Os materiais mais indicados para revestimentos de cozinha
sexta, 28 de setembro de 2018 Homify Sílvia Cardoso JDias

Escolher os materiais para revestir a cozinha é uma decisão importante. Para além do aspecto estético, é essencial que os materiais sejam resistentes, práticos e, se possível, com uma boa relação qualidade-preço. Quando se constrói ou remodela uma casa, deve-se prever uma boa parte do orçamento para a cozinha, a divisão que sai mais cara por tudo o que inclui: armários, revestimentos, electrodomésticos, instalação eléctrica e hidráulica, entre outras coisas. Se puder, invista bem na cozinha para que esta se conserve em bom estado e não tenha, a curto-prazo, que estar a fazer alterações. 

Há uma panóplia de materiais disponíveis para revestir a cozinha, pelo que, não obstante o nosso artigo, deve sempre aconselhar-se junto de um designer de cozinhas. Cada material tem as suas vantagens e desvantagens que devem ser ponderadas aquando da escolha. Entre os materiais mais populares estão o granito, o mármore, o azulejo cerâmico ou a madeira. Mas há mais, tanto para os balcões como para as paredes.

Hoje, fizemos-lhe uma lista de oito. Veja quais são!

​1. Granito

Não podíamos iniciar o nosso artigo de outra forma. O granito é, sem sombra de dúvida, um dos materiais mais populares para revestir a cozinha, aparecendo, designadamente, nas bancadas. Entre os tipos de granito existentes no mercado, destacaríamos o granito em laje, o granito em mosaico e o granito modular. O granito em laje é fabricado e personalizado em fábrica, sendo, posteriormente, instalado no espaço desejado. Por ser pesado, requer instalação profissional. O granito em mosaico é mais barato, embora também de alta qualidade. Porém, como a textura é menos uniforme, é mais difícil limpá-lo, o que o compromete em termos de manutenção. O granito modular, como o próprio nome sugere, é produzido em módulos. Desta forma, a bancada de cozinha é feita a partir de peças pré-cortadas. O preço é intermédio.

Entre as principais vantagens está a estética apurada e a transversalidade no que toca ao estilo. Além do mais, é resistente à água, ao fogo e calor, a arranhões, a manchas e a todos os outros agentes de desgaste normais numa cozinha. É, ainda, um material muito fácil de limpar. O preço é relativo. Há pedras mais caras do que outras, mas como, hoje em dia, é distribuído largamente, estamos certos de quem encontrará opções acessíveis.

E as desvantagens? Quais são? Ora, por muito resistente que seja, o granito deve ser selado periodicamente para não manchar. Na maior parte dos casos, não dispensa instalação profissional. Deve, igualmente, ter cuidado com a limpeza. Evite produtos químicos demasiado abrasivos. Por fim, mas não menos importante, como se trata de um material pesado, pode ser necessária uma estrutura de suporte adicional.

​2. Mármore

O mármore é uma pedra natural também muito requisitada para a cozinha. Pode ser usada na bancada, nas paredes e até nas superfícies de uma ilha central. Trata-se de um material que empresta luxo a qualquer espaço onde se insira, ainda que tenhamos que reconhecer as suas limitações num ambiente de alto uso como a cozinha. Afinal de contas, é poroso pelo que deve ser cuidadosa e repetidamente selado quando usado para revestir as bancadas. Tal como o granito, o mármore também pode ser adquirido em laje, em mosaico ou em peças modulares. O mármore em laje é, no entanto, a melhor escolha.

O aspecto belo e único do mármore está entre uma das principais vantagens. As veias que o percorrem não se repetem, pelo que cada peça é única. Ao mesmo tempo, e como já mencionado, é um material poroso que deve ser selado. No mais, risca com relativa facilidade e é, por norma, caro, apesar de o preço variar (quanto mais branco for o mármore, mais custoso será).

Se, ainda assim, não abre mão de incluir este material na cozinha, então, em vez de o usar nas bancadas, use nas superfícies menos sujeitas a agressões como as paredes ou as laterais de uma ilha ou península.

​3. Madeira

A madeira jamais deixará de ser um material popular na construção e decoração de uma casa. Encontramo-la no exterior, no interior, no mobiliário e até nas peças de decoração. Na cozinha, como não podia deixar de ser, é usada amiúde, sobretudo agora que o estilo nórdico é tendência. A madeira oferece uma enorme sensação de conforto a qualquer que seja o espaço, para além de se adequar a diferentes estilos, do rústico ao moderno.

É, acima de tudo, um material amigo do ambiente (pode usar madeira reciclada e pode ser reciclada um dia mais tarde). Além disso, existem tantos tipos de madeira que não é difícil encontrar um que se encaixe no seu espaço, orçamento e gosto pessoal. À semelhança do mármore, a madeira também tem as suas próprias características com veios e nós a atravessá-la, o que significa que cada superfície é única.

Por outro lado, a madeira deve ser sempre tratada com óleos que a protejam da água e de outros agentes que a possam danificar. Se a água ficar demasiado tempo sobre o balcão, a madeira absorve-a a escurece. Os óleos, para além do mais, também lhe dão um aspecto brilhante e bonito já que a madeira pode perder cor, sobretudo se estiver exposta ao sol. É, também, facilmente sujeita a riscos e arranhões. Use sempre tábuas para cortar os seus alimentos.

​4. Aço inoxidável

Sabe as cozinhas dos restaurantes onde o aço inoxidável é o material protagonista? Ora, temos-lhe a dizer que este material já não é apanágio destas cozinhas, podendo, hoje em dia, ser encontrado em muitas cozinhas caseiras. É, por norma, pré-fabricado para que seja possível determinar as medidas. Depois, é instalado por profissionais especializados.

E por que é que o aço inoxidável é o material de eleição nestas cozinhas? Acima de tudo, porque é extremamente durável, resistente a germes e muito sanitário. Tudo o que se quer numa cozinha, certo? É certo que o aço inoxidável tem um aspecto frio, mas isto não significa que a sua cozinha se torne desconfortável: tudo depende da forma como conjugar os materiais.

O preço é a principal desvantagem. O aço inoxidável é uma opção cara para a bancada (até mesmo proibitiva para muitas famílias). Requer mão de obra especializada que pode ser difícil de encontrar. Porém, é uma excelente escolha para uma cozinha de topo.

​5. Azulejo cerâmico

A cerâmica é sempre bem-vinda numa cozinha. Não aparece tanto nas bancadas, mas sim nas paredes, sobretudo na parede backsplash (a que está entre os armários inferiores e superiores). As telhas cerâmicas aderem a uma base de argamassa fina. Como os azulejos formam juntas, não são indicados para as bancadas sob pena de a manutenção se tornar complicada.

O azulejo cerâmico é uma escolha acessível e de instalação relativamente fácil. Existem peças de cerâmica de todas as formas, cores e estilos, pelo que será fácil encontrar os azulejos ideais para sua cozinha. Para além disso, há peças de cerâmica a imitar o acabamento de materiais como a madeira ou a pedra.

No que às desvantagens concerne, sublinhamos a dificuldade em limpar as juntas e a possibilidade de uma das peças se partir ou rachar sem que seja possível reparar. O mais normal é ter mesmo que se substituir.

Os revestimentos de cerâmica mais em voga actualmente são o mosaico hidráulico e o azulejo tipo parede de metro. Saiba mais sobre eles abaixo. 

​5.1. Mosaico hidráulico

Com as suas cores e padrões, o mosaico hidráulico faz a diferença numa cozinha. Pode aplica-lo no chão ou na sua parede backsplash para dar um novo élan ao espaço. Os mais arrojados podem apostar em cores alegres e os mais discretos optar por padrões bonitos pintados em tons sóbrios. Há-os para todos os gostos. O mosaico hidráulico é fabricado em cimento pigmentado num molde trabalhado com uma prensa hidráulica. Nos anos ’70, foram muito populares. Agora regressaram e parecem estar para ficar!

5.2. Azulejo tipo parede de metro

Têm este nome porque ficaram conhecidos por revestir as paredes do metro nova iorquino no decorrer do século XX. São azulejos rectangulares que podem ser aplicados na horizontal, na diagonal e na vertical. Os originais são brancos, mas, hoje em dia há noutros tons, com relevo e em dimensões distintas.

​6. Pedra-sabão

Não tão popular como o mármore ou o granito, a pedra-sabão é usada como revestimento na cozinha há muitos anos. É, usualmente, encontrada em tons de cinza ou branco e, em termos de dureza, está algures entre o granito e o mármore, sendo menos porosa do que este último. Trata-se de um material bonito que complementa, facilmente, outros materiais sem os ofuscar. Encontramo-la, essencialmente, em tons de cinza e branco.

A pedra-sabão (também conhecida como pedra de talco ou esteatito) proporciona aos espaços uma sensação de aconchego devido à grande quantidade de talco existente na sua composição. Adequa-se especialmente a cozinhas rústicas ou onde se pretenda criar uma atmosfera à moda antiga e é uma escolha que sobressai pela originalidade.

É, no entanto, uma pedra cara - mais do que o granito – que deve ser selada periodicamente. Em termos de cor, está limitada aos cinzas e brancos.

​7. Cimento

Não era a escolha mais usual até há pouco tempo. Hoje em dia, está na moda e encaixa-se especialmente em espaços modernos, minimalistas ou de laivos industriais – embora não seja apanágio destes estilos. É, normalmente, fabricado e aplicado in loco por um especialista. Depois, pode ser personalizado em termos de cor ou textura e apresentar uma superfície brilhante ou mate. 

Uma coisa é certa: o cimento aparente numa cozinha será sempre um material de encher o olho. A isto junta-se o facto de poder ser moldado de forma a adaptar-se a todos os tamanhos. Por contra, é um material pesado que deve ser manuseado e instalado por quem sabe. Tal como outros materiais de que já aqui lhe falámos, também deve ser selado para não estar sujeito a infiltrações.

​8. Ardósia

Terminamos com a ardósia, muito utilizada para revestir as bancadas. A ardósia é extraída da natureza, cortada no formato pretendido e instalada. É um material com bastante qualidade, não muito poroso e muito resistente a manchas. Tem uma cor bonita, que percorre o cinza escuro e o preto, embora também exista com reflexos em verde ou rosa. A ardósia é durável e, regra geral, mais barata do que o mármore, o granito ou a pedra sabão. A textura mate e arenosa pode não se adequar a todas as cozinhas. Mesmo assim, é uma excelente escolha com poucas desvantagens.

Este website usa cookies para melhorar a navegação dos nossos utilizadores. Ao navegar no site está a consentir a sua utilização. Fechar ou Saber Mais