rápida ao visual antes de sair de casa e para um ar mais sofisticado. Porém evite que o espelho reflicta o interior da casa, revelando a sua intimidade. Por outro lado, segundo as regras do Feng Shui, o posicionamento em frente à porta é bastante desaconselhado, acreditando-se que o espelho irá reflectir toda a energia chi que entra pela porta e expulsá-la para fora, impedindo tanto a entrada de más como de boas energias.

O Feng Shui nos espelhos

Segundo o Feng Shui os espelhos são considerados uma das nove curas preconizadas pela filosofia. Acredita-se que eles podem ser usados para canalizar a energia chi nos ambientes e que pode ser usado para reflectir e duplicar uma imagem positiva na casa. As flores são bonitas e trazem bem-estar, então porque não duplicá-las com um espelho?

Os espelhos aumentam visualmente espaços muito estreitos e pequenos, e ajudam a iluminar locais escuros, quando colocado em posições onde possam reflectir uma fonte luminosa natural Estas capacidades são usadas pelo Feng Shui para isolar um ambiente de um problema do fluir de energias.

10 ideias para deixar a sua casa mais fresca em dias quentes
sexta, 02 de agosto de 2019

O verão traz com ele inúmeras coisas boas, mas também pode ser um grande desafio conseguir manter a casa fresca e confortável durante os dias mais quentes. Quantas noites já passou em claro por causa do calor? Quantas vezes está no sofá a ver televisão e não consegue arranjar posição porque o ambiente está demasiado quente? Já todos passamos por isso.

A pensar nisso, compilamos hoje 10 sugestões para o ajudar a manter a sua casa mais fresca nos dias quentes. São quase todas económicas e muito fáceis de pôr em prática, mas não quisemos deixar de incluir algumas dicas que implicam um maior planeamento e investimento. Assim, já pode preparar a sua casa para os próximos verões.

Ora tome nota!

1. Desligue os aparelhos eléctricos

Os aparelhos eléctricos geram calor, pelo que deve evitar ligá-los, sobretudo nos períodos mais quentes do dia. O mesmo se aplica às luzes que só devem ser acesas quando necessário. Durante o verão, não raras são as pessoas a optar por, à noite, ver televisão com todas as luzes apagadas para o espaço não aquecer.

2. Evite refeições complicadas ou cozinhe no exterior

Os dias quentes pedem refeições rápidas, frescas e simples. Fazer assados ou preparar refeições que exijam um uso prolongado do fogão e do forno não é aconselhável se quiser manter a sua casa fresca. Privilegie pratos cuja confecção seja rápida ou, se tiver a sorte de ter um espaço exterior, tire partido dele para fazer churrascos e grelhados. Por falar em cozinhar, mantenha as tampas nos tachos e nas panelas para evitar os vapores.

3. Feche as cortinas ou estores

Entre o fim da manhã e o início da tarde, deve manter as cortinas ou os estores fechados para evitar que o calor penetre na sua casa. Bem sabemos que, desta forma, a luz não entra, mas manter as cortinas ou os estores fechados pode reduzir entre 15º a 20º a temperatura no interior, o que é muito significativo. Ir trabalhar e deixar, por exemplo, as cortinas abertas no quarto pode levar a que, no fim do dia, a divisão esteja com um ambiente tipo estufa. Espere pelo entardecer para abrir as cortinas e desfrute da agradável brisa que, por norma, corre nesta altura do dia.

4. Crie correntes de ar

O ar quente acabará sempre por entrar em casa, pelo que é importante que possa sair. Abra duas ou mais janelas para criar correntes de ar e, assim, refrescar o ambiente. As janelas devem ser abertas de acordo com a orientação dos ventos. Em Portugal, os ventos predominam dos quadrantes de Oeste, mas tudo depende do local.

5. Privilegie cores claras

O branco e as cores claras reflectem o calor, ao passo que as cores escuras o absorvem. Não é por acaso que, no Alentejo e em países mediterrânicos, as casas têm as paredes caiadas de branco. Considere este facto quando pintar e decorar a sua casa. Lembre-se, também, que, para além das cores claras reflectirem o calor, também iluminam os espaços, o que reduz a necessidade de se ter que recorrer a luz artificial.

6. Aposte em ventoinhas

Há ventoinhas de todos os tipos – de chão, de mesa, de parede, de pé e de tecto -, diâmetros, potência e com funções adicionais. Hoje em dia, as ventoinhas já têm um design mais apelativo, para além de integrarem funções extra como, por exemplo, modo nocturno (para um uso mais silencioso) e temporizador (para ajustar aos seus horários e necessidades). Se a sua casa aquece em demasia, pondere investir em boas ventoinhas para as zonas mais utilizadas (a sala ou os quartos, por exemplo).

Em frente à ventoinha, pode colocar uma taça com cubos de gelo ou água gelada. Esta água gelada, ao evaporar, tornará o ar ainda mais fresco.

7. A importância das árvores e dos arbustos

Esta não é uma medida com resultados imediatos, mas que deve ser considerada pelas vantagens que produz a longo-prazo. As árvores, para além de controlarem os ventos, podem bloquear mais de 70% da radiação solar, proporcionando sombra e frescura à sua casa. A plantação de árvores e de arbustos deve ser feita tendo em conta a orientação da casa e a exposição da mesma em relação ao sol. Um arquiteto paisagista pode aconselhá-lo neste sentido.

8. Invista num bom isolamento

Um bom isolamento não assegura apenas a estabilidade da temperatura no interior da casa durante o inverno. No verão, esta lógica também se aplica, pelo que o melhor que se pode fazer, ao construir ou remodelar uma casa, é assegurar um bom isolamento da mesma. Além do mais, de nada lhe serve ter um sistema de ar condicionado de ponta numa casa mal isolada.

9. Têxteis leves

Os têxteis decoram e emprestam conforto aos espaços, por isso é normal que não se queira desfazer dos seus durante a primavera e o verão. No entanto, deve trocar os têxteis pesados por outros mais leves. Tecidos como o linho ou o algodão são uma boa escolha. Durante os meses quentes, pode substituir as carpetes mais pesadas por tapetes de sisal ou de juta ou até por remover por completo este elemento do espaço. Se os estofos do seu sofá ou poltronas são quentes – em veludo, por exemplo – cubra-os, durante estes meses, com tecidos leves, frescos, respiráveis e agradáveis ao toque.

10. Opte por lâmpadas LED

No que toca à iluminação, sugerimos que favoreça lâmpadas LED. Para além de mais económicas, não aquecem tanto o ambiente. São mais caras do que as lâmpadas tradicionais, mas duram mais tempo que estas últimas (são produzidas para durar 50 mil horas).

Portas interiores – as aliadas da distribuição espacial
sexta, 26 de julho de 2019

Nos nossos dias, a tendência de distribuição dos interiores aponta consistentemente para espaços abertos, polivalentes, capazes de unir conceitos e funcionalidades em harmonia. Mas mesmo nesta tendência de abertura tem sempre de haver algumas paredes e, claro, portas!

Há espaços que não podem e nem devem ser deixados abertos, em especial aquelas que desejamos manter bem privadas. Quartos e casas de banho têm o reinado da divisão na arquitectura actual e, salvo raras excepções queremos que se mantenham assim! E não podemos esquecer correntes de ar ou iluminação em excesso, que têm de ser travadas.

Por isso mesmo hoje falamos de portas interiores, esses elementos fundamentais para manter os acessos privados e simultaneamente fluidos.

Parece-lhe um tema sem muito sumo? Acredite que não é. Venha saber tudo sobre portas para casa e escritório!

Tipos de portas interiores

Apesar de haver muitos modelos de portas interiores o seu funcionamento pode dividir-se em apenas três tipos, sempre relacionados com o modo de abertura:

  • portas de batente;
  • portas de correr;
  • portas extensíveis.

 

Portas de batente

As portas de batente são as mais comuns e as que ainda continuam a ver-se mais em ambientes interiores. Falamos daquelas portas que têm um puxador (que pode ter vários formatos como veremos adiante) e se abre puxando para nós ou empurrando na direcção contrária. Da montagem e utilização destas portas fazem parte as ferragens, ou seja, as fechaduras, os puxadores, as dobradiças e as guarnições (peças que rematam a união entre o batente e a parede).

Estas portas têm vantagens, nomeadamente relacionadas com os aspectos estéticos, e não é estranho que continuem no topo das preferências do design de interiores em Portugal.

Vantagens das portas de batente:

  • são mais estanques, proporcionando mais isolamento acústico e térmico aos espaços, pelo que são especialmente indicados para quartos ou zonas que se pretendam mais íntimas;
  • há mais variedades de modelos no mercado comum;
  • são mais resistentes a embates e, claro, a arrombamentos.

 

Desvantagens das portas de batente:

  • ocupam mais espaço na abertura, podendo tornar o processo decorativo mais complicado e dificultar a funcionalização dos espaços.
  •  

Portas de correr

São portas que abrem e fecham correndo sobre carris, calhas, ou um sistema similar, ou através de carretos. Estas portas podem correr nas duas extremidades ou apenas numa, embora costumem ser sempre suportadas nos dois lados.

 

Vantagens das portas de correr:

  • ocupam muito pouco espaço na abertura, sendo perfeitas para espaços pequenos;
  • interferem menos com a decoração e são mais fáceis de fazer desaparecer, quando se pretende um estilo minimalista;
  • são mais fáceis de planear em grandes dimensões, tornando-se mais fáceis de abrir nestes casos, o que as torna especialmente indicadas para divisórias.

 

Desvantagens das portas de correr:

  • o sistema de funcionamento das portas de correr implica normalmente deixar um pequeno espaço entre a folha da porta e a parede, o que faz que que estas não apresentam um grande desempenho de isolamento térmico e sonoro, embora já comecem a aparecer sistemas mais eficientes.

 

Portas extensíveis

As portas extensíveis esticam e ’encolhem para abrir. Há vários métodos para isso acontecer, mas os mais usuais são por fole ou por lâminas sobrepostas. Não são tão utilizadas como as anteriores no nosso país, em especial por causa da sua estética, mas podem ser úteis, sobretudo em espaços muito pequenos.

 

Vantagens das portas extensíveis:

  • a sua abertura ocupa pouco espaço e não se sobrepõe nem entra dentro da parede. Isto torna as portas extensíveis perfeitas para espaços de abertura muito pequenos e em portas junto de um ângulo, que não permitem a colocação de portas mais convencionais.

 

Desvantagens das portas extensíveis:

  • a estética destas portas não é a melhor e a sua constituição em lâminas não permite grandes adornos.

Materiais mais usados em portas interiores

As portas interiores não requerem tanta resistência como as portas principais, pois não têm de proporcionar tanta segurança a pessoas e bens. Em contrapartida devem harmonizar-se com os espaços onde se inserem e serem decorativas (ou pelo menos não pesar na decoração).

Isto faz com que os materiais usados para a sua construção não sejam exactamente os mesmos que para as portas que confinam com os exteriores.

Os materiais mais utilizados no nosso país são a madeira e o vidro, com larga vantagem para a madeira, ou para os acabamentos com estática de madeira. O vidro pode ser utilizado sozinho, com as devidas ferragens em metal, ou ser encastrado numa moldura de madeira ou metal.

 

Os materiais para acabamento em madeira dividem-se geralmente em três categorias:

Placas de núcleo oco: Estas placas são constituídas por duas camadas de um material fino (geralmente madeira, mas também pode der PVC), unidas por pequenas junções internas que deixam muito espaço oco. As portas deste material são leves e mais baratas, mas não proporcionam um bom isolamento contra o ruído. Dependendo do acabamento pretendido podem ficar com um aspecto muito semelhante ao da madeira natural. 

Placas de núcleo denso: As portas construídas com este material dão toda a sensação de alta qualidade e de peso proporcionados pela madeira natural. Conferem um bom isolamento sonoro e são muito duráveis quando devidamente mantidas. O seu preço é intermédio entre a madeira maciça e o núcleo oco. 

Madeira natural maciça: estilo, durabilidade, elegância, voluptuosidade… Não há mais nenhum material como a madeira maciça, mas os preços podem ser proibitivos pois o sonho de qualquer proprietário de uma casa é ter portas de madeira sólida! Além disso precisam de manutenção frequente, com pintura por vezes anual (em função do desgaste e das condições de humidade).

 

Modelos de portas e dimensões

No mercado há uma imensa variedade de modelos de portas, com mais ou menos qualidade e designs mais ou menos diferentes, mas no fim todas têm de cumprir com os requisitos mínimos de dimensões estabelecidos na lei. Um bom designer de interiores ou um arquitecto de interiores estará a par de todos os requisitos legais e poderá ajudá-lo a escolher as portas certas para o espaço em questão, aconselhando o tipo ideal para o local.

Lembre-se de que no mercado vai encontrar portas com dimensões padrão, e se quer algo mais personalizado vai mesmo precisar de um bom profissional. Um designer ou um arquitecto de interiores vai desenhar a porta perfeita para o seu projecto e saberá encontrar o carpinteiro ideal para a executar.

As ferragens

As ferragens a escolher dependem de alguns factores, mas especialmente do tipo de porta.

Para as portas de batente os puxadores mais utilizados são de aço inoxidável, simples e discretos, para harmonizarem bem com qualquer decoração, mas se pretende algo mais personalizado também encontra uma boa variedade no mercado, com vários acabamentos, desde os lacados até aos acabamentos de inspiração retro, com oxidação dos relevos. No caso das portas de correr os puxadores preferidos são em concha, para não ocupar espaço.

As fechaduras mais usadas nas portas interiores são as de embutir. Estas fechaduras são simples e têm um preço atraente. Não são as mais seguras do mercado mas também não precisam de ser, porque neste caso apenas precisam de proporcionar privacidade e não de garantir segurança. 

As dobradiças e outras ferragens acessórias devem ser adequadas ao tipo de porta escolhido e ter uma estética homogénea. Evite situações estranhas com portas e ferragens diferentes entre si, que acabam com qualquer estilo, e ficando apenas a parecer improviso e confusão.

6 Tendências de decoração para a casa de banho
sexta, 19 de julho de 2019

A casa de banho vai tornar-se num espaço cada vez mais relaxante, simples e funcional, no qual a banheira recuperará protagonismo. Fique a saber, quais são as 6 tendências de decoração que não pode perder de vista.

Aposta em linhas simples e funcionais

Especialmente em casas pequenas, impõem-se os laboratórios com linhas limpas e depuradas. O ideal é misturar alguns materiais e procurar uma estética contemporânea, limpa e arrumada.

Escolha materiais naturais

É uma boa ideia escolher madeira para que o espaço aporte algum “calor”. Além disso, o mármore ou a pedra natural conferem uma sensação de pureza e potenciam a sensação de um espaço limpo e simples.

Deixe-se levar pelas cores neutras e serenas

A casa de banho de 2019 tem a estética de um spa. A ideia é simples: conseguir um espaço descontraído. No que diz respeito à decoração, isso passa pela utilização de tons neutros, como bege, branco e cores terra, especialmente em revestimentos.

A casa de banho abre-se para o quarto

Abrir a casa de banho para o quarto é algo típico de hotéis de luxo e que tem vindo a ganhar, pouco a pouco, muita força. Para consegui-lo será preciso, por exemplo, utilizar divisórias de vidro e portas de correr. Na verdade, escolher uma porta de correr é uma boa ideia para abrir ou fechar a casa de banho sem perder metros quadrados.

Banheiras isoladas: objeto de desejo

Nesta ideia de transformar uma casa de banho num espaço parecido com um spa, para relaxar depois de um dia de trabalho, a banheira está a ganhar lugar de destaque, sobretudo nas grandes casas de banho.

Use papel de parede para dar um toque de cor

Numa pequena casa de banho, onde não exista banheira ou duche, isto é, onde não há humidade, o papel de parede pode ser uma excelente ideia, porque cria um espaço surpreendente, envolvente e acolhedor.

40 tendências de design de interiores para 2019
sexta, 12 de julho de 2019

Gostas de te rodear das últimas tendências de design de interiores? O Excelente diz-te quais serão as maiores tendências de design de interiores em 2019.

 

10 tendências gerais de decoração de interiores para 2019

 

1. O maximalismo

Após vários anos a ser utilizado na decoração de interiores, o minimalismo é finalmente abandonado em 2019. Este ano, podes apostar no maximalismo, tens ao teu dispor um leque muito maior de possibilidades, podendo conjugar vários estilos. Com esta nova tendência, vais poder utilizar objetos decorativos mais interessantes, que não sejam padronizados nem simplificados.

 

2. As lareiras contemporâneas

A lareira é um elemento de decoração cada vez mais requisitado e em 2019 estará completamente dentro das tendências. Lareiras modernas, com um design cada vez mais subtil, farão toda a diferença no design de uma sala de estar. Além de acrescentar valor às casas, este elemento cria ambientes muito aconchegantes.

 

3. O regresso do uso do preto

“Com preto não me comprometo”, é o que se diz. Em 2019, este dizer popular vai fazer todo o sentido, já que o preto vai ser uma das cores mais utilizadas tanto em móveis, acessórios e acabamentos como em paredes. À partida podemos pensar que utilizar preto nas paredes é uma decisão bastante arriscada, contudo, quando utilizado com contraste claro, o preto pode até ajudar a tornar o espaço visualmente maior.

 

4. O uso dos elementos naturais

A decoração de interiores em 2019 será muito mais ecológica. Assim sendo, serão utilizados muitos elementos naturais e que remetam para espaços ecológicos.

 

5. As formas curvas

Na decoração de interiores minimalista, as formas retas são as preferidas. Em 2019, como já explicámos, o minimalismo não vai ditar mais as regras da decoração de interiores. Assim, móveis e elementos de decoração curvos e com formas mais irreverentes serão muito bem-vindos. Desde cadeiras macias e felpudas até mesas de centro curvas, tudo isto será permitido e incentivado no que diz respeito à decoração de interiores.

 

6. Os tons terrosos

Dentro da tendência dos elementos naturais e ecológicos surge a tendência da utilização de cores terrosas. Se nestes últimos anos, o cinzento tem sido a cor mais utilizada no design de interiores, em 2019 serão as cores ligadas à terra que mais se vão destacar.

 

7. As cozinhas mais escuras

Desde meados dos anos 80 que a maioria das cozinhas contemporâneas têm sido decoradas em branco. Armários, bancadas e ilhas de cozinha têm sido por norma escolhidas em tons claros. Em 2019, isto muda. Como vimos, os tons mais escuros estarão dentro das tendências e as cozinhas não serão exceção. Incorporar armários em tons de madeira escura, por exemplo, é uma boa ideia para trazer a sua cozinha para as tendências de 2019.

 

8. Um cantinho para refeições

Combinar a cozinha com a sala de estar pode parecer algo do passado, mas a verdade é que em 2019 esta tendência está de volta. Criar uma espécie de cantinho para refeições mais rápidas na cozinha é uma ideia prática e fashion. Este espaço informal vai ser bastante útil e aconchegante para refeições mais solitárias ou mais privadas.

 

9. Os móveis multifuncionais

Cada vez existe uma disponibilidade de espaço menor nas casas das pessoas e, por isso, os designers têm trabalhado no sentido de oferecer móveis mais inteligentes e com várias funcionalidades. Em 2019, móveis pequenos e que se adaptam a diferentes espaços e estilos serão uma das principais tendências.

 

10. Os tetos pintados

O teto foi ignorado durante muitos anos, mas em 2019 ele vai ter o destaque que merece. Desde a utilização de papel de parede a pinturas ousadas, em 2019 o teto vai ganhar vida e entrar no esquema de decoração.

 

10 tendências de decoração de salas de estar para 2019

 

1. Os sofás irreverentes

Como já mencionámos, as formas mais retas e tradicionais não vão ser as preferidas dos designers em 2019. Neste seguimento, também os sofás assumirão formas e disposições diferentes. Por exemplo, a conjugação entre pequenos sofás com um grande banco pode ser uma boa ideia de conseguir um estilo irreverente.

 

2. As lâmpadas de parede

No que diz respeito à iluminação das salas de estar, a tendência será utilizar lâmpadas de parede com uma silhueta artística. Além de permitirem imensa flexibilidade na iluminação dos espaços, estas lâmpadas conferem um look bastante moderno e interessante às salas.

 

3. A inspiração digital

As salas de estar serão também decoradas segundo uma inspiração digital. A utilização de uma iluminação mais futurista será outra grande tendência à qual tens de estar atento em 2019 se gostas de decoração de interiores.

 

4. As formas geométricas e tribais

Os padrões geométricos e tribais serão outra grande tendência na decoração de interiores em 2019. Estes padrões vão ajudar a dar vida às divisões e a transformá-las em espaços mais divertidos e acolhedores.

 

5. A criação de diferentes secções

Sabias que apenas utilizando móveis e outros elementos consegues criar diferentes secções na tua casa sem a existência de paredes? Em 2019, esta prática será uma grande tendência. Podes criar áreas de jogos para as crianças ou locais de trabalho.

 

6. O veludo

O veludo será um material bastante utilizado em decoração de interiores em 2019. Poltronas com estofes de veludo e pufes ou almofadas de veludo são excelentes opções para tornar a sua casa mais elegante e trendy.

 

7. As pequenas mesas alternativas

Se tens pouco espaço, não penses que tens de optar por uma mesa de centro pequena tradicional, existem mesas pequenas alternativas que vão dar um toque especial à decoração da tua sala.

 

8. Os espelhos

Em 2019, áreas decoradas com espelhos ou objetos espelhados ficarão ainda mais dentro elegantes e dentro das tendências. Este ano, os especialistas estão sobretudo a incentivar o uso de espelhos com um toque mais artístico.

 

9. A harmonia

Em 2019, poderá arriscar utilizando diferentes padrões e tons justapostos. Contudo, deve sempre ter em mente a paleta de cores e as combinações que está a utilizar para que exista uma harmonia na decoração geral da sala. Em espaços pequenos deve ter um cuidado ainda maior para que as peças não pareçam desconexas entre si.

 

10. O verde escuro

Se as cores terrosas são uma grande marca da decoração de interiores, em geral, podemos afirmar que os verdes escuros serão uma das grandes tendências para as salas de estar, em particular. Esta tonalidade é uma recriação do “verde-caçador” e é uma tonalidade que já não era tão viral desde os anos 90.

 

10 tendências de decoração de quartos para 2019

 

1. A consistência entre divisões

Em 2019, será ainda mais importante existir uma consistência entre as várias divisões da casa incluindo o quarto. Pense na casa como um espaço único e mantenha o mesmo estilo em todas as divisões.

 

2. O uso de materiais naturais

A tendência do uso de elementos naturais estará muito mais presente no quarto. A tendência será criar um local relaxante com materiais ecológicos e que remetam o pensamento para a natureza. Móveis de madeira serão a escolha mais recorrente para esta divisão.

 

3. Os acabamentos imperfeitos

Em relação aos acabamentos, a tendência será ter um look inacabado com inspiração no conceito wabi-sabi. Para criar este look nas suas paredes, pode colocar algumas camadas de tecidos naturais, como algodão, lençóis e almofadas.

 

4. O desarrumado propositado

O look messy continuará dentro das tendências de design de interiores em 2019. Para criar este look deves deixar alguns elementos dispostos de um modo mais desarrumado, contudo sempre de um modo pensado e tendo em conta a composição geral do quarto.

 

5. As mesas de cabeceira douradas

Um elemento que pode dar aquele toque especial ao teu quarto em 2019 é nada mais do que uma mesinha de cabeceira dourada. Estas mesas dão por si só um ar mais sofisticado ao quarto.

 

6. Arte colorida sobre branco

Em 2019, o design de interiores será muito virado para elementos artísticos - com várias cores e padrões a serem livremente utilizados. No quarto, poderás também dar azo a esse teu lado mais artístico e combinar quadros coloridos com tons brancos.

 

7. As paredes de betão

Paredes de betão com um aspeto mais áspero combinadas com móveis modernos e de tons claros serão outra grande tendência para os quartos em 2019 e é uma tendência que promete durar por bastante tempo.

 

8. O cinzento com um pouco de cor

Quartos com cores discretas, como vários tons de cinzento, e com pequenos apontamentos de cor estarão nas grandes tendências para os quartos em 2019. Este efeito torna um quarto mais elegante.

 

9. O design industrial

O chamado “design industrial” é outra tendência para o design de quartos em 2019. Com alguns móveis metálicos consegues um look “industrial” e trendy.

 

10. A estrutura metálica

Para um look fashion e dentro das tendências de 2019, móveis com estrutura metálica serão a melhor escolha. Esta estrutura fica particularmente bem nas mesas laterais e torna os móveis muito fáceis de combinar com os restantes elementos do quarto.

 

10 tendências de decoração de casas de banho para 2019

 

1. O Neo Mint

O Neo Mint já foi anunciado como a cor tendência do design de interiores de 2020. Se gostas de ser sempre o primeiro a instalar as novas modas já sabes o que fazer. Esta cor já será vista em vários designs de interiores de 2019 e podes utilizá-la já na decoração da tua casa de banho. Esta cor fica bem em qualquer divisão da casa.

 

2. Os espelhos retângulos arredondados

A forma dos espelhos de casa de banho para 2019 é sem dúvida o retângulo arredondado. Este é o passo que se segue aos espelhos circulares, que tanto se têm utilizado nos últimos anos. Estes espelhos dão um toque de elegância e suavidade a esta divisão da casa.

 

3. As sanitas flutuantes

Em 2019, as sanitas mais trendy serão as flutuantes. Até recentemente, este tipo de sanitas só eram vistas em casas ultra modernas ou em trabalhos de designers conceituados, mas, em 2019, espera-se que este tipo de sanita chegue às casas mais comuns. Estás à espera de quê para aderir a esta tendência?

 

4. A decoração com mármore

Mármore é tudo o que precisas para ter uma casa de banho moderna e vistosa. Sem dúvida que a natureza tem muita arte. Ao revestires a tua casa de banho de mármore, ficas com um espaço único e com um toque artístico. Claro que esta opção não é das mais económicas, mas a verdade é que é tudo o que basta para tornar uma casa de banho especial.

 

5. A exposição do “hardware”

Para os fãs de design industrial, 2019 é um ano fantástico para o design de interiores. Nas casas de banho, a tendência será deixar canos e tubos expostos de uma forma harmoniosa. Esta moda é algo que se via nas casas antigas e volta agora a usar-se mas de um modo mais elegante.

 

6. Os lavatórios debaixo de janelas

Em 2019, os espelhos podem dar lugar a janelas. Neste tipo de casas de banho, consegues ter mais luz natural a iluminar toda a divisão. Tarefas como tratar da higiene pessoal e da maquilhagem tornam-se mais fáceis, iluminadas e inspiradoras até.

 

7. O uso de betão

Como já referimos anteriormente, no contexto de decoração de quartos, o betão será uma das grandes tendências de 2019. Além de criar instantaneamente um look industrial, o betão cria um ambiente elegante e criativo. Nas casas de banho, vamos ver este material aplicado a lavatórios, bancadas e paredes. O betão pode ser conjugado com elementos orgânicos, como plantas, e também com outros materiais mais tradicionais como porcelana, madeira ou aço.

 

8. O “latão amanteigado”

Outra grande tendência que 2019 traz para as casas de banho ao nível do design de interiores são os objetos no chamado “latão amanteigado”. Esta cor vem dar um toque de elegância muito relevante às casas de banho. Caso estejas a pensar implementar esta tendência na tua casa de banho, não te esqueças que o acabamento mais desejado para este ano está algures entre o polido e o fosco, dando um aspeto muito orgânico.

 

9. As casas de banho molhadas

Em 2019, as pessoas esperam sobretudo ver na casa de banho um espaço de descanso e relaxamento. Desta forma, espera-se que os chuveiros se transformem em verdadeiros spas e, para isso, muitas casas de banho estão a ver todo o seu espaço convertido a um grande chuveiro, sendo todo o espaço utilizado para tomar banho, ficando toda a divisão molhada. Como podes ver na imagem, o resultado é uma divisão inspiradora e aconchegante.

 

10. O preto mate

Como vimos anteriormente, o preto vai ser uma grande aposta para o design de interiores este ano. Nas casas de banho, isto não será diferente, sendo privilegiado o preto mate. Esta cor pode ser utilizada no chuveiro, em torneiras ou em tubos visíveis, tornando de imediato as peças mais elegantes.

Como decorar um quarto para gémeos: criatividade x 2!
sexta, 05 de julho de 2019

Preparar o quarto para a chegada de um filho tem tanto de especial como de intimidante, sobretudo para pais de primeira viagem. Ora, se em vez de um filho vierem dois – ou mais! – então o processo pode mesmo tornar-se stressante. Mas, não se preocupe. A pensar nisso, trazemos-lhe, hoje, uma lista de ideias para quartos de gémeos, sejam eles bebés ou mais crescidos.

Há vários tópicos a considerar: que cores escolher? Como respeitar a individualidade de cada um? Como fazer com a arrumação? Qual é o melhor estilo de decoração para um quarto partilhado? Como optimizar a área disponível? Há muitas perguntas que se impõem, mas, na verdade, com um bom sentido de organização e alguma imaginação não é assim tão difícil.

Ora tome nota. ????????

1. Esquema cromático e estilo

Cores ????

Hoje em dia, as pessoas estão cada vez mais distanciadas da ideia das cores associadas a géneros. O “cor-de-rosa para menina e o azul para menino” é uma concepção que pertence ao passado. A mentalidade da nova geração é totalmente diferente. Se os seus gémeos já forem mais crescidos, pode sentar-se com eles e falar sobre as cores de que mais gostam e ter em atenção se há cores em comum entre as preferências de ambos. Se não houver, pode optar por uma cor para as paredes e por outra para os têxteis. Assim, ambos se sentem representados. No fim, a decisão é sua, mas deve envolvê-los no processo.

Não quer arriscar muito? Está a decorar um quarto para um casal de gémeos? Ora, uma base neutra é sempre uma boa opção. Se escolher tons como o branco cremoso, o cinza claro ou o bege, pode facilmente acrescentar apontamentos coloridos através dos objectos de decoração. Num quarto para gémeos bebés, as cores claras transmitem uma sensação de serenidade que é bem-vinda.

Uma abordagem minimalista ????

Em termos de estilo, recomendamos uma abordagem minimalista. Arranjar espaço para duas crianças ao mesmo tempo é desafiante quanto baste, por isso mantenha a simplicidade para conservar o ambiente clean. Tente evitar tonalidades muito exuberantes, padrões complexos e mobiliário ornamentado. Seja, também, criterioso no que toca à escolha dos brinquedos. É normal os amigos e os familiares oferecerem e depressa se acumular uma pilha de brinquedos, mas não precisa de os dar todos de uma vez aos seus filhos. Além disso, deve oferecer ou vender aqueles que eles já não usam para arranjar espaço para os novos.

2. Camas, berços e arrumação

Camas e berços ????

É conveniente cada bebé e criança ter o seu próprio berço e, mais tarde, cama. Se o quarto for espaçoso, pode optar por berços e camas individuais. No entanto, há, também, a possibilidade de comprar ou mandar fazer um berço duplo que forme, por exemplo, um “L” para ser colocado numa esquina, libertando o resto do espaço. Veja que soluções há no mercado. Se nenhuma o agradar em particular, peça orçamentos a marceneiros e faça uma encomenda à medida do espaço. Para gémeos mais crescidos, um beliche é uma boa opção, assim como um módulo com duas camas.

Optimização da arrumação ????

Mais bebés, maior a necessidade de um espaço de arrumação amplo e bem planeado. Não tem, obrigatoriamente, que comprar tudo a dobrar (duas cómodas, dois roupeiros, dois muda-fraldas, e assim por diante), mas deve optimizar o espaço de arrumação do quarto. Um roupeiro, por exemplo, pode ser optimizado através da adição de mais um varão. Como as roupas são pequenas, é uma opção viável e muito prática. Berços e camas com gavetões incorporados são, também, recomendáveis. Para organizar as gavetas, aposte em placas separadoras ou em divisórias. Numa gaveta dividida a meio, pode pôr a roupa interior de um filho de um lado e a do outro no outro lado. Na IKEA, há soluções muito práticas e acessíveis para organizar o interior de gavetas e roupeiros.  

 

3. Criar zonas de estudo distintas

É importante incutir nas crianças a ideia de partilha. Contudo, todos nós precisamos do nosso espaço e todos temos os nossos próprios interesses. É oportuno o quarto integrar duas secretárias ou uma secretária sob o comprido com duas cadeiras para cada gémeo ter o seu espaço para estudar e para fazer os trabalhos de casa. Pode, também, comprar dois pufes para as crianças lerem, ouvirem música ou, tão-somente, relaxarem. ????

4. Iluminação e segurança

Iluminação 

A iluminação, num quarto, deve proporcionar aconchego e conforto visual. Num quarto para bebés gémeos e crianças pequenas, é recomendável haver um dimmer - regulador de intensidade – para ajustar a luminosidade a cada momento. O posicionamento dos pontos de luz deve ser pensado de forma criteriosa. Se o quarto tiver duas camas ou dois berços, pode colocar um candeeiro de parede sobre cada um. Pode, também, comprar uma mesa de cabeceira maior onde caibam dois candeeiros ou escolher candeeiros compactos como os que se vêem na imagem acima. Se o quarto for amplo, esta segunda solução não é problemática. Se for pequeno, favoreça iluminação suspensa. Esta lógica também se aplica às secretárias: independentemente de haver apenas uma secretária ou duas, é preferível haver dois candeeiros de mesa, um para cada gémeo. 

Segurança para quarto de bebés gémeos ????

Ter gémeos implica sarilho a dobrar! Com um partner in crime sempre pronto a alinhar em tudo, os gémeos tendem a engendrar esquemas engenhosos e a correr mais riscos. Os pais, por mais atentos que estejam, dificilmente conseguirão controlar tudo, pelo que é crucial ir ainda mais além no que diz respeito à protecção e à segurança. Pense nesta questão ainda antes dos seus gémeos nascerem e tome todas as precauções necessárias. À medida que as crianças crescem, pode e deve ir ajustando as medidas que tomou.

5. Sentido de identidade

Já lhe deixámos aqui algumas ideias para quartos de gémeos, mas ainda não abordámos um ponto fundamental: a preservação da identidade de cada um. Sendo certo que o sentido de partilha deve ser incutido em qualquer criança, não é menos verdade que se deve promover a expressão individual de cada uma. Os gémeos partilham a aparência, são confundidos amiúde, são, não raras as vezes, vestidos exactamente da mesma forma, brincam com as mesmas coisas, e estão, quase sempre, na mesma escola e na mesma turma. Não queremos, com isto, censurar os pais que, estamos certos, tomam as decisões que acham melhores por uma questão prática, por questões do foro económico ou até para evitar brigas.

Porém, encorajar a expressão individual de cada gémeo pode começar pelo quarto. Sobre cada cama, por exemplo, pode colocar um placard que sirva para cada um dos seus filhos afixar desenhos, fotografias, coisas da escola, recordações de festas ou de viagens, postais dos amigos, e assim por diante.

É, também, importante cada gémeo ter a sua própria prateleira para acomodar livros, objectos de colecção, brinquedos, molduras, troféus, entre outras coisas. Quase todas as crianças gostam de pintar, por isso pode comprar um cavalete ou um quadro de lousa para cada uma. Os brinquedos também não têm que ser todos partilhados, tampouco os espaços de arrumação dos mesmos. Todas as crianças têm aquele brinquedo ao qual se afeiçoam mais. Os gémeos não são excepção. ???? 

Cortinas – funcionalidade e beleza que nunca passa de moda
sexta, 28 de junho de 2019

Grandes, imensas, janelas… Luz que nunca mais acaba. Vista desafogada e contacto privilegiado entre os interiores e os exteriores das habitações. De tudo isto de faz a arquitectura moderna, pondo de lado tudo o que feche e enclausure…

Mas, e quando a luz é demais e incomoda, a vista desafogada traz consigo olhares curiosos e o contacto com o exterior deixa entrar uma brisa fria? A solução é, hoje e sempre, uma cortina!

Embora possa parecer que as cortinas estão fora de moda e são acessórios raros nos nossos dias, isso está muito longe da verdade. Estas decorações funcionais continuam na ordem do dia hoje, tal como estavam há cinquenta anos atrás. Com as devidas evoluções estéticas, mas estão cá.

Elas vestem uma casa, podendo fazer toda a diferença no estilo, ao mesmo tempo que protegem, e existem modelos para qualquer espaço da casa, só precisa de procurar.

Hoje falamos de cortinas, dos tipos e das utilizações. Não perca!

Tipos de cortinas

As cortinas diferem entre si em alguns aspectos fundamentais que acabam por definir a sua utilização e a sua estética. Vamos ver que tipos de cortinas existem:

Quanto ao funcionamento

  • cortina de varão – as cortinas de varão são as mais conhecidas e as mais fáceis de instalar. Estas cortinas podem pendurar-se por ilhoses ou por tiras de tecido e o varão vai fazer parte integrante da imagem da cortina, e logicamente do espaço. Actualmente estão na moda varões discretos, sem ponteiras ou com ponteiras pequenas, que não se imponham na imagem.
  • cortina de carril ou de calha – esta cortina proporciona uma imaginem extremamente elegante, mas só pode ser instalada se existir um cortineiro ou uma sanca para disfarçar o carril.
  • cortina de enrolar – as cortinas de enrolar, como o seu nome indica, recolhem enrolando sobre um eixo, que pode ser visível ou estar oculto num cortineiro.
  • cortina em painel – as cortinas em painel normalmente são rígidas ou esticadas por um peso na parte interior e abrem e fecham lateralmente, deslizando numa calha.

 

Quanto ao material

  • cortinas de voile – este é um tecido leve e fresco, muito decorativo, que deixa passar muita luz e não proporciona qualquer protecção contra correntes de ar.
  • cortinas de algodão, linho, sarja, etc. – são cortinas mais pesadas, que proporcionam mais protecção e também podem ser muito decorativas, em função do espaço.
  • cortinas blackout – são pesadas e têm uma camada espessa que impede a passagem da luz. São muitas vezes combinadas com cortinas de voile para obter o melhor dos dois tipos.
  • cortinas de materiais alternativos – fitas, materiais plásticos, palhinha entrançada… Há todo um mundo de cortinas excepcionais, e não será difícil encontrar a certa para si.

O cortineiro

Há basicamente três tipos de cortineiros: sobreposto, embutido ou com iluminação. A escolha do tipo de cortineiros depende do seu gosto e dos planos de design de interiores que o seu profissional possa ter para si. Os cortineiros são estruturas aplicadas no tecto, ou construídas com ele, para esconder o mecanismo de abertura dos cortinados.

O cortineiro sobreposto é aplicado sobre o tecto. Ele pode ser de pladur, madeira ou outro material revestido de tecido.

O cortineiro embutido é um espaço deixado no tecto falso para inserir a parte superior da cortina, escondendo os carris ou os varões. O cortineiro com iluminação é basicamente um cortineiro embutido com um espaço maior para incluir iluminação.

Este não é um sistema obrigatório, mas proporciona-lhe um visual ultramoderno e mais minimalista.

 

Cortinas para sala

As cortinas para sala são normalmente mais leves e transparentes do que nos restantes espaços, sendo muito utilizadas as cortinas de voile. O motivo é simples: – a sala é um espaço social, menos privado, onde o objectivo das cortinas é especialmente estético. Aqui as cortinas destinam-se a proporcionar um pouco de protecção contra a luz solar excessiva e alguma privacidade, mas não precisam de ocultar totalmente os interiores. 

As cortinas lisas, de cores neutras, são um clássico nas salas, permitindo uma maior personalização com outros acessórios decorativos, como almofadas, mantas ou peças de arte. Actualmente estão muito na moda cortinas com grandes estampados, funcionando como parte integrante do processo de personalização dos espaços.

Se tem dificuldades em definir um estilo, gosta de mudanças rápidas ou de decorações discretas deve apostar em cortinas leves e neutras, eventualmente com um ou outro padrão suave. Por outro lado, se gosta de causar impacto leve muito a sério os padrões grandes e coloridos, com prints vegetais para espaço mais alegres e contemporâneos. Para um estilo menos intenso pode combinar os padrões fortes com cortinas brancas ou beges.

Nas salas de estar ficam especialmente bem cortineiros com sancas, mas se preferir o bom velho varão pode seguir uma via diferenciadora, que se destaque sobre a parede.

 

Cortinas para quarto

Os quartos são as áreas privadas por excelência. Nestes espaços as cortinas são só devem proteger eficazmente a intimidade dos habitantes e atenuar a luz do sol, com, em última análise, devem bloqueá-la totalmente para proteger o sono dos moradores.

Nos quartos, como na sala, as melhores escolhas de cortinas modernas incidem sobre cortinas em tons suaves para proporcionar o necessário relaxamento que conduz ao sono. Se gosta de dormir para além do nascer do sol (quem não?) pode e deve tentar bloquear ao máximo a entrada de luz. Para esta finalidade pode usar um tecido mais espesso e opaco, de algodão, se não for muito sensível à luz. Mas se for, não pode deixar de colocar cortinas blackout!

As cortinas blackout são pesadas e espessas, e têm um tratamento especial que impede a passagem da luz. São bastante pesadas e deixam o quarto escuro de verdade, pelo que a sua escolha deve recair sobre cortinas de cores neutras e claras. Para ter o efeito cortina blackout quando necessário e depois poder deixar a luz entrar em comprometer a privacidade pode combinar estas cortinas com outras mais leves, em voile. Para esta combinação ser mais eficaz deve ser montada em carris ou calhas escondidas.

Cortinas para cozinha

Na cozinha vai-se tornado menos usual ver cortinas, mas elas dão muito mais funcionalidade do que se pensa. Nas horas mais quentes do dia, cozinhar com a luz solar a incidir directamente na bancada de trabalho pode ser realmente incómodo!

Mas neste espaço há que ter algum cuidado extra, em especial com o tipo de abertura e com o material.

No que respeita à abertura e montagem, o varão continua a ser útil, mas tendo em conta as difíceis condições de humidade e gordura das cozinhas, devem evitar-se carris e calhas que rapidamente se degradam. Nas cortinas de cozinha o melhor sistema é o de enrolar, que permite um bom controlo de fecho com um modo de funcionamento muito simples e bastante resistente.

Quanto aos materiais, são de evitar os materiais porosos que não se possam limpar com facilidade. Algodões absorventes, linhos… São materiais bonitos mas que depressa vão ficar indelevelmente manchados pelos vapores da cozinha. Aqui o melhor é uma fibra artificial resistente, de preferência com um tratamento anti-nódoas, para permitir limpar com a simples passagem de um pano.

Independentemente do tecido escolhido e do local onde este estiver localizado, as cortinas vão sempre acumular pó, o que as torna pouco recomendáveis para casas com pessoas alérgicas. Nestes casos a melhor solução é investir em persianas metálicas ou plásticas, que possam ser limpas com um pano húmido e aspiradas com muita regularidade. Se não quiser abrir mão da beleza única das cortinas a melhor solução é escolher tecidos sintéticos muito resistentes a lavagens frequentes.

Por outro lado e importante referir que actualmente as tendências ditam que as cortinas mais elegantes chegam do tecto ao chão, mas esta moda é pouco prática nas cozinhas por motivos óbvios, o que abre caminho às cortinas de rolo.

Se tem dúvidas na escolha das cortinas para a sua casa o nosso conselho é que peça ajuda a um decorador pois uma escolha mal feita pode ser desastrosa para o seu estilo!

10 Melhores ideias e tendências de design de escritório
sexta, 21 de junho de 2019

A cultura do trabalho avançou imensamente desde os dias em que os escritórios corporativos eram um fenómeno novo. Anos vendo os resultados da vida profissional no bem-estar geral das pessoas provocaram muitos novos desenvolvimentos no design de escritórios.

Designers de interiores, bem como designers de fabricantes de móveis de escritório, provaram ser verdadeiramente criativos em suas soluções de design.

Independentemente de os designers estarem ajudando melhor o espaço de trabalho de uma empresa iniciante ou de planejar um prédio inteiro para uma empresa da Fortune 500, essas 10 ideias e tendências de design de escritório funcionam em uma grande variedade de projetos de design de interiores.

1) Planos Abertos

Menos paredes é uma bela vista para ver no design de escritórios modernos. Criar mais vistas em múltiplos espaços encoraja a colaboração, permite mudanças mais acessíveis na planta baixa quando necessário, e é mais barato projetar porque menos divisórias precisam ser construídas. No geral, é um movimento para melhorar a saúde dos funcionários. Um piso plano aberto também facilita a locomoção, incentivando as pessoas a se movimentarem com mais frequência.

2)  A Psicologia da Cor

O uso de psicologia e design de cores juntos é uma tendência muito popular no design de escritório contemporâneo agora. Demonstrou-se que as cores têm certos efeitos sobre as pessoas, sem que elas, conscientemente, as conheçam ou compreendam.

Por exemplo, a laranja faz com que as pessoas se sintam mais enérgicas porque lembra coisas como o sol de verão e laranjas frescas e maduras. Verdes, amarelos e azuis também são comumente vistos no design de escritórios modernos!

3) Toques de Casa

Os ambientes de trabalho não são mais estéreis e pouco convidativos se tiverem como objetivo manter os funcionários totalmente engajados.

Toques de casa ajudam a todos a relaxar e a trabalhar de maneira tranquila com uma sensação de menos pressão. Assentos cómodos reunidos em torno de uma mesa fazem com que novas ideias com colegas de trabalho sejam mais divertidas e convidativas.

4) Espaços Polivalentes

Colaboração e versatilidade ajudam o escritório moderno a funcionar bem. O design do escritório que atende a vários propósitos ajuda a fazer bem o trabalho. Pode eficientemente acompanhar o ambiente rápido e as demandas de hoje.

Uma área pode servir como um espaço para dois colegas de trabalho trabalharem confortavelmente juntos, como um lugar para fazer uma pausa mental, e como um local para realizar uma pequena e informal reunião do departamento apenas colocando alguns lugares ou sofás em volta de uma mesa. Com algum senso de privacidade, como um tapete para definir o espaço, ou um divisor como uma parede verde entre ele e o espaço seguinte.

Além disso, no design de interiores de pequenos escritórios , cada polegada quadrada conta. Áreas que podem servir tanto como espaço para reuniões, como área de propinas e até mesmo um lugar para relaxar durante o almoço, permitem que escritórios menores tenham a sensação de luxo de ter mais espaço.

5) Integrações Modernas em Móveis

Móveis que atendem à vida cotidiana facilitam o trabalho. Estar conectado à energia e à internet nos mantém saudáveis ​​e produtivos, mas nem sempre é bonito. Mesas e áreas de trabalho que integram com sucesso a tecnologia, ao mesmo tempo em que ocultam o quanto ela é imprópria, têm um formato que serve a um grande propósito.

Os cabos podem ser feios e às vezes perigosos. Se você não consegue encontrar uma tomada perto do seu espaço de trabalho, você recorre aos cabos de alongamento até onde eles precisam ir.

As empresas de móveis especializadas em design de escritórios modernos colocam os pontos de venda nas mesas e afunilam os cabos de maneira segura e discreta, de modo que os funcionários consigam encontrar soluções para suas tarefas, não para a bateria do computador.

6)  Elementos Naturais

O design biofílico é uma disciplina que se concentra na incorporação de elementos naturais no ambiente construído e por um bom motivo. Designers não podem replicar a luz solar natural no interior. No entanto, eles podem decorar com plantas, o que traz um elemento natural dentro.

As plantas demonstraram aumentar a produtividade e tornar o ambiente de trabalho mais atraente, atraindo mais funcionários para a empresa. As plantas também ajudam a limpar e purificar o ar interno, além de reduzir o stress.

Além de plantas vivas, elementos como painéis de madeira nas paredes e no teto, detalhes em pedra, características da água e lareiras, todos adicionam um toque da natureza que é ao mesmo tempo hipnotizante e tranquilo.

7) Áreas de Lounge

Lounging pode soar contraproducente para começar o trabalho, mas o conforto desempenha um papel importante na criatividade. Um lugar para chutar os pés e debater ideias para um projeto é exatamente o que a mente e o corpo precisam!

As áreas dos lounges também podem encorajar as pessoas a acordar cedo para tomar uma xícara de café e relaxar no escritório antes de começarem o dia de trabalho, ou ficarem paradas durante a pausa para o almoço, porque podem ficar realmente confortáveis ​​no trabalho.

8) Localização intencional

Os escritórios das décadas de 1970 a 1990 lotaram o máximo que puderam em um escritório. As pessoas pareciam uma reflexão tardia. Esse método dificultava saber exatamente onde você estava dentro de um prédio.

Os membros da equipa frequentemente se viram em corredores longos e vazios. Um longo corredor perfurado por portas aqui e ali não é nem convidativo nem fácil de encontrar o quarto que você precisa. Abrir os planos de piso facilitou a busca pelo caminho do escritório.

Elementos de design que integram ferramentas de busca de caminhos tornam mais fácil e menos stressante contornar o escritório.

9) Visualizações de janela para todos

Ter acesso a um escritório com uma janela costumava ser um luxo ganho por poucos. Todos os outros tiveram que sucumbir a luzes artificiais sombrias e ficarem confinados o dia todo.

Tirar a correlação entre a hierarquia de títulos de trabalho e a qualidade do espaço de trabalho criou um ambiente de trabalho menos desgastante mentalmente e mais bonito no design de escritórios modernos.

O novo modelo virou o modelo antigo e colocou escritórios exclusivos no centro da planta. Paredes translúcidas ou transparentes abrangendo salas centrais permitem que a luz entre em seu espaço de trabalho. Agora, todos os trabalhadores estão expostos à luz e ao exterior. Isso é muito necessário para funcionários saudáveis ​​e engajados.

10) Incentivar a atividade

Até agora, vimos como as cores e os elementos naturais contribuem para as pessoas mais saudáveis ​​no local de trabalho. Os escritórios estão levando isso para o próximo nível, tornando o exercício facilmente acessível para os funcionários.

Os funcionários não precisam mais adquirir uma academia e dirigir de e para a academia. Eles nem precisam se preocupar quando realmente terão tempo para se exercitar. Em vez disso, eles podem usar a academia no local antes, depois ou durante o trabalho.

Outra tendência de design de escritório moderno que também é ergonomicamente satisfatória é uma mesa de pé. Os funcionários podem optar por ficar de pé para trabalhar ou ajustar a mesa para poder se sentar. Isso os ajuda a se movimentar e permanecer ativo durante o dia, em vez de ficar sentado, o que provou não ser muito saudável sem algum tipo de exercício regular de acompanhamento.

A principal inspiração de design para qualquer escritório hoje em dia são as pessoas que trabalharão lá. Atender às suas necessidades, apelar para os seus sentidos e torná-la uma excelente experiência de usuário para os funcionários é o que realmente define o design de escritórios contemporâneos.

Felizmente, os designers de interiores são capazes de levar os elementos que fazem um escritório funcionar bem e organizá-los de uma maneira esteticamente agradável.

Decore a sua casa a rigor para os Santos Populares
segunda, 17 de junho de 2019

Se não gosta da confusão dos santos populares, mas acha piada ao espírito vivido nos arraiais, este artigo é para si. A ideia é levar todo esse ambiente para dentro de casa ou de um espaço onde queira tranquilamente reunir a família e amigos. Atreva-se a ser o anfitrião e surpreenda todos com uma decoração a rigor e um belo bailarico.

Junho é um dos meses preferidos dos portugueses. Quer em Lisboa, quer no Porto, a festa é feita nas ruas e em casa. Este é, por isso, um mês sinónimo de cor, alegria, música, ruas cheias de gente, sardinhas no pão e manjericos na mão. Portanto, prepare o Spotify e faça já os convites para a grande noitada.

Uma coisa é certa: comida, bebida e animação não podem faltar. No que toca à decoração, são obrigatórias as grinaldas, os manjericos e os balões de papel. Ainda assim, a par desses elementos básicos, há artigos disponíveis nas lojas com motivos inspirados em temáticas que se aplicam nos santos populares, como por exemplo:

- sardinhas

- balões de papel

- luzes e lanternas

- velas

- grinaldas

- guardanapos

- louça e acessórios de cozinha

- almofadas

- toalhas

- música

- plantas

- e tudo o mais que gostar e achar que vai dar ainda mais vida ao seu arraial!

7 erros comuns que fazem a sua cozinha parecer mais desarrumada do que é!
sexta, 07 de junho de 2019

A cozinha não é uma divisão fácil. Por muito que a limpemos e organizemos, parece que há sempre uma mancha que nos passou despercebida ou um utensílio que ficou por arrumar. As casas não são museus, por isso é normal que isto aconteça. As imagens de cozinhas imaculadas que, todos os dias, vemos em contas de Instagram ou em revistas são, em grande parte, coreografadas, por isso não vale a pena criar ideais inalcançáveis.

Ainda assim, pode-se sempre aprimorar o aspecto do espaço, através de pequenas coisas e de hábitos que facilmente se adquirem. Hoje, trazemos-lhe algumas sugestões nesse sentido. Damos-lhe conta de 7 erros comuns que fazem a cozinha parecer mais desarrumada do que aquilo que realmente está.

Será que já tinha pensado em algum deles? Ora veja.        

1. Ter muitos objectos sobre as bancadas

Começamos pelo erro capital: ter demasiadas coisas em cima das bancadas. Não é funcional – porque rouba espaço útil – nem é esteticamente apelativo. Olhe para as bancadas da sua cozinha e veja o que pode guardar nos armários e nas gavetas. Pode até aproveitar a oportunidade para se desfazer daquilo que não utiliza ou de que não gosta. Sobre as bancadas, mantenha aquilo que mais usa e de forma organizada. O chá pode ser arrumado numa caixa própria para o efeito, as especiarias podem ser colocadas dentro de pequenos frascos, os sacos do pão acondicionados dentro de um cesto ou de uma caixa, e assim por diante. No que aos aparelhos eléctricos concerne, deixe de fora os que usa todos os dias como, por exemplo, a máquina de café ou a torradeira. Depois de organizar tudo, a sua cozinha parecerá outra: mais prática e muito mais bonita!   

2. Ter ímanes, fotografias e/ou papéis com recados e lembretes no frigorífico

Em muitas cozinhas, os frigoríficos são verdadeiras ’galerias de arte”: ímanes trazidos de viagens, fotografias, desenhos dos filhos, post-its com lembretes e recados são algumas das coisas que figuram nesta tela gelada. As cores e formas dissemelhantes destes objectos fazem com que a composição não resulte particularmente harmoniosa. Se acha que a sua cozinha beneficiaria de um aspecto mais clean e minimalista, mantenha os ímanes mais bonitos ou das suas viagens preferidas e dê às fotografias outro espaço. Para deixar lembretes ou recados, pode usar um quadro de lousa. É decorativo e prático!  

3. Deixar muitas vezes a louça por lavar

Acabou de almoçar ou de jantar e abateu-se sobre si uma preguiça, de tal forma descomunal, que decidiu deixar a louça suja em cima da bancada. Identifica-se? Se isto é sistemático, então faça um esforço para mudar este hábito. A louça suja gera maus odores, atrai visitas indesejadas e, claro, dá um aspecto desleixado ao ambiente.

4. Não ter uma gaveta ou uma caixa para a “tralha” que se acumula no espaço

Entre todas as divisões da casa, a cozinha é aquela onde tendemos a acumular mais tralha: correspondência, carregadores dos telemóveis, canetas, pilhas, blocos de notas, caixas de fósforos, entre muitas outras coisas. É difícil contrariar essa tendência, mas pode-se arranjar uma gaveta só para colocar esses objectos e deixá-los, assim, ocultos. Pode-se, também, apostar num cesto ou numa caixa, mas a gaveta é mesmo a melhor solução!  

5. Ter panos de cozinha descasados

Há sempre dois ou três panos de cozinha à vista. Por norma, um é para secar as mãos e os outros para a louça. Hoje em dia, encontram-se, em várias lojas, os panos de cozinha à venda em packs, o que significa que partilham o estilo, ainda que tenham algum pormenor que os diferencie (a cor ou o padrão, por exemplo).  

6. Ter a zona do lava-louça desorganizada

Em lojas como a IKEA e por preços muito acessíveis, encontra vários acessórios essenciais para manter o lava-louça organizado: escorredores para louça e para os talheres, doseadores para o detergente e suportes para os esfregões, esponjas e panos. Sirva-se destes objectos para manter esta zona arrumada, limpa e mais higiénica.  

7. Usar a cozinha para outras actividades

A cozinha nem sempre é “só a cozinha”. Por vezes, funciona também como espaço de trabalho – de miúdos e graúdos – o que significa que a mesa se transforma em secretária com tudo o que isso implica: computador, agendas, livros, e assim por diante. Se não tem escritório, outras mesas ou zonas de trabalho em casa, não faz mal, mas arrume as coisas no fim de cada utilização. Não é suficiente arrastá-las para o canto da mesa e fingir que não estão lá, enquanto almoça ou janta.  

Papel de parede
sexta, 31 de maio de 2019

Papel de parede é tão prático e económico para mudar totalmente o visual de um ambiente, seja sala, quarto, lavabo e até cozinha, que acredito que nunca vai deixar de ser uma opção muito usada por todos.

O que muda, de ano para ano, são as estampas e cores, além dos novos materiais, como o papel de parede adesivo, que não faz sujeira alguma e que você mesmo(a) pode colocar, principalmente em áreas pequenas como também hoje estamos usando (esta é uma tendência, sim!).

– Estampas 3D

Sim, elas continuam com tudo e nada melhor para facilitar a vida e poupar o bolso que usar o artifício do 3D no papel de parede. E existem estampas que imitam capitonê, madeira, pedras… difícil escolher uma!

Os tons neutros, inclusive o preto, são ótimas pedidas de cores para papeis de parede com efeito 3D.

– Geométricos

Na onda da decoração industrial os geométricos vão continuar nas paredes.

Leves nas formas ou nostálgicos, papéis de parede com estampas geométricas acompanham super bem o estilo industrial.

– Tijolinho

Sim, ele continua firme. Também ligado ao estilo industrial – mas ele fica bem em qualquer estilo – trás a memória de casas de fazenda, um tempo passado que até quem não viveu sente saudade.

Mesmo ambientes sofisticados ficam bem com tijolinhos nas paredes. E os estilos são variados: Mais rústicos, mesclados, clarinhos ou mais aconchegantes…

– Imitando Madeira

E existe aconchego maior que uma parede de madeira? Pois com papel de parede você pode ter uma parede de madeira em qualquer lugar, não é mesmo?

A madeira clarinha tem tudo a ver com o estilo escandinavo que está aparecendo cada vez mais, as madeiras naturais trazem classe aos ambientes e o que falar dos 3D imitando madeira? Especiais para um toque de requinte!

Estampados fortes e infantis lúdicos

É claro que quartos de criança precisam de fantasia. Por isso, as estampas lúdicas e serenas sempre vão ter o seu lugar. Mas vemos e veremos cada vez mais desenhos mais soltos e coloridos.

E a tendência para quem gosta de ousar: Cores fortes, grandes estampas e também um pouco do psicodelismo trazido pelo estilo shabby, que também  está surgindo por aí.

Dicas para decorar um quarto de bebé
sexta, 24 de maio de 2019

Preparar um quarto para bebés pode ser uma experiência divertida e recompensadora, mas também pode ser um pouco extenuante, especialmente se não souber por onde começar. Existem vários elementos na decoração que são absolutamente essenciais como o berço e o lugar para alimentar o ou a bebé. Como tal, iremos dar-lhe alguns pontos de partida e dicas para começar a meter o quarto novo em ordem.

 

Esboço da disposição dos móveis

Recomendamos, em primeira instância, que comece a desenhar uma planta do quarto, dispondo os móveis no espaço onde acha que deveriam estar. Tenha alguns cuidados extra: não deixe o berço perto da janela para evitar as correntes de ar, ou até mesmo das cortinas. O armário para trocar as fraldas deve ser colocado perto do berço, por questões práticas. Igualmente perto deve estar uma poltrona, de preferência junto a uma janela, para que possa embalar e alimentar a criança. Esta poltrona deve ser um investimento bem pensado, pois será um lugar onde passará muito tempo durante os primeiros meses de vida do ou da bebé.

Roupeiro

É essencial que o quarto esteja sempre limpo e extremamente arrumado, por uma questão de saúde e de protecção de possíveis alergias. Como tal, as roupas do ou da bebé devem estar bem arrumadas e de fácil acesso, bem como todos os brinquedos e outros acessórios.

Pode optar por adquirir ou pedir um roupeiro de bebé à medida a profissionais com qualificações e experientes. Se pretender algo mais a longo termo e se o quarto de bebé for para quando ele ou ela crescer pode considerar em fazer um roupeiro embutido ou um closet mais neutro, para ficar para a criança.

 

Roupa de cama

Cobertores pesados de lã, por exemplo, são grandes acumuladores de pó e ácaros, que podem ser prejudiciais para a saúde de recém-nascidos. Opte antes por um edredom próprio. Deve optar por lençóis que sejam feitos de algodão puro. Os tecidos de algodão são altamente respiráveis e ajudam na circulação do ar, o que fará com que o sono do ou da bebé seja muito mais confortável e tranquilo.

 

Palete de cores

Aposte em cores claras que transmitem um ambiente tranquilo e harmonioso. As paredes devem ter um tom claro, bem como as roupas de cama. No entanto, pode e deve também estimular ou pouco as sensações do ou da bebé com cor, vivacidade e alegria. Para dar este toque, o ideal é colocar um ou outro elemento colorido que chame a atenção para o detalhe e dar um ar vibrante ao quarto. Ainda assim, é melhor não abusar destes elementos para não criar excitação.

Continuando neste ponto, lembramos também que os e as bebés passam muito tempo deitados de barriga para cima. Assim sendo, porque não considera pintar o tecto com algum mural ou pinturas harmoniosas, mas que estimulem o cérebro da criança?

 

Reparações

Outra acção absolutamente essencial passa por fazer todas as reparações precisas e adaptar o quarto com toda a segurança e conforto que o ou a bebé necessita. Não se esqueça de tapar as tomadas eléctricas e colocar redes protectoras. Certifique-se que o berço está bem montado, sem parafusos soltos ou elementos que possam magoar a criança, bem como todos os outros móveis do quarto. Não coloque objectos pendurados e arranje protectores para as portas.

Siga estas dicas e terá o sítio perfeito para o ou a bebé relaxar e crescer feliz e em segurança!

5 coisas que pode ir já fazendo para se motivar para a limpeza de Primavera
sexta, 17 de maio de 2019

Por norma, faz-se uma limpeza semanal à casa mas, a cada mudança de estação é oportuno fazer uma limpeza e arrumação de fundo. Esta tarefa tem tanto de cansativa como de gratificante porque, no fim, quando olhamos à volta e vemos tudo no sítio, a sensação é óptima. Além do mais, uma casa limpa e arrumada é mais funcional e oferece, de longe, muito mais conforto do que uma casa onde reina o caos.

A Primavera é uma estação de renascimento e de mudança. Os dias tornam-se mais longos e somos tomados por aquela vontade de refrescar a nossa casa e de a preparar para as estações mais quentes, dentro e fora de portas.

Antes de pôr mãos à obra e para se motivar para a limpeza de Primavera, damos-lhe algumas sugestões.

Veja quais são!

1. Faça uma lista de afazeres

Fazer uma lista com todas as tarefas que quer levar a cabo é uma boa forma de se organizar para a limpeza de Primavera. Numa limpeza e arrumação a fundo, há sempre alguma coisa de que nos podemos esquecer, por isso vale a pena anotar tudo. Ponha em primeiro lugar ou sublinhe os pontos mais importantes. Se é distraído ou esquecido, este passo é especialmente útil. Pode aproveitar esta fase da organização para consultar a meteorologia (se vai limpar os vidros, por exemplo, não pode estar a chover) e marque um dia no calendário para se dedicar a esta tarefa.

2. Compre os produtos e os utensílios de limpeza

Confirme se tem todos os produtos e utensílios de que precisa: lava-tudo, limpa-vidros, detergente para limpar a casa de banho, detergente para tirar gorduras difíceis, produtos para as madeiras, esfregões, esponjas, panos, luvas, sacos do lixo, sacos e filtros para o aspirador, e assim por diante. É provável que já tenha muitas destas coisas em casa. Compre o que lhe falta e, se tiver pouca quantidade de algum produto, mais vale comprar também. Assim, não tem que andar a correr para o supermercado e atrasar tudo. Não se esqueça, já agora, de comprar velas de cheiro, um ambientador e flores frescas para dar aquele toque final agradável, após a limpeza!  

3. Faça uma playlist

A música melhora tudo, não é? Ajuda-nos quando estamos tristes, quando praticamos desporto, quanto organizamos uma festa e… quando limpamos a casa! Para limpar a casa, escolha músicas mexidas e divertidas que lhe dêem aquela dose extra de energia! Pode organizar a sua playlist no iTunes ou no Spotify ou escolher uma das muitas playlists que já existem no YouTube.

4. Desfaça-se da “tralha”

A língua inglesa tem uma boa palavra para isto: “declutter”. É oportuno, pelo menos duas vezes por ano, abrirmos os armários e as gavetas e tirarmos tudo aquilo que já não usamos, de que já não gostamos ou que não queremos por qualquer outra razão. Há coisas que se podem vender, oferecer ou doar a quem precisa. É muito mais fácil limpar uma casa com menos tralha, por isso escolha um dia só para esta tarefa e faça a sua limpeza num outro dia.

5. Ponha toda a gente a ajudar

Se não mora sozinho, então já sabe: todos têm que ajudar! Pode fazer um diagrama para distribuir tarefas, garantindo, assim, que todos participam e que não se esquece de nada. Se tem filhos mais pequenos, atribua-lhes as tarefas mais simples (por exemplo, relacionadas com a limpeza do quarto deles), mas não os deixe de envolver de alguma forma para que este hábito lhes vá sendo incutido.

Decoração de quarto de criança com Feng Shui
sexta, 10 de maio de 2019

’O Feng Shui é uma arte milenar chinesa, com mais de 3.500 anos, que determina o design mais favorável de um espaço, para equilibrar a energia e aumentar a harmonia do ambiente.

Esta arte tem evoluído e tem-se adaptado ao mundo ocidental e ao estilo de vida moderno, atualmente designando-se por Feng Shui Moderno.

O objetivo do Feng Shui é permitir um maior equilíbrio, entre duas polaridades – o yin e o yang – de forma a harmonizar os espaços.

As cores, texturas, formas e os materiais, têm impacto nos ambientes onde nos inserimos e, consequentemente, impacto no nosso conforto e bem-estar, proporcionando uma maior qualidade de vida e um melhoramento drástico na nossa saúde, trabalho e relacionamento com os outros.

Sendo assim, mudar a disposição da mobília ou a cor de uma divisão, através dos princípios do Feng Shui, poderá trazer benefícios para todos os moradores lá de casa.

Como decorar o quarto das crianças segundo esta técnica?

Decorar o quarto das crianças torna-se um grande desafio para os pais, sendo necessário criar uma atmosfera divertida e criativa, ao mesmo tempo que se promove o conforto e a tranquilidade, tão necessários para as crianças.

Foi por isso que decidi partilhar algumas sugestões para alcançar a harmonia tão desejada no quarto dos seus filhos:

12 Top sugestões de Feng Shui, para o quarto dos mais novos

1) Retirar telemóvel, aparelhos de WIFI, televisão, computador… É, sem dúvida, benéfico devido às ondas eletromagnéticas que passam a ser evitadas. Caso não seja possível remover estes objetos do quarto, desligá-los durante a noite, para promover um maior descanso;

2) Camas com gavetões são desaconselhadas, segundo o Feng Shui. A utilização de camas com pés, permite que o ar circule debaixo da cama. Caso não seja possível trocar de cama, utilizar as gavetas da mesma, para guardar objetos de uso frequente, como por exemplo, roupa de cama ou os brinquedos favoritos. Assim, a utilização frequente irá permitir a renovação do ar;

3) A cabeceira da cama, deverá estar encostada a uma parede e numa posição que permita a criança visualizar quem entra no quarto, conferindo à mesma uma maior segurança;

4) As cores a privilegiar num quarto de uma criança muito agitada, devem ser neutras e suaves, contrariamente a crianças mais apáticas, com quem se deverá utilizar cores vivas, de forma a estimular a energia da criança;

5) O quarto deverá ser arejado, no mínimo, durante 30 minutos/dia, para a renovação do ar;

6) Arrumar os brinquedos em caixas, para não estimular a brincadeira em períodos de repouso ou de estudo;

7) Escolher quadros ou fotografias com imagens alegres e positivas. Uma boa opção será expor alguns dos desenhos dos mais novos ou dos amigos mais próximos;

8) Evitar a utilização de espelhos nestes espaços, pois os mesmos amplificam as ondas eletromagnéticas, não promovendo um sono tranquilo;

9) Se possível, escolher mobiliário com cantos arredondados, pois para além de prevenir acidentes, reduz o fluxo de energia cortante, num local que se pretende tranquilo;

10) Em ambientes de repouso, como o quarto das crianças, o ideal é a utilização de iluminação amarela, pois proporciona uma sensação de relaxamento, contrariamente à iluminação branca, que desperta;

11) Deverá privilegiar-se a utilização de materiais naturais. As camas devem ser de madeira maciça, assim como os lençóis devem ser de algodão, proporcionando conforto neste espaço;

12) Nos quartos onde dormem duas ou mais crianças, deverá existir um espaço reservado à identidade de cada uma delas, ou seja, cada cama ou mesa de cabeceira deverá ter uma identidade própria, promovendo a individualidade de cada criança.’

 

Por: Vanda Boavida –  Professora e Consultora Internacional de Feng Shui

Como decorar a Sala de Estar
sexta, 03 de maio de 2019

Como todos os anos, existe o estabelecimento de novas tendências para a área de decoração de interiores. Embora ainda pareça cedo, já existe ansiedade de muitos para descobrir qual vai ser a preferência para a decoração para 2019.

Se você quer aproveitar para mudar a sua sala com as novas tendências, tudo bem, afinal é sempre bom reorganizarmos nosso lar para não enjoarmos da decoração ou mesmo para proporcionar aquele aspeto de “novo”. É uma boa ideia sempre pesquisar sobre o que está em alta, ainda mais que você fazer na sua casa observando todos os detalhes mais indicados, principalmente quando o assunto são salas pequenas.

Tanto o ano de 2018 como de 2019 possuem (e possuirão) tendências de decoração em comum e dos mais variados tipos para agradar aos gostos de muitas pessoas. Você pode começar na parede, em uma sala, modificando em cores detalhes específicos, basta ter vontade e muito desejo na hora de fazer a decoração de sala de estar nova.

De modo geral, é possível destacar as características presentes para esses dois anos:

  • Neutralidade;
  • Rusticidade;
  • Decoração escandinava;
  • Elementos naturais;
  • Iluminação natural;
  • Minimalismo;
  • Tijolinhos aparentes;
  • Tons pastéis;
  • Valorização do retrô;
  • Vegetação interna.

 

Estar por dentro dessas tendências e como adicioná-las à sala de estar pode fazer toda a diferença na hora de criar um ambiente confortável, bem alinhado e aconchegante para a família, não é?

 

Vale destacar que a decoração para o ano de 2019 – tratando-se não somente para a sala de estar, mas para a residência como um todo –, terá como pilares básicos o aconchego e referências da natureza, ou seja, fazer com que o lar seja mais orgânico.

Algumas salas de estar podem ter algumas cores neutras, serem enfeitadas com objetos decorativos em uma parede para dar um ar diferente ao ambiente. Assim você pode definir uma sala de TV, instalando um papel de parede, independente se as suas preferências são tons neutros com cores claras ou apenas uma cor intensa.

TENDÊNCIAS DE COZINHA PARA 2019
sexta, 26 de abril de 2019

A tendência da cozinha como área social da casa vem se firmando há pelo menos cinco anos. Com sua integração cada vez maior ao centro da residência, é natural que surjam acabamentos mais tecnológicos, um design mais funcional e móveis que possam valorizar e até ser inseridos no espaço. De olho nestas transformações, que colocam hoje a cozinha como a nova estrela da casa, selecionamos algumas tendências de cozinha para 2019 quando o assunto for decoração. Acompanhe!

COZINHA SUPERINTEGRADA

A cozinha está tão integrada à sala, que chega a desaparecer.

VERDE NAS COZINHAS

Foi-se o tempo em que o cultivo de plantas na cozinha era dedicado somente a ervas e temperos. A natureza está cada vez mais presente dentro de casa, e essa tendência pode ser sentida também na cozinha.

COZINHA COMO NOVA SALA DE ESTAR E JANTAR

Na contramão das cozinhas superintegradas, há essa tendência de fazer o espaço o centro da casa, as chamadas “cozinhas de estar”. Para transformá-la em protagonista, entram o verde, já mencionado no item anterior, acabamentos ultrassofisticados e móveis de design de vanguarda.

Não se esqueça de que os eletrodomésticos também acompanham a tendência e estão cada vez mais discretos no espaço.

COOKTOPS DOMINAM AS COZINHAS

Falando em eletrodomésticos, os cooktops estão em foco. A tendência é consequência da integração da cozinha à área social, o que pede o uso de bancadas.

A opção pela peça, além de garantir o visual mais limpo, deixa o dia-a-dia muito mais prático. E os fornos, onde ficam? Geralmente embutidos nos armários da cozinha, posicionados na altura dos olhos de seu morador.

MINIMALISMO NOS ARMÁRIOS

Linhas fluidas, puxadores discretos – quando existentes – acabamento sofisticado. O design dos armários da cozinha está cada vez mais clean e minimalista, sem abrir mão da funcionalidade. O objetivo é que eles se mimetizem às outras áreas da casa, e nada melhor do que um design bem pensado para atingir essa meta.

10 tendências de decoração de Páscoa para você testar este ano
sábado, 20 de abril de 2019

São poucas as ocasiões do ano em que você pode adaptar a decoração da sua casa para a ocasião. Por isso, trouxemos tendências de decoração de Páscoa que estão bombando no Pinterest para você repensar o visual da sua casa, ou investir em ideias diferentes para o almoço de domingo, e criar uma nova experiência em relação ao feriado.

Assim como no Natal e no Ano Novo, você pode brincar com os elementos que são comuns a essa época do ano – como a figura dos ovos e do coelho – para fazer um brunch temático, enfeitar a mesa e usar cores que remetam ao evento – ou que estão se transformando em uma sensação do Pinterest.

Confira, abaixo, uma seleção de ideias de decoração de Páscoa para você experimentar:

 

1.Mesa rosa e azul

Cores claras, que casam super bem e criam uma decoração mais delicada e leve.

 

2.Visual rústico

Pense em elementos de madeira na mesa, e pratos e itens decorativos que sejam menos enfeitados e mais simples.

 

3.Tudo Laranja

A cor vibrante cria uma decoração de Páscoa alegre – ótima para a mesa do almoço

 

4.Ovos por todos os lados

Quer criar uma decoração sem cair no clichê do coelhinho? Invista em ovos coloridos e trabalhados para usar na decoração – você pode até criar vasos com ovos diferentes, assim como fez com as pinhas do Natal.

 

5.Guirlandas de Páscoa

Para enfeitar a porta de entrada e receber os seus convidados já no clima do feriado.

 

6.Árvore de Páscoa

Galhos + ovinhos são uma solução ‘faça você mesmo’ incrível para enfeitar a casa – ainda mais se você está com o tempo curto.

 

7.Pote de ovo

Que tal usar um ovo como vaso? Um tipo de projeto DIY que cria um efeito incrível na mesa do almoço.

 

8.Cesta de coelhos

Um clássico da decoração de Páscoa, repaginado. Ao invés de simplesmente distribuir cestas com ovos pela casa, personalize esses itens para parecerem coelhinhos.

 

9.Ovos embrulhados

Com tecido, essa é uma maneira incrível – e muito fácil – de colocar mais cor na sua decoração.

 

10.Velas de ovos

Quer inovar e brincar com a iluminação da casa? Use algumas velas em formato de ovo para compor a decoração. Vale até usar uma forminha de ovos para deixar o décor mais divertido.

Tendências de decoração para a casa de banho em 2019
sexta, 12 de abril de 2019

Na hora de (re)decorar uma casa, esta divisão está longe de figurar no topo das prioridades. Ainda assim, são muitas as soluções criativas disponíveis.

A casa de banho estava entre as áreas da casa mais negligenciadas. Importava apenas ser fácil de usar e pouco mais. Mas será assim hoje em dia? Acreditamos que não. Atualmente, as pessoas já dão mais atenção a este espaço onde começam o dia e tantas vezes acabam com um longo e relaxante banho de imersão.

A casa de banho vai tornar-se num espaço cada vez mais relaxante, simples e funcional, no qual a banheira recuperará protagonismo. Ficamos a saber quais são as 6 tendências de decoração para 2019 que não pode perder de vista.

Aposta em linhas simples e funcionais

Especialmente em casas pequenas, impõem-se os lavatórios com linhas limpas e depuradas. O ideal é misturar alguns materiais e procurar uma estética contemporânea, limpa e arrumada.

Escolha materiais naturais

É uma boa ideia escolher madeira para que o espaço aporte algum “calor”. Além disso, o mármore ou a pedra natural conferem uma sensação de pureza e potenciam a sensação de um espaço limpo e simples.

Deixa-se levar pelas cores neutras e serenas

A casa de banho de 2019 tem a estética de um spa. A ideia é simples: conseguir um espaço descontraído. No que diz respeito à decoração, isso passa pela utilização de tons neutros, como bege, branco e cores terra, especialmente em revestimentos.

A casa de banho abre-se para o quarto

Abrir a casa de banho para o quarto é algo típico de hotéis de luxo e que tem vindo a ganhar, pouco a pouco, muita força. Para consegui-lo será preciso, por exemplo, utilizar divisórias de vidro e portas de correr. Na verdade, escolher uma porta de correr é uma boa ideia para abrir ou fechar a casa de banho sem perder metros quadrados.

Banheiras isoladas: objecto de desejo

Nesta ideia de transformar uma casa de banho num espaço parecido com um spa, para relaxar depois de um dia de trabalho, a banheira está a ganhar lugar de destaque, sobretudo nas grandes casas de banho.

Usa papel de parede para dar um toque de cor

Numa pequena casa de banho, onde não exista banheira ou duche, isto é, onde não há humidade, o papel de parede pode ser uma excelente ideia, porque cria um espaço surpreendente, envolvente e acolhedor.

Coloca papel de parede com motivos naturais ou animais

No geral é uma ótima ideia dar um toque de frescura à casa de banho. O papel de parede é perfeito, sobretudo se fores apreciador do estilo boho ou de apontamentos naturais nos teus espaços.

Escolha torneiras pretas, arrisque

Atreva-se a incorporar uma torneira preta nesse espaço. Especialmente numa casa de banho pequena, onde os tons brancos e creme são os protagonistas, um acessório em preto é sempre um detalhe de destaque que chama a atenção.

Cores claras e transparências

Este é um truque que não nos cansamos de repetir e que funciona quase sempre. As cores escuras absorvem a luz, o que faz com que os espaços pareçam mais pequenos. Pelo contrário, as cores claras compõem atmosferas mais luminosas e arejadas. O branco, o bege e os tons pastel, no geral, funcionam bem. As transparências são também uma boa opção pois farão com que o espaço pareça mais leve. Se a casa de banho tem, por exemplo, uma cabine de duche, escolha portas em vidro. O suporte para o lavatório e as prateleiras podem também ser em vidro.

Cabine de duche em vez de banheira: para as casas de banho pequenas, devem-se favorecer as cabines de duche em detrimento das banheiras. As primeiras ocupam muito menos espaço. Se a box do duche for angular, tanto melhor.

Aproveite o espaço na vertical: não havendo espaço útil no chão, aproveite as paredes. Em vez do móvel costumeiro sobre o chão, aposte em prateleiras ou num pequeno armário suspenso para guardar tudo aquilo de que precisa.

Aposte em plantas

Pela humidade que acabam por concentrar, as casas de banho são um local perfeito para muitas variedades botânicas. Para dar um toque de verde a esta divisão, muitas das vezes demasiado branca, pode apostar em vasos com suculentas ou até mesmo em terrários, para um efeito original. Se acha que não tem tempo nem disponibilidade para investir em flores naturais, tem sempre as de plástico, algumas com um aspecto muito vivaz.

EM resumo, menos é mais: simplifique! O excesso de padrões, ornamentos e detalhes em nada beneficiam um espaço pequeno. Mantenha o design cleanSeja arrumado, quanto mais coisas espalhadas a sua casa de banho tiver, mais pequena lhe parecerá.

Escolha uma porta de correr, as portas de correr não requerem espaço frontal para serem abertas, pelo que são uma excelente opção para espaços pequenos. Se não for possível colocar uma porta de correr na sua casa de banho, certifique-se de que a porta existente não abre para o interior da divisão, mas sim para fora.

Tendências de decoração para cozinhas em 2019
sexta, 05 de abril de 2019

Início do ano é a época de traçar novos objetivos, metas e todos os rituais de renovação, em todas as áreas das nossas vidas. A reforma da casa é um desses rituais, ainda que seja apenas um dos cómodos. Pensando nisso, reunimos aqui quais serão as tendências de decoração para cozinhas em 2019.

Este ano, muito do que foi tendência em 2018 continua firme e forte, mas é claro que vem muitas novidades também. O orgânico e o natural serão o destaque nas cores e nos materiais. Funcionalidade também é a palavra da vez, nesse ambiente que costuma reunir a família e tem diversas funções.

Cores: natureza, terra

A natureza e a terra dão o tom na decoração de interiores em 2019. Para conseguir esse efeito, você pode começar pelas cores em tonalidades diferentes de vermelho, bege, laranja. O verde também estará em alta, trazendo modernidade e resistência.

Você pode usar essas cores nas paredes, nos utensílios e objetos que compõem o ambiente. Essas cores darão um ar mais aconchegante e elegante à sua cozinha. A justaposição e o contraste vão dar o ponto de equilíbrio nas cores, já que os tons escuros serão os mais procurados.

Materiais: madeira e pedras

A madeira natural e a madeira escura são duas opções fortes de materiais este ano. Pedras também contribuem para um aspeto mais natural e rústico. Você pode usar esses materiais nos móveis, pia, bancadas e até mesmo nas paredes.

Armários: combine duas cores

Falando em móveis, outra tendência de decoração para cozinhas é o armário em duas cores. Pode parecer estranho, mas é algo que abre um leque de possibilidades.

É possível conseguir seguir vários estilos de decoração com isso. Você pode optar por uma cor nos armários superiores e outra nos balcões. Também pode escolher mais de um material para o mesmo item.

Layout: funcionalidade, aproveitando espaços

O design, em 2019, pretende unir o visual dos sonhos com ambientes funcionais. A cozinha é um cómodo que, com certeza, precisa desses dois pré-requisitos, já que é um lugar que não serve apenas para preparar refeições. Em muitas famílias, é a “central de comando” da casa, onde são armazenando itens básicos, onde todos se reúnem e onde fazem as suas tarefas. Por isso, funcionalidade é a palavra da vez.

Então, conheça bem o formato da sua cozinha (ou seja, a disposição da pia, móveis e eletrodomésticos) antes de decorá-la. Cozinhas em forma de “U” são ótimas para a colocação de ilhas e mesas ao centro. Em formato “L” permite que você integre esse ambiente aos demais cómodos.

E você já planeou a reforma da sua cozinha? Que outras tendências de decoração para cozinhas pretende seguir?

Salas decoradas 2019 - Ideias de decoração e designs
sexta, 29 de março de 2019

As Salas Decoradas são o sonho de muitas pessoas, que querem ter a sua casa própria.

E quando o assunto é sobre Salas Decoradas, existem milhares de estilos e modelos de decorações disponíveis.

Atualmente no mercado para se fazer a decoração de sala de estar, não é preciso muito esforço. Apenas a boa e velha pesquisa, e você encontra diversos estilos de decorações para sala de estar disponíveis.

A decoração de sala abrange combinações de formas, cores e texturas que se fundem para conseguir um espaço confortável e amigável, em que nos sentimos relaxados, bom ânimo e inspirados.

Tendências de Salas Decoradas  2019

Em 2019, há uma explosão das cores vibrantes e quentes, por isso que uma coisa é certa: as salas decoradas não serão mais lugares chatos e monótonos.

Cores e materiais de Salas Decoradas

A cor vai ficar em cadeiras, poltronas, sofás e acessórios, bem como mesas e luminárias. E os modelos clássicos modernos, seja Cassina, Ligne Roset ou Thonet, voltam a ser protagonistas, graças às cores atualizados, que se convertem em uma das tendências mais marcantes desse ano.

O único móvel em uma cor distinta, pode ser suficiente para revitalizar toda a estética das Salas Decoradas.

Também é notável a presença forte e brincalhão de cores pastel. Podemos ver o amarelo ensolarado ou amarelo-limão, vermelho-laranja ou o verde em todas as suas variedades.

Outra intrigante e profunda tendência é uma combinação de verde pinho, mostarda, azul royal ou vermelho bordeaux, que formam um estilo próprio de salas decoradas.

E falando da influência barroca e a riqueza das texturas, devemos dirigir nossa atenção ao uso de materiais ricos como o veludo, diferentes superfícies brilhantes de metal e a adição de madeira escura.

Ouro acetinado ou latão escovado, também podem contribuir para este tipo de decoração de sala.

Enquanto que o uso do bronze, foi destaque nos últimos anos, agora nós estamos vendo mais tons de ouro e bronze. Isso coloca uma forte ênfase no esplendor do interior em nossa casa, especialmente na decoração de sala.

A combinação entre o estilo escandinavo moderno e o charme vintage. Quando é combinado com uma pitada de dourado pode dar uma sensação de luxo e nobreza em suas salas decoradas.

Mobiliário para Salas Decoradas

A inspiração em peças de móveis vintage observa-se em quase todas as coleções das marcas mais renomadas.

O uso de novos materiais, novas tecnologias e estética são inspirados em desenhos que permanecem no tempo. Isso faz com que o design  das salas decoradas fique mais rico e divertido.

No entanto, este propósito e a reencarnação do design dos móveis antigos mostram a sua singularidade contemporânea: os sofás se expandem e se estendem, os bancos são grandes e fofos.

Convidando o conforto e o lazer, a nova tendência em poltronas indica que são grandes, inchados e macios, como uma expressão da vida moderna, onde as pessoas voltam para casa depois de um dia agitado e querem descansar e se sentir confortável. O ambiente deve ser luxuoso e elegante.

Com relação às prateleiras das salas decoradas, você pode cobrir toda uma parede, sem perder funcionalismo e estilo. Neste caso, a instalação da prateleira também pode ser móvel, e também pode servir como um separador de ambientes.

Existem sistemas modulares muito versáteis, que em uma linguagem minimalista, podem acomodar todas as peças facilmente.

As mesas de centro em salas decoradas são aparadores, mas também oferecem um mundo de originalidade e versatilidade.

Mármore, madeira e metal, estampas geométricas e lineares, com curvas arredondadas inesperadas, podem contribuir com o seu grão de areia para formar salas decoras espetaculares.

Tapetes para Salas Decoradas

Para uma vida agradável e uma composição interior vital precisamos de contraste e dinamismo.

Se as paredes são monocromáticas e incolores, você pode adicionar vitalidade usando tons de amarelo, verde, rosa ou azul.

Iluminação e papel de parede

Todos os detalhes pequenos e não tão pequenos no resto da composição das salas decoradas. Como objetos de arte, papel de parede, cerâmica ou lâmpadas, são compostos por materiais de moda: aço, mármore ou madeira, bronze brilhante ou ouro acetinado. Como combiná-los e criar uma mistura chique?

Características gerais das Salas Decoradas

As salas decoradas são caracterizadas pela simplicidade e o minimalismo. Os móveis tem linhas limpas e não há detalhes ou adornos desnecessários.

A inspiração para  a decoração de sala é baseada na praticidade, funcionalidade e capacidade de economizar espaço. Criando uma decoração bem ventilada e espaçosa.

A paleta de cores é geralmente baseada em cores suaves e quentes como o bege e marrom.

Na decoração de sala pode-se introduzir a cor por meio de algumas peças de acento. Elas podem tomar a forma de móveis ou de elementos decorativos, como almofadas ou tapetes.

Outro elemento muito importante nas salas decoradas são os móveis modulares. Que permitem ter um interior flexível e uma configuração de acordo com os gostos e as preferências pessoais.

As salas decoradas são muito práticos e versáteis, já que permitem reorganizar a decoração com facilidade.

Também se pode lidar com o contraste entre o antigo e o moderno. Por exemplo, alguns toques rústicos ou de época podem aumentar o interesse estético das salas.

O vidro é um material muito utilizado salas decoradas. Sua transparência o torna muito versátil e você pode coordenar facilmente com decoração de sala minimalista. Um acabamento brilhante em móveis contribuiria para que o quarto olhar elegante.

Como o projeto de interiores deve ser simples e limpo, muitos designers utilizam contrastes para criar pontos focais, por exemplo, um espaço moderno com toques industriais, ou por meio da cor, por exemplo, uma sala, onde predomina o branco, com alguns toques de cor preta.

Outro elemento que caracteriza a decoração de sala, são as grandes janelas que deixam entrar muita luz natural e permitem também belas vistas ao ar livre.

Salas Decoradas Modernas

Salas Decoradas modernas em branco

Um salão em branco não significa necessariamente que você tem que eliminar todas as cores. Você pode pintar o chão de madeira e as paredes de cor branca e comprar um sofá branco. Você pode complementar com uma cadeira ou uma mesa de café de cores brilhantes.

É recomendável não escolher um tapete branco, já que é muito difícil mantê-la. Para um tapete, é melhor usar cores neutras ou um tapete colorido.

As salas decoradas brancas também se veem lindas se os combinamos com cores neutras.

Salas Decoradas Monocromáticos em tons neutros

Muitos que gostem da decoração monocromática, podem levar suas salas decoradas para alcançar o mais puro estilo moderno.

Salas Decoradas Monocromáticos, em cores vivas

Salas Decoradas com Combinação de neutras com toques de cor

É perfeito para manter um quarto monocromática e adicionar interesse, por exemplo, com uma decoração de flores na parede.

Um pequeno espaço ainda pode ser uma declaração de estilo, se você tem bom gosto em móveis e adiciona muito branco e alguma pitada de cor em elementos de decoração.

Salas Decoradas com mistura de cores

Uma boa maneira de se conseguir uma sala contemporânea é apostar em móveis originais, acessórios de cores vibrantes e texturas modernas, como o veludo.

Usar cores de tons fortes somente em mobiliário é uma maneira de adicionar cor a um ambiente monocromático e adicionar modernidade a uma sala. Suplementos como a arte contemporânea e mobiliário de couro são perfeitos para criar um ambiente moderno.

Inspirar-se na natureza, usando acessórios verdes e formas orgânicas ele está sempre na moda. Usando móveis originais também.

A combinação de branco, vermelho e preto também garante um ambiente moderno. Para que você também seja sofisticado, manter as paredes brancas e adicionar ilustrações que ajudam a um cenário moderno.

A cor é uma forma de gerar um ambiente moderno. Combinado mobiliário brilhante e um tapete neutro para não sobre carregar o quarto.

Usar estofados pretos é sinônimo de modernidade. Combinado com cores vibrantes, padrões originais e prateleiras de armazenamento, logrará um espaço clássico e muito moderno.

Iluminação em Salas Decoradas

Uma sala bem iluminada é um perfeito exemplo de modernidade. Janelas bem grandes, tectos altos e mobiliário baixos são um resumo de design moderno.

Materiais para salas decoradas

Podem atingir este elegante salão revestindo as paredes de madeira e optando por móveis escuros.

Estofos em couro chocolate e as paredes em madeira castanho escuro, criam um salão elegante, refinado e muito sofisticado.

O cimento e a madeira podem se fundir surpreendentemente, para recriar um espaço elegante e nada de frio, como muitas vezes se pensa.

Salas Decoradas e minimalistas

Uma sala moderna não tem por que ter muitos elementos. Só com sofás de couro, tv de plasma e manter sofisticada quarto com cores neutras, logrará um espaço muito moderno.

Salas Decoradas étnicas

O estilo étnico é, provavelmente, um dos modelos decorativos que mais crescimento tem tido nos últimos anos, impulsionado por seu carinho, bom gosto e acima de tudo, pelo exotismo que transmite, dando uma clara imagem de delicadeza misturada com uma pesquisa de tendências decorativas as mais naturais. Agora, poucos terão visto o que acontece de a conjunção desse estilo moderno.

Basicamente o que acontecia era que muitas pessoas não se encorajaram a fazer decorações étnicas, caras que eram, impedindo alcançar os projetos que haviam projetado, seja por seu valor ou por sua disponibilidade.

É por isso que os designers buscaram a forma de transmitir o estilo, obviando muitos acessórios decorativos que à primeira vista roubado do túmulo original fundamentais para a decoração, mas o tempo provou o contrário.

Fizeram ênfase nas cores e nas texturas típicas representativas do Oriente, sudeste da Ásia e da África, e a qualquer de todas estas apenas lhes adicionaram um elemento decorativo representativo.

O resultado é fantástico, já que as combinações de cores terra, para os estilos africanos, assim como o vermelho com o preto e cinza, para os modelos orientais, conseguiram geram espaços fantásticos, enfim, de móveis ricos em texturas, mas carregados de um claro sotaque moderno.

Salas Decoradas com lareira

O salão é um espaço muito especial, e é muito importante conseguir o máximo de conforto.

Uma lareira moderna fornece calor e conforto. Caracteriza-Se pela sua simplicidade e aspecto contemporâneo, e o seu painel de vidro oferece uma bela vista do fogo.

Durante a noite, à lareira, salão se transforma em um lugar central em casa. Não ocupam muito espaço, e que permitem economizar as contas de aquecimento.

Mesmo se você tem uma sala pequena, você pode ter uma lareira para desfrutar de sua agradável calor.

Uma lareira cria um ambiente especial e proporciona uma melhor qualidade de vida. Ao lado da chaminé, você pode adicionar o mobiliário para sentar-se e assim ler os livros favoritos ou simplesmente relaxar tranquilamente.

Salas Decoradas pequenas

Em quartos pequenos, aconselha-se utilizar a cor branca ou outra cor luminosa como predominante, para ampliar visualmente o espaço.

Os sofás pequenos também são uma excelente solução para as salas decoradas. Você também pode considerar a possibilidade de ampliar uma janela. Isto dará a sensação de amplitude.

Salas Decoradas grandes

Salas Decoradas alongados

Neste tipo de sala, convém utilizar sofás de pouca profundidade, e colocá-lo contra a parede.

Para quebrar um pouco o comprimento, aconselha-se colocar dois sofás pequenos em ambos os lados e uma mesa central, acompanhado de objetos decorativos.

Salas Decoradas com Espelhos

Salas Decoradas com papel de parede

Salas Decoradas com plantas

 

Decoração de interiores: as apostas da Pantone para 2019
sexta, 22 de março de 2019

"Alimentos fetiche" dão o mote para o que vai estar 'in'.

Se está com vontade de conhecer as cores que vão dominar a decoração e design de interiores no próximo ano, então veio ao lugar certo.

O Pantone Color Institute, a entidade responsável pela famosa Cor do Ano, escolheu 72 tons em oito paletas de cores que, de acordo com a sua previsão, estarão espalhados por todos os lares em 2019.

Duas das paletas com maior destaque, 'Cravings' e 'Classico', vêm de lados opostos do espectro de cores.

'Cravings' tem o intuito de tentar os olhos, "bem como as papilas gustativas com vermelhos condimentados, doces laranjas flamingo e roxos ricos". As alusões a "alimentos fetiche", tais como pimentos e chocolate, são temperadas pelo calor dos tons neutros de Cappuccino e um verde semelhante ao dos relvados.

'Classico', como o nome indica, tem opções mais clássicas, e faz referência aos essenciais de estilo. Esta é a paleta em que "um gracioso branco cisne" e tons de camel combinam na perfeição com verdes-azulados profundos, cinzentos flanela, borgonhas e negros caviar.

Ideias de decoração simples e criativas para o dia dos pais
terça, 19 de março de 2019

Deixe a data ainda melhor

Olá, pessoal! Que tal surpreender os papais da família com uma decoração especial no dia deles? Vejam ideias simples e criativas que vão deixar a comemoração dessa data ainda melhor.

Um mimo essas garrafas de cerveja decoradas com gravatinhas borboleta. Foram feitas com massa farfalle pintada e fixada com cola quente.

Também dá pra "vestir" garrafas com camisas e gravatas de papel. Ou transformá-las em vasinhos com um rótulo especial (pode ser impresso e colado).

Se o rótulo for feito com fotos dos filhos, aí papai não aguenta...

Garrafas vazias (por exemplo, da bebida preferida do seu pai) podem ser reutilizadas como porta-retratos charmosos. É só fazer um rolinho com a foto escolhida, inseri-lo na garrafa, e depois ir ajeitando a foto com ajuda de algum objeto que caiba no bocal. Outra ideia interessante é decorar a moldura de um porta-retrato com carrinhos.

Um varal de fotos na mesa, cortina ou na parede mesmo também fica super legal.

Uma opção alegre e colorida é colar fotos nas fitinhas de balões de gás hélio. Dá um efeito visual incrível! E se a ideia é expor muuuitas fotos do papai com a família, nada melhor que um painel grandão.

Para decorar a mesa, um castiçal com rolhas de vinho super fácil de copiar.

Não sabe como dobrar o guardanapo em forma de gravata? Um enfeite de mesa (que pode ser um cartão) em formato de camisa. É só cortar um pedaço retangular de papel cartão, dobrá-lo ao meio para que fique de pé, apoiado na mesa, e fazer dois cortinhos para dobrar a gola da camisa. Botões e gravatinha de papel complementam a decoração.

Temos também uma guirlanda em formato de varal com fotos, mensagens, gravatinhas, bigodes, bandeirinhas... Use a imaginação para incluir recortes e símbolos que tenham a ver com o papai, por exemplo, referências ao trabalho, hobbies ou ao time de futebol dele.

E se bigode é uma das marcas registradas dele (pode ser com barba junto), uma ideia criativa é cortar um bolo desse jeitinho aí. Fácil e fofo.

Outra sugestão bacana é reutilizar latinhas e outros materiais para representar o papai ou personagens de que ele gosta, criar robôs engraçados, criar figurinhas abstratas, etc.
De quais ideias vocês acham que o papai vai gostar mais?

Beijocas estaladas!

As 10 tendências de decoração para a Primavera de 2019
sexta, 15 de março de 2019

Trending em sua casa significa trending na vida: descubra como o pode fazer!

As tendências de decoração são sempre atualizadas para que aqueles que gostam de seguir as novidades da moda, arquitetura e decoração fiquem ‘com as antenas no ar’. Por isso hoje vimos aqui saciar a sua curiosidade e fazê-lo, caro leitor, começar a semana inspirado!

Para o ano de 2019 as tendências de decoração são bem distintas, contando com diversos estilos, como a valorização do retro, rústico e o foco nas cores, são algumas das características que pode esperar nos projetos dos decoradores. Comecemos então a apresentar a vibe que poderá esperar para esta primavera neste nosso top 10!

1- Living Coral: A cor do ano

A cor Living Coral vai invadir ambientes e estampar decorações neste ano de 2019, principalmente na área do design de interiores. As cores trending 2019, principalmente, a cor do ano, remetem-nos à nutrição, conforto e familiaridade que nos fazem sentir bem. A cor é leve, lúdica, divertida e nos faz sentir alegres. Além disso, é calorosa, acolhedora e versátil, e permite combinações elegantes e inusitadas. Nossas ideias vão-te ajudar a incorporar a cor do ano 2019 na decoração da casa!

2- Tons Terra For The Win!

decoração de interiores de 2019 será regida por tons que nos remetam à terra, à natureza, ao aconchego e à nutrição da alma. Uma das cores que podemos usar para conseguir esse efeito são tons quentes de bege, diferentes tonalidades de verdes, vermelhos e laranjas, criando assim uma atmosfera mais aconchegante e relaxante. Em 2019 veremos uma paleta de cores do ano mais quentes e impactantes que no ano anterior, mas menos saturadas.

3- O Verde E As Plantas

O verde vai entrar na decoração através do uso de muita plantas, afinal de contas o que queremos agora é reconectar com a natureza, e nada melhor do que tê-la presente dentro de casa. Além disso, alguns tons de verde bem aconchegantes são tendências de cores para sala e para o quarto, e vão aparecer em cores de tinta e diferentes tipos de tecido.

4- Os Vermelhos E Terracota Voltaram!

Aos tons terra que já conhecemos, adicionamos outra tonalidade que se destaca em 2019: o vermelho, que pode aparecer nas suas mais diversas nuances até chegar ao tom beringela. Seguindo a inspiração da natureza, os tons terrosos continuam em alta, assim como os tons alaranjados. Os tons de amarelo também aparecem, mas sem chamar muita atenção, em objetos de decoração de interiores e em tons mais queimados.

5- Pequenos Elementos Dourados Estarão Em Alta Em 2019

O dourado também estará muito presente na decoração primavera 2019. Adornos, espelhos, cachepots, pés de mesas e cadeiras, poltronas e sofás… tudo pode receber esse toque de sofisticação e brilho, que lembra bastante a energia e a luz do sol. Não se pretende que esta seja uma cor muito usada pelo menos em grandes elementos, mas sim como pequenos pontos de decoração da casa.

6- Espelhos Redondos São O Mais Recente ‘Go To’

As curvas linhas orgânicas podem ser vistas em muitos elementos da decoração como, por exemplo, em tapetes, espelhos e até mesmo em alguns móveis, como mesas de centro, mesas auxiliares, poltronas e sofás. A ordem agora é ousar e criar novas sensações com móveis curvilíneos e mais fluídos. Tudo isso com o mesmo propósito das tendências anteriormente demonstradas: aproximar ainda mais da natureza.

7- Madeiras Mais Escuras Voltam Ao Ataque

Aposte nesta combinação: conjunto de plantas com móveis de madeira. Essa combinação é intemporal e combina com todas as épocas do ano: tanto na decoração de primavera/ verão como na paleta de cores tendência outono/ inverno 2019. A madeira pode estar presente inclusive nas cozinhas, dando assim um toque mais natural à decoração de um espaço que costuma ser mais frio e claro. Os tecidos que vai querer ter na decoração são aqueles que possuem textura mais natural e aconchegante. E combina na perfeição com iluminação interior mais quente de tom amarelado.

8- Pontos De Cor Estratégicos

Não é porque temos uma cor do ano que precisamos utilizá-la de forma intensa em todos os ambientes da casa. Podemos usar as tendências de decoração em pontos específicos dos ambientes como, por exemplo: bancadas, nichos e objetos de decoração.

9- Voltemos Ao Retro e Vintage

Resgate das ideias e padrões das décadas de 50,60 e 70 pois estão definitivamente em alta trazendo uma releitura com grande variedade e exuberância de formas com a linguagem contemporânea. Vale escolher peças laminadas, com cores vibrantes, como amarelo e vermelho. Una o antigo à personalidade jovem, de cores atuais.

10- Neutralidade e Minimalismo

O minimalismo, mais do que uma linha de decoração, é um estilo de vida. Esse estilo é voltado para o essencial, ou seja, está relacionado à abrir mão de elementos desnecessários para focar naquilo que realmente importa, tornando o ambiente mais limpo, ou “clean” e menos poluído. Seguindo a máxima: menos é mais. Os elementos decorativos são elegantes e o recinto precisa ser aconchegante. Nesse estilo, o uso de colchas, almofadas e itens decorativos com tons neutros e madeira compõem um ambiente perfeito.

Decoração para elas
sexta, 08 de março de 2019

Hoje é Dia Internacional da Mulher e em homenagem à data resolvemos reunir aqui várias inspirações decorativas para elas. Das mais delicadas às mais modernas e práticas, as mulheres têm gostos diferentes em tudo, inclusive na decoração. Pra quebrar o estereótipo do cor de rosa, juntamos uma variedade bem grande de estilos que combinam com elas.

 

Clean

O estilo clean não tem erro: aqui o menos é mais, as linhas retas prevalecem e as cores são neutras. São ambientes bem resolvidos, mas que podem ser facilmente alterados quando a composição enjoar. O design das poucas peças são de muito bom gosto e as luminárias redondinhas transmitem a delicadeza da mulher. Para moças práticas!

Glam

Com uma pegada completamente diferente do clean, o estilo glam também é bastante querido pelas mulheres. Aqui o que manda é o brilho: quanto mais, melhor. O glamour está presente em móveis espelhados, acessórios dourados, tecidos brilhosos como o cetim e muito mais! A paleta de cores costuma seguir uma neutralidade, pontuada com muitos detalhes em tom metálico.

 

Romântico

Porque sim, existem as que não gostam, mas também existem as mulheres que adoram rosa e uma decoração cheia de detalhes delicados e fofinhos. Estampas florais, móveis brancos, espelho com ar shabby chic, vasos de flores e muitos acessórios trabalhados fazem a cabeça das mulheres românticas.

 

Industrial

Cadeiras e luminárias de ferro acompanhadas de móveis rústicos garantem uma pegada industrial para esta sala de jantar. O toque feminino fica por conta dos pontos de cor e das flores que enfeitam e dão vida para o espaço.

Retro

Eletrodomésticos retro, estampas alegres, revestimentos práticos e uma infinidade de cores alegram esta cozinha com atmosfera saudosista. Com uma dessas até sobra disposição pra colocar a mão na massa na cozinha, né?

Moderno

Chão de cimento queimado, móveis modernos, quadro de personalidade e pra rematar, um lindo balanço. Sem frufru, mas de um enorme bom gosto e praticidade, com um mix do novo com o antigo. Para mulheres modernas e criativas!

40 ideias de decoração de Carnaval para animar a casa sem gastar muito
sexta, 01 de março de 2019

Carnaval é sinónimo de festa, alegria e muitas cores! Há quem seja figura assídua nos desfiles e não perde nunca a oportunidade de seguir um trio elétrico, mas também existem pessoas que adoram a folia, mas preferem curtir com os amigos e família em casa.

Vale decorar a casa, o salão de festas ou até um sítio (mesmo se você e o seu grupo resolverem alugar um espaço) e preparar uma festa bem especial.

O que importa é trazer a alegria e as cores dos blocos para um ambiente interno: para dentro de casa – ou no quintal, na varanda ou no salão de festas do seu prédio.

Se você faz parte desse grupo que quer curtir em casa, precisa ler as nossas dicas:

  • Abuse das cores nos ambientes! Faça um inventário dos itens mais coloridos que você tem em casa para usar, de louças a objetos de decoração;
  • Se o seu Carnaval for na sua sala, arraste o sofá e encoste os móveis às paredes, assim tem espaço no meio para uma pista de dança improvisada;
  •  Tem almofadas (ou capas) guardadas, de cores diferentes? Use todas! Não importa que as cores não sigam uma paleta, no Carnaval pode tudo! A festa pede todo o colorido possível!;
  • Use objetos fora do comum para decorar a mesa. Você pode, por exemplo, usar fitas com apitos ou pulseiras coloridas de acrílico como porta-guardanapos, ou então pequenas cornetas coloridas como marcadores de copos e taças;
  • Aposte em flores e bolas de papel crepe penduradas no teto, presas com fita adesiva;
  • Coloque tecidos presos no teto com fita adesiva como uma colcha bem colorida. Se não tiver, pode usar pedaços de TNT, que o efeito é o mesmo. Eles servem para decorar ou delimitar espaços.

Confira algumas ideias de decoração para o seu Carnaval em casa (e, todas, gastando bem pouco!):

1. Use o teto

Use o teto a seu favor. Pendure pontas de balões, serpentinas, pompons e o que mais você encontrar que possa dar um efeito carnavalesco. Para fixar, o fio não pode ser muito curto, para que o objeto não fique muito colado ao teto, e nem muito comprido, para evitar enroscar nos pés e causar uma queda ou outros acidentes.

2. Palitinho de churrasco

Como é que um item tão barato pode ser tão versátil? Independente se o menu da festa será churrasco, renove o seu stock de palitos para espetadas. Com eles, é possível criar várias decorações.

3. Garrafas no décor

Tem garrafas de vinho encostadas aí, apenas à espera de uma oportunidade para serem usadas? Então chegou a hora! Dê um banho de tinta em spray. De preferência, pinte com tons metálicos, assim fica fácil combiná-las com o restante da decoração.

4. Fitas, fitas, fitas!

As fitas são outro item básico e que vale a pena ter em casa e serve desde fazer um laço bonito num presente até para decorar cadeiras, bancos e pufes de uma festa bem colorida.

5. Potinhos de confetis

No Carnaval, a alegria da criançada é espalhar confetis: elas enchem as mãozinhas, saltam e atiram para o ar, criando uma chuva de papel adorável. Para manter essa tradição viva, espalhe potinhos com confetis por todo o seu espaço.

6. Estendal de bolinhas

As crianças têm papeis perdidos aí de algum trabalho da escola? Ou você estava a organizar o ateliê e descobriu algumas folhas de papel velhas? Faça um estendal de bolinhas coloridas. É um cenário perfeito para tirar fotos!

7. Peguem nas máscaras, vistam as fantasias e vamos para a folia!

A hora que toca a música da sua escola de samba chega a acelerar o coração, não é? Nessa hora, nada mais importa, a não ser o som da avenida. Por isso, deixe a decoração, inclusive da mesa, pronta bem antes da festa começar, para não se esquecer de nenhum detalhe.

8. Pontas de balões também ajudam

Não é festa de aniversário, mas se você conseguir pescar aquele saco de pontas de balões lá do fundo do armário, a ideia é usá-las como marcadores de taças. Use diversas cores e diferentes formas para amarrar cada uma delas, deixando cada copo ou taça, fácil de ser reconhecido.

9. Taças decoradas

Deixe os copos e taças personalizados. Use adereços próprios de Carnaval e apitos como marcadores. Assim, mesmo no meio da folia, ninguém perde a sua bebida! Deixe as taças dispostas numa bandeja com serpentinas e confetis.

10. Carnaval mirim

Os foliões mirins têm direito ao seu próprio cantinho. Lá, eles podem tudo. Esse estendal de confetis segue as cores do arco-íris. Já pensou em encontrar um pote de ouro no final do túnel?

11. Máscaras à disposição

Uma ideia simples e fofa, que pode ser feita com EVA, cartolina ou carimbos, para a casa também entrar no clima festivo! Escolha um copo alto para trabalhar, quanto maior, mais bonito fica.

12. Quase um altar

Você tem uma mesa de canto, ou daquelas mais altas, de apoio? Dá para usar esse móvel também. Basta forrar com uma echarpe ou outro tecido brilhante (dourado é o melhor), e colocar a sua melhor máscara ao centro, apoiada num arranjo de plumas.

13. Plumas

Plumas são sempre bem-vindas, seja para usar na decoração do cenário ou no figurino. Opte por comprar as de cores vibrantes, que causam impacto na fotografia e no ambiente. Use para fazer arranjos e deixe à disposição dos foliões também.

14. Guirlanda de carnaval

Para deixar sua casa inteira no clima festivo, invista numa guirlanda! Assim seus convidados vão ver, de longe, que a festa será inesquecível. Para isso, corte um cartão no formato da guirlanda, e ate muitas bexigas, de cores bem alegres, a toda a volta.

15. Arranjos altos de mesa

Arranjos altos chamam sempre a atenção, por isso, capriche na decoração do seu. Eles podem ficar na mesa principal, nalguma mesa de canto, aparador, buffet, ou até num banquinho, no cantinho do corredor.

16. Pequeno notável

Se você optar por ter várias mesas de festa para acomodar os convidados, invista em pequenos arranjos de mesa. Use uma toalha de cor neutra, e capriche nos brilhos e adereços. Por mais pequeno que o arranjo seja, já vai cumprir a função de não deixar a mesa despida.

17. Mesa posta

Se você não é folião, mas não deixa a data passar em branco, a ideia é um almoço temático. Deixe algumas marchinhas de Carnaval a tocar, como som ambiente, e decore a mesa com adereços delicados, mas marcantes, e que podem servir também como lembrança, como a simples máscara, usada como anel de guardanapo.

18. Decoração onde ninguém imagina

Se a casa inteira estiver aberta à festa, até a casa de banho pode ser decorada. Uma sugestão é aplicar máscaras grandes e bem chamativas nos espelhos. Use fita crepe para não danificar a peça. Você pode fazer isso em todos os espelhos da casa.

19. Kit de boas-vindas

E que tal um kit de boas-vindas para os seus convidados? E não precisa ser nada muito elaborado! Uma ideia é um kit ressaca num saquinho, neutro e decorado com bolinhas coloridas, com um sal de frutas, analgésico, folhas de hortelã e um pequeno frasco de elixir bucal.

20. Leve a lembrança para casa

Festa que se preze sempre tem uma lembrança, não é? O mimo é barato e vai ficar na cabeça dos convidados, principalmente das crianças. Encha tubos com gomas e personalize a embalagem.

21. Quados para entrar no clima

Se você tiver porta-retratos com molduras de cor alegre, é mais um item que pode servir para decorar o seu Carnaval indoor. Para isso, escreva o refrão ou uma frase de uma música bem conhecida. Fica um encanto!

22. Fitas e pontas de balões

Pontas de balões são bem-vindas em qualquer tipo de festa. Sempre dá para adaptar e usá-las de formas diferentes. Amarre fitinhas coloridas nas pontas e prenda os balões no teto. Você pode até usar CDs antigos pendurados, ajuda a criar um clima de dança.

23. Vamos reciclar!

Peça ajuda às crianças da casa na hora de montar esse arranjo, assim elas aprendem desde pequenas que a reciclagem pode, e deve, fazer parte do dia a dia. Para essa ideia, só precisa de rolos de papel higiénico como base. Cola, tesoura e papel colorido para fazer a parte das saias. Junte várias e pendure juntas.

24. Chita também ajuda!

Chita é aquele tecido que tem a cara bem brasileira, super colorido, cheio de estampados de flores. Use em pequenos enfeites. Use para forrar garrafas e deixar o clima ainda mais alegre.

25. Arco de balões

Se a entrada da sua casa permitir, faça um super túnel com pontas de balões. Dá para fazer com as cores do arco-íris, ou com algumas cores intercaladas. Use um arame como base, e faça uma máscara gigante para colocar no centro do arco.

26. Carnaval indoor

Tem um espaço grande, um salão de festas ou até mesmo a garagem disponível para a festa? Invista num quadriculado para o chão. É uma peça-chave para a ideia de pista de dança! Use um tema para deixar a festa bem personalizada.

27. Trouxinhas como mimo

Um docinho para comer no dia seguinte. Quem não gosta? Dizem por aí que é mais saboroso assim. Separe então a guloseima preferida dos seus convidados (pode até ser um bombom) e faça uma trouxinha. Às vezes, uma roupinha de festa, já dá uma outra cara para um doce simples. Além de ficar bonito para os convidados, também pode ajudar na decoração da mesa.

28. Prepare kits-festa

Use copos de shot para preparar pequenos kit festa. Neles, você pode colocar serpentinas e muitos, mas muitos confetis. Se a festa for para as crianças, use copos descartáveis, para evitar que caiam ao chão, quebre e magoem alguém.

29. Flores coloridas

Flores de cores bem fortes também podem ajudar na decoração do Carnaval. Equilibre a mesa com o uso de mosquitinhos (raminho de flores brancas pequeninas). Use adesivos de bolinhas (usados em material escolar e escritório) para dar uma nova cara às suas taças também.

30. Objetos reciclados

Tem garrafas plásticas e de vidro por aí? Junte todas e leve para o jardim. Forre o chão com jornal ou lona, e aplique tinta em spray em todas elas. Na hora de montar a decoração, vai ver a diferença que isso faz!

31. Confetis gigantes

Se a criatividade estiver em baixa por aí, compre papel cartão e desenhe bolas grandes (para isso, basta usar um copo ou fundo de alguma jarra como medida-padrão). Recorte e cole nas paredes de casa. Use fita crepe para, na hora de desmontar o cenário, não tirar o papel e a tinta da parede.

32. Resgate seus acessórios coloridos

Toda a gente tem acessórios coloridos em casa. Duvida? Pegue numa caixa e vá verificar, divisão a divisão. Às vezes a decoração já faz parte da casa e alguns itens podem passar despercebidos, mas que podem fazer a diferença no cenário da festa, como porta-velas e potes de cozinha.

33. Chuva colorida

Essa ideia é fantástica para festas que tenham crianças, porque elas simplesmente adoram! Crie uma nuvem de papel (que pode ser de rascunhos ou pedaços de papel que tenha em casa), e faça cortinas com gotinhas coloridas. O aspecto é de uma chuva colorida.

34. Tubinhos

Essa é uma lembrança que também vai ficar na cabeça das crianças. Encha tubinhos transparentes com pastilhas coloridas de chocolates. Tape o tubinho com uma fita e coloque um pequeno adereço. Pronto, lembrança feita!

35. Papelaria criativa

Esta ideia pode executar enquanto enquanto vê televisão. Corte tiras de papel colorido, todas do mesmo tamanho. Depois, basta uni-las, formando anéis, um dentro do outro. Pode espalhar várias pela casa, ou fazer uma cortina.

36. Monte uma mesa

Todas as festas precisam de ter uma mesa principal, seja com doces ou salgados. Não deixe de lado a decoração desse cantinho. Faça um painel com leques de papel crepe ou folhas de seda, e personalize toda a estrutura da mesa.

37. Cores em tudo

Não precisa reclamar mais dos talheres todos juntos. Disponha-os em vasinhos, com guardanapos coloridos. Facilmente identificáveis e muito coloridos!

38. O almoço é lá fora

Carnaval em Portugal é sinónimo de frio! Então, se a refeição for lá fora, no quintal ou no jardim, coloque mantinhas junto à mesa, de modo a que todos estejam aconchegados na hora de saborear o petisco.

39. Desenhos e espiral no teto

Vá ao centro comercial mais próximo de si, e visite as lojas de decoração. Vai ver que, mesmo com pouco investimento, também dá para comprar itens para deixar a sua casa no ambiente carnavalesco.

40. Ambiente pronto para a festa

E que tal um baile de máscaras? Se for essa a sua ideia, opte por usar um pouco menos de cores (talvez, seja bom manter-se fiel a 2 ou 3 tons). Use cortinas coloridas e flores na decoração.

15 dicas para organizar o seu closet, segundo o Feng Shui
sexta, 22 de fevereiro de 2019

Já ouviu falar no Feng Shui, correcto?

Mas sabe, realmente, o que significa?

Hoje, na homify, trazemos-lhe um texto sobre este tema, redigido pela professora e consultora internacional de Feng Shui, Vanda Boavida.

Caso queira remodelar a sua casa, segundo as regras de Feng Shui, a Vanda poderá ajudar!

Ainda há alguém por aí que não conhece a Vanda?

Vanda decidiu seguir esta paixão pela decoração e pelo Feng Shui há alguns anos, tendo estudado na Escola Nacional de Feng Shui para, mais tarde, se tornar professora e consultora na área.

Participou na organização da Conferência Internacional de Feng Shui, onde foi palestrante e, posteriormente, foi convidada, pela Feng Shui Society, em Londres, onde realizou uma palestra sobre o Feng Shui e o Vision Board. Actualmente, transforma lares em espaços únicos, com a assinatura da sua marca, Vanda Boavida. Participa, também, em vários programas de televisão, escreve para diversas revistas e realiza workshops e palestras, na área do Home Staging e Feng Shui.

A arte do Feng Shui

A Vanda descreve o Feng Shui como sendo ’uma arte milenar chinesa com cerca de 3.500 anos, que significa literalmente vento e água, onde o objectivo é harmonizar os espaços. É utilizado, hoje em dia, no ocidente e no oriente, tornando-se cada vez mais conhecido, muito em parte pela sua popularidade entre inúmeras figuras públicas, das mais variadas áreas, assim como entre diversas multinacionais, como a Body Shop, ou até mesmo a British Airlines.’

Sem mais demoras, partilhamos o tema abordado por Vanda.

Como organizar o roupeiro, segundo o Feng Shui

’(O Feng Shui) tornou-se numa ferramenta para potenciar o equilíbrio dos seus praticantes, proporcionando melhorias nas suas vidas, quer a nível pessoal, quer a nível profissional.

Seguem as TOP 15 dicas de Feng Shui, para o roupeiro:

1) Vender, dar ou reciclar tudo o que não utilizou nos últimos 3 anos (desde acessórios, roupa, sapatos… ). Se não utilizou nos últimos 3 anos, a probabilidade de o fazer agora é reduzida. Praticar o desapego é fundamental para estimular a renovação de energia;

2) Organizar por cores… para além de facilitar o dia-a-dia na hora de escolher a roupa, permite uma maior harmonia no roupeiro. Visualmente, torna-se mais apelativo;

3) Deve arrumar o roupeiro de baixo para cima. Na zona inferior, devem estar os sapatos e na zona superior, os chapéus e as malas de viagem;

4) A roupa para trabalhar deverá estar do lado direito do roupeiro, separada da roupa mais convencional;

5) Organizar por categoria, ou seja, calças com calças, vestidos com vestidos;

6) Utilizar sabonetes de lavanda natural, para perfumar o roupeiro, ou usar gotas de óleos essenciais para purificar e perfumar o roupeiro;

7) Para quem pretende emagrecer em 2019, deve vender ou dar a roupa mais larga, para estimular e incentivar o processo de emagrecimento;

8) Os sapatos, botas, sandálias e ténis devem ser organizados por categoria e só devem ser arrumados após limpar a sola dos mesmos;

9) Usar um cabide para pendurar cintos e lenços. Para além de se tornar mais prático, ocupa menos espaço;

10) Colocar malas mais pequenas dentro das malas maiores, todas da mesma cor,facilita a arrumação;

11) Evite colocar mais de duas peças em cada cabide. Muitas peças num mesmo cabide podem deformar o cabide e é mais difícil encontrar o que procura;

12) Use cabides de mesma cor e mesmo tamanho. Para além de tornar o roupeiro mais harmonioso, facilita na escolha da roupa. Caso divida o guarda roupa com outra pessoa, usar uma cor diferente para cada um;

13) Mantenha os cabides sempre virados para o mesmo lado. Quando estão dispostos na mesma direcção, os cabides ocupam menos espaço no armário e acaba por ser mais fácil manusear a sua roupa;

14) Cada meia dentro do outro par. Assim, consegue poupar tempo e espaço;

15) Pendurar colares em cabides pode ser uma excelente opção de arrumação.’

Por: Vanda Boavida – Professora e Consultora Internacional de Feng Shui

Ideias para decorar a mesa no Dia dos Namorados (São Valentim)
quinta, 14 de fevereiro de 2019

Uma das formas de comemorar o Dia de São Valentim, mais conhecido como Dia dos Namorados, é através de um jantar especial mais íntimo e romântico. Mas como os olhos também comem, ficam aqui algumas sugestões para decorarem a mesa para um jantar único, super romântico. 

DECORAR A MESA COM PRESENTES

Optar por um centro de mesa com presentes, de preferência recheado com pequenas lembranças que se vão desembrulhando durante o jantar. Os presentes podem incluir pequenas lembranças, questões marotas, frases que devem dizer um ao outro, fotografias para recordar...

BOLINHOS DA SORTE

Os bolinhos da sorte chineses são uma forma de predizer o futuro com as frases que se leem quando se partem para comer. No entanto, podem criar o vosso futuro criando um bolinho da sorte chinês em papel, ou em massa, com uma frase que desejam dizer um ao outro, ou até vários, e decorar a mesa do Dia dos Namorados desta forma.

MENSAGENS DE AMOR

Uma forma de decorar a mesa no dia de São Valentim é com muito amor. Escrevam frases de amor de autores famosos, ou pequenos excertos que enviaram um ao outro no passado, nem que seja algumas mensagens de telemóvel românticas. Releiam e relembrem esses momentos, porque o amor nunca é demais para ser recordado.

FLORES COM SIGNIFICADO

Se têm tempo para comprar flores, escolham flores com um significado especial; por exemplo, algo que desejem para o próximo ano da relação. Como por exemplo: o amaranto significa felicidade, a ambrósia significa que o amor é recíproco, lavanda significa constância, orquídea significa amor, refinamento e beleza.

Se não têm tempo para ir comprar flores, nada como usar a criatividade para criar um ambiente especial sem grandes acessórios. Colocar o vaso das orquídeas que muitos casais têm em sua casa, ou de outras flores, como centro de mesa, umas velas e voilá, um ambiente especial sem grandes custos ou preocupações.

Salamandras – a eficiência no aquecimento ao seu serviço
sexta, 08 de fevereiro de 2019

Ninguém tem dúvidas de que o inverno chegou. O frio já se faz sentir e começa a ser difícil prescindir do aquecimento para tornar os espaços interiores mais confortáveis. 

Neste capítulo, as lareiras, recuperadores de calor e salamandras aparecem como verdadeiros salvadores. O calor que proporcionam e a dança de chamas que emanam são capazes de transformar o ambiente mais inóspito num lar. Não é à toa que as palavras lareira e lar vêm do nome dos deuses romanos chamados Lares, que protegiam as famílias dentro de casa e cujo símbolo era o fogo aceso em cada habitação.

Mas, no meio de tantas opções e características diferentes, a escolha do melhor sistema de aquecimento para a nossa casa apresenta-se mais espinhosa do que podia parecer. Em que diferem e qual é o mais eficiente? Que tipos de combustível se podem usar? Qual é o que sai mais barato? Como se pode arranjar uma salamandra se não se pode colocar uma exaustão? 

Questões, as eternas questões que só quem tem uma casa sabe como acabam por se tornar complicadas…

Hoje falamos sobre salamandras e temos muito para dizer. Acompanhe-nos.

O que são salamandras de aquecimento?

As salamandras são dispositivos de aquecimento seguros e modernos, que já existem há muito tempo. Elas permitem conjugar as vantagens do lume e da sua chama com a segurança e a eficiência que a vida moderna exige.

Normalmente, as salamandras são feitas de ferro fundido e existem em centenas de modelos, com a possibilidade de utilização de diversos combustíveis. As mais antigas e tradicionais são uma espécie de pequenos fogões a lenha que servem exclusivamente o propósito de aquecimento, embora a grande variedade de designs disponíveis no mercado acabem por servir todos os propósitos decorativos.

Diferenças entre salamandras, recuperadores de calor e lareiras

  • As lareiras são simples câmaras com uma abertura para o ambiente e uma chaminé de exaustão de fumos (dotada de um ducto que impede a entrada do ar frio que vem do ambiente externo e capta o fumo que será expelido para o exterior). A parede posterior da câmara deve ter uma inclinação de 45 graus para empurrar as ondas de calor em direcção ao chão e fazer com que o fumo suba pela chaminé. É um sistema antigo, muito bonito, que permite uma visão privilegiada das chamas, mas com fraca eficiência energética.
  • Os recuperadores de calor assemelham-se muito a lareiras, mas normalmente a câmara é isolada, feita de aço ou ferro fundido e fechada com uma porta de vidro vitrocerâmico. Estes sistemas apresentam eficiências energéticas muito superiores às lareiras pois o calor produzido pela queima dos combustíveis é recuperado, sendo utilizado para fazer um aquecimento efetivo.
  • As salamandras são um misto de lareira e recuperador de calor. As salamandras unem a eficiência dos recuperadores de calor e a beleza das lareiras, mas ao contrário destes não são integradas nas paredes, podendo ser facilmente acrescentadas à posteriori, numa obra terminada. No caso das salamandras de alta eficiência, nem sequer precisam da tradicional chaminé, podendo ser colocadas em qualquer local da casa desde que a ventilação seja boa.

Vantagens das salamandras em relação aos concorrentes

  • As salamandras são sistemas de aquecimento muito eficientes, embora essa eficiência dependa do material em que é construída. Esse material determina também a forma como o calor se dispersa no ambiente mas, em média, as salamandras representam uma eficiência energética muito apreciável, havendo uma recuperação entre 60 e 80% do calor produzido.
  • Dependendo do modelo, as salamandras podem proporcionar sensações muito semelhantes às de uma lareira, como sejam a visão das chamas, o crepitar do fogo ou o cheiro a lenha.
  • No geral, são equipamentos bonitos e bem acabados que podem fazer uma diferença muito vincada pela positiva no seu ambiente. A versatilidade de modelos disponíveis no mercado tornam as salamandras tão boas para ambientes modernos como para ambientes rústicos, podendo tornar-se numa peça central da decoração da sua sala de estar, por exemplo.
  • São equipamentos ecológicos, utilizando a lenha como combustível, uma fonte de calor limpa e renovável. Mesmo as salamandras a gás ou a bioálcool são muito ecológicas.
  • As salamandras são sistemas de aquecimento económicos, em especial as que queimam madeira, pois a madeira é duas vezes mais barata do que o gás ou a eletricidade.

Salamandras a lenha

As salamandras a lenha são as mais tradicionais mas, simultaneamente, as menos eficientes dos vários tipos de salamandras existentes no mercado. Normalmente, são de ferro fundido. O seu rendimento normalmente não passa dos 50% e têm uma autonomia limitada com uma carga de lenha (menos de seis horas).

Devido a estas características, as salamandras tradicionais a lenha são aconselháveis apenas para funcionar como complemento pontual a outro tipo de aquecimento ou para produzir um ambiente mais acolhedor.

As salamandras a lenha com combustão melhorada, também chamadas de salamandras a lenha com ventilação são uma alternativa mais eficiente (com uma eficiência de até 70%). Estes equipamentos têm uma entrada de ar acessória regulável, direcionada para o centro da queima com o objetivo de regular a combustão.

Salamandras a pellets

Nas salamandras a pellets, a lenha desaparece para dar lugar a pequenos cilindros de matéria vegetal seca e comprimida.

Este tipo de combustíveis tem uma queima limpa, pouco poluente, e como podem ser constituídos por subprodutos da indústria da madeira e por valorização da biomassa vegetal tornam-se num produto muito ecológico.

Estas salamandras são dotadas de um reservatório, onde são colocadas as pellets, com um mecanismo de alimentação automática e uma regulação da temperatura por termóstato.

São equipamentos pouco poluentes, o que é muito importante para a manutenção da qualidade do ar interior, com grande autonomia (a queima pode durar até cinco dias, conforme o modelo da salamandra e o tamanho do depósito de pellets) e com um rendimento muito superior ao das salamandras a lenha (até 80%).

Salamandras elétricas, salamandras a gás e salamandras a bioálcool

Estes modelos modernos de aquecimento são chamados de salamandras pelas afinidades de funcionamento e instalação, mas afastam-se dos modelos de salamandra com queima, embora alguns possam proporcionar resultados muito satisfatórios.

As salamandras elétricas são aquecedores elétricos com ecrã que proporcionam um efeito visual e sons de chamas. Estas imagens têm o objetivo de criar o ambiente certo, nada tendo a ver com o aquecimento.

As salamandras a gás são uma alternativa bastante aceitável para quem não quer limpar os resíduos da queima ou ter os inevitáveis lixos provocados pela lenha. São equipamentos algo caros, que precisam de uma instalação feita por profissionais mas que, em alternativa, acabam por ser económicos. São muito eficientes e práticos, limpos e com estéticas modernas apelativas.

As salamandras a bioálcool têm uma queima muito limpa, sem sequer produzir sujidade à sua volta, podendo ser instaladas em qualquer local sem ser necessária a exaustão de fumos. Normalmente, não produzem muito calor servindo para efeitos de criação de ambiente, mas também as há bastante eficientes como aquecedores, apenas precisa de escolher a alternativa certa para si.

Preços

Neste mundo das salamandras, como praticamente em tudo na vida, há preços para todos os gostos.

As salamandras clássicas a lenha, em chapa de aço, para aquecimento de uma área entre 50 e 100 m2, têm preços que começam nos 135 Euros e podem escalar até mais de 1000 Euros em função de vários fatores, como a capacidade e o design.

As salamandras a pellets são mais caras, com preços a começar próximo dos 500 Euros e podendo atingir facilmente 5000 Euros em sistemas de aquecimento, com distribuição por toda a casa. As vantagens são conhecidas e podem justificar rapidamente o investimento.

Uma salamandra elétrica é um aquecedor elétrico com funções de conforto e os seus preços não são muito elevados, podendo encontrá-las por preços a partir de 40 Euros.

Os sistemas a gás são mais complicados e exigem manutenção. Os seus preços, normalmente, são dados por orçamento devido aos custos de instalação.

As salamandras a bioálcool têm preços a começar em cerca de 200 Euros.

Como pode verificar há preços e tipos de salamandras para todos os gostos e bolsas, só precisa de escolher o certo para si!

Como não errar na escolha do mobiliário e decoração
sexta, 01 de fevereiro de 2019

Mobilar e decorar a casa é divertido, mas as escolhas devem ser feitas com ponderação para que se criem ambientes bonitos, confortáveis e funcionais. Há muitos factores que condicionam este processo. Cada casa é uma casa, as pessoas têm estilos e gostos distintos, o orçamento pode ser uma condicionante (ou até levar-nos a ser mais criativos), e assim por diante. Ainda assim, há algumas regras simples que deve ter em conta para que o resultado cumpra.

Hoje, partilhamos consigo aqueles que para nós são os pontos essenciais para não errar na escolha do mobiliário e decoração. Para além destas sugestões, não se esqueça de ir beber inspiração aos projectos registados na homify onde encontrará muitas ideias sedutoras para aplicar em sua casa.

Ora tome nota.

1. Planear é fundamental

Planear, planear, planear. Insistimos muitas vezes nesta questão e não é por acaso. Comprar por impulso pode correr bem, mas, o mais provável, é dar para o torto. Se está a preparar-se para decorar a sua casa, então comece por definir o seu orçamento. Afinal de contas, é dentro dele que se pode movimentar. Depois, recolha inspiração de várias fontes e defina um estilo. A partir daí, tudo se torna mais fácil. Se optar por uma decoração moderna, descarta logo uma série de opções, o que facilitará as suas escolhas. Para cada divisão, faça um esquema para não comprar a mais ou a menos. Pode, até, fazer um desenho – não precisa de ser um Picasso! – para determinar para onde vai cada móvel e peça de decoração. Lembre-se que não tem que comprar tudo de uma vez. Aliás, até é preferível ir comprando aos poucos para ver como as coisas estão a ficar e se tem que fazer alterações no seu plano inicial.

2. Tirar medidas para as proporções acertarem

As proporções são tudo num projecto de decoração. Tire medidas aos espaços antes de comprar os móveis e os objectos de decoração mais pequenos como candeeiros, jarras, quadros, entre outros. Vai comprar um sofá? Então, meça o espaço onde o vai encaixar. Precisa de uma carpete para essa zona? A carpete deve ser proporcional ao sofá. Não convém a largura ser à justa. Deixe que sobrem alguns centímetros de ambos os lados e, no caso de ter um móvel de televisão em frente ao sofá, assegure-se de que a carpete não fica muito longe dele porque o intervalo entre o fim da carpete e o móvel da televisão ficará estranho. No quarto, por exemplo, as mesas de cabeceira não devem ser muito altas ou baixas em relação à cama. Meça a altura da cama e compre mesas cuja altura não destoe. Aplique esta lógica a todas as áreas da casa.

3. Definir as cores

De certa forma, a definição das cores está incluída no planeamento e também ajudará a afunilar as suas opções. Há quem prefira paredes coloridas e móveis e peças de decoração neutros. Outros há que preferem apostar numa base neutra e introduzir a cor através dos objectos. Seja como for, sugerimos que não se disperse muito. Escolha, por exemplo, três cores para cada divisão: uma cor principal e duas secundárias. Não se esqueça de criar contrastes para evitar que os espaços se tornem unidimensionais. Vale realçar que há cores que nos parecem bem na loja ou on-line, mas que não funcionam na nossa casa por algum motivo (iluminação, dimensão do espaço, etc.).

4. Pensar muito bem na questão da luz

Os pontos de luz são parte muito – muito! – importante da decoração. A luz torna os ambientes funcionais, acolhedores e apelativos do ponto de vista estético. Quando iluminar os espaços, lembre-se que há três categorias de iluminação – iluminação ambiente, iluminação de tarefa e iluminação de realce -, pelo que deve comprar candeeiros que dêem resposta a cada uma destas necessidades para todos os espaços.

Numa sala de estar, por exemplo, para além de um candeeiro de tecto, não se esqueça de colocar candeeiros ao lado dos sofás e, eventualmente, um candeeiro de pé a ocupar uma qualquer esquina ou candeeiros de parede (apliques) que ponham em evidência quadros ou até a cor das paredes.

5. Comece com as peças maiores

Há peças base em cada casa: o sofá, as camas e a mesa da sala de jantar estão entre elas. Comece pelas maiores e vá completando a decoração até chegar às mais pequenas. Na sala de estar, por exemplo, deve começar pelo sofá. Depois, pode passar para o móvel de televisão. De seguida, para a carpete e pontos de luz e, por fim, foque-se nos detalhes. Ao dispor os móveis nos espaços, certifique-se de que eles não estorvam a fácil circulação dentro dos mesmos. Além do mais, os móveis não devem surgir como obstáculo à abertura de portas, de janelas ou de gavetas. O ambiente deve ser fluido e arejado. “Menos é mais.” – assim dizia Mies van der Rohe e nós concordamos.  

6. Não se esqueça dos detalhes

Não pensar nos detalhes é um erro. Eles são uma extensão da nossa personalidade. Depois de adquiridas as peças volumosas e essenciais de que lhe falávamos acima, debruce-se sobre eles. Molduras com fotografias de momentos especiais, almofadas e mantas para oferecer conforto, jarras com flores frescas, objectos de colecção, recordações de viagens, velas… são elementos como estes que preenchem e dão alma aos espaços. São eles que transformam uma casa num lar.

7. Não compre as peças em conjunto

Mesa de centro do mesmo conjunto das mesas de apoio ao sofá? Camas e mesas de cabeceira da mesma linha? Poltronas e sofás que pertencem à mesma gama? Isso já não se usa. Evite os “conjuntinhos”. Se está a mobilar e a decorar a casa pela primeira vez, é natural que se sinta um pouco desorientado e vá pelo caminho mais fácil de comprar tudo a condizer para “não ter que pensar muito”, mas os espaços saem valorizados se se misturarem materiais e texturas. Complemente o seu sofá com poltronas que contrastem, a mesa de centro não tem que ser gémea da mesa de apoio, uma almofada com um estampado floral pode ficar super bem com uma às riscas. Seja criativo e torne os espaços interessantes! Gostou destes espaços?

Rápidas mudanças de decoração que transformam halls de entrada
sexta, 25 de janeiro de 2019

Quer começar o ano a renovar mas não tem muito tempo ou disposição para grandes projectos de decoração? Desespera por chegar a casa e encontrar um cenário diferente mas o orçamento não estica?

Os seus desejos são ordens e a homify está cá para o ajudar!

Para haver uma revolução, ela só tem de começar por algum lado. Não precisa de ir a correr para as lojas e mudar a casa toda, uma boa revolução pode ter um início modesto.

Comece por mudar o hall de entrada, pois é esse espaço que vê assim que chega a casa e o impacto vai fazer-se sentir de imediato.

Hoje, temos para si oito ideias simples para mudanças rápidas que vão transformar o seu hall de entrada. Venha connosco dar início à revolução do estilo!

1 – Troque de consola

Mudar a consola do hall de entrada é um passo rápido e seguro no caminho da mudança.

Estes móveis