Tudo o que sempre quis saber sobre arquitetura – e não sabia a quem perguntar!
sexta, 02 de fevereiro de 2018 Homify Elisabete Figueiredo Jdias

Está prestes a embarcar na aventura de uma vida que é a construção de uma casa? Quem sabe, a preparar a recuperação de um antigo edifício, herança de família? Ou mesmo a ultimar os preparativos para a compra da sua casa? Parabéns, isso significa que caiu em cheio no maravilhoso mundo da arquitetura!

Mas nós sabemos como a entrada num território desconhecido pode ser difícil… Tantos estilos diferentes, arte e técnica, jargões complicados, nomes e influências podem deixar qualquer um à beira de um ataque de nervos, sobretudo se nunca se interessou pelo assunto.

Aqui vai saber o que é, e como nasceu a arquitetura, conhecer os estilos principais, descobrir um pouco da obrigatória ligação desta arte à engenharia civil e à construção, conhecer o panorama nacional e muito mais! Acompanhe-nos!

1 – O que é a arquitetura?

Esta parece uma pergunta de resposta simples, afinal todos nós temos uma vaga ideia… Uns dizem que é desenhar casas, outros que é ’planear construções, há quem ache que é uma arte, como o desenho, a pintura ou a escultura. As opiniões variam, mas quem está certo? Nós respondemos: – todos!

Desde a construção dos primeiros abrigos, depois da saída das cavernas, que a arquitetura tem estado sempre presente em cada passo da humanidade, evoluindo e caminhando para que esses abrigos se lhe tornem cada vez mais adaptados. Nessa evolução a sua ação ampliou-se, passando a incluir tudo o que esses abrigos contêm e tudo o que os rodeia, seja a paisagem natural ou a urbana, ou até numa escala maior, o território.

A palavra arquitetura vem da junção de duas palavras gregas : – arkhé e téhkton, que significam principal e construção, respetivamente, e refere-se a todo o processo de conceção de projetar e construir toda a envolvente habitada pelo ser humano. E sendo assim é um conceito amplo, que envolve múltiplas disciplinas para se desenvolver.

Desenhar algo implica preparação em arte e desenho, mas fazê-lo para que esse desenho se transforme em algo estável e seguro requer muito mais. Um arquiteto precisa de muita preparação em matemática, física, e obviamente acompanhar todas as tecnologias construtivas para encontra as melhores soluções. E não podemos esquecer que a arquitetura serve o Homem desde a sua alvorada, e por isso precisa ciências como a sociologia, a filosofia, a política e até a história.

Demasiadas coisas? É para isso que o curso de arquitetura é uma licenciatura de cinco anos e que a profissão de arquiteto, para ser bem sucedida, está sujeita a permanentes atualizações.

1.1 – O estilo e as escolas

Quando pensamos em arquitetura pensamos quase imediatamente em estilo arquitetónico como sendo um conjunto de características construtivas e estéticas que agregam vários edifícios em grupos estanques que partilham essas características. Mas na realidade, esta ideia compartimentada e estanque não é totalmente correta… Se fosse assim as regras estariam sempre associadas a esse estilo em específico, o que seria muito redutor e impraticável, porque a mistura que leva à evolução não existiria. Por isso hoje em dia, sobretudo no meio profissional, o termo estilo caiu em desuso e passou a utilizar-se o termo escola ou momento histórico para designar esses conjuntos de tendências que marcam uma época ou estabelecem pontos de viragem. Ainda assim o temo estilo é usado entre os profissionais para designar a expressão individual de um arquiteto em particular, e claro, em termos leigos, para distinguir as diferentes correntes.

2 – Qual é a relação entre arquitetura, engenharia civil e construção?

Neste ponto a confusão instala-se! Um arquiteto ou um engenheiro civil? Para a construção da minha casa preciso de qual? E como interagem com os construtores? Estas parecem questões de resposta fácil, mas na realidade não é bem assim… Afinal é sabido que muitas vezes os engenheiros civis fazem plantas de casas, e que os arquitetos também acompanham obras.

Quais são então as semelhanças e as diferenças?

2.1- O arquiteto

Um arquiteto é um profissional licenciado com bases académicas em áreas tão distintas como a matemática, a sociologia ou a história, e competências vastas no desenho e planificação de edifícios. Ele vai ser responsável pelo desempenho da estrutura no seu todo, desde as fundações até ao telhado, e também pelo seu aspeto exterior, estando perfeitamente habilitados a fazer qualquer alteração necessária a essa estrutura. Este profissional O arquiteto pode também assumir as funções de arquiteto de interiores, encarregando-se de projetar o estilo e o layout dos interiores de uma casa, fazer projetos de iluminação, e estão muitas vezes envolvidos nas escolhas estéticas e funcionais para os espaços, bem como na sua distribuição espacial, mas o mais normal é haver nos gabinetes profissionais das duas áreas que trabalham em conjunto para lhe fornecer uma resposta mais completa, sobretudo quando se tratam de reformas extensas.

2.2 – O engenheiro civil

A formação académica do engenheiro civil é mais voltada para os aspetos práticos do que para o conceito estético, e a sua licenciatura inclui disciplinas como a matemática e a física. Isto capacita-o para efetuar com rigor os cálculos necessários para concretizar a visão do arquiteto com segurança, o acaba por ligar o engenheiro civil mais à parte da conceção da estrutura dos edifícios. Este profissional analisa as forças e cargas a que a estrutura estará sujeita, avalia a capacidade de suporte do solo do terreno, aponta o tipo de fundações necessárias e dimensiona a estrutura da obra, efetua os cálculos de dimensionamentos e quantidades de colunas de suporte, prevê a distribuição das cargas para cada ambiente e indica o tipo de materiais a serem utilizados na obra. Muitas vezes também é responsável pelo projeto de águas, esgotos e eletricidade. Certifica-se de que tudo é feito segundo o especificado nas normas técnicas através de um acompanhamento regular da obra.

2.3 – O construtor civil 

Os construtores são uma das equipas que integram a construção de um edifício, seja qual for a sua utilização. São os responsáveis por pôr na prática o planos que resultam dos desenhos feitos pelo arquiteto e dos cálculos efetuados pelo engenheiro civil. Normalmente as equipas de construção são coordenadas pelo empreiteiro, que acaba por ser o responsável por garantir que todas as equipas (construtores, canalizadores, eletricistas… ) cumprem com o especificado e pedido no projeto, sempre sob a supervisão do engenheiro civil.

3 – Arquitetura portuguesa – do Algarve a Trás os montes

A arquitetura em Portugal é o produto eclético de séculos de evolução, e por isso rica em formas e influências. No campo ou na cidade, mais refinada ou perfeitamente rústica, a arquitetura portuguesa típica sempre teve uma vertente muito prática, para fazer face às agruras do clima e proporcionar as melhores condições de vida aos seus habitantes, longe da existência de arquitetos, que se dedicavam a grandes obras como palácios ou catedrais.

Com simplicidade e uma grande ligação ao meio envolvente, essas casas típicas, construídas de materiais naturais das regiões onde se localizam, marcam a paisagem de norte a sul, caracterizando muito bem cada região. Claro que também temos as grandes obras de que falámos anteriormente, com estilo refinados e ostensivos, como o gótico e o manuelino, e um vasto património de arquitetura religiosa, mas hoje debruçamo-nos sobre a arquitetura habitacional, mas modesta mas igualmente fascinante.

3.1 – O Algarve – influências vindas de sul.

Começamos a sul, com as suas casinhas brancas caiadas e as suas chaminés tradicionais. Aliás a chaminé assume uma importância estética bastante proeminente em toda a arquitetura tradicional portuguesa, aumentando de imponência no Alentejo, e atingindo o seu expoente nas chaminés algarvias, trabalhadas e muito decorativas. As casas tradicionais algarvias são brancas, para refletir a intensa luz solar e manter a temperatura interior, e a sua cal é anualmente renovada como prova dedicação e vaidade. As faixas coloridas que emolduram as portas e janelas unem estas construções às Alentejanas, mas os materiais e as formas variam consoante a região onde se inserem, desde o xisto e a grés vermelha da Serra do Caldeirão, até ao granito da zona de Monchique.

Os telhados são de telha moura ou portuguesa, e no litoral as açoteias dominam, com o seu ponto mais alto no mirante, pensado para ver os barcos a chegarem da faina

A arquitetura algarvia tem fortes influências da arquitetura árabe, mourisca, ou não tivesse o Algarve sido o último reduto dos mouros em Portugal. Essa influência é visível nas referidas açoteias, nas platibandas decorativas a rematar a casa e nas próprias chaminés rendilhadas, mas também nos interiores, em azulejos, gelosias e decorações.

3.2 – O Alentejo – Muito frio, muito

A ausência de piso superior e as paredes caiadas com a sua tradicional faixa azul são típicas destas paragens, em que a arquitetura se funde com a planície e os materiais e as formas se adaptaram ao clima.

Tradicionalmente as casas rurais típicas alentejanas eram feitas em taipa ou adobe, aproveitando os materiais naturais que a terra escaldante proporcionava. A parede de terra tinha uma excelente massa térmica e mantinha a casa, fresca no verão e quente no inverno, resistindo às fortes amplitudes térmicas. Nas últimas décadas estes métodos de construção foram quase esquecidos, e substituídos pelo tijolo furado simples e pelo betão que são bons condutores de calor, o que fez perder a eficiência energética e fez disparar a necessidade de aquecimento adicional e os subsequentes gastos energéticos.

Atualmente há uma forte tendência de recuperar técnicas e estéticas, atualizando-as e trazendo-as para a modernidade, sobretudo no que se refere às superfícies envidraçadas que eram tradicionalmente pequenas e que têm vindo a ganhar cada vez mais relevância na fachada, num tradicional moderno, mas que se não for muito bem planeado pode pôr em causa a eficiência energética da construção.

3.3 – A casa portuguesa

A casa portuguesa foi a resposta de vários arquitetos e pensadores dos finais do século XIX à invasão de influências estrangeiras na arquitetura, que se traduzia em chalés alpinos ou casas góticas em plena cidade do Porto ou em Cascais. É no fundo um movimento cultural nacionalista, que veio criar uma estética de influências campestres e românticas que associavam à nossa identidade como nação rural. 

Bastante controverso e debatido, este tema influenciou, e ainda influencia hoje em dia, a produção arquitetónica no nosso país, gerando habitações pitorescas com telhados de telha vermelha e beirais mais ou menos proeminentes, portas adornadas, molduras em várias dimensões da fachada, portadas e alpendres.

3.4 – Interior centro e norte – a fiabilidade monolítica do granito

No norte a paisagem tinge-se de cinzento e castanho do granito que constitui o esqueleto infalível das casas. Mais do que noutras regiões do nosso país as casas são autênticas fortalezas, ninhos que recebem no seu calor e protegem o Homem dos agrestes elementos. O lado prático das construções gerou casas pequenas, de exíguos compartimentos, muitas vezes com dois andares em que a escada formava um coberto ou alpendre, e o rés-do-chão, a loja, servia de curral para os animais e armazém para alimentos e alfaias agrícolas. Quando não havia dois andares (características mais prevalente mais para Trás-os-Montes ou em casas mais ricas) as casas eram térreas e tinham um logradouro murado, chamado de pátio, com uma área coberta, e que tinha a mesma serventia da loja.

Atualmente estas casas cheias de história e de alma estão a ser recuperadas, preservando a sua estética, mas atualizando os interiores, tornando-se em habitações espetaculares.

4 – Arquitetura moderna – a preferida para construção em Portugal

4.1 – Como surgiu

O conceito de arquitetura moderna é um conjunto lato de características com origem em várias escolas, conceitos e profissionais, como a Bauhaus, na Alemanha, o conceito do famoso arquiteto Le Corbusier, em França, e o de Frank Lloyd Wright nos Estados Unidos.

Esta corrente assenta no corte radical com os padrões de ornamentação puramente estética do passado e teve duas vertentes reconhecidas: a “International Style”, europeia, e a “Arquitetura Orgânica”, americana. Embora diferentes no resultado, ambas tiveram como base a eliminação da ornamentação e da complicação para reverter numa arquitetura mais pura, geométrica e simples. Os edifícios abriram-se e tornaram-se mais económicos, mais úteis, mas também mais despojados e com algo de industrial, fruto da época que se vivia.

A casa moderna torna-se assim simples e despojada, quase austera, focada na funcionalidade, e definida pelas máximas “Menos é mais”, do arquiteto Mies Van der Rohe, e “A forma segue a função” de Louis Sullivan.

Atualmente as regras são um pouco menos rígidas, e há diversos tipos de arquitetura moderna, sendo até possível modernizar o interior de uma casa construída em qualquer outro estilo, porque a modernidade não se limita à fachada, ou à forma da construção, também os interiores têm a sua própria modernidade…

4.2 – Os princípios

Baseados nos princípios da arquitetura moderna segundo os seus fundadores, os modernos edifícios portugueses têm linhas simples, geométricas e depuradas, grandes aberturas envidraçadas, telhados planos e ambientes amplos interligados.

O mobiliário adquire a mesma pureza das linhas arquitetónicas e acompanha a máxima funcionalidade aliada a uma estética simples e funcional. A compartimentação da construção mais clássica desaparece, não só nas novas construções, mas também nas antigas casas renovadas. Os ambientes tornam-se mais fluidos e luminosos, promovendo uma vida familiar mais estreita. 

E é por isso que os portugueses gostam tanto da arquitetura moderna, sendo mesmo o estilo mais escolhido para as novas construções. O apelo da simplicidade conjuga-se com alma lusa, casa com a arquitetura simples e funcional tradicional do nosso país, acabando por criar habitações com linhas atuais mas com o mesmo espírito de ninho das casas antigas, pesem embora as diferenças estruturais e estéticas.

5 – Arquitetura alternativa – o futuro é hoje?

Já ouviu falar das casas contentor?

São uma das muitas arquiteturas alternativas que a atualidade nos trás… São casas espetaculares fabricadas com contentores de navios, forrados e adaptados para servirem de compartimentos para habitação. Mas há mais! Desde hotéis cápsula, pequenas unidades onde é possível passar uma noite confortável a um preço mais baixo no Japão, até edifício autossustentáveis, a arquitetura oferece as suas mil faces para servir cada vez melhor o ser humano nas suas necessidades em constante evolução.

E as casas pré-fabricadas modulares podem incluir-se neste categoria de arquitetura alternativa, apesar de já serem relativamente comuns e cada vez mais rigorosamente produzidas para oferecerem as condições mais fiáveis, pois apresentam-se ainda hoje em dia como uma alternativa à arquitetura der construção mais tradicional.

6 – E a arquitetura paisagística entra onde?

É outro tipo de arquitetura, mas não deixa de complementar a arquitetura de edifícios na criação do ambiente edificado perfeito.

A arquitetura paisagística planeia e intervém nos exteriores das construções, englobando tudo que interfere na paisagem que as envolve, projetando espaços que valorizam a relação entre as pessoas e a natureza. E se lhe parece que esta atividade é apenas uma subsidiaria da jardinagem, esqueça!

Estes profissionais necessitam de conhecimentos de jardinagem sim, mas também de biologia, arte, topografia e geologia, entre vários outros, sendo responsáveis por conseguir uma simbiose perfeita entre os elementos artificiais construídos e a paisagem natural, mas também pela paisagem urbana que envolve as áreas edificadas.

Este website usa cookies para melhorar a navegação dos nossos utilizadores. Ao navegar no site está a consentir a sua utilização. Fechar ou Saber Mais