Edredom: 8 Dicas Úteis Para Escolher o Seu
sexta, 14 de maio de 2021 homify SÍLVIA CARDOSO Jdias

Há poucas coisas mais satisfatórias do que nos deitarmos, ao fim do dia, numa cama feita com um edredom fofo que nos mantenha aconchegados durante o sono. Hoje em dia, a oferta é bastante vasta em termos de têxteis e acessórios para a cama. No que toca aos edredons, há-os com todos os pesos, de qualidades distintas, de tamanhos variados e há, ainda, as capas de edredom que nos permitem personalizar o edredom propriamente dito de acordo com o nosso estilo e elevando a decoração do quarto.

 

A compra de um edredom não é, nem tem que ser, um processo complicado, mas é oportuno ter conhecimento do que existe no mercado para fazer a escolha que melhor vá ao encontro das nossas cidades. Hoje, é aos edredons que dedicamos o nosso artigo. Que preenchimentos existem? Qual o melhor tamanho? Qual o nível de calor de que precisamos? Como manter ou lavar o edredom? Há edredons para berços?

 

Por ora, fique por aqui e tome nota das dicas que se seguem. Afinal de contas, a qualidade do nosso sono é importante para a nossa saúde e bem-estar geral.

 

1. Edredom – que preenchimento escolher?

Em primeiro lugar, deve decidir se quer um edredão com um preenchimento natural ou sintético.

 

Preenchimento natural: o preenchimento natural é leve e, ao mesmo tempo, quente, para além de mais respirável. Se os patos e gansos se mantêm quentes durante o mais rigoroso dos Invernos, imagine o efeito que essa penugem e penas têm quando usadas num edredão. Se optar por um edredão de penugem ou penas, deve certificar-se de que o enchimento é, efectivamente, feito totalmente com estes materiais. Se na etiqueta se ler apenas que o edredom é de penugem ou penas (uma informação vaga), é provável que o seu enchimento tenha 30% de penugem ou penas e 70% de um material sintético. Por isso, procure um edredão cuja descrição mostre que o enchimento é 100% natural. Note-se, ainda, que as penas não são tão quentes e leves como a penugem, por isso, são mais baratas que estas últimas. Pessoas alérgicas devem comprar edredons cujas penas tenham sido limpas e esterilizadas. Para modelos em penas, é recomendável uma gramagem de 180 g/m2, para o Verão, e 270 g/m2, para o Inverno. Não compre modelos com uma costura compartimentada – com faixas verticais, por exemplo – visto que a pouca compartimentação pode levar a que o enchimento fique distribuído de forma heterogénea, com algumas zonas apenas com o tecido exterior. Cabe mencionar que estes edredons têm uma vida longa (duram cerca de 10/15 anos). Levam, todavia, mais tempo a secar.

 

Atenção: há, no entanto, questões problemáticas concernentes ao tratamento dos animais. É importante informar-se sobre a origem do produto e, claro, considerar alternativas sintéticas.

 

Preenchimento sintético: se tem alergia a penas, se estes edredons são demasiado caros para si ou se, por questões éticas, prefere um edredom com preenchimento sintético, considere alternativas como o poliéster – que tem um toque parecido com o da penugem -, o algodão ou a lã. Para além de mais baratos, são hipoalergénicos. Por outro lado, são menos respiráveis e mais pesados, sendo que esse peso não é proporcional ao calor gerado. No que respeita às fibras de poliéster, existem muitas variedades (Quallofil Air, Hollofil, Cyclafill, entre outras). Quanto mais ar lhes for injectado, mais quente será o edredom. Em termos de peso, é recomendável uma gramagem de 180 e 250 g/m2, para o Verão, e entre 300 a 500 g/m2, para o Inverno. Quanto mais denso for o enchimento, mais caro será o edredom, mas o material da cobertura externa também influenciará o preço.

 

2. Qual o melhor edredom para cada estação?

Edredom quente, médio ou fino? Um edredom demasiado fino e frio em pleno Inverno será, por certo, um problema, especialmente num quarto pouco aquecido. Por outro lado, no Verão, um edredom demasiado quente será um impedimento para uma boa noite de sono. Ainda assim, no Verão podemos apenas puxar para trás e ficar com o lençol. No Inverno, acaba por ser pior porque temos que acrescentar mais camadas e a cama acaba por ficar pouco confortável (já para não falar que não é prático). Reconhecemos, contudo, que esta questão acaba por ser um pouco pessoal e subjectiva porque há pessoas mais friorentas do que outras. Hoje em dia, muitas pessoas compram edredons que são compostos por duas camadas, uma com um nível térmico baixo e a outra com um nível térmico médio. São conhecidos como edredons quatro estações. No Verão, pode-se usar apenas a camada com nível térmico baixo. Na meia estação, pode-se usar a camada com nível térmico médio. No Inverno, juntam-se as duas. É uma solução muito versátil e prática.

 

3. Grau de calor e a medida TOG

Como referimos, o grau de calor depende de vários factores, como o clima da região onde vive e a temperatura da casa, e varia de pessoa para pessoa. Para camas de casal, em que um é mais friorento do que o outro, é preferível cada um ter o seu próprio edredom ou, então, colocar uma manta ou cobertor de um dos lados.

 

Na indústria têxtil, o calor relativo mede-se através de uma medida de resistência térmica chamada TOG. A medida vai do 1 ao 15 e quanto mais alta for, mais quente é o edredão. Esta medida ainda não é usada em Portugal, mas é muito mais fidedigna do que o peso por m2. Segundo a medida TOG, um edredão de Verão não deve exceder o 4.5 TOG e um modelo de meia estação não deve ultrapassar os 10 TOG. Entre o 10 e o 15, o edredão já é considerado um edredão de Inverno.

 

Nota: em relação ao calor, convém ainda ter em consideração as outras camadas de tecido que vai incluir na sua cama: lençol, capa de edredão e manta. Todas as camadas geram calor, por isso, não descure este ponto. Se usar um edredom nórdico (são bem quentes e fofos), use lençóis mais leves.

 

Nota 2: para regiões muito frias, pode-se, também, optar por um edredom polar. Os edredons polares, embora menos comuns, são extremamente macios e aconchegantes, ideais para climas rigorosos. É como dormir abraçado por um urso!

 

4. Tecido exterior e costura

Os edredons são acolchoados para que o enchimento se mantenha no lugar, daí os edredons cosidos em faixas verticais não serem a melhor escolha. Os quadrados formados pelo acolchoado criam compartimentos mais pequenos que garantem que o enchimento não se espalhe. Quando pega no edredom e sente que há partes muito finas em relação às outras, é porque o enchimento se espalhou e se concentrou num único ponto, o que não é nada confortável nem apelativo do ponto de vista estético. É, por isso, essencial haver uma boa costura para limitar a perda de calor e uma distribuição homogénea do calor. O tecido do edredão deve, também, assegurar de que não há libertação de fibras para o exterior. Para um edredom de penas, o tecido deve ter entre 120 a 150 fios/cm2; para um edredom sintético, não são necessários fios tão densos, pelo que 90 fios/cm2 chegarão.

 

5. Edredom – escolher o tamanho

Antes de comprar o seu edredom, não se esqueça de medir a sua cama. O edredom deve cobri-lo bem e ficar bem preso nas laterais e ao fundo para que durma com todo o conforto. Não há nada pior do que puxar de um lado e ficar destapado do outro. A cama acaba por se desfazer, o que afecta a qualidade do sono. Também importante é comprar uma capa de edredom proporcional ao mesmo para que este não ande a “dançar” dentro da cama, o que também prejudicará o seu sono.

 

6. Edredom – preços

Os edredons mais caros são os edredões de penugem de ganso, brancos e hipoalergénicos. Se o seu orçamento for limitado, opte por um que mistura materiais naturais e sintéticos ou por um edredão com um enchimento sintético. Porém, lembre-se que a qualidade do nosso sono é importante para a saúde, por isso, comprar um bom edredão é um bom investimento.

 

7. Edredom bebé: edredom e protetor de berço

Os bebés com menos de um ano não devem ter edredom e/ou cobertor no berço, pois podem asfixiar. A partir dessa idade, pode-se introduzir um edredom. O mesmo se aplica às almofadas. Até lá, aconchegue o bebé com roupa de cama que fique ao nível do tronco e que esteja presa debaixo do colchão. Quanto ao protetor de berço, se o colocar, assegure-se de que este fica bem preso à grade para não cair sobre o bebé.

Ainda assim, aconselhe-se sempre junto do pediatra do seu filho.

 

8. Edredom: como manter?

Arejamento: o edredom deve ser arejado uma vez por semana. Faça-o logo pela manhã quando o ar está mais limpo e fresco e o sol menos agressivo. Deste modo, a humidade da noite evaporar-se-á, o que reduzirá a prevalência dos ácaros que singram em ambientes húmidos. Aproveite também para sacudi-lo.

Lavagem: primeiro, convém usar capa. A capa protege o edredom e evita que se tenha que estar sempre a lavar. Lave o seu edredom de acordo com as instruções da etiqueta. Caso tenha dúvidas, leve-o a uma lavandaria.

Secagem: seque na máquina apenas se a etiqueta tiver essa indicação. Caso contrário, seque ao ar livre. Note que o edredom só pode voltar à cama quando estiver muito bem seco!

Armazenamento: guarde num saco a vácuo ou na embalagem original.

E assim terminamos o nosso artigo. Agora, já pode escolher um edredom à medida das suas necessidades.

Este website usa cookies para melhorar a navegação dos nossos utilizadores. Ao navegar no site está a consentir a sua utilização. Fechar ou Saber Mais