Blog

Architecture, Design, Art and Lifestyle

This is your magazine specializing in Architecture, Design, Art and Lifestyle as complements to Space Decoration. Here we will reveal the national and international trends that are marking the segment and that will surely inspire you. With our contents we share fascinating and revealing stories in order to truly involve our readers with the projects, places and people we publish, in an intimate and familiar way.

Vedações em madeira para proteger casas, jardins e terrenos agrícolas
May 11, 2022

Vedações em madeira para proteger casas, jardins e terrenos agrícolas

Uma propriedade – com ou sem jardim ou terreno agrícola – precisa de um elemento que a circunscreva, que lhe garanta privacidade e que a torne mais segura. As vedações, para além de decorativas, também cumprem estes desígnios pelo que nos parecem um bom investimento – senão mesmo essencial.Hoje, debruçar-nos-emos sobre vedações em madeira. A madeira continua a ser um dos materiais mais populares para construir esta estrutura. É bonita, tem uma boa relação qualidade-preço e oferece durabilidade quando bem selada e mantida. Além do mais, pode personalizá-la e pintá-la da cor que lhe aprouver.Tome nota sobre as vantagens e as desvantagens de ter uma vedação, sobre que tipos de vedação existem e inspire-se.Vamos a isso?​1. Porquê investir numa vedação?Tem dúvidas sobre se deve ou não investir numa vedação? Damos-lhe várias razões pelas quais deve fazê-lo:Privacidade: uma casa demasiado exposta não é, pura e simplesmente, agradável. Uma vedação ajudá-lo-á a criar o seu oásis de privacidade.Segurança: as vedações transmitem, de imediato, a ideia de protecção e de segurança. Para além de dificultarem a entrada a eventuais intrusos, ocultam aquilo que está no interior das casas e que pode despertar interesse.Contenção: quem tem crianças e animais tem todos os motivos para se preocupar com o resguardo da casa. Com uma vedação, pode deixar as crianças e os animais brincarem no exterior de forma livre e mais despreocupada.Redução de ruído: sabia que uma vedação de cerca de 2.50m pode reduzir entre 6 a 10 decibéis o barulho vindo da rua? Este facto é particularmente importante quando a casa se insere numa zona barulhenta. Aliás, já há empresas que se dedicam à produção de vedações orientadas para reforçar o conforto acústico e que conseguem reduzir, entre 60% a 85%, o barulho vindo da rua, dependendo da altura e das frequências.Decoração: uma vedação de jardim bonita e bem mantida é uma adição estética interessante. Note-se que a vedação pode ser complementada por vegetação para se criar uma composição ainda mais apelativa.2. As vedações têm desvantagens?Sim, as vedações têm um lado menos positivo. Queremos, porém, reforçar que as vantagens compensam as desvantagens. Entre as desvantagens, destacaríamos as seguintes:Preço: o custo de uma vedação pode variar consoante o estilo, o comprimento e o material da mesma. No AKI, uma vedação de estilo tradicional em madeira de pinho com uma medida de 80x180cm custa a partir de 19.99€. Já uma vedação cruzada extensível, de estilo rústico e com 80x250cm custa 26.99€. Se preferir uma vedação totalmente opaca, pode optar por painéis de madeira castanhos com tratamento autoclave. Neste último caso, o preço ascende aos 59.99€ – 69.99€.Manutenção: a madeira é um dos materiais que requer mais cuidados no que toca à manutenção. Se optar por uma vedação em madeira, não se esqueça de limpar, selar, pintar e aplicar produtos para evitar pragas.3. Vedar terreno agrícolaNa agricultura, as vedações são usadas para delimitar os terrenos e manter os animais afastados das culturas ou, pelo contrário, para conter os próprios animais (cavalos, gado, e assim por diante).Podem ser usados diferentes materiais para vedar um terreno agrícola – fio de arame farpado, liso ou tela, arame de alta resistência, rede ligeira, rede forte, entre outros. As cercas de madeira para vedar terreno agrícola são usadas quando o orçamento não é a principal preocupação e sobretudo em quintas com cavalos ou onde o gado desafia a cerca.Os materiais sintéticos com qualidades da madeira são também uma solução, embora tendam a ser a opção mais cara na maioria dos casos. Em algumas áreas, a madeira pode não ser cara caso abunde na região. Além do mais, há proprietários que podem usar madeira proveniente das próprias árvores. Estas madeiras são mais saudáveis já que os químicos dos postes de madeira comprados em loja não são saudáveis para o solo e para as pessoas.Vale, porém, realçar que a madeira requer manutenção regular e que sem ela, a vedação acabará por se danificar. Nos climas húmidos, o tempo de vida de uma vedação de madeira é de cerca de 20 anos se for mantida. Uma madeira tratada sob pressão requer menos manutenção, mas acarreta outros custos.​4. Tipos de muro de vedaçãoA vedação em madeira, em vez de começar a partir do solo, pode assentar sobre um muro. Esta é, aliás, a melhor opção já que poderá contar com uma base mais robusta e sólida que, ao contrário da madeira, não corre o risco de apodrecer e, como é opaca, reforça a privacidade e a segurança do espaço que envolve.E que tipos de muro de vedação existem? Estes muros podem ser construídos em diferentes materiais. A escolha dependerá de diferentes factores como o estilo da casa – e até da paisagem – e da sua disponibilidade financeira.As escolhas mais populares recaem sobre:Os muros de vedação em alvenaria: a alvenaria é um conjunto de tijolos, blocos ou peças que se sobrepõem e são coladas por uma argamassa. Este elemento sobressai pela resistência a cargas gravitacionais e a impactos. É bastante acessível.Os muros de vedação em pedra: a pedra é um material clássico, robusto e esteticamente apelativo. Dialoga particularmente bem com madeira. Uma vedação em madeira com uma base em pedra é uma excelente escolha para uma casa rústica, embora não seja apanágio deste estilo.Os muros de vedação em betão: o betão é o material mais usado na construção civil. Um muro em betão é uma boa escolha para servir como base para a sua vedação de madeira. Pode abraçar as tendências e deixar o betão aparente – sobretudo se tiver uma casa moderna – ou pintá-lo da cor que lhe agradar.​5. Precisa de licença para colocar um muro de vedação de propriedade?Segundo a nossa pesquisa, são obras de escassa relevância urbanística: ’d) A edificação de muros de vedação, até 1,8 m de altura, que não confinem com a via pública, e a edificação de muros de suporte de terras, até uma altura de 2 metros, ou que não alterem significativamente a topografia dos terrenos existentes;e) A edificação de muros de vedação e muros de suporte face à via pública que resulte do alargamento da referida via e ou que viabilize obras para a sua requalificação da responsabilidade da autarquia;f) A ampliação de muros existentes devidamente autorizados confinantes com a via pública até à altura de 1,50 m;g) As obras confinantes com a via pública relativas a simples abertura pedonal desde que a largura total não exceda 1,20 m e ampliação até 5 m ou redução de aberturas carrais preexistentes, o portão introduzido não invada o domínio público, apresente características idênticas a outros preexistentes, e não sejam alteradas as demais características do muro, excetuando-se as áreas sob jurisdição das IP – Infraestruturas de Portugal;h) A instalação de vedações ligeiras em arame com suportes em postes de madeira ou outros materiais que se fixem ao solo por simples implantação sem recurso a estruturas de fixação em betão;’Pode, porém, consultar a Câmara do seu município antes de encetar a sua obra para se certificar de que não incorrerá em infracção.*Fonte: Diário da República ​6. Vedação para varandasJá terá visto muitos prédios com varandas e terraços cujos guarda-corpos têm uma segunda vedação. Isto acontece sobretudo em casas onde habitam crianças pequenas e animais domésticos e quando as varandas têm aberturas ou são demasiado baixas. Em alguns casos, usam-se redes para se obter essa protecção adicional, mas também se vê amiúde o uso de caniçados de cama, vime ou bambu. Os caniçados são vendidos em rolos – de 3 metros, 6 metros ou mais – e podem ser facilmente cortados e adaptados ao espaço em questão. Certifique-se de que o caniçado fica bem preso.7. Que profissionais lhe podem ser úteis?Se anda a construir ou a remodelar a sua casa e a questão da vedação se coloca, então não deixe de recolher várias imagens de vedações que vão ao encontro do seu estilo e do estilo do seu imóvel.Mais ideias: vedações em madeira para murosSe tem um jardim ou um terreno agrícola é fundamental ter também muros de vedação, quer em termos de proteção como de privacidade.

Read more
Vitrines – Uso Comercial e Residencial
April 29, 2022

Vitrines – Uso Comercial e Residencial

Por vitrine ou vitrina, entenda-se a vidraça ou mostrador com tampo ou porta de vidro utilizado para expor objectos que estão à venda. Uma vitrine é, também, um armário envidraçado usado para expor objectos que beneficiem de estar resguardados. Pode, então, ser usada em contexto comercial ou residencial.No primeiro caso, a vitrine surge como uma interface entre a loja e o consumidor. As lojas usam-nas para expor os seus produtos, colocando-as em pontos estratégicos e desenvolvendo, a partir delas, uma identidade e uma forma própria de comunicar. A forma como os produtos são apresentados importa. É mais provável que uma vitrine organizada e esteticamente apelativa leve o consumidor a adquirir o produto em questão. Não é por acaso que as lojas apostam em vitrinistas e em especialistas em visual merchandising, uma aposta que se reflecte em mais vendas para as lojas.Por outro lado, temos as vitrines (cristaleiras) utilizadas em contexto residencial ou privado. Neste caso, encontramo-las mais entre os móveis de sala de jantar e nas cozinhas – a guardar louças -, embora também apareçam noutros ambientes com utilizações engraçadas e inesperadas.Embora pouco falado, é um móvel com uma forte vertente prática e decorativa. Venha saber mais sobre ele.Porquê usar vitrines em espaços comerciais?Porque melhoram a organização: as vitrines são uma boa solução de organização, sendo muito úteis para gerir o inventário. Cada conjunto de objectos pode ter a sua própria vitrine como se fosse a sua própria casa (relógios, bijuteria, lenços, etc.).Porque melhoram a segurança: as vitrines permitem que os produtos estejam à vista e, ao mesmo tempo, protegidos e seguros. Não é uma coincidência os produtos mais caros costumarem estar guardados em vitrines. O vidro também evita que as pessoas lhes toquem sem pedir permissão, o que ajuda a preservar os objectos.Porque tornam mais fácil a exposição e valorização dos produtos: é possível criar uma ideia e desenvolver uma história através da forma como se expõem os produtos dentro das vitrines. Sem que seja necessário falar, o vendedor, ao apostar em vitrines criativas, consegue chamar a atenção do consumidor e levá-lo a comprar.Porque possibilitam que se ponha um produto em destaque: os produtos que estão em vitrines ficam mais destacados em relação aos demais, por isso, se quiser chamar a atenção para produtos novos, se estiver a fazer uma campanha ou, pelo contrário, se quiser realçar um produto que esteja a ser difícil de vender, a vitrine é uma boa aliada para o efeito.O que considerar ao escolher uma vitrine para um espaço comercial?Quase todos os espaços comerciais têm vitrines. Encontramo-las em boutiques, em supermercados, em cafés, em lojas, em restaurantes, e assim por diante. Como lhe dizíamos na introdução, as vitrines são excelentes aliadas para expor os produtos e para ajudar a construir um conceito. Se é o orgulhoso proprietário de um espaço comercial, considere alguns pontos antes de escolher as suas vitrines:O estilo do espaço e o público-alvo: as vitrines por si escolhidas devem ir ao encontro do estilo da loja. ­Há vitrines de design clássico, há-as minimalistas, suspensas, de parede, com pé, entre outras. Escolha as que melhor contribuírem para criar a atmosfera desejada e para promover aquilo que comercializa. Tenha, também, em atenção o seu público-alvo. Vitrines muito baixas, por exemplo, funcionam para jovens, mas não para idosos.A disposição da loja: um espaço comercial tem que ser funcional, por isso, as vitrines devem ser estrategicamente distribuídas de forma a não obstruir a circulação. As vitrines de parede são bastante práticas porque não roubam espaço útil à loja, mas se as suas vitrines estiverem espalhadas pelo espaço, certifique-se de que não criam dificuldades de passagem. A ideia é criar corredores que sejam estreitos o suficiente para os consumidores abrandarem e namorarem o produto, mas suficientemente largos para que todos passem (e quando dizemos todos são mesmo todos. Não se esqueça de pessoas com mobilidade reduzida.).Adaptabilidade: se altera com frequência o design da sua loja, deve favorecer uma opção flexível como é o caso das vitrines modulares. Assim, pode mudá-las de sítio facilmente e poupa dinheiro e esforço. Se tiver, por exemplo, uma loja de roupa, pode, facilmente, tirar as prateleiras de uma vitrine modular e substituí-las por um varão para colocar cabides e vice-versa, ou seja, pode ir adaptando a vitrine às suas necessidades e ao seu stock.Funcionalidade: claro que a estética importa, mas não menospreze a funcionalidade! As vitrines suspensas, por exemplo, podem criar uma atmosfera muito bonita, mas se vende um produto que é pesado, não vão funcionar. A vitrine também se tem que compatibilizar com o tipo de produto que comercializa. Por outro lado, se vende produtos frágeis e delicados, deve certificar-se de que a vitrine por si escolhida não vai cair e que não abana facilmente.Vitrines em contexto residencial: que uso lhes dar?As vitrines são móveis com imenso potencial. Há diferentes tipos de vitrines, em estilos diversos e há móveis combinados, ou seja, com uma parte tipo vitrine e uma parte com portas opacas. Seja como for, é uma peça que pode servir muitos propósitos e elevar a decoração de um espaço. Deixamos-lhe algumas ideias sobre como a pode utilizar:Para louças: é, possivelmente, a forma mais comum de utilizar uma vitrine. Se tem um serviço bonito, daqueles que até dá pena estar escondido, então pode considerar arrumá-lo numa vitrine. Assim, fica à vista, mas mantém-se limpo.Para copos e bebidas: aplica-se a mesma lógica aos serviços de copos. Se arrumar os copos e as bebidas na mesma vitrine, o móvel pode até funcionar como minibar privado. Se se tratar de um móvel baixo com portas de vidro, pode também criar um cantinho só para o café e o chá com, por exemplo, uma máquina de café, uma chaleira eléctrica e um tabuleiro bonito na parte superior e as canecas e/ou chávenas na parte inferior, por detrás das portas de vidro. Seria uma boa adição para uma sala de jantar ou cozinha!Para objectos de colecção: é o empenhado colecionador de alguma coisa? Então, temos a certeza de que não quer ver a sua colecção escondida. Arrume-a cuidadosamente numa vitrine e faça dela parte integrante da decoração.Para objectos de decoração variados: a vitrine, só por si, é altamente decorativa, por isso, se tiver uma vitrine bonita, mas nada de especial para guardar dentro dela, use-a apenas para expor uma combinação de objectos de decoração como jarras, vasos, objectos escultóricos, molduras, bandejas, cestinhos, caixas decorativas, coffee table books (estes não são só decoração, mas como são bonitos, são muito usados para o efeito!), entre outros.Para livros: se é um leitor ávido, esta opção é perfeita para si. Uma vitrine dá-lhe a oportunidade de manter os seus livros à vista, ao mesmo tempo que os mantém protegidos do pó.Para plantas: dê vida à sua vitrine com plantas resistentes que se adequem a esta utilização. As suculentas são uma boa opção. É como se tivesse a sua própria estufa caseira!Para toalhas e produtos de beleza ou maquilhagem: uma vitrine numa casa de banho pode funcionar muito bem para arrumar produtos de beleza e de maquilhagem – que, por norma, têm um packaging apelativo – ou para acomodar as suas toalhas (as mais bonitas, claro!).Ao contrário dos outros móveis, as vitrines têm portas de vidro, por isso, o interior deve estar arrumado de forma harmoniosa. Não vale atirar tudo lá para dentro!Restaurar uma vitrine antigaApesar de adorarmos vitrines modernas para sala, restaurar é sempre uma boa opção para quem quer uma peça realmente especial! Além disso, é mais sustentável. Considere dar uma nova vida a uma vitrine antiga! Pinte-a com uma cor clara e alegre, mude-lhe os puxadores e fique com uma peça única e especial em sua casa. Uma vitrine com linhas clássicas ou até rústica pode funcionar muito bem numa decoração moderna, a fazer o contraponto.Onde encontrar vitrines antigas para restaurar?Sugerimos que procure em antiquários, flea markets, lojas em segunda-mão e que pergunte aos seus familiares e amigos se têm alguma que queiram dar ou vender. Pode, ainda, informar-se junto de restauradores que, não raras as vezes, compram estas peças, restauram e põem à venda.Vitrines de paredeAs vitrines de parede funcionam tanto numa loja como numa casa. Para além de valorizarem as paredes – que, assim, estão a ser usadas e saem, também, enriquecidas do ponto de vista decorativo – , ainda evitam que esteja mais um móvel a ocupar espaço útil em casa. No mais, as vitrines de parede, pela originalidade que as define, dão um toque especial a um ambiente. 

Read more
O que é Laje Aligeirada – Vantagens e Desvantagens
April 22, 2022

O que é Laje Aligeirada – Vantagens e Desvantagens

Quando planeamos a construção de uma casa e fazemos um orçamento para ela todos os pormenores contam. TODOS! E são tantos… Escolhas, opções, funções, preços, performances, diâmetros, comprimentos, resistências. As fundações, a estrutura, a cobertura, o isolamento, as canalizações no geral, os sistemas de climatização, os acabamentos um por um. Técnicas e mais técnicas, materiais que nunca parecem ter fim. A construção não é um mundo, é um universo! Quem entra pela primeira vez nesse universo facilmente parece entrar numa realidade paralela e nós sabemos como é fácil sentir-se assoberbado com a quantidade de informação ou com a falta dela. Por vezes, mesmo as indicações dos arquitectos e engenheiros nos parecem ditas num código estranho, que nós não entendemos. Obviamente, a melhor solução será sempre ouvir o profissional que está encarregue do projecto, pois não há propriamente escolhas certas e sim opções correctas para cada situação e para determinados cálculos, mas mesmo assim é fundamental saber do que estão a falar! Por isso fazemos questão de abordar alguns desses aspectos mais em detalhe, com a simplicidade de quem procura a informação numa óptica de total desconhecimento. Neste âmbito hoje falamos-lhe de lajes aligeiradas, uma opção que muitos não conhecem, mas que pode representar uma poupança no orçamento da estrutura da casa. Não pretendemos fazer um artigo técnico, profissional e exaustivo, e nem isso se encontra no nosso âmbito de actuação. Queremos apenas trazer-lhe alguma luz sobre mais um assunto espinhoso de construção. Acompanhe-nos!O que são lajes? Começamos pela base, porque nem todos estudámos engenharia civil, mas todos precisamos de ter clareza nos conceitos de base. Então, chama-se de laje a uma estrutura construída, horizontal e plana, que divide os pavimentos de um edifício. É o elemento estrutural encarregado de transmitir as acções do peso e da pressão para as vigas, e destas para os pilares. A laje pode ser construída em pedra, betão armado ou feita de módulos pré-formados, de betão ou cerâmica, apoiados em vigotas (pequenas vigas de madeira, betão ou pré-esforçado). Tipos de lajes em construção Como já referimos, não vamos entrar em detalhes técnicos, mas impõe-se uma explicação rápida acerca dos tipos de laje mais usados em construção civil. Podemos dividir de modo geral as lajes em três tipos: – a laje maciça, as lajes aligeiradas e as lajes mistas. No que respeita às lajes maciças podemos referir as lajes de betão armado, em que todas as estruturas são formadas no local da obra em betão e ferro; as lajes fungiformes, que se apoiam directamente nos pilares e não têm vigas. No que respeita às lajes aligeiradas temos vários tipos, onde se destacam as lajes pré-formadas, as lajes fungiformes aligeiradas, com as características que referimos anteriormente, mas onde se utilizam também módulos pré-fabricados, e as lajes nervuradas, com nervuras onde se concentram as armações e onde podem ser inseridos os materiais inertes do enchimento, simplificando a forma e deixando a superfície inferior lisa, pronta para lhe ser aplicado o acabamento. O que é laje aligeirada Se depois de todas as explicações anteriores ainda ficou mais confuso, o melhor a fazer é focarmo-nos nas lajes aligeiradas, por serem um método construtivo muito utilizado em Portugal. O que é então uma laje aligeirada? As lajes aligeiradas são lajes totalmente compostas por elementos pré-fabricados. São constituídas por vigotas de betão pré-esforçado e blocos de cofragem, que podem ser feitos de betão ou cerâmicos. Em suma, são uma montagem feita com vigotas e abobadilhas, com uma camada fina de betão por cima para dar resistência e para solidarizar o conjunto. Neste assunto importa também explicar o que são vigotas de betão pré-esforçado, porque são as mais usadas na construção de lajes aligeiradas e muitas vezes até se chama esta laje de laje aligeirada de vigotas pré-esforçadas. Estas vigotas são materiais de betão pré-fabricados que sofreram pré-esforço com fios de aço aderentes que constituem a sua armadura. Por também se conhecer esta laje como laje aligeirada abobadilha, queremos explicar o que são abobadilhas. Abobadilha é o outro nome que se dá aos blocos de cofragem, que referimos na explicação do que é laje aligeirada. Recebem este nome porque têm formas que lembram pequenas abóbadas. Podem ser feitas de cimento, cerâmica ou EPS (esferovite) e cada um dos materiais tem as suas vantagens e desvantagens, que deverão ser esclarecidas pelos responsáveis pelo projecto, se a dúvida lhe surgir. Laje aligeirada vantagens A laje aligeirada tem vantagens, em especial quando comparada com a laje maciça, mas também tem as suas desvantagens. Falemos das vantagens: Proporciona um isolamento térmico eficaz, permitindo o aproveitamento do sótão. Oferece uma significativa redução de custos de construção. Requer menos tempo de execução.            Reduz o desperdício de betão e madeira e outras quebras de materiais. Permite a incorporação do isolamento térmico numa só operação de instalação. Reduz o peso da estrutura do edifício. Pela facilidade de instalação não exige mão de obra tão qualificada. Permitem uma qualidade uniforme devido à pré-fabricação. Laje aligeirada desvantagens Estas vantagens e desvantagens são generalistas e não contemplam soluções específicas. Desvantagens: Esta laje foi pensada para ser utilizada como laje de piso ou de tecto, não estando preparada para aguentar sobrecargas não previstas nos cálculos do projecto, pelo que não permite grande liberdade arquitectónica. As sobrecargas podem gerar fissuras e outros danos estruturais. Pode apresentar menos resistência ao sismo, quando comparada com outras soluções. Por ter menos massa pode apresentar uma pior prestação ao nível do isolamento acústico. As desvantagens da laje aligeirada podem ser contornadas com outras soluções adicionais, como a adição de isolamento específico, ou com lajes mistas, que incorporam dois métodos construtivos. Os preçosO preço por m2 da laje aligeirada depende muito dos materiais utilizados e das marcas escolhidas. A laje será sempre uma parte da estrutura com um peso orçamental relevante por isso não se acanhe em discutir as soluções apresentadas e escolhidas com o seu arquiteto ou engenheiro civil. Nós fomos à procura de preços para comparar e chegámos à conclusão de que um sistema CERÁMICA PASTRANA com placa cerâmica pré-esforçada, de 17 cm de altura, sobre vigas rasas custa cerca de 60,50 Euros. Uma laje aligeirada com abobadilhas de betão, com 40x16x20 cm, e vigotas pré esforçadas custa cerca de 41,17 Euros. Quando comparamos com os 76.70 Euros que custa uma laje maciça de betão armado, horizontal, percebemos que a diferença é bastante substancial e pode ter um forte impacto no seu orçamento. Uma vez mais, é importante ouvir o seu profissional, pois todos os cálculos são feitos por ele e só ele saberá melhor qual é a solução certa dentro do seu orçamento. Aqui apenas apresentamos preços médios e comparativos, que podem não corresponder à realidade do seu caso. (fonte: http://www.geradordeprecos.info).

Read more
5 ideias para decorar a mesa do almoço de Páscoa
April 14, 2022

5 ideias para decorar a mesa do almoço de Páscoa

Louças coloridasPensar em preparar uma refeição para a Páscoa é, necessariamente, considerar a mesa posta, certo? A primeira dica é misturar pratos, copos e acessórios nos tons característicos da data, sempre na paleta pastel. Finalize com jogo americano de tecido e arranjos florais nos mesmos tons pra garantir harmonia visual. Fofo demais!PreciosidadeA Páscoa é uma das festividades mais conhecidas por reunir familiares, valorizar a presença dos parentes mais próximos e da saúde de todos. Mas, em tempos de pandemia, a indicação é celebrar com poucas pessoas. Por isso, um toque de preciosidade pode deixar a decoração da mesa ainda mais charmosa: envolva um ovinho (que pode ser o convencional ou um de chocolate pequeno) com o guardanapo de linho, deixando duas pontas soltas e amarre no centro com um laço ou fio de juta para manter a rusticidade. "Coelhinho da Páscoa, que trazes pra mim..."Centro de mesa decoradoSe você tiver uma mesa maior, com mais lugares, aposte num centro de mesa contínuo para enfeitar o almoço de todos os presentes de uma vez. Misture elementos diversos que remetam à data especial, apostando em madeira, palha e cerâmica para brincar com as texturas da composição.Tipo Natal, só que PáscoaSe não quiser deixar a data passar em branco, mas prefere as referências minimalistas, que tal ums "árvore de Páscoa"? Pegue num vaso com um arranjo de folhas secas, e pendure enfeites de ovinhos feitos de papel. Uma graça!No detalheOutra opção também nos detalhes é escrever mensagens em pequenos papéis e espalhar pelos vasos de plantas da casa, como este aqui de suculenta. Coloque no centro da mesa um conjunto deles, arremate com o laço vestido et voilà!

Read more
18 ideias para um hall de entrada mais bonito
April 08, 2022

18 ideias para um hall de entrada mais bonito

Quando falamos da primeira impressão que nos causa algo que vemos, seja um edifício, uma casa ou até uma pessoa, sabemos que ela pode perdurar na nossa imaginação para o bem e para o mal por algum tempo. Se tem uma casa nova, certamente saberá que a fachada foi estudada de forma a valorizar o edifício, com detalhes que sobressaem. O hall de entrada da casa, o espaço com o qual os seus convidados se deparam mal lhes abre a porta, também deve ser projectado com cuidado para que possa receber as pessoas sem ter que se mudar automaticamente para a casa propriamente dita. Este é um espaço de que deve cuidar e que representa ainda o cartão de visita para quem chega ou para si quando regressa a casa depois de um dia de trabalho. Este ambiente deve ser acolhedor e exibir uma decoração pensada que dependerá sempre do estilo da casa e do espírito da família, seja ele sóbrio e elegante ou alegre e despojado. 1. A cor como contraste A decoração da entrada de sua casa vai, em muito, depender do espaço que tem à disposição. 2. A atracção pela simplicidade Um hall de entrada sofisticado, com muita personalidade, não necessita de estar pleno de detalhes decorativos. Nestes casos, podemos dizer que menos é mais: encontre na simplicidade a chave para o seu projecto. Por exemplo, uma planta bonita, um quadro na parede, um banco simples de madeira e tem um espaço elegante que será do agrado de todos que dele usufruírem. 3. Relaxamento cromático Se o seu interesse é criar uma entrada que transmita paz e tranquilidade, utilize os conhecimentos da influência da cor nos estados de espírito das pessoas. Opte por uma paleta de cores, entre quadros e têxteis, em que os tons pastel muito claros sejam os de maior destaque. Se, pelo contrário, decidir que a sua entrada deve ser alegre e viva, escolha cores vibrantes e que se destaquem. O importante é que não misture, no mesmo espaço, as duas tendências referidas. 4. Se lhe interessa o descanso Se o espaço da entrada é amplo, aproveite-o para lhe dar mais do que uma função. Colocando duas poltronas que estejam de acordo com o estilo decorativo da casa, estará a convidar ao descanso e a um momento de relaxamento.  5. Flores e luz natural A simplicidade da luz natural aliada a plantas e flores naturais, ajudam a colorir a sua casa. 6. O aconchego da madeira Em qualquer divisão da casa onde coloque madeira, tem como garantido um estilo e um aconchego excepcional. Uma combinação que não pode faltar na decoração: madeira natural e branco. 7. Aspecto campestre No que se refere ao estilo decorativo, quem tem a última palavra na escolha são sempre os proprietários da residência. O estilo campestre, pode resultar num ambiente muito agradável para a entrada da casa.   8. Cores neutras As cores neutras, na sua paleta completa, são muito eficazes e ficam bem em qualquer ambiente. Oferecem uma sensação de amplitude, melhoram o aspecto luminoso do espaço e podem ser combinadas com alguns detalhes de cor contrastante. 9. Todas as cores Como dissemos anteriormente, as cores e tons que se usam na entrada dependem muito do estilo de vida e do carácter de quem habita a casa.   10. Separando espaços Não só de casas, mas também de escritórios, lojas, etc. 11. Em cor de café A predominância da cor de café, combinada com os diferentes tons nos objetos, fazem do hall de entrada um espaço acolhedor e confortável. 12. Com dupla altura A dupla altura que se forma entre a planta baixa e a planta alta da casa é um detalhe que acentua as proporções do hall de entrada. Na decoração do hall, os tons neutros e pastel são os que predominam no ambiente, oferecendo claridade e amplitude.  13. Austero e simples O tapete é, neste corredor da entrada, o elemento que define o estilo de decoração, com desenhos geométricos de linhas negras que rompem o branco do resto do ambiente. 14. Listas em tons neutros Da cortina ao sofá, passando pelo tapete, as riscas de cores neutras que predominam no hall de entrada definem o espaço. A simplicidade é a marca da casa com linhas e têxteis confortáveis. 15. Com madeira A madeira é interessante pois pode ser aplicada no piso como em mobiliário.   16. Composição em linha junto à parede É necessário selecionar algum elemento que vai demarcar a zona decorada/repouso da zona de passagem para o interior da casa. 17. Apenas com máscaras Marcando a entrada, como se estivessem a guardar a casa, estão duas máscaras que acrescentam dramatismo à decoração. As máscaras encontram-se suspensas em nichos, o que lhes dá particular relevo, a par com uma iluminação engastada nos mesmos. Fica a ideia. 18. Uma planta a dar as boas-vindas O espelho a cobrir parte da entrada, o branco, o banco em madeira no mesmo tom do piso, todos estes elementos são realçados pela presença da planta ornamental que engalana a entrada e surge reflectida no espelho.

Read more
Do you want to renovate your home? We can help you!
If you want a quote, send us a message.

Follow us on social networks